Guias e chamados
Ensinar com o testemunho
anterior seguinte

7

Ensinar com o testemunho

“O supremo poder de convencimento e de conversão do evangelho manifesta-se”, disse o Élder Bruce R. McConkie, “quando um professor inspirado diz: ‘Sei pelo poder do Espírito, por revelações do Espírito Santo à minha alma, que as doutrinas que ensinei são verdadeiras’.” (The Promised Messiah [1978], pp. 516–517)

O Presidente Brigham Young aprendeu essa verdade antes de ser batizado na Igreja. O testemunho de um humilde professor ajudou-o a sentir o poder de conversão do Espírito Santo. Mais tarde, lembrou: “Quando vi um homem sem eloqüência ou dom para falar em público que apenas conseguia dizer: ‘Sei, pelo poder do Espírito Santo, que o Livro de Mórmon é verdadeiro e que Joseph Smith é um Profeta de Deus’, o Espírito Santo que emanava daquele homem iluminou-me o entendimento, revelando-me luz, glória e imortalidade”. (Journal of Discourses, 1:88)

O Presidente Brigham Young tornou a constatar o poder do testemunho em seus primeiros dias como missionário, quando observou: “Eu viajara apenas um curto período para testificar ao povo quando aprendi o seguinte: podemos provar nossa doutrina utilizando a Bíblia até o dia do juízo final, e isso apenas convenceria as pessoas, sem convertê-las. Podemos ler a Bíblia de Gênesis até o Apocalipse e provar cada jota e cada til, mas isso em si mesmo não tem poder de conversão algum sobre as pessoas. Nada além do testemunho pelo poder do Espírito Santo pode trazer-lhes luz e conhecimento, tocando-lhes o coração e levando-os ao arrependimento. Nada além disso tem tal capacidade”. (Journal of Discourses, 5:327)

O que É um Testemunho?

É importante entender o que é e o que não é um testemunho. Em primeiro lugar, não se trata de uma admoestação, um chamado ao arrependimento, uma longa narração, um sermão ou uma instrução. É uma declaração simples e direta de nossa crença --- um sentimento, uma certeza, uma convicção. Em geral, é uma declaração feita na primeira pessoa, eu, seguida de um verbo que expresse uma crença firme, como “Eu sei que (…)”, “Testifico que (…)”, “Presto testemunho de (…)”, ou “Tenho a forte convicção de (…)”. Você talvez já tenha ouvido testemunhas especiais de Jesus Cristo dizer algo como “Dou-lhes meu solene testemunho de (…)” ou “Presto solene testemunho de (…)”. Os testemunhos costumam ser mais eficazes e vigorosos quando são breves, concisos e diretos.

Examine os seguintes exemplos das escrituras. Observe que esses testemunhos aparecem junto a outras mensagens: no início, meio ou fim delas.

Este é o testemunho, último de todos, que nós damos dele: Que ele vive! Porque o vimos, sim, à direita de Deus; e ouvimos a voz testificando que ele é o Unigênito do Pai — que por ele e por meio dele e dele os mundos são e foram criados; e seus habitantes são filhos e filhas gerados para Deus.” (D&C 76:22–24; grifo do autor)

Sei por mim mesmo que tudo quanto vos disser, concernente às coisas que hão de vir, é verdadeiro; e digovos que sei que Jesus Cristo virá; sim, o Filho, o Unigênito do Pai, cheio de graça e misericórdia e verdade.” (Alma 5:48; grifo do autor)

“E agora, eis que eu próprio vos testifico que estas coisas são verdadeiras. Eis que vos digo que sei que Cristo virá entre os filhos dos homens para tomar sobre si as transgressões de seu povo e que ele expiará os pecados do mundo; porque o Senhor Deus o disse.” (Alma 34:8; grifo do autor)

“Porque sei que aqueles que confiarem em Deus serão auxiliados em suas tribulações e em suas dificuldades e em suas aflições; e serão elevados no último dia.” (Alma 36:3; grifo do autor)

Há outros exemplos em Jacó 7:12, Alma 7:8 e 36:30 e Joseph Smith — História 1:25.

Tornar o Testemunho Parte do Ensino

A fim de poder ensinar pelo poder de convencimento e conversão do Espírito Santo, você precisa ter um testemunho do que está ensinando. O Presidente David O. McKay declarou: “Vocês têm o dever de ensinar que Jesus Cristo é o Redentor do mundo, que Joseph Smith foi um Profeta de Deus e que Deus o Pai e Seu Filho Jesus apareceram pessoalmente a ele nesta última dispensação. Vocês acreditam nisso? Sentem isso? Esse testemunho irradia de seu ser? (…) Se assim for, esse brilho iluminará as pessoas a quem você ensinar. Do contrário, haverá escuridão, aridez, ausência do ambiente espiritual que propicia o crescimento dos santos. (…) Vocês só podem ensinar com eficácia o que realmente sentirem!” (Gospel Ideals [1953], p. 190)

Você pode adquirir um testemunho e continuar a fortalecê-lo (1) estudando as escrituras e os ensinamentos dos profetas modernos, (2) orando, (3) jejuando e (4) obedecendo aos mandamentos de Deus. Você também perceberá que seu testemunho se fortalecerá à medida que você o prestar continuamente.

Ao preparar as aulas, ore para que o Espírito o ajude a saber o momento de externar seus sentimentos mais sagrados. Você pode ser inspirado a prestar testemunho várias vezes no decorrer da aula, não só na conclusão.

O Testemunho Inspira o Testemunho

Ao prestar testemunho por meio do que diz e faz, você ajuda a motivar as pessoas a fortalecerem seu próprio testemunho. Um missionário de tempo integral escreveu a seguinte carta ao irmão que fora seu professor no ano anterior a sua ida para o campo missionário:

“Sei que você é uma pessoa que não busca louvores, honras ou reconhecimento. Mas espero que me permita expressar meus sinceros agradecimentos por suas aulas sobre o Livro de Mórmon. Sempre me lembro de quando você testificava que, embora muitos rejeitem o Livro de Mórmon por considerá-lo mal escrito ou pobre em idéias, ele tem uma beleza única e uma profundidade sem igual. Em nossas aulas e no estudo pessoal que fiz, aprendi a amar esse livro. Lembro-me de assistir a suas aulas, esperando vê-lo prestar testemunho de alguma verdade pura e simples. Lembro-me de quando estudamos Alma 32 e você prestou seu testemunho de como a semente da verdade pode crescer dentro de todos nós. Quando prestava o testemunho, você fazia com que o Espírito testificasse a mim a veracidade do princípio.

Agora estou aqui, há um mês na missão e tenho um testemunho ardente do Livro de Mórmon. O que recebi não é uma reserva espiritual que um dia se esgotará. Você me conduziu até a árvore da vida. Assim como Leí, seu único desejo era ajudar as pessoas a provar do fruto. É isso o que tanto me tocou: pude ver as bênçãos do fruto em sua vida.”