Guias e chamados
Utilizar Métodos Eficazes
anterior seguinte

Lição 8

Utilizar Métodos Eficazes

Parte 1

Objetivo

Ajudar os participantes do curso a escolher métodos didáticos e usá-los com eficácia.

Nota para o Professor

A qualidade do ensino e aprendizado do evangelho melhora quando os métodos são escolhidos com cuidado e usados de forma eficaz. Os professores devem selecionar métodos que (1) ajudem os alunos a adquirir uma compreensão clara e memorável dos princípios e doutrinas do evangelho e (2) sejam adequados ao tema da lição e à faixa etária da turma.

Nesta lição e na próxima, os alunos aprenderão sobre os seguintes métodos didáticos fundamentais: usar atividades com objetos, comparações e o quadro-negro, contar histórias, fazer perguntas e realizar discussões.

Preparação

  1. Estude a seção deste livro intitulada “Utilizar Métodos Eficazes” (páginas 88–95). Aprofunde-se também na Parte F, “Métodos Didáticos” (páginas 157–184).

  2. Traga para a sala de aula um copo limpo por fora e por dentro e outro parecido, porém limpo por fora e sujo por dentro.

  3. Prepare uma demonstração em que você usará o quadro-negro para ensinar um princípio do evangelho. Você pode usar um dos exemplos da página 162 ou elaborar outros.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Devemos usar métodos didáticos que ajudem as pessoas a compreender, recordar e aplicar os princípios do evangelho.

História

Conte a história a seguir. Explique-lhes que se trata de uma experiência que o Presidente Boyd K. Packer e sua esposa tiveram quando ele estava servindo como presidente de missão.

“Marcamos as conferências de zona e, para cada uma delas, a irmã Packer preparou um bolo de três camadas, (…) belamente decorado, com uma cobertura espessa e colorida de glacê e a seguinte inscrição: “O Evangelho”. Só quando os missionários já estavam reunidos é que, com certa solenidade, o trazíamos. Era uma cena e tanto!

Após afirmar que o bolo representava o evangelho, perguntávamos: ‘Quem aceita um pedaço?’ Sempre havia um élder faminto que se prontificava sem mais demora. Chamávamo-lo à frente e dizíamos: ‘Você será o primeiro’. Logo depois, eu mergulhava os dedos no bolo e arrancava um pedaço grande. Eu tinha o cuidado de apertá-lo bem para que o glacê escorresse por entre meus dedos. Em seguida, para o total espanto dos missionários, jogava a fatia para o élder, espirrando um pouco da cobertura na frente de seu paletó. ‘Alguém mais deseja um pedaço?’ eu indagava. Por algum motivo, ninguém se dispunha.

Depois, mostrávamos um prato de cristal, um garfo de prata, um guardanapo de linho e uma faca reluzente para partir o bolo. Com muita dignidade, cortava cautelosamente uma fatia na parte do bolo que ainda estava intacta, colocava-a no prato com todo o cuidado e perguntava: ‘Alguém aceita?’

A lição era óbvia. Em ambas as situações, o bolo era o mesmo, com o mesmo sabor e ingredientes. Mas a forma de servi-lo podia torná-lo convidativo, até tentador, ou pouco atraente, mesmo repugnante. Aquele bolo, dizíamos mais uma vez, representava o evangelho. De que forma eles o estavam servindo?

Depois dessa demonstração, não tivemos dificuldade alguma para pôr em prática o programa de aperfeiçoamento do ensino das palestras. De fato, surpreendemo-nos com o entusiasmo de todos. Alguns meses depois, achei que estava na hora de recordar a lição; assim, enviei um informativo com o bolo desenhado.

Quando voltei a reunir-me com os missionários, perguntei: ‘Receberam um informativo recentemente, não é?’

‘Recebemos.’

‘E que mensagem ele trazia?’

Invariavelmente, a resposta era: ‘Trata-se de um lembrete para aprimorarmos a forma de apresentar nossas mensagens, estudarmos mais, aprendermos as palestras com mais esmero e depois ajudarmos uns aos outros a ministrá-las melhor’.

‘Vocês conseguiram depreender tudo isso a partir daquela única gravura?’

‘Sim, é uma lição que não vamos esquecer tão cedo!’

Obviamente, devo acrescentar que quando eu precisava mandar o paletó de um élder para a lavanderia e pagar a conta, fazia-o com prazer!” (Teach Ye Diligently, rev. ed. [1991], pp. 270–271)

Observação: Caso pretenda utilizar essa atividade do Presidente Packer, sirva o bolo pegando um pedaço com as mãos e colocando-o desajeitadamente em um prato em vez de jogá-lo para um aluno.

Discussão

• O que podemos aprender com essa história sobre a forma de apresentarmos o evangelho?

• Que evidência temos de que a lição do Presidente Packer atingiu seus objetivos?

Saliente que os missionários da missão do Presidente Packer compreenderam a lição, recordaram-na e aplicaram-na em sua vida. Não basta ajudar as pessoas a quem ensinamos a simplesmente entenderem os princípios do evangelho. Precisamos também ajudá-las a lembrarem-se deles e a aplicá-los.

Peça aos alunos que abram este livro na página 158. Explique-lhes que nela encontramos uma lista de métodos que podemos utilizar no ensino do evangelho. A lição de hoje e a da próxima semana trarão demonstrações de alguns deles. Ressalte que devemos escolher métodos que edifiquem nossos alunos e que não depreciem os princípios que ensinamos.

Usar Atividades com Objetos

Demonstração e Discussão

Ressalte que na história que você contou, o Presidente Packer lançou mão de uma atividade com objeto para incentivar os missionários a ensinar de modo eficaz. Podemos utilizar atividades com objetos para ensinar diversos princípios do evangelho.

Mostre dois copos: um que esteja limpo por fora e por dentro e outro que esteja limpo por fora, mas sujo por dentro. Em seguida, faça a seguinte pergunta:

• Qual desses copos vocês usariam para beber?

Explique-lhes que Jesus certa vez comparou um grupo de pessoas a um copo cujo exterior está limpo, mas o interior, imundo. Peça a alguém que leia Mateus 23:25–26.

• Que princípio do evangelho aprendemos com essa atividade? (Não basta simplesmente aparentarmos retidão; precisamos ser dignos e puros no coração.) Na sua opinião, o que especificamente torna essa atividade tão eficaz?

Apresentação do Professor

Saliente que nas páginas 163–164 deste livro há sugestões que podem ajudar os professores a realizar atividades com objetos bem-sucedidas. Peça aos alunos que abram a página 164. Examine as instruções relativas à criação e uso de atividades com objetos. Em seguida, dê suas próprias sugestões sobre a utilização dessas atividades.

Fazer comparações

Citações

Frise que as atividades com objetos são eficazes porque associam princípios espirituais a objetos físicos e conhecidos. Também podemos alcançar resultados semelhantes utilizando comparações simples.

Peça aos alunos que leiam as seguintes comparações (há outras nas páginas 163–164 deste livro):

O Presidente Gordon B. Hinckley ensinou:

“A fé é como o músculo de meu braço. Se eu usá-lo e nutri-lo, ficará forte e realizará muitas coisas. Mas se eu colocar o braço em uma tipóia e não usá-lo para nada, ele ficará fraco e inútil.” (A Liahona, abril de 1999, p. 18)

O Élder Russell M. Nelson declarou:

“O verbo inocular (…) significa literalmente ‘introduzir um olho’ a fim de monitorar o organismo e evitar as doenças.

Uma moléstia como a poliomielite pode aleijar ou destruir o corpo. A enfermidade do pecado pode incapacitar ou matar o espírito. Os efeitos destrutivos da poliomielite hoje podem ser evitados pela imunização, mas as conseqüências do pecado exigem outras formas de prevenção. Os médicos não podem aplicar vacinas contra a iniqüidade. Só podemos receber a proteção espiritual do Senhor, e a Seu próprio modo. Jesus, em vez da inoculação, opta pela doutrinação.” (Conference Report, abril de 1995, p. 41–45; Ensign, maio de 1995, p. 32)

Élder Joseph B. Wirthlin disse:

“Os gigantescos carvalhos (…) possuem raízes que podem ter um comprimento duas vezes e meia maior que o do tronco. Essas árvores raramente são derrubadas, por mais violentas que sejam as tempestades.

Os membros fiéis da Igreja devem ser como os carvalhos e criar raízes profundas no solo fértil dos princípios fundamentais do evangelho.” (Conference Report, outubro de 1994; ou Ensign, novembro de 1994, p. 75)

Discussão das Escrituras

Peça a alguém que leia Mateus 13:44.

• O que podemos aprender com essa comparação?

Apresentação do Professor

Ressalte que as comparações só cumprem sua função quando fazem referência a coisas que nossos alunos conheçam. Ressalte que as páginas 163–164 deste livro contêm recursos para ajudar os professores a elaborar comparações eficazes.

Usar o Quadro-negro

Demonstração

Explique-lhes que podemos utilizar o quadro-negro de forma proveitosa para dar destaque a idéias-chave, prender a atenção dos alunos e simplificar conceitos complexos. Diga à turma que você vai demonstrar como utilizar o quadro-negro. Em seguida, faça a demonstração que preparou. (Ver “Preparação”, item 3.)

Discussão

Faça as seguintes perguntas aos alunos:

  • O que vocês aprenderam com essa demonstração? Como o uso do quadro-negro os ajudou a aprender essas coisas?

  • Com essa demonstração, o que vocês aprenderam sobre a forma de usarmos o quadro-negro como ferramenta didática?

Caso os alunos não tenham mencionado as sugestões abaixo, não deixe de fazê-lo:

  1. Escrever com clareza e grande o bastante para que todos consigam enxergar. Em geral, é melhor escrever palavras-chave e não frases completas;

  2. Conversar ao escrever. Isso ajuda o professor a conservar a atenção dos alunos;

  3. Evitar permanecer muito tempo diante do quadro-negro;

  4. Planejar o que se vai fazer. Treinar o desenho de figuras, mapas ou diagramas a serem utilizados;

  5. Não se desculpar pela caligrafia ruim ou pela falta de talento artístico;

  6. Usar figuras e formas simples para ilustrar as histórias ou conceitos;

  7. De vez em quando, deixar os alunos escrever no quadro-negro. Isso pode ajudar a intensificar a participação.

Lembre que há mais sugestões nas páginas 162–163 deste livro.

Ao prepararmo-nos para ensinar, podemos optar por diversos métodos didáticos.

Apresentação do Professor

Saliente que o uso de métodos variados pode melhorar o ensino e aprendizado do evangelho e dar vida às aulas. Contudo, não devemos utilizar métodos diferentes somente por uma questão de variedade. Devemos escolher métodos que (1) ajudem nossos alunos a adquirir uma compreensão mais clara e memorável das doutrinas e princípios do evangelho e (2) sejam adequados ao tema da lição e à faixa etária dos alunos.

Aplicação

Peça a um aluno que fale sobre uma doutrina ou princípio que esteja preparando-se para ensinar. Em seguida, peça à classe que abra a página 158 e, após examinar a lista de métodos, escolha um deles para ensinar essa doutrina ou princípio. À medida que as pessoas derem suas sugestões, pergunte o motivo de suas preferências.

Conclusão

Citação

Peça a alguém que leia a seguinte declaração do Élder Boyd K. Packer:

“Quando ensinamos valores morais e espirituais, estamos lidando com coisas abstratas. Talvez seja a modalidade de ensino mais difícil, porém a mais compensadora quando realizada com sucesso. Há técnicas e ferramentas que devemos utilizar e várias coisas que os professores podem fazer para prepararem a si próprios e suas aulas para que os alunos (…) sejam ensinados e seu testemunho transmitido aos demais.” (Teach Ye Diligently, p. 62)

Ressalte que os métodos são importantes, mas não devem ser o foco principal de nossas aulas. Eles são ferramentas para ajudarmos nossos alunos a voltarem a atenção para as doutrinas salvadoras do evangelho e aplicarem-nas em sua vida.

Testemunho

Preste testemunho conforme a orientação do Espírito.

Designações

Incentive os alunos a:

  1. Pensar em métodos que podem utilizar para ensinar os princípios do evangelho com mais eficácia;

  2. Escrever no caderno a respeito das experiências que tiverem ao escolher e utilizar métodos didáticos diferentes;

  3. Estudar a seção deste livro intitulada “Utilizar Métodos Eficazes” (páginas 88–95) e a parte F, “Métodos Didáticos” (páginas 157–184).