2018
A sapataria do abuelo
anterior seguinte

A sapataria do abuelo

O autor mora em Utah, EUA.

“Sabe, precisamos ser mais como este sapato”, disse o abuelo.

Liahona Magazine, 2018/04 Apr

Miguel abriu a porta da sapataria de seu abuelo (seu avô). Sentiu o cheiro do couro com que o abuelo trabalhava. Era um de seus cheiros favoritos.

“Oi, abuelo!”

O abuelo estava ajoelhado no chão, riscando o contorno do pé de um cliente em uma folha de papel. Não ergueu o rosto. O abuelo não escutava muito bem.

Miguel se sentou em um banquinho de sapateiro e ficou olhando para as pilhas de couro cortado. Imaginou o que o abuelo faria com cada uma delas, usando seu martelo e seus alicates.

As ferramentas fizeram Miguel se lembrar de outra coisa que ele adorava. O abuelo sempre lhe dava um doce quando Miguel ajudava na limpeza.

Mas Miguel estava com fome naquela hora! Ele sabia que não devia pegar um doce sem pedir, mas lhe pareceu que o abuelo ficaria ocupado por muito tempo. “Talvez eu não tenha que esperar”, pensou Miguel.

Estendeu a mão por baixo do balcão, procurando o jarro de doces. Estava cheio de sua guloseima favorita: bem doce e picante com pimenta chili em pó! Ao abri-lo, Miguel se sentiu um pouco culpado. Mas os doces pareciam deliciosos. Apressou-se e pôs um deles na boca.

Pouco depois, o cliente saiu. O abuelo pegou um pedaço de couro e o molhou na água. Isso ajudava a manter o couro macio e mais fácil de trabalhar.

Miguel engoliu o resto do doce o mais rápido que pôde. Depois, aproximou-se do abuelo.

“Oi!”, disse o abuelo, com um sorriso. “Que bom que veio me ver.”

Miguel abraçou o abuelo. Esperava que o abuelo não percebesse que ele comera um doce. Miguel afastou rapidamente a preocupação.

“Parece atarefado hoje”, disse Miguel, apontando para a pilha de pedaços de couro. “Precisa de ajuda?”

“Claro! Pode me passar aquele fio?”

Miguel estendeu a mão para pegar um fio bem comprido. Puxou-o nas mãos. Era mais forte do que parecia.

“Uau, ele é forte.”

O abuelo deu uma risadinha. “Tem que ser para resistir ao desgaste da vida.” O abuelo passou o fio pelo couro. Depois, fez aquela cara que a mamá às vezes chama de olhar de “abuelo sabido”.

“Sabe, precisamos ser mais como este sapato”, comparou o abuelo, apontando com a cabeça.

Miguel concentrou o olhar no couro. “Hum. Precisamos, é?”

“Sim, precisamos. Temos que nos manter fortes. Desse modo, as tentações de Satanás não nos derrubarão.”

A lembrança do doce vermelho voltou rapidamente à mente de Miguel. Ele sabia que devia contar ao abuelo o que tinha feito.

O abuelo pegou um sapato velho na prateleira. “Está vendo este grande buraco?”

Era bem provável que coubesse a mão de Miguel no buraco. “Estou vendo.”

“Já foi um buraquinho que poderia ter sido facilmente consertado. Mas eles esperaram, e agora vai ser bem mais difícil de consertar. Os maus hábitos e as más escolhas são como esse buraco. É melhor consertá-los cedo.”

O abuelo voltou a balançar a cabeça com aquele olhar de abuelo sabido e um sorriso. Continuaram conversando enquanto o abuelo trabalhava. O tempo todo, Miguel ficou pensando no doce vermelho.

Quando o abuelo terminou, Miguel ajudou na limpeza. Depois, o abuelo estendeu a mão para pegar o jarro de doces.

Por fim, Miguel não pôde mais se conter. “Peguei um dos seus doces!”, confessou ele.

O abuelo pôs o jarro de volta no lugar. “O que foi que você disse?”

Miguel contou que havia pegado o doce sem pedir. “Sinto muito, abuelo! Nunca mais vou fazer isso, prometo!”

O abuelo deu um grande abraço em Miguel. Miguel se sentiu muito melhor.

“Obrigado por ser honesto. Isso é mais importante do que tudo para mim.”

Ao caminhar para casa, Miguel se sentiu como um dos novos pares de sapatos do abuelo. O mais forte possível e pronto para a vida!