Lição 18: Mateus 15
    Notas de rodapé

    Lição 18

    Mateus 15

    Introdução

    Enquanto esteve na Galileia, Jesus explicou por que Seus discípulos não seguiam a tradição de se purificar ritualmente antes de comer. Depois, Ele viajou para a costa do Mediterrâneo, onde curou a filha de uma mulher gentia. Jesus voltou à Galileia, onde curou muitos e alimentou milagrosamente mais de quatro mil pessoas.

    Sugestões Didáticas

    Mateus 15:1–20

    Os escribas e fariseus perguntam por que os discípulos de Jesus não lavam as mãos antes de comer

    Chame três alunos para ler as seguintes situações em voz alta. Peça à classe que ouça com atenção para descobrir o que estas situações têm em comum.

    1. As amigas de uma moça incentivam-na a usar roupas inadequadas em um baile da escola. A jovem sabe que o vestuário não atende aos padrões de recato estabelecido pelo Senhor, embora em sua cultura, em geral, seja aceito o uso de roupas como essa.

    2. Um rapaz pertence a uma família de santos dos últimos dias que adora eventos esportivos. Quando esses eventos populares são transmitidos pela televisão, a família, rotineiramente, deixa de lado a oração familiar, o estudo das escrituras, a noite familiar e as reuniões de domingo na Igreja para assistir aos jogos.

    3. Um jovem casal está se preparando para o casamento. Eles moram em um lugar onde é amplamente aceitável a prática de relacionamento sexual antes do casamento. Algumas pessoas disseram a esse casal que eles eram antiquados e estranhos por esperar até o casamento para ter intimidade sexual.

    • O que essas três situações têm em comum? (Cada situação apresenta um conflito entre a obediência aos mandamentos de Deus e a ação de acordo com tradições ou costumes.)

    Explique-lhes que as tradições ou costumes incluem as crenças e práticas de uma cultura, comunidade, família ou de um grupo de amigos.

    Peça aos alunos que nomeiem uma ou mais tradições ou costumes que podem impedi-los de obedecer aos mandamentos de Deus. Convide os alunos para procurar verdades em Mateus 15 que possam ajudá-los quando precisarem escolher entre obedecer aos mandamentos de Deus e participar de tradições e costumes.

    Peça a um aluno que leia Mateus 15:1–2 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique as tradições sobre as quais os escribas e os fariseus questionaram Jesus.

    • Qual tradição os discípulos de Jesus não estavam seguindo?

    Explique à classe que o lavamento das mãos mencionado pelos escribas e fariseus refere-se a um lavamento cerimonial por questão de um ritual de purificação e não ao lavamento para higienizar as mãos.

    Peça a um aluno que leia Mateus 15:3 em voz alta e oriente a classe a identificar a resposta de Jesus à pergunta dos escribas e fariseus.

    • O que o Salvador disse que os escribas e fariseus estavam fazendo ao participar dessas tradições?

    Faça um resumo de Mateus 15:4–6 explicando à classe que Jesus identificou um exemplo de como os escribas e fariseus transgrediam um mandamento de Deus ao participar dessas tradições. Eles ensinavam que as pessoas “[ficavam desobrigadas]” ver (versículo 5) de cumprir a obrigação de cuidar de seus pais idosos, declarando que o dinheiro deles estava reservado como uma oferta a Deus, ou Corbã (ver Marcos 7:10–12). Jesus, entretanto, ensinou que, ao fazer isso, eles violavam o mandamento de honrar pai e mãe.

    Peça a um aluno que leia Mateus 15:7–9 em voz alta, e oriente a classe a identificar o que os escribas e fariseus levavam o povo a fazer por usarem suas tradições como uma desculpa para não obedecer aos mandamentos de Deus.

    • O que os escribas e fariseus levavam o povo a fazer?

    • Que princípio podemos aprender com esses versículos sobre o que precisamos fazer se quisermos nos achegar mais a Deus? (Ainda que usem outras palavras, as respostas dos alunos devem assemelhar-se ao seguinte princípio: Se desejarmos nos achegar mais a Deus, devemos colocar Seus mandamentos acima de quaisquer tradições e costumes que tenhamos.)

    Peça aos alunos que releiam em voz alta as situações do início da aula. Depois que cada situação for lida, pergunte:

    • O que a pessoa, ou as pessoas, dessa situação poderia fazer para obedecer aos mandamentos de Deus?

    • De que maneira o fato de fazer isso ajudaria a pessoa ou as pessoas a se aproximar mais de Deus?

    Depois de discutir cada situação, pergunte à classe:

    • Em que situação vocês escolheram obedecer aos mandamentos de Deus em vez de participar de uma tradição ou costume geralmente aceito? De que forma isso ajudou vocês a se aproximar mais do Pai Celestial? (Você pode também contar uma experiência pessoal sua.)

    Convide os alunos a refletir sobre as tradições e os costumes que eles mencionaram anteriormente. Incentive-os a escolher obedecer aos mandamentos de Deus, em vez de seguir essas tradições ou esses costumes, para que possam se aproximar mais de Deus.

    Lembre aos alunos que os escribas e fariseus acreditavam que comer sem lavar as mãos contaminava a pessoa ou a tornava espiritualmente imunda. Peça a um aluno que leia Mateus 15:10–11 em voz alta, e oriente a classe a identificar o que o Salvador ensinou que realmente nos contamina.

    • E o que o Salvador disse que nos contamina?

    Ressalte que o Salvador disse: “O que sai da boca (…) é o que contamina o homem” (versículo 11). Depois de dizer a Seus discípulos que não se preocupassem com os fariseus, que ficaram ofendidos com Suas palavras (ver Mateus 15:12–16), Ele explicou um pouco mais sobre o que na verdade nos contamina.

    Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Mateus 15:17–20. Peça à classe que acompanhe a leitura e vejam o que o Salvador quis dizer com: “O que sai da boca (…) é o que contamina o homem” (versículo 11).

    • O que o Salvador quis dizer com “O que sai da boca (…) é o que contamina o homem”?

    Ressalte que, nas escrituras, o coração representa frequentemente nossos pensamentos e desejos. Escreva a seguinte declaração no quadro: Se escolhermos acolher pensamentos e desejos maus, então…

    • Como vocês completariam esse princípio, tendo como base os ensinamentos do Salvador registrados nos versículos 19–20? (Use as palavras dos alunos para completar o princípio, para que transmita a seguinte verdade: Se escolhermos acolher pensamentos e desejos maus ou inadequados, então esses pensamentos e desejos nos contaminarão.)

    • De que maneira podemos ficar contaminados ou impuros espiritualmente se escolhermos acolher pensamentos e desejos maus ou inadequados?

    • De que maneira as palavras que saem de nossa boca, assim como nossas ações, refletem os pensamentos e desejos do nosso coração?

    Você pode testificar desse princípio e convidar os alunos a escolher manter puros seus pensamentos e desejos.

    Mateus 15:21–28

    O Salvador cura a filha de uma mulher gentia

    Peça aos alunos para virem ao quadro e fazer uma lista de um ou mais de seus desejos justos.

    Peça aos alunos que, ao estudar Mateus 15, identifiquem princípios que possam ajudá-los a entender o que precisam fazer para que seus desejos justos se cumpram.

    Peça-lhes que olhem no Mapa da Bíblia nº 11, “A Terra Santa na Época do Novo Testamento”. Peça aos alunos que localizem as cidades de Tiro e Sidom no mapa. Explique-lhes que, enquanto Jesus viajava da Galileia até a costa de Tiro e Sidom, Ele conheceu uma mulher cananeia. Assim como outras pessoas daquela região, essa mulher era gentia — o que significa que ela não era judia. Até esse momento, Jesus e Seus discípulos proclamavam o evangelho somente aos judeus, e não aos gentios (ver Mateus 10:5–6). As portas seriam abertas mais tarde para os gentios receberem a mensagem da salvação (ver Atos 10).

    Peça aos alunos que, em duplas, se revezem na leitura em voz alta de Mateus 15:21–27. Peça-lhes que procurem as respostas para as seguintes perguntas (você pode escrever essas perguntas no quadro):

    • Qual era o desejo justo da mulher cananeia?

    • O que a mulher fez e disse que demonstrou sua fé em Jesus Cristo?

    Peça aos alunos que compartilhem suas respostas.

    • Como a resposta da mulher cananeia a essa analogia demostrou ainda mais sua fé em Jesus Cristo?

    Convide um aluno para ler Mateus 15:28 em voz alta e peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Salvador fez por essa mulher.

    • O que o Salvador fez por essa mulher? Por quê?

    • Que princípio podemos aprender com esse relato sobre o que pode acontecer quando exercemos fé no Senhor? (Ainda que usem outras palavras, as respostas dos alunos devem assemelhar-se ao seguinte princípio: Ao exercermos fé em Jesus Cristo, podemos receber bênçãos de acordo com nossos desejos justos.)

    • Além de pedir fielmente ao Senhor que nos abençoe de acordo com nossos desejos justos, o que mais podemos fazer para exercer fé em Jesus Cristo?

    Para ajudar os alunos a entender o que podem fazer para ter fé em Jesus Cristo, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos.

    Élder Dallin H. Oaks

    “Quando temos fé no Senhor Jesus Cristo, temos que confiar Nele. Precisamos confiar Nele a ponto de ficarmos contentes em aceitar Sua vontade, entendendo que Ele sabe o que é melhor para nós. (…)

    A fé, não importa quão grande seja, não pode produzir um resultado contrário à vontade Daquele que retém esse poder. (…) É por isso que não podemos ter uma verdadeira fé no Senhor sem também confiar plenamente na vontade Dele e no tempo Dele” (“Fé no Senhor Jesus Cristo”, A Liahona, julho de 1994, pp. 112–113).

    • De que maneira a explicação do Élder Oaks sobre o que significa ter fé em Jesus Cristo nos ajuda quando o Senhor não nos abençoa imediatamente de acordo com nossos desejos justos?

    Convide os alunos a relerem a lista dos desejos justos no quadro e explique-lhes o que eles podem fazer para ter fé em Jesus Cristo ao buscar realizar esses desejos.

    • Em que situação vocês tiveram (ou alguém que vocês conheçam teve) seus desejos justos realizados (segundo a vontade e o tempo do Senhor) ao ter fé em Jesus Cristo?

    Convide os alunos a escrever em seu caderno ou diário de estudo das escrituras o que eles farão para ter fé em Jesus Cristo ao buscar receber Dele seus desejos justos. Incentive os alunos a colocarem em prática o que escreveram.

    Mateus 15:29–39

    Jesus alimenta mais de quatro mil seguidores com apenas sete pães e alguns peixinhos

    Faça um resumo de Mateus 15:29–39 explicando à classe que Jesus voltou para a Galileia. Enquanto ficou ali, mais de quatro mil pessoas reuniram-se para vê-Lo, trazendo consigo pessoas que sofriam de várias doenças físicas e debilitantes. O Salvador curou as pessoas, e depois que elas passaram três dias com Ele, Jesus realizou outro milagre ao alimentar todos eles com apenas sete pães e alguns peixinhos. (Observação: O milagre da alimentação de quatro mil pessoas será estudado em mais detalhes na lição sobre Marcos 8.)

    Você pode encerrar a aula prestando testemunho das verdades e dos princípios que os alunos identificaram em Mateus 15.

    Comentários e Informações Históricas

    Mateus 15:1–9. “Por que transgredis vós também o mandamento de Deus pela vossa tradição?”

    O Élder Richard G. Scott, do Quórum dos Doze Apóstolos, deu o seguinte conselho àqueles que buscam romper com tradições e costumes que os impedem de adorar ao Senhor plenamente:

    “Pode ser muito difícil mudar um padrão de vida profundamente arraigado. Os antigos amigos podem vir a ridicularizá-lo, criticá-lo ou mesmo persegui-lo. A fé constante no Salvador e a obediência irão permitir que atravesse essas dificuldades e alcance bênçãos maiores. As escrituras ilustram como a convicção e a fé podem vencer as tradições que estejam em conflito com o plano de Deus, proporcionando bênçãos às pessoas ou até gerações de pessoas. A determinação inabalável de Abraão em ser leal à verdade e rejeitar a tradição falsa o abençoou muito. Sua lealdade irá coroar com rico galardão todas as pessoas obedientes da casa de Israel. Outro exemplo dramático de abandono de tradições muito antigas foi a transformação dos belicosos lamanitas em humildes seguidores de Cristo, dispostos a morrer em vez de quebrar os convênios que tinham feito como membros de Seu reino” (“Remover as Barreiras à Felicidade”, A Liahona, julho de 1998, p. 96).

    Mateus 15:21–28. “Os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores”

    A analogia do Senhor, de comparar os gentios aos cachorrinhos, tinha o propósito de ensinar que o evangelho, naquele momento, somente era ensinado à casa de Israel. Os gentios receberiam a mensagem de salvação mais tarde, de acordo com o cronograma divino de Deus (ver Atos 10).

    O Élder Bruce R. McConkie, do Quórum dos Doze Apóstolos, ensinou que a cura que Jesus realizou na filha da mulher cananeia foi um teste para a fé daquela mulher e um exemplo instrutivo para Seus discípulos:

    “O evangelho (com todos os poderes de cura e de graça) devia ser oferecido aos judeus antes de o ser aos gentios. O ministério mortal de Jesus era em Israel, não em outras nações. A cura no caso desta ou de qualquer outra pessoa gentia ocorreu por dispensação especial, devido a uma grande fé. Previamente, Ele ordenara aos apóstolos que buscassem somente as ovelhas perdidas da casa de Israel e não pregassem a mensagem de salvação aos gentios. (Mateus 10:5–6.) Certamente, o curso que Ele seguiu nesse exemplo foi instrutivo para Seus discípulos, testou a fé da mulher gentia, ensinou que a persistência e a importunação ao orar trará recompensa, e mostrou que, às vezes, encontra-se mais fé entre os pagãos do que na linhagem escolhida de Israel” (Doctrinal New Testament Commentary [Comentário Doutrinário sobre o Novo Testamento], 3 volumes, 1965–1973, vol. I, p. 371).