2018
Seis símbolos que podem mudar o modo como vemos a Páscoa
anterior seguinte

Seis símbolos que podem mudar o modo como vemos a Páscoa

Ao lembrarmos o simbolismo da Páscoa, nosso entendimento e nossa alegria em relação à veracidade da Ressurreição se tornarão mais profundos.

Passover

Aprecio imensamente a Páscoa, um feriado que comemora o fato de Jesus Cristo ter livrado os filhos de Deus do cativeiro da morte e do inferno.

No entanto, 1.500 anos antes da Ressurreição, um dia santo semelhante comemorava o fato de Jeová ter libertado os filhos de Israel do cativeiro no Egito.

A Páscoa lembra o sacrifício expiatório do Salvador. A Páscoa judaica era um prenúncio disso. Juntas, elas podem aprofundar nosso entendimento da Ressurreição. A seguir estão apenas alguns pontos de conexão entre a Páscoa e a Páscoa judaica:

Páscoa

Páscoa judaica

1. A Páscoa judaica se centralizava no cordeiro pascal, um macho sem manchas (ver Êxodo 12:5), sem nenhum osso quebrado (ver Êxodo 12:46).

1. Jesus é o Cordeiro de Deus (ver João 1:29), isento de pecados, sem nenhum osso quebrado (ver João 19:36).

2. O pão ázimo, sem fermento, livre de corrupção (ver Bible Dictionary, “Leaven”), acompanhava o banquete da Páscoa judaica (ver Êxodo 12:8, 15).

2. Jesus é o Pão da vida, em quem não há impureza (ver João 6:35).

3. Ervas amargas, um símbolo do cativeiro dos israelitas, acompanhavam o banquete da Páscoa judaica (ver Êxodo 12:8).

3. Podemos estar sujeitos ao cativeiro do pecado, mas, por Jesus ter bebido a taça amarga (ver D&C 19:18), podemos vencer graças a Sua Expiação (ver 1 Coríntios 15:22).

4. O banquete da Páscoa judaica devia ser comido às pressas (ver Êxodo 12:11).

4. O corpo do Salvador foi preparado às pressas para o sepultamento (ver João 19:31).

5. Os fiéis que pintaram o umbral de suas portas com o sangue do cordeiro foram salvos da morte física (ver Êxodo 12:7, 13).

5. Os fiéis que simbolicamente bebem o sangue do Cordeiro a cada semana durante o sacramento e “sempre se lembram Dele” (D&C 20:77, 79) podem ser salvos tanto da morte física quanto da espiritual (ver Mosias 4:2).

6. Um dia depois que os primogênitos foram mortos, foi declarada liberdade para os israelitas cativos (ver Êxodo 12:29–32).

6. Um dia após o Primogênito ter sido morto, Jesus declarou liberdade aos cativos no mundo espiritual (ver D&C 138:18, 31, 42).