Lição 36: Marcos 4–5
    Notas de rodapé

    Lição 36

    Marcos 4–5

    Introdução

    Nas margens do Mar da Galileia, Jesus ensinou a Seus discípulos usando parábolas. Enquanto estavam no mar, o Salvador acalmou uma tempestade. Jesus demonstrou Sua superioridade sobre os demônios ao expulsá-los de um homem. Enquanto ministrava em Cafarnaum, Ele curou uma mulher com um fluxo de sangue e levantou a filha de Jairo dos mortos.

    Sugestões Didáticas

    Marcos 4

    Jesus usa parábolas para ensinar sobre o reino de Deus e acalma a tempestade

    Peça aos alunos que reflitam sobre a pior tempestade em que já estiveram. Peça a alguns deles que descrevam suas experiências.

    • De que maneira os desafios da vida são como uma tempestade?

    Escreva as seguintes palavras no quadro (deixando um espaço abaixo de cada palavra): Físico, Espiritual, Mental, Social. Faça a seguinte pergunta, aplicando-a a cada palavra do quadro:

    • Quais são alguns dos exemplos de tempestade física (ou espiritual, mental ou social) que vocês já vivenciaram? (Faça uma lista das respostas no quadro abaixo da palavra correspondente.)

    Durante o estudo de Marcos 4–5, incentive os alunos a identificar princípios que possam ajudá-los quando eles enfrentarem as tempestades da vida.

    Faça um resumo de Marcos 4:1–34, explicando-lhes que, enquanto estava nas margens do Mar da Galileia, o Salvador ensinou várias parábolas a uma multidão.

    Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Marcos 4:35–38. Peça aos demais que acompanhem a leitura e identifiquem a dificuldade que os discípulos tiveram ao cruzar o Mar da Galileia.

    • Qual problema surgiu enquanto o Salvador e Seus discípulos cruzavam o Mar da Galileia?

    Explique-lhes que o Mar da Galileia fica a mais de 200 metros abaixo do nível do mar e é cercado por montanhas pelos três lados. De vez em quando, ventos frios e secos descem pelas montanhas e colidem com ar quente e úmido ao longo do Mar da Galileia, criando tempestades súbitas e intensas — às vezes, em questão de minutos — com grandes ondas nesta faixa de água relativamente pequena.

    O Mar da Galileia e o Monte Arbel

    O Mar da Galileia e o Monte Arbel

    • Que efeito a tempestade teve sobre o barco?

    • Se vocês estivessem em um barco nessas condições, quais pensamentos e sentimentos poderiam ter?

    • De quem os discípulos buscaram ajuda nesse momento de medo? O que eles pediram ao Salvador?

    • De que maneiras podemos ser tentados a reagir como os discípulos de Jesus durante as tempestades de nossa vida?

    Peça a um aluno que leia Marcos 4:39 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique como o Salvador respondeu à súplica dos discípulos por ajuda. Peça-lhes que compartilhem o que encontrarem. Você pode sugerir que os alunos marquem a frase “Cala-te, aquieta-te” e “grande bonança” (versículo 39).

    • Se buscarmos a ajuda do Senhor em momentos de dificuldade ou temor, o que Ele pode fazer por nós? (Depois que os alunos responderem, escreva o seguinte princípio no quadro: Se buscarmos a ajuda do Senhor em momentos de dificuldade ou temor, Ele pode dar-nos paz.)

    • De que maneira podemos buscar a ajuda do Senhor em momentos de dificuldades ou temor? (Podemos orar ao Pai Celestial em nome de Jesus Cristo. Nossas orações podem não ser respondidas da maneira que esperamos. Entretanto, seremos abençoados com paz ao buscarmos a ajuda do Senhor.)

    Peça a um aluno que leia Marcos 4:40–41 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que os discípulos perguntaram sobre Jesus.

    • Se vocês estivessem com os discípulos, de que maneira poderiam ter respondido à pergunta do versículo 41?

    • De que maneira entender “quem é” (versículo 41) Jesus pode fortalecer nossa força e fé e nos fazer buscar Sua ajuda em momentos de dificuldade ou temor?

    Se possível, peça aos alunos que leiam a letra do hino “Mestre, o Mar Se Revolta” (Hinos, nº 72). Ressalte que Jesus Cristo tem poder para acalmar não apenas tempestades físicas, mas também tempestades pessoais em nosso coração.

    Peça a alguns alunos que compartilhem um momento em que buscaram a paz do Senhor durante uma tempestade da vida e Ele aliviou seus temores e os confortou.

    Você pode pedir aos alunos que escrevam no caderno ou diário de estudo das escrituras o que podem fazer para buscar a ajuda do Senhor durante suas dificuldades.

    Marcos 5:1–20

    Jesus cura um homem ao expulsar demônios dele

    Faça um resumo de Marcos 5:1–18, explicando-lhes que Jesus curou um homem cheio de espíritos “imundos” ou malignos. Depois que esses espíritos imundos foram expulsos do corpo daquele homem, eles entraram em uma manada de porcos, que então correram violentamente para um penhasco em direção ao mar. O homem, então, tentou entrar no barco onde Jesus estava.

    Peça a um aluno que leia Marcos 5:19–20 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Salvador instruiu esse homem a fazer.

    • O que o Senhor instruiu esse homem a fazer?

    • Como o homem reagiu?

    • O que podemos aprender com essa história sobre o que devemos fazer quando experimentamos o poder do Salvador em nossa vida? (Ajude os alunos a identificar o seguinte princípio: Quando experimentamos o poder do Salvador em nossa vida, podemos testificar a outras pessoas sobre Suas bênçãos e Sua compaixão.)

    Peça aos alunos que considerem maneiras pelas quais podem ajudar outras pessoas ao prestar testemunho das bênçãos e da compaixão do Salvador.

    Marcos 5:21–43

    Jesus cura uma mulher com um fluxo de sangue e levanta a filha de Jairo dos mortos

    Peça a um aluno que leia em voz alta o seguinte relato do Élder Shayne M. Bowen, dos Setenta:

    Élder Shayne M. Bowen

    “Em 4 de fevereiro de 1990, nasceu nosso terceiro filho homem, o sexto filho da família. Nós o chamamos de Tyson. (…)

    Quando tinha oito meses, Tyson aspirou um pedaço de giz que encontrou no tapete. O giz se alojou na garganta de Tyson, e ele parou de respirar. Seu irmão mais velho o carregou nos braços até o andar de cima, gritando: ‘O bebê não está respirando. O bebê não está respirando!’ Começamos a fazer a ressuscitação cardiopulmonar e ligamos para o telefone de emergência.

    Os paramédicos chegaram e levaram-no às pressas para o hospital. Na sala de espera, continuamos em fervorosa oração, pedindo a Deus um milagre. Depois do que nos pareceu uma eternidade, a médica entrou na sala e disse: ‘Sinto muitíssimo. Não há nada mais que podemos fazer. Fiquem o tempo que precisarem’. Depois disso, ela saiu” (“Porque Eu Vivo, e Vós Vivereis”, A Liahona, novembro de 2012, p. 16).

    • Se Tyson fosse seu irmão, o que vocês teriam pensado ou feito naquele momento?

    • De que maneira uma experiência como essa pode testar a fé que uma pessoa tem?

    Peça a um aluno que leia Marcos 5:21–24 em voz alta. Peça aos alunos que acompanhem a leitura e identifiquem de que maneira um governante chamado Jairo enfrentou uma dificuldade semelhante que pode ter testado a fé que ele possuía.

    • De que maneira Jairo buscou a ajuda do Senhor?

    Peça a um aluno que leia Marcos 5:25–26 em voz alta e peça à classe que identifique quem mais precisava da ajuda do Salvador.

    Explique-lhes que mesmo que os relatos do Novo testamento não definam a natureza do “fluxo de sangue” da mulher (versículo 25), sabemos que era uma dificuldade pessoal para ela. Além disso, sob a lei de Moisés, alguém com um fluxo de sangue era considerado ritualmente imundo (ver Levítico 15:19–33). Isso provavelmente significava que essa mulher havia sido preterida e excluída do convívio das pessoas durante os 12 anos de sua doença. O desespero que ela sentia sobre sua situação era evidente no fato de que ela havia “despendido tudo quanto tinha” (Marcos 5:26) buscando a cura por meio dos médicos.

    Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Marcos 5:27–34. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que essa mulher fez para receber a ajuda do Salvador.

    • O que essa mulher fez para demonstrar sua fé em Jesus Cristo? (Você pode explicar-lhes que a frase “veio por detrás” (versículo 27) refere-se ao seu esforço para romper a multidão de pessoas que cercava o Salvador.)

    • O que podemos aprender nesse relato sobre o que devemos fazer se desejarmos ser curados? (Ajude os alunos a identificar o seguinte princípio: Se demonstrarmos nossa fé em Jesus Cristo por meio de nossos esforços de nos achegarmos a Ele, Ele pode nos curar.)

    Ressalte que ser curado de qualquer enfermidade por meio da fé em Jesus Cristo depende não apenas de nossos esforços para achegar-nos a Ele, mas também precisa ser de acordo com o tempo e a vontade do Senhor.

    Peça aos alunos que leiam Marcos 5:35 em silêncio e identifiquem a mensagem que foi trazida a Jairo quando o Salvador parou para ajudar essa mulher.

    • Que notícia Jairo recebeu?

    • Se vocês estivessem no lugar de Jairo, quais pensamentos ou sentimentos poderiam ter naquele momento?

    Peça a um aluno que leia Marcos 5:36 em voz alta e peça à classe que identifique o que o Salvador disse a Jairo.

    • O que o Salvador disse que pode ter mantido a fé em Jairo?

    Para destacar o que aprendemos sobre a fé nessa história, escreva a seguinte verdade no quadro: Exercer fé em Jesus Cristo requer que continuemos a crer Nele mesmo em momentos de incerteza.

    • Como podemos aplicar esse princípio em nossa vida?

    Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Marcos 5:37–43. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que aconteceu com a filha de Jairo.

    • Qual milagre o Salvador realizou?

    Você pode prestar testemunho sobre o poder que o Salvador tem de nos abençoar e curar. Ressalte que algumas vezes o Salvador acalma a tempestade em nossa vida retirando a dificuldade ou o temor que sentimos. Outras vezes, Ele pode não retirar nossa provação, como demonstrado pelo relato do Élder Bowen, sobre a morte de seu filho. Entretanto, se exercermos fé em Jesus Cristo, Ele nos dará paz durante nossas dificuldades.

    Para ajudar os alunos a entender como podemos manter a fé independentemente de nossas tempestades pessoais, leia o seguinte testemunho do Élder Bowen. Peça aos alunos que ouçam como ele pôde manter sua fé mesmo após a morte de seu filho.

    Élder Shayne M. Bowen

    “Ao sentir a culpa, a raiva e a autocomiseração tentarem me consumir, orei para que meu coração pudesse mudar. Por meio de experiências pessoais muito sagradas, o Senhor deu-me um novo coração, e embora ainda me sentisse solitário e triste, toda a minha perspectiva mudou. Soube que nada me fora roubado, mas que uma grande bênção me aguardava se eu provasse ser fiel. (…)

    Testifico que, (…) ‘se confiarmos na Expiação de Jesus Cristo, Ele pode ajudar-nos a suportar nossas provações, doenças e dores. Podemos ter uma vida cheia de alegria, paz e consolo. Tudo o que é injusto nesta vida pode ser corrigido por meio da Expiação de Jesus Cristo’. [Pregar Meu Evangelho: Guia para o Serviço Missionário, 2004, p. 52]” (“Porque Eu Vivo, e Vós Vivereis”, pp. 16–17.)

    • Assim como Jairo, em que ocasião vocês ou alguém que conhecem mantiveram a fé em Jesus Cristo em um momento de incerteza? Quais bênçãos foram recebidas como resultado?

    Você pode também convidar os alunos para prestarem testemunho das verdades ensinadas na lição.

    Comentários e Informações Históricas

    Marcos 4:35–41. Jesus acalma a tempestade

    O Presidente Howard W. Hunter debateu verdades importantes a respeito do relato de Marcos sobre o Salvador acalmar a tempestade no Mar da Galileia:

    “Todos nós já enfrentamos temporais repentinos na vida. Alguns deles, apesar de temporários como este do Mar da Galileia, podem ser violentos, assustadores e potencialmente destrutivos. Como pessoas, como família, como comunidade, como nação, até mesmo como Igreja, temos visto surgir borrascas súbitas que nos fizeram indagar: ‘Mestre, não te importa que pereçamos?’ E, seja como for, sempre ouvimos, na bonança após a tempestade: ‘Por que sois tão tímidos? Por que não tendes fé?’

    Nenhum de nós gosta de pensar que não tem fé, mas suponho que a mansa reprimenda do Senhor é quase sempre merecida. O grande Jeová, no qual professamos confiar e cujo nome assumimos, é aquele que falou: ‘Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas’. (Gênesis 1:6.) É também aquele que ordenou: ‘Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca’. (Gênesis 1:9.) Além disso, foi Ele quem separou as águas do Mar Vermelho, permitindo que os israelitas passassem sem se molhar. (Ver Êxodo 14:21–22.) Sem dúvida, não é de surpreender que Ele tivesse domínio sobre uns poucos elementos agindo sobre o Mar da Galileia. E nossa fé deve assegurar-nos de que Ele pode acalmar as águas revoltas de nossa vida” (“Mestre, o Mar Se Revolta”, A Liahona, janeiro de 1985).

    Marcos 5:30. “Saíra de si poder”

    Algumas traduções de Marcos 5:30 declaram que “virtude” saiu de Jesus Cristo quando a mulher foi curada. No texto original em grego do Novo Testamento, a palavra correspondente a virtude é dynamis, que significa “poder” ou “força”.

    Marcos 5:36. “Não temas, crê somente”

    Uma verdade ensinada em Marcos 4–5 é que a fé e o medo são incompatíveis. Tanto em Marcos 4:40 quanto em Marcos 5:36, o Salvador admoestou àqueles a quem ensinou que substituíssem seu medo pela fé Nele. Esses relatos nos dão uma lição poderosa para termos fé em Jesus Cristo e não levarmos nossos temores em conta.

    Em um discurso para educadores do Sistema Educacional da Igreja, o Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, pediu a alunos e professores que “não [temessem], [cressem] somente”. Ele nos incentivou a ter plena confiança em Deus e falar com convicção que o evangelho de Jesus Cristo é “a verdade mais certa, a mais segura, a mais confiável e a mais recompensadora que há na Terra e no céu, nesta vida e na eternidade”. Ele testificou que os temores, as dúvidas e as ansiedades podem ser vencidas se nos concentrarmos nas “majestosas, eternas verdades da mais alta importância, tão centrais para a grandiosidade de toda a mensagem do evangelho” — tais como o Plano de Salvação, a Expiação de Jesus Cristo, a Primeira Visão, a restauração do sacerdócio e o Livro de Mórmon — e não apenas deixar de lado ou descartar toda a verdade por “questões muito menores”. (Ver “Não Temas, Crê Somente”, Uma Autoridade Geral Fala a Nós, com o Élder Jeffrey R. Holland, 6 de fevereiro de 2015, LDS.org/broadcasts.)

    O Élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos, também ensinou sobre vencer nosso temor por meio da fé no Senhor:

    “Desafios, dificuldades, dúvidas, incertezas — tudo isso faz parte da mortalidade. Mas não estamos sós. Somos discípulos do Senhor Jesus Cristo e, por isso, temos enormes reservas espirituais de luz e verdade a nosso dispor. É impossível existir temor e fé em nosso coração ao mesmo tempo! Em nossos momentos de dificuldade, escolhemos o caminho da fé. Jesus disse: ‘Não temas, crê somente’, (Marcos 5:36)”, (“Você Sabe o Suficiente”, A Liahona, novembro de 2008, p. 14).