História da Igreja
Mischa Markow
anterior seguinte

“Mischa Markow”, Tópicos da história da Igreja

“Mischa Markow”

Mischa Markow

No período de 15 anos, depois de ser convertido e se tornar um dos primeiros membros da Igreja na Europa Oriental, Mischa Markow (1854–1934) serviu duas missões em países hoje representados por Hungria, Rússia, Romênia, Bulgária, Turquia, Sérvia, Croácia, Alemanha, Bélgica e Letônia. Sua pregação e os subsequentes batismos estabeleceram a base de vários ramos que, no início do século 21, tinham crescido para quase 350 congregações, com mais de 80 mil membros.1

Fotografia de Mischa Markow, por volta de 1903.

Criado no cristianismo ortodoxo oriental por pai sérvio e mãe romena, Markow aprendeu a arte de barbear e aplicou esse ofício para financiar uma peregrinação aos santuários ortodoxos em Jerusalém e em Alexandria no Egito, em 1886. Ele começou a estudar a Bíblia e sentiu a necessidade de procurar a verdadeira igreja de Jesus Cristo, decidindo visitar Constantinopla, onde poderia estudar várias igrejas protestantes.

Em outra parte do Império Otomano, o missionário santo dos últimos dias Jacob Spori sonhou que ensinava um homem em Alexandria, por isso foi visitar a cidade à procura do homem que aparecera em seu sonho. Sua busca falhou e ele embarcou em um navio para retornar a Constantinopla. No navio, ele conheceu Markow. Quando Spori começou a lhe pregar o evangelho, Markow sentiu como se aquele homem fosse um anjo. Markow não sabia que estava falando com o primeiro missionário santo dos últimos dias a pregar no Império Otomano.

Outros dois missionários que tinham sido chamados recentemente para a Missão Turca, Ferdinand Hintze e Joseph Tanner, juntaram-se a Spori e Markow em Constantinopla. Hintze batizou Markow no Mar Negro em 1887. Markow retornou para sua cidade natal, Srpska Crnja, que pertencia na época ao Império Austro-Húngaro.2 Um ano depois, Hintze pediu que Markow se unisse aos santos em Utah, mas Markow insistiu que não iria a Sião sem antes pregar e batizar na Europa. Fiel a sua promessa, Markow pregou na Bélgica, ensinou e batizou uma família e, então, imigrou para Utah.3

Depois de quase dez anos em Utah, Markow voltou para a Europa oriental em sua primeira designação oficial como missionário da Igreja.4 A experiência com muitos idiomas do leste europeu fez dele um missionário ideal para apresentar o evangelho nos impérios Austro-Húngaro, Russo e Otomano, mas limitações legais na liberdade religiosa prejudicaram seus esforços. Três meses depois de começar a pregação na Sérvia, Markow foi banido do país. Na Hungria, oficiais do governo o acusaram de anarquia e o levaram à prisão por pouco tempo antes de o expulsarem. Na Romênia, Markow batizou dez pessoas antes de novamente ser expulso. Ele pregou brevemente na Bulgária em 1900, até ser banido.5

Proibido de pregar em quatro países, Markow viajou em um barco na direção oeste do rio Danúbio e orou pedindo inspiração. Em sua autobiografia, ele escreveu que sonhou que estava pregando em Temesvár, Hungria (agora Timisoara, Romênia). Em Temesvár, Markow vivenciou grande sucesso. Um grupo minoritário na cidade, constituído de católicos que falavam alemão, buscava ansiosamente por orientação espiritual. Markow e outro missionário batizaram aquele grupo e organizaram um ramo entre eles antes de Markow ser novamente designado para a Alemanha, onde trabalhou até voltar para Utah, em 1901.6

Em 1903, Markow retornou à Europa para servir outra missão. O apóstolo Francis M. Lyman, que voltara recentemente de uma viagem a vários países, entre eles a Rússia, chamou Markow para investigar a possibilidade de pregação no Império Russo. No final daquele ano, Markow chegou em Riga (agora Letônia), onde três famílias pediram para serem batizadas. Antes que Markow pudesse realizar as ordenanças, no entanto, recebeu uma intimação judicial. Para não correr o risco de ser preso ou sofrer outra expulsão, ele decidiu deixar o país. Depois de conversar com Lyman, Markow foi para a Turquia, pregando pelo caminho.7 Ele voltou para Utah em 1905, onde trabalhou como barbeiro até sua morte em 1934.8

Tópicos relacionados: Crescimento da obra missionária, Missão turca.

  1. Ver “Fatos e estatísticas: Europa”, Sala de Imprensa, em mormonnewsroom.org/facts-and-statistics.

  2. Kahlile B. Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, Provo, Utah: Brigham Young University Press, 2002, pp. 5–8.

  3. Na Bélgica, Markow ensinou e batizou a família Esselmann; em seguida, ele imigrou para Utah em 1892. Ver Matthew K. Heiss, “Wherever I Went, I Preached the Gospel”, em Richard E. Turley Jr., ed., Behold, There Shall Be a Record Kept among You: Collections of the Church History Library of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, Salt Lake City: Biblioteca de História da Igreja, 2009, p. 56; Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, pp. 352–356.

  4. Em Utah, Markow se casou com Jonetha “Nettie” Hansen, e o casal teve três filhos.

  5. Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, pp. 9, 358–364.

  6. Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, pp. 9–10.

  7. Ver tópico Missão turca. Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, pp. 32–34.

  8. Mehr, Mormon Missionaries Enter Eastern Europe, p. 346.