Lição 49: Lucas 8–9
    Notas de rodapé

    Lição 49

    Lucas 8–9

    Introdução

    O Salvador continuou a ministrar na Galileia, onde profetizou de Sua morte e Ressurreição. Ao partir da Galileia, Jesus viajou para Jerusalém para concluir Sua missão mortal. Em Samaria, Tiago e João desejavam invocar fogo do céu para consumir uma vila samaritana que havia rejeitado Jesus, mas Ele ensinou a Seus discípulos de que Ele viera para salvar as pessoas, não para destruí-las. Jesus também ensinou sobre o verdadeiro discipulado.

    Sugestões Didáticas

    Lucas 8:1–9:56

    O Salvador realiza milagres, ensina usando parábolas e viaja para Jerusalém

    Escreva as seguintes situações no quadro ou escreva cada uma delas em um pedaço de papel separado. Peça a três alunos que as leiam em voz alta.

    1. Quando vocês pedem ajuda de seu irmão para arrumar a mesa, ele responde rudemente para que vocês façam isso sozinhos.

    2. Ao planejar uma atividade da escola, alguns colegas criticam e riem de uma ideia que vocês compartilharam.

    3. Ao compartilharem o evangelho com uma amiga, ela diz que suas crenças são estranhas.

    • Como vocês se sentiriam em cada uma dessas situações? Como vocês reagiriam?

    Peça aos alunos que identifiquem verdades ao estudar os ensinamentos do Salvador em Lucas 8–9 que podem orientá-los quando se sentirem ofendidos pelas ações ou palavras de outras pessoas.

    Peça a um aluno que leia em voz alta o resumo do capítulo de Lucas 8–9. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique os acontecimentos registrados nesses capítulos. Explique-lhes que por termos estudado esses acontecimentos em detalhes nas lições de Mateus e Marcos, essa lição se concentrará em Lucas 9:51–62.

    Peça a um aluno que leia Lucas 9:51 em voz alta, e peça à classe que identifique o lugar para onde o Salvador decidiu ir. Explique-lhes que a frase “completando-se os dias para” refere-se à aproximação da ascensão do Senhor ao céu.

    • Para onde o Salvador decidiu ir?

    Explique-lhes que fazer algo com o firme propósito significa fazê-lo de maneira determinada ou inamovível. Anteriormente, o Salvador havia profetizado a Seus discípulos que Ele seria traído, escarnecido e crucificado em Jerusalém (ver Mateus 20:17–19; Lucas 9:44).

    • O que a determinação do Senhor de ir para Jerusalém a despeito dessas dificuldades ensina sobre Seu caráter?

    Ressalte que enquanto viajava para Jerusalém, Jesus e Seus discípulos se aproximaram de uma vila samaritana. Peça a alguns alunos que se revezem lendo Lucas 9:52–54 em voz alta e peça à classe que identifique a reação dos samaritanos quando souberam que Jesus e Seus discípulos queriam entrar em sua vila.

    • De que maneira os samaritanos reagiram quando souberam que Jesus e Seus discípulos queriam entrar em sua vila?

    • De que maneira Tiago e João reagiram à falta de hospitalidade deles e à rejeição ao Salvador por eles?

    • De que maneiras as pessoas hoje podem reagir aos insultos e às ofensas de outras pessoas? (Cite as situações do início da lição e peça aos alunos que pensem em maneiras de como alguém pode reagir emocionalmente ao vivenciá-las.)

    Peça a um aluno que leia Lucas 9:55–56 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique qual foi a resposta do Salvador a Tiago e João. Peça aos alunos que relatem o que encontrarem.

    Explique-lhes que, quando o Salvador disse: “Vós não sabeis de que espírito sois” (versículo 55), Ele estava sugerindo que o pedido de Tiago e João não estava em harmonia com o Espírito de Deus, mas estava mais em harmonia com o espírito de Satanás, que suscita ira no coração das pessoas (ver 3 Néfi 11:29–30).

    • De que maneira a reação do Salvador à rejeição dos samaritanos se difere da reação de Tiago e João?

    • Que princípio aprendemos com o exemplo do Salvador que pode nos orientar quando enfrentarmos ofensas? (Usando as palavras dos alunos, escreva uma verdade semelhante à seguinte, no quadro: Seguimos o exemplo do Salvador quando escolhemos reagir às ofensas com paciência e longanimidade.)

    Peça aos alunos que releiam as situações do início da aula.

    • Qual é o perigo potencial de escolher sentir-se ofendido em cada uma dessas situações?

    • Em cada situação, como podemos seguir o exemplo do Salvador?

    • Como podemos ser abençoados ao escolhermos reagir às ofensas com paciência e longanimidade, seguindo assim o exemplo do Salvador?

    Peça aos alunos que reflitam sobre uma ocasião em que escolheram sentir-se ofendidos pelas palavras ou ações de alguém. Incentive-os a seguir o exemplo do Salvador ao escolher reagir às ofensas com paciência e longanimidade.

    Lucas 9:57–62

    Jesus ensina sobre o verdadeiro discipulado

    Peça a um aluno que venha para a frente da classe e dê a eles de 20 a 30 objetos pequenos (tais como miçangas). Peça ao aluno que conte os objetos em silêncio. Enquanto ele faz isso, peça à classe que veja se conseguem atrapalhar a contagem distraindo o aluno. Certifique-se de que os alunos não sejam indisciplinados ao tentar distrair o colega. Peça-lhes que permaneçam sentados e avise-lhes que não devem tocar ou jogar nada no aluno que está contando.

    • De que maneira contar os objetos enquanto tentam nos distrair é semelhante a tentar seguir Jesus Cristo?

    Agradeça ao aluno que contou os objetos e peça-lhe que volte a seu lugar. Peça aos alunos que continuem a estudar Lucas 9 e peça-lhes que reflitam como podemos vencer as influências que podem nos distrair ou impedir que sigamos o Salvador.

    Peça a um aluno que leia Lucas 9:57 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifiquem o que o homem disse a Jesus enquanto Ele e Seus discípulos viajavam até Jerusalém.

    • O que o homem disse a Jesus que desejava fazer?

    Escreva a seguinte sentença no quadro: Para nos tornarmos verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, …

    Peça a um aluno que leia Lucas 9:58 em voz alta, e peça à classe que identifique a resposta do Salvador ao homem que desejava segui-Lo. Peça aos alunos que relatem o que encontrarem.

    • O que a frase “o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” indica sobre o estilo de vida do Salvador? (Jesus e Seus discípulos mudavam-se constantemente. Seu ministério não era confortável nem fácil.)

    Peça aos alunos que leiam Lucas 9:59–60 em silêncio e identifiquem a resposta de outro homem ao convite do Salvador para segui-Lo.

    • O que esse homem desejava antes de seguir o Salvador?

    • O que a palavra primeiro (versículo 59) indica sobre esse homem?

    Explique aos alunos que Jesus Cristo não disse que é errado lamentar a morte de um ente querido ou prestar respeito em um funeral (D&C 42:45). Em vez disso, Ele estava ensinando ao homem uma importante lição sobre o discipulado.

    • O que podemos aprender com a resposta do Salvador registrada no versículo 60 sobre as prioridades de um verdadeiro discípulo?

    Peça a um aluno que leia Lucas 9:61–62 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o homem desejava fazer antes de seguir o Salvador.

    • O que esse homem desejava antes de seguir o Salvador?

    • Como o Salvador respondeu a esse homem?

    Para ajudar os alunos a entender a analogia de colocar a mão no arado e não olhar para trás, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do Presidente Howard W. Hunter:

    Presidente Howard W. Hunter

    “Para abrir um sulco reto [ou trincheira], o arador precisa manter os olhos num ponto fixo à frente dele. Isso o mantém no curso certo. Se, entretanto, ele olhar para trás para ver de onde veio, aumenta a probabilidade de se desviar, resultando em sulcos tortos e irregulares. Se nossas energias estiverem concentradas não em nosso passado, mas a nossa frente — na vida eterna e na alegria da salvação — certamente a obteremos” (“Sou Eu um Membro Vivo?”, A Liahona, julho de 1987).

    • De que maneira somos discípulos de Jesus Cristo colocando nossas mãos no arado e não olhando para trás?

    • De que maneira o Salvador é um exemplo do que Ele ensinou registrado no versículo 62? (“[Jesus] voltou o seu rosto para ir a Jerusalém” [Lucas 9:51] para completar a missão da qual o Pai Celestial O incumbiu, e Ele não olhou para trás.)

    Mostre a declaração incompleta no quadro.

    • Com base no que aprendemos em Lucas 9:57–62, de que maneira você resumiria uma verdade que o Senhor ensinou sobre o que Ele requer de Seus discípulos? (Os alunos podem identificar diversos princípios. Depois que eles responderem, complete a declaração do quadro para que fique de acordo com a seguinte verdade: Para ser um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo, precisamos não permitir que não haja outra prioridade do que a de segui-Lo.)

    • Por que às vezes colocamos outras prioridades acima de nossas responsabilidades como discípulos de Jesus Cristo?

    Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do Élder Richard G. Scott, do Quórum dos Doze Apóstolos:

    Élder Richard G. Scott

    “Satanás conta com uma ferramenta eficaz para usar contra as pessoas boas. É a distração. Ele faz com que as pessoas preencham a vida de ‘coisas boas’ de modo a não deixar espaço para o que é essencial” (“Primeiro o Mais Importante”, A Liahona, julho de 2001, p. 7).

    Para ajudar os alunos a pensar sobre o que poderia impedi-los de seguir plenamente Jesus Cristo, faça a seguinte tabela no quadro e peça aos alunos que a copiem em seu caderno ou diário de estudo das escrituras.

    Responsabilidades de um discípulo de Jesus Cristo

    Outras prioridades

    Divida os alunos em duplas. Peça-lhes que trabalhem com seus colegas para fazer uma lista na tabela das responsabilidades de um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo (que pode incluir ser honesto, servir ao próximo, compartilhar o evangelho, fazer o trabalho do templo e da história da família e criar uma família). Para cada responsabilidade listada nas tabelas, peça aos alunos que façam uma lista de exemplos de outras prioridades que alguém pode colocar acima dessa responsabilidade.

    Peça a vários alunos que compartilhem o que listaram.

    Incentive os alunos a compartilharem exemplos positivos de discípulos de Jesus Cristo ao perguntar:

    • Em que ocasião vocês viram alguém escolher deixar outras metas ou prioridades de lado para seguir o Salvador?

    Peça aos alunos que reflitam sobre o que vêm permitindo que tenha prioridade em relação a seguir Jesus Cristo e Seus ensinamentos em sua vida. Peça-lhes que escrevam uma meta em seu diário de estudo das escrituras com aquilo que eles pretendem fazer para tornar o Salvador e Seu evangelho uma prioridade mais importante.

    Você pode encerrar a lição pedindo que os alunos cantem o hino “Sim, eu te seguirei” (Hinos, nº 134) ou outro hino sobre seguir Jesus Cristo e Seus ensinamentos.

    Comentários e Informações Históricas

    Lucas 8:1–3. Mulheres fiéis ajudaram e ministraram ao Salvador

    Lucas registrou que à medida que o Salvador viajava com Seus apóstolos pela Galileia, ensinando “de cidade em cidade e de aldeia em aldeia” pela região (Lucas 8:1), muitas mulheres também viajavam com Ele. Muitas dessas mulheres haviam sido curadas de vários males; outras podem ter sido viúvas dos apóstolos. Muitas dessas mesmas mulheres continuaram a seguir Jesus até o momento de Sua morte e Ressurreição (ver Lucas 23:27, 49; 24:10; João 20:11–18).

    O relato de Lucas sobre as mulheres que viajavam com Jesus destacou a preocupação do Salvador com todas as pessoas, incluindo as mulheres — que geralmente eram marginalizadas na sociedade judia do primeiro século. Usando os meios que tinham, essas mulheres apoiavam Jesus e Seus servos escolhidos.

    O Presidente Howard W. Hunter afirmou o respeito do Salvador por todas as mulheres e pediu às mulheres da Igreja em nossos dias que permaneçam unidas com os irmãos para promover a obra do Senhor:

    “Deve ser reconfortante para vocês, queridas irmãs de Sua Igreja, lembrar-se que este mesmo Jesus, nosso Salvador, por meio da Expiação, demonstrou Seu amor e preocupação para as mulheres de Seu tempo. Ele adorava a companhia das mulheres e tinha amigas próximas entre elas. (…)

    Há algum motivo para pensar que Ele se importa menos com as mulheres de hoje? (…)

    Assim como nosso Senhor e Salvador precisava das mulheres em Sua época para servirem de mão consoladora, ouvido atento, coração crente, olhar bondoso, palavra alentadora, lealdade — mesmo em Suas horas de humilhação, agonia e morte — nós também, os servos Dele em toda a Igreja, necessitamos de vocês, as mulheres da Igreja, para apoiarem-nos e ajudarem-nos a vencer as ondas do mal que ameaçam envolver-nos. Juntos, devemos permanecer fiéis e firmes na fé contra números superiores de pessoas com ideais opostos. Parece-me que há uma grande necessidade de reunir as mulheres da Igreja para que apoiem e defendam as Autoridades Gerais, ajudando-nos a deter a enxurrada do mal que nos cerca e a levar adiante a obra do Salvador” (“Às Mulheres da Igreja”, A Liahona, janeiro de 1993, pp. 95–96).

    Lucas 9:54. Fogo do céu para consumir os samaritanos

    O Élder Bruce R. McConkie, do Quórum dos Doze Apóstolos, explicou o possível motivo de Tiago e João pedirem para ter o poder de invocar fogo do céu para consumir os samaritanos:

    “[Tiago e João] sabiam que o Deus de Israel — o mesmo Jesus em cuja presença estavam — havia enviado fogo do céu ao comando de Elias para consumir os inimigos daquele profeta antigo. (2 Reis 1.) Eles também sabiam que o mesmo Deus misericordioso destruiria os iníquos pelo fogo em Sua Segunda Vinda. (Malaquias 4:1.) O que eles ainda tinham de aprender era que para sua dispensação, sob as condições que havia(…), a mensagem do evangelho deveria prosseguir com caridade, paciência, perdão e longanimidade. (…)

    Embora eles não estivessem cientes de sua fonte, Tiago e João foram aqui influenciados em sua proposta por um espírito de baixo, em vez de um espírito do alto” (Doctrinal New Testament Commentary, 3 vols., 1965–1973, vol. I, p. 440).

    Lucas 9:54–56. Escolher reagir às ofensas com paciência e longanimidade

    O Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, ensinou que podemos escolher não ser ofendidos pelas palavras e ações de outras pessoas:

    “Achar que alguém ou algo pode fazer com que nos sintamos ofendidos, zangados ou magoados é um insulto ao nosso arbítrio moral e reduz-nos a meros objetos sujeitos à ação. Contudo, como agentes, todos temos o poder de agir e escolher como nos conduziremos diante de uma situação ofensiva ou aviltante. (…)

    O Salvador é o maior exemplo de como devemos reagir a acontecimentos ou situações potencialmente ofensivos” (“E para Eles Não Há Tropeço”, A Liahona, novembro de 2006, p. 90).

    Lucas 9:60. “Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos”

    Para entender a resposta do Salvador ao homem que primeiro desejava enterrar seu pai antes de seguir Cristo, ver o comentário de Lucas 9:59–60 no New Testament Student Manual [Novo Testamento: Manual do Aluno], Sistema Educacional da Igreja, 2014.

    Lucas 9:62. Seguir o exemplo do Salvador e não olhar para trás

    O Presidente Dieter F. Uchtdorf ensinou que o discipulado significa seguir plenamente os passos do Salvador:

    “Aqueles que entraram nas águas do batismo e receberam o dom do Espírito Santo começaram a trilhar o caminho do discipulado e são instados a seguir os passos de nosso Salvador até o fim e com constância” (“Santos para Todas as Estações”, A Liahona, setembro de 2013, p. 4).

    O Élder Edward Dube, dos Setenta, ensinou que Jesus nos deu um exemplo do que significa colocar nossa mão no arado e não olhar para trás:

    “Nosso Salvador, Jesus Cristo, que vê o fim desde o princípio, conhecia muito bem a estrada pela qual iria seguir até o Getsêmani e o Gólgota quando proclamou: ‘Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus’ (Lucas 9:62). À vista do Senhor, não é tão importante o que fizemos ou onde estivemos, porém, muito mais aonde estamos dispostos a ir” (“Olhar para Frente e Acreditar”, A Liahona, novembro de 2013, p. 15).