3.11 Rapto e extorsão
    Notas de rodapé

    3.11 Rapto e extorsão

    Os princípios básicos, as normas e os procedimentos a seguir se aplicam em caso de rapto e extorsão.

    3.11.1 Princípios básicos

    A Igreja reconhece que o risco de uma pessoa ser raptada durante o expediente de trabalho é bem baixo. Mesmo onde os raptos por resgate são mais comuns, os funcionários da Igreja e os estrangeiros residentes no país geralmente não são considerados alvos em potencial. Ainda assim, as normas a seguir foram dadas caso isso aconteça.

    3.11.2 Normas

    Se realmente ocorrer um rapto ou uma extorsão durante o período em que a pessoa for um funcionário da Igreja, as normas são para lidar com essa situação crítica de modo rápido e organizado. Será feito todo o possível para minimizar os riscos da situação e maximizar os recursos disponíveis para que isso seja resolvido de maneira apropriada.

    3.11.3 Procedimentos

    A Igreja espera que todos os gerentes, supervisores e funcionários sigam estes procedimentos:

    • Leve a sério todas as tentativas de rapto e extorsão, bem como todas as exigências que forem feitas.

    • Avise imediatamente o escritório de área e a segurança da Igreja sobre qualquer rapto, extorsão ou ocorrência grave relativa à segurança.

    • Siga as instruções do escritório de área e da segurança da Igreja. A segurança da Igreja vai ajudá-lo a entrar em contato com a polícia ou enviará pessoas experientes para negociar com os criminosos e ajudar a resolver a situação.

    • Recomenda-se que estas “primeiras instruções” sejam seguidas ao falar com o raptor:

    • “Vamos fazer o que for possível para garantir a segurança de…”

    • “Não tenho autoridade para falar pela Igreja. Vai levar algum tempo para que eu consiga entrar em contato com as pessoas que têm autoridade para falar pela Igreja.”

    • “Somos uma filial da Igreja aqui e temos recursos muito limitados.”

    O objetivo é evitar uma crise ou que uma decisão seja tomada até que cheguem negociadores experientes.

    Entre em contato com a segurança da Igreja e com a Divisão de Gestão de Riscos para mais informações sobre como prevenir e lidar com esse tipo de emergência.