Guias e chamados
A mãe como professora
anterior seguinte

3

A mãe como professora

A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze declararam que “a responsabilidade primordial da mãe é cuidar dos filhos”. (A Família: Proclamação ao Mundo”, A Liahona, junho de 1996, pp. 10–11) Isso inclui ensinar os princípios do evangelho.

O Presidente Ezra Taft Benson sempre recordou com amor o que sua mãe ensinara:

“Lembro-me nitidamente de voltar para nossa velha casa na fazenda, em Whitney, Idaho, depois de passar o dia inteiro nas plantações. Eu ouvia minha mãe cantar ‘Neste Mundo’. (Hinos, 136)

Ainda consigo visualizá-la claramente inclinada sobre a tábua de passar roupa, com jornais no chão, engomando longas faixas de tecido branco, com o rosto banhado de suor. Quando eu perguntava o que ela estava fazendo, ela dizia: ‘Essas são as roupas do templo, filho. Seu pai e eu vamos ao templo de Logan’.

Em seguida, ela levava o ferro de engomar para esquentar no fogo, sentava-se a meu lado e falava a respeito do trabalho do templo, da importância da freqüência à casa do Senhor e da participação das ordenanças sagradas feitas lá. Também expressava sua firme esperança de que um dia seus filhos, netos e bisnetos viessem a ter a oportunidade de desfrutar aquelas bênçãos de valor inestimável.” (“What I Hope You Will Teach Your Children about the Temple”, Ensign, agosto de 1985, p. 8)

Com relação ao importante papel que as mães desempenham no ensino do evangelho aos filhos, o Presidente Benson disse: “Mães, vocês são a melhor professora de seus filhos. (…) Ensinem-lhes o evangelho em casa, no aconchego de seu lar. Esse é o ensino mais eficaz que seus filhos jamais receberão. Essa é a forma estabelecida pelo Senhor. A Igreja não pode ensinar como vocês, tampouco a escola ou a creche. Mas vocês podem, e o Senhor as auxiliará. Seus filhos se lembrarão de seus ensinamentos para sempre e, quando crescerem, não se desviarão deles. Eles as chamarão bem-aventuradas, sua mãe angelical”. (To the Mothers in Zion [pamphlet, 1987], pp. 10–11)

Como mãe, você ensina de diversas formas. Às vezes, planeja oportunidades de ensino, mas muitas delas surgem espontaneamente no curso natural da vida familiar. (Ver “Momentos de Ensino na Vida Familiar”, nas páginas 140–141.) Em determinadas ocasiões, você ensina pelo exemplo, em outras, por preceito. Algumas vezes, ensina estabelecendo padrões de prática do evangelho no lar e outras ao simplesmente reservar tempo para prestar atenção e demonstrar amor. O Presidente Benson deu dez sugestões que lhe podem ser úteis no ensino de seus filhos. Cada uma delas realça a importância de reservarmos um pouco de tempo:

“Reserve tempo para estar sempre por perto quando seus filhos estiverem chegando ou saindo (…), quer tenham seis ou dezesseis anos. (…)

(…) Reserve tempo para ser uma amiga verdadeira de seus filhos. (…)

(…) Reserve tempo para ler para os filhos. (…)

(…) Reserve tempo para orar com os filhos. (…)

(…) Reserve tempo para realizar uma noite familiar significativa. (…) Faça disso uma de suas mais importantes tradições familiares. (…)

(…) Reserve tempo para reunir a família no horário das refeições sempre que possível. (…)

(…) Reserve tempo para ler as escrituras juntos, com toda a família. (…)

(…) Reserve tempo para fazer coisas juntos com toda a família. (…)

(…) Reserve tempo para ensinar seus filhos. Tire o máximo proveito de todas as oportunidades de ensino. (…) (…) Reserve tempo para realmente amar seus filhos. O amor incondicional e irrestrito de uma mãe aproxima-se muito ao de Cristo.” (To the Mothers of Zion, pp. 8–12)

As responsabilidades da maternidade podem parecer assustadoras. É importante lembrar que o Senhor não espera que as mães sejam perfeitas ou que alcancem um padrão ideal de administração do lar. Contudo, espera que reconheçam e honrem seu papel divino e humildemente façam o melhor que puderem.

O Élder Jeffrey R. Holland disse às mães da Igreja: “Vocês contam com a grande herança de Eva, a mãe de toda a família humana. (…) Vocês possuem a grande herança de Sara e Rebeca e Raquel, sem as quais não teria havido aquelas magníficas promessas patriarcais a Abraão, Isaque e Jacó que nos abençoam a todos. Possuem a grande herança de Lóide e Eunice e das mães dos 2.000 jovens guerreiros. Possuem a grande herança de Maria, que foi escolhida e pré-ordenada antes do início do mundo para conceber e criar o próprio Filho de Deus. Agradecemos a todas vocês, incluindo nossa própria mãe, e dizemos que não há nada mais importante neste mundo do que participar de modo tão direto da obra e glória de Deus em proporcionar a mortalidade e a vida terrena a Seus filhos e filhas, de modo que a imortalidade e a vida eterna possam acontecer nas mansões celestiais”. (A Liahona, julho de 1997, p. 40)

O Presidente Gordon B. Hinckley falou da grande bênção da maternidade:

“Que toda mãe perceba que não há maior bênção do que os filhos que lhe são concedidos como dádiva do Altíssimo; que ela não tem missão maior do que a de criá-los em luz e verdade, com entendimento e amor. (…)

Mães de todas as partes, lembrem-se da santidade de seu chamado. Ninguém pode substituí-las adequadamente. Não há maior responsabilidade nem obrigação do que a de criar em amor, paz e integridade os espíritos que trouxeram ao mundo.” (Conference Report, outubro de 1993, p. 79; Ensign, novembro de 1993, p. 60)