Guias e chamados
Liderar é ensinar
anterior seguinte

1

Liderar é ensinar

O Élder Boyd K. Packer ressaltou que todos os líderes da Igreja servem como professores: “O profeta é professor, seus conselheiros também o são, assim como as Autoridades Gerais. Os presidentes de estaca e missão são professores; os sumos conselheiros e os presidentes de quórum são professores; os bispos são professores e o mesmo se dá em todas as organizações da Igreja. A Igreja segue adiante apoiada pelo poder do ensino que é realizado”. (Teach Ye Diligently, rev. ed. [1991], pp. 3–4.)

Em uma conferência de jovens da Igreja, um membro adulto presenciou um exemplo inspirador da influência que os líderes podem exercer quando ensinam princípios verdadeiros. Ele contou:

“Ao fim da conferência, foi organizado um baile. Os integrantes da banda que iria tocar vieram sem camisa. Enquanto os adultos só olhavam, um grupo de jovens aproximou-se do palco e sugeriu algo à banda, que reagiu protestando. Pouco depois, alguns jovens trouxeram camisas e, com muita relutância, os músicos vestiramnas.

Quando começaram a tocar, o volume estava muito alto e continuou a aumentar. Quando a situação estava começando a preocupar os adultos, um grupo de jovens reuniu-se no meio do salão e foi até o palco. Pediram aos músicos que diminuíssem o volume. A banda resistiu, mas os jovens insistiram; assim, os músicos acabaram cedendo. Quando a música voltou a ficar alta, os jovens foram juntos falar com a banda novamente. A mesma situação ocorreu pela terceira vez. Finalmente, o grupo procurou o presidente da estaca e disse: ‘Achamos que essa música não é adequada. Em vez de continuarmos aqui, alguns de nós gostaríamos de ir a outro prédio e realizar um serão. Podemos fazê-lo sozinhos, mas se os adultos quiserem participar, tudo bem’. O baile terminou, e os rapazes e moças reuniram-se em outro local.

Posteriormente, perguntei ao presidente da estaca como haviam conseguido isso. Ele respondeu que cerca de cinco anos antes, um dos membros do sumo conselho dissera: ‘Se quisermos ensinar padrões aos jovens, primeiro precisamos saber exatamente quais devem ser esses padrões. O primeiro passo é o presidente da estaca dizer-nos’. O presidente da estaca levou algum tempo para compreender claramente os padrões e a forma como deviam aplicá-los em sua estaca. Foi necessário ainda mais tempo para que o sumo conselho os entendesse e se comprometesse com eles e ainda um pouco mais para envolver os bispos. Até aquele momento, os pais e jovens haviam recebido indicações diversas e contraditórias. Mas agora, pela primeira vez, os líderes estavam prontos para ensinar os padrões.

Assim, passaram a ensiná-los, ano após ano, em todos os níveis, na estaca inteira. O resultado foi o episódio que presenciei naquela noite no baile da conferência de jovens.

Aprendi que os líderes podem exercer uma influência extraordinária ao proporemse a cumprir diligentemente sua responsabilidade de ensinar os santos. Aprendi também que transmitir uma mensagem confusa é o mesmo que não dizer nada e que vale a pena aprofundarmo-nos no que devemos ensinar. Finalmente, vi por mim mesmo a maturidade, sabedoria e coragem moral dos jovens que são ensinados adequadamente.”

Sua Responsabilidade, como Líder, de Ensinar o Evangelho

O ensino é uma das formas mais importantes pelas quais você pode cumprir suas responsabilidades como líder na Igreja. (Ver Manual de Instruções da Igreja, Volume 2: Líderes do Sacerdócio e das Auxiliares [1998], pp. 305–307.) O Élder Gordon B. Hinckley ensinou: “O ensino eficaz é a própria essência da liderança da Igreja”. (“How to Be a Teacher When Your Role as a Leader Requires You to Teach”, Reunião de Liderança das Autoridades Gerais do Sacerdócio, 5 de fevereiro de 1969, citado por Jeffrey R. Holland em A Liahona, julho de 1998, p. 28)

O Senhor é o supremo exemplo de um líder que serviu como professor: “E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino”. (Mateus 9:35) O Élder Boyd K. Packer declarou: “O Senhor é nosso exemplo. Seria difícil descrevê-Lo como executivo. Deixe-me repetir. Seria difícil descrevê-Lo como executivo. Ele era professor! Esse é o ideal, o padrão”. (Seminário dos representantes regionais, 6 de abril de 1984)

As escrituras contêm numerosos relatos de outros líderes que serviram como professores do evangelho. Adão e muitos de seus descendentes foram “pregadores da justiça [que] falavam e profetizavam e exortavam todos os homens, em todos os lugares, a se arrependerem”. Por meio de suas pregações, a “fé foi ensinada aos filhos dos homens”. (Moisés 6:23) Os apóstolos da antigüidade serviram “todos os dias no templo e nas casas [e] não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo”. (Atos 5:42) O rei Mosias testificou: “E eu próprio trabalhei com todo o poder e faculdades que possuía para ensinar-vos os mandamentos de Deus e estabelecer a paz por toda a terra”. (Mosias 29:14)

Algumas Formas de Ensinar como Líder

Ser um Exemplo de Dignidade

Como líder, você ensina o evangelho pelo seu modo de viver. Espera-se que você guarde os mandamentos, seja um servo bondoso e fiel do Senhor e das pessoas a quem serve. Ao ser um exemplo de dignidade, você fortalecerá a resolução das pessoas de viver o evangelho.

Seguir as Normas e Diretrizes da Igreja

Ao seguir fielmente os padrões estabelecidos para a administração da Igreja, você ensinará a todos os que trabalharem com você e os ajudará a ver como devem cumprir seus deveres. Os líderes do Sacerdócio de Melquisedeque que realizam regularmente entrevistas com os mestres familiares, por exemplo, mostram-lhes como devem realizar esse trabalho.

Falar Diretamente sobre os Princípios do Evangelho

Os líderes têm muitas oportunidades rotineiras para ensinar o evangelho. Entre elas, estão as reuniões de liderança (ver a página 152) e as entrevistas (ver a página 153). Você verá que outras ocasiões surgirão espontaneamente no decorrer de suas atividades como líder e em seus relacionamentos com as pessoas.

Quando Thomas S. Monson era um jovem bispo e funcionário de uma gráfica, trabalhou muitas vezes com o Presidente Reuben Clark Jr. (na época, membro da Primeira Presidência). Quando trabalhavam juntos, o Presidente Clark aproveitava todas as oportunidades de ensinar o evangelho. Anos depois, o Presidente Monson relatou uma experiência que exercera grande influência sobre ele:

“[O Presidente Clark pediu] que eu lesse em voz alta no livro de Lucas a história do leproso. Depois, que eu continuasse a ler em Lucas a respeito do paralítico e a forma ousada pela qual foi levado à presença do Senhor, que o curou. O Presidente Clark tirou um lenço do bolso e, enxugando as lágrimas que lhe escorriam pelo rosto, comentou: ‘Quando envelhecemos, as lágrimas vêm mais facilmente’. Após algumas palavras de despedida, saí de sua sala, deixando-o a sós com seus pensamentos e lágrimas.

Certa noite, bem tarde, fui levar alguns materiais ao escritório que ficava na casa do Presidente Clark em Salt Lake City. Ele estava lendo Eclesiastes, com um ar pensativo e compenetrado. Ele estava reclinado na cadeira, atrás de sua grande mesa repleta de livros e papéis. Com as escrituras nas mãos, ergueu os olhos e leu em voz alta para mim: ‘De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem’. (Eclesiastes 12:13) Em seguida, exclamou: ‘Uma verdade preciosa! Uma filosofia profunda!’

Que grande bênção foi aprender diariamente aos pés de um mestre tão maravilhoso. (…) Sabendo que eu era um bispo recém-chamado que presidia uma ala difícil, ele sempre me encorajava a conhecer meu povo, suas circunstâncias e a atender a suas necessidades.

Certo dia, ele contou a história de quando o Salvador levantou dos mortos o filho da viúva de Naim, conforme lemos no evangelho de Lucas. Quando o Presidente Clark fechou a Bíblia, percebi que ele estava chorando. Com mansidão na voz, ele disse: ‘Tom, trate bem as viúvas e cuide dos pobres’.” (Inspiring Experiences that Build Faith [1994], pp. 233–234)

Liderar na Igreja é ensinar; aperfeiçoar-se como líder é aprender a ensinar de forma mais eficaz, seja no púlpito, nas reuniões de liderança ou em contatos individuais.