Lição 11: Mateus 6
    Notas de rodapé

    Lição 11

    Mateus 6

    Introdução

    Jesus continuou o Sermão da Montanha. Ele ensinou que atos justos de devoção devem ser feitos pelas razões corretas e enfatizou que eles devem ser feitos para agradar nosso Pai Celestial. Ele também instruiu Seus discípulos a buscar primeiro o reino de Deus.

    Sugestões Didáticas

    Mateus 6:1–18

    O Salvador ensina os discípulos a fazerem boas obras

    Traga para esta aula pequenas recompensas, como balas ou doces. À medida que os alunos forem chegando e você perceba que fazem coisas boas (como pegar as escrituras, cumprimentar alguém com bondade ou ajudar a planejar o devocional), dê a eles uma recompensa e anuncie sua boa ação para a classe. Alguns alunos talvez imitem as boas obras dos colegas para também receber sua recompensa. Continue recompensando os alunos até a hora de começar a aula.

    Para começar, pergunte aos alunos por que fizeram as boas obras pelas quais você os recompensou. Explique-lhes que, como lemos em Mateus 6, o Salvador continuou o Sermão da Montanha e ensinou que há diversos motivos pelos quais as pessoas fazem boas obras. À medida que eles estudam Mateus 6, convide-os a buscar princípios que os ajudem a realizar atos bons pelas razões corretas.

    Peça a um aluno que leia Mateus 6:1–2 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e procure identificar o que o Senhor disse ser um motivo inadequado para fazer atos bons. (Ressalte que dar esmolas são atos de devoção religiosa, assim como fazer doações aos pobres [ver versículo 1, nota de rodapé b]).

    • De acordo com esses versículos, por que algumas pessoas dão esmolas?

    • Do que o Salvador chamou essas pessoas? (Você pode ressaltar que a palavra grega traduzida como “hipócritas” refere-se a pessoas dissimuladas [ver versículo 2, nota de rodapé a].)

    • O que vocês acham que significa a frase “já receberam seu galardão”?

    Peça a um aluno que leia Mateus 6:3–4 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor ensinou quanto à maneira que Seus discípulos deviam realizar atos justos.

    • Por que será que o Senhor queria que Seus discípulos realizassem atos de serviço “em secreto”?

    • O que o fato de fazer boas obras em secreto sugere com relação à motivação da pessoa em fazê-las? (A pessoa quer agradar ao Pai Celestial e servir aos outros em vez de atrair a atenção dos outros sobre si mesma.)

    • O que o Salvador prometeu aos que realizam atos de retidão pelas razões corretas?

    • Que princípio aprendemos com os ensinamentos do Salvador sobre realizar atos de devoção? (Ajude os alunos a identificar o seguinte princípio: Se realizarmos atos de devoção para agradar ao Pai Celestial, em vez de fazê-los para atrair a atenção dos outros, Ele nos recompensará publicamente. Escreva esse princípio no quadro.)

    • O que significa, para você, que o Pai Celestial nos recompensará publicamente?

    Peça aos alunos que formem duplas. Dê a uma pessoa de cada dupla a designação de ler Mateus 6:5–6 e à outra, Mateus 6:16–18. Peça a cada aluno que procure um exemplo que o Salvador usou para ilustrar o princípio de realizar atos de retidão para agradar ao Pai Celestial. Peça-lhes que relatem uns aos outros o que aprenderam. Depois, pergunte à classe:

    • Nessas duas passagens, que práticas religiosas enfatizadas por Jesus devem ser realizadas em segredo?

    Assegure-se de que os alunos entendam que a oração em público não é errada simplesmente por não ser feita em segredo. A oração, assim como outras práticas religiosas, pode ser realizada em público, se forem feitas com sinceridade e devoção.

    • De acordo com os versículos que vocês estudaram, por que os hipócritas oram e jejuam?

    Talvez você queira explicar à classe que as frases “[mostrar-se] contristados” e “desfiguram o rosto”, no versículo 16, referem-se às pessoas que tornam seu jejum evidente a fim de chamar a atenção dos outros para si mesmas.

    Refira-se novamente ao princípio escrito no quadro. Convide os alunos a pensarem em alguma ocasião em que realizaram atos de devoção, como orar ou jejuar, para agradar ao Pai Celestial. Peça-lhes que ponderem na maneira como se sentiram abençoados por sua adoração sincera. Você pode pedir a alguns alunos que compartilhem as bênçãos que receberam, caso se sintam confortáveis em fazê-lo.

    Faça um resumo de Mateus 6:7–15 explicando-lhes que o Salvador deu instruções e um padrão a respeito da maneira mais adequada de orar. Seu exemplo de oração é conhecido como o Pai Nosso. Convide os alunos a relerem rapidamente esses versículos para identificar o que podemos aprender sobre a oração com o exemplo do Senhor. Peça aos alunos que relatem o que encontrarem. (Como parte desse debate, você pode explicar-lhes que a advertência do Senhor quanto às “vãs repetições” não é necessariamente uma proibição contra o uso das mesmas palavras ou similares cada vez que oramos. O Senhor também nos alerta contra orações que são mecânicas, superficiais ou vazias. Nossas orações devem ser humildes, sinceras e expressadas com fé.)

    Mateus 6:19–24

    Jesus Cristo ensina a multidão a ajuntar tesouros no céu

    baú de tesouro

    Mostre uma gravura de um baú de tesouro. Explique-lhes que tesouro é qualquer coisa que valorizamos muito.

    • O que vocês consideram ser um tesouro?

    Peça a um aluno que leia Mateus 6:19–21 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Salvador ensinou sobre tesouros.

    • Que tipo de tesouro o Salvador ensinou Seus discípulos a buscar?

    • Segundo o que o Salvador ensinou, qual é a diferença entre os tesouros ajuntados na Terra e os tesouros ajuntados no céu?

    Escreva o seguinte no quadro:

    Tesouros na Terra

    Tesouros no Céu

    Convide os alunos a se aproximarem do quadro e fazerem uma lista de exemplos de tesouros terrenos e tesouros celestiais.

    Convide um aluno para ler Mateus 6:22–24 em voz alta e peça à classe que identifique o que Senhor ensinou que pode ajudar-nos a ajuntar tesouros no céu.

    • O que o Salvador ensinou nos versículos 22–23 que pode ajudar-nos a ajuntar tesouros no céu? (Ressalte que a Tradução de Joseph Smith do versículo 22 ficou assim: “[se teus olhos estiverem] fitos na glória de Deus” [em Mateus 6:22, nota de rodapé b]. Lembre aos alunos que a obra e glória de Deus é “levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem” (Moisés 1:39).

    • O que podemos fazer para manter nossos olhos fitos na glória de Deus?

    • Que verdade o Salvador ensinou no final do versículo 24 que pode ajudar-nos a ajuntar tesouros no céu? (Os alunos devem identificar a seguinte verdade: Não se pode servir a Deus e a Mamom. Explique-lhes que a palavra Mamom representa as riquezas ou as coisas do mundo.

    • O que vocês acham que significa “servir a” Mamon? (Colocar nosso coração nas coisas mundanas nos leva a afastar-nos de Deus.)

    A fim de ilustrar a verdade que os alunos identificaram em Mateus 6:24, junte dois canudinhos com fita adesiva perto da extremidade superior. Mostre à classe um copo com água pela metade e coloque os canudos de modo que um fique em contato com a água e o outro fique fora do copo. Convide um aluno para tentar beber a água usando os canudos. (Assegure-se de que o aluno sugue dos dois canudos simultaneamente para que funcione para o objetivo da demonstração.) Depois, pergunte ao aluno:

    • Por que você não conseguiu beber a água eficazmente?

    Pergunte à classe:

    • Se os canudos nos representam, o que a água representa? (Nossos esforços de servir a Deus.)

    • Por que vocês acham que não podemos servir a Deus e a Mamom ao mesmo tempo? (ver também Tiago 1:8.)

    • O que devemos fazer com os canudos para beber a água? Como isso se relaciona a nossos esforços de servir a Deus?

    Peça aos alunos que reflitam sobre as respostas para a seguinte pergunta: Você pode pedir aos alunos que registrem suas respostas no caderno ou diário de estudo das escrituras.

    • Cite um exemplo em sua vida de como colocar seu coração nas coisas do mundo pode distraí-lo de servir a Deus e ajuntar tesouros no céu?

    Mateus 6:25–34

    O Salvador instrui Seus discípulos a buscar primeiro o reino de Deus

    Faça um resumo de Mateus 6:25–34 explicando à classe que o Salvador instruiu Seus discípulos a não serem excessivamente ansiosos a respeito de suprir suas necessidades básicas. A Tradução de Joseph Smith de Mateus 6:25–27 ajuda-nos a entender que o Salvador estava falando especificamente aos que prosseguiriam pregando o Seu evangelho.

    Peça a um aluno que leia Mateus 6:31–34 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Salvador ensinou Seus discípulos a buscar primeiro na vida deles. (Ressalte as palavras da Tradução de Joseph Smith do versículo 33, nota de rodapé a).

    • O que o Salvador ensinou Seus discípulos a buscar primeiro na vida deles?

    • O que Jesus Cristo prometeu aos que buscam edificar o reino de Deus (ou Sua Igreja) em vez de buscar obter as coisas do mundo? (Depois que os alunos responderem, escreva o seguinte princípio no quadro: Se buscarmos primeiro edificar o reino de Deus, Ele nos abençoará com o que Ele sabe que precisamos.)

    Para ajudar os alunos a entender esse princípio, peça a um aluno que leia em voz alta a declaração a seguir do Presidente Ezra Taft Benson.

    Presidente Ezra Taft Benson

    “Devemos colocar Deus antes de tudo o mais que exista em nossa vida. (…)

    Quando colocamos Deus em primeiro lugar, todas as outras coisas entram no devido eixo ou são eliminadas de nossa vida. Nosso amor pelo Senhor governará os desejos de nosso coração, as exigências de nosso tempo, os interesses que buscamos e a ordem de nossas prioridades.

    Devemos colocar Deus à frente de todas as outras pessoas em nossa vida” (“O Grande Mandamento — Amar o Senhor”, A Liahona, julho de 1988, p. 3).

    • Em que circunstâncias vocês receberam as bênçãos do Pai Celestial por ter buscado colocá-Lo em primeiro lugar em sua vida?

    Você pode prestar testemunho das bênçãos que nos advêm quando colocamos o Pai Celestial em primeiro lugar em nossa vida.

    Convide os alunos a pensar brevemente em como eles podem ser tentados a colocar o coração nas coisas do mundo. Incentive-os a estabelecerem a meta de superar tais tentações escrevendo em seu caderno ou diário de estudo das escrituras uma forma de buscar colocar o Pai Celestial em primeiro lugar em sua vida.

    Comentários e Informações Históricas

    Mateus 6:22. “de sorte que, se os teus olhos forem bons”

    Bons, como usado nesse versículo, vem de uma palavra grega que significa ‘são, saudável, simples, sincero’. O fato de saber essa definição nos ajuda a entender as instruções do Salvador quanto à doação de esmolas, à oração e ao jejum. Todas essas coisas devem ser feitas com o foco simples e sincero em nosso Pai Celestial ou no beneficiário. Você pode fazer perguntas como: Quando faço doações aos pobres, espero trazer glória a Deus ou a mim mesmo? Quando sirvo ao Senhor, faço isso para receber aprovação do Senhor ou dos homens? Quando oro em público, dirijo-me a Deus ou aos que estão na congregação? (Ver 2 Néfi 2:30; D&C 88:67–68; Moisés 4:2; Joseph Smith—História 1:46)” (New Testament Student Manual [Novo Testamento — Manual do Aluno], Sistema Educacional da Igreja, 2014, p. 29).