Conferência Geral
Jesus Cristo: O cuidador de nossa alma
anterior próximo

Jesus Cristo: O cuidador de nossa alma

Ao nos arrependermos genuinamente de nossos pecados, permitimos que a Expiação de Cristo se torne completamente eficaz em nossa vida.

Meus queridos irmãos e irmãs, nesta radiante manhã de Páscoa, meu coração exulta de alegria ao relembrar o ato mais maravilhoso, mais majestoso, mais inestimável que já ocorreu em toda a história — o sacrifício expiatório de nosso Senhor, Jesus Cristo. As eminentes palavras do profeta Isaías magnificam a grandeza e a generosidade da condescendência e do sacrifício do Salvador em favor de todos os filhos de Deus:

“Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Porém ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”.1

Ao tomar voluntariamente sobre Si os pecados de toda a humanidade, sendo cruelmente pregado na cruz e conquistando a morte vitoriosamente ao terceiro dia,2 Jesus deu um significado ainda mais sagrado à ordenança da Páscoa que já havia sido conferida a Israel nos tempos antigos.3 Em cumprimento à profecia, Ele ofereceu Seu próprio corpo e Seu precioso sangue como o grande e último sacrifício,4 legitimando os tradicionais símbolos utilizados na celebração da Páscoa do Senhor.5 Assim fazendo, Cristo vivenciou um sofrimento físico e espiritual incompreensível para a mente humana. O próprio Salvador declarou:

“Pois eis que eu, Deus, sofri essas coisas por todos (…);

sofrimento que fez com que eu, Deus, o mais grandioso de todos, tremesse de dor e sangrasse por todos os poros; e sofresse, tanto no corpo como no espírito — e desejasse não ter de beber a amarga taça e recuar —

Todavia, glória seja para o Pai; eu bebi e terminei meus preparativos para os filhos dos homens”.6

Por meio de Seu sacrifício infinito e misericordioso, Cristo graciosamente cumpriu a vontade do Pai.7 Ele sobrepujou o aguilhão da morte física e espiritual,8 introduzido no mundo por meio da Queda,9 oferecendo a nós a gloriosa possibilidade da salvação eterna.10

Jesus foi o único ser capaz de realizar esse sacrifício eterno e perfeito por todos nós.11 Ele foi escolhido e preordenado no grande Conselho dos Céus, antes mesmo que o mundo fosse formado.12 Além disso, por ter nascido de uma mãe mortal, Ele herdou dela a morte física, porém de Deus, como Filho Unigênito do Pai, Ele herdou o poder de entregar Sua própria vida e, então, tornar a tomá-la.13 Ademais, Cristo viveu uma vida perfeita, sem máculas; portanto, isento das exigências da justiça divina.14 Em algumas ocasiões, o profeta Joseph Smith ensinou:

“O mundo não poderia receber a salvação sem a mediação de Jesus Cristo.

Deus (…) preparou um sacrifício na dádiva de Seu próprio Filho, que seria enviado no devido tempo para (…) abrir a porta pela qual o homem pudesse entrar na presença de Deus”.15

Embora o Salvador tenha removido incondicionalmente os efeitos da morte física por meio de Seu sacrifício,16 Ele não eliminou nossa responsabilidade pessoal de nos arrepender dos pecados que cometemos.17 Em vez disso, Ele nos estendeu um convite amoroso para nos reconciliarmos com nosso Pai Eterno. Por meio de Jesus Cristo e de Seu sacrifício expiatório, podemos experimentar uma poderosa mudança de mente e coração, gerando assim uma nova atitude, tanto para com Deus quanto para com a vida em geral.18 Ao nos arrependermos sinceramente de nossos pecados e voltarmos nosso coração e nossa vontade a Deus e a Seus mandamentos, podemos receber Seu perdão e sentir a influência de Seu Santo Espírito mais abundantemente. Assim, por meio de Sua misericórdia, evitamos ter que experimentar a intensidade do sofrimento que o Salvador suportou.19

O dom do arrependimento é uma expressão da bondade de Deus para com Seus filhos e uma demonstração de Seu incomparável poder para nos ajudar a sobrepujar os pecados que cometemos. É também uma prova da paciência e da longanimidade que nosso Amado Pai tem em relação às nossas fraquezas e debilidades. O presidente Russell M. Nelson, nosso querido profeta, referiu-se a essa dádiva como “a chave para a felicidade e a paz de consciência”.20

Meus queridos amigos, testifico a vocês que, ao nos arrependermos genuinamente de nossos pecados,21 permitimos que a Expiação de Cristo se torne completamente eficaz em nossa vida.22 Assim, nós nos livramos das cadeias do pecado, encontramos alegria em nossa jornada terrena e nos tornamos elegíveis para receber a salvação eterna, a qual foi preparada desde a fundação do mundo para todos os que creem em Jesus Cristo e se achegam a Ele.23

Além de nos oferecer a majestosa dádiva da salvação, o Salvador nos oferece alívio e conforto ao enfrentarmos nossas aflições, tentações e fraquezas da vida mortal, inclusive em meio às circunstâncias que temos vivido ultimamente com a atual pandemia. Posso lhes assegurar que Cristo está sempre ciente das adversidades pelas quais passamos na mortalidade. Ele compreende todas as nossas amarguras, agonias e dores físicas, assim como os desafios emocionais e espirituais que enfrentamos. Seu coração é cheio de misericórdia, e Ele está sempre pronto a nos socorrer. Isso é possível porque Ele vivenciou pessoalmente e tomou sobre Si, na carne, as dores de nossas fraquezas e enfermidades.24

Com mansuetude e humildade de coração, Ele desceu abaixo de todas as coisas e aceitou ser desprezado, rejeitado e humilhado pelos homens, tendo sido ferido por nossas transgressões e iniquidades. Ele padeceu tudo isso por nós, tomando sobre Si os pecados do mundo,25 tornando-Se assim o verdadeiro cuidador espiritual de nossa alma.

Ao nos achegarmos mais a Ele, rendendo-nos espiritualmente a Seus cuidados, seremos capazes de tomar sobre nós o Seu jugo, que é suave, e o Seu fardo, que é leve, encontrando assim o conforto e o descanso prometidos. Além disso, receberemos o fortalecimento que todos necessitamos para vencer as agruras, as fraquezas e os pesares da vida, as quais são extremamente difíceis de suportar sem a ajuda Dele e de Seu poder de cura.26 As escrituras nos ensinam: “Lança a tua carga sobre o Senhor, e ele te susterá”.27 “E permita Deus que vossas cargas sejam leves pela alegria em seu Filho.”28

Ao final do ano passado, recebi a notícia do falecimento de um querido casal, Mario e Regina Emerick. Eles eram muito fiéis ao Senhor e partiram com apenas quatro dias de diferença devido a complicações decorrentes da Covid-19.

Um de seus filhos, que atualmente serve como bispo no Brasil, relatou-me o seguinte: “Foi muito difícil ver meus pais partirem deste mundo naquela condição, mas pude sentir claramente a mão do Senhor em minha vida em meio àquela tragédia, pois recebi forças e paz que transcenderam meu entendimento. Por meio da minha fé em Jesus Cristo e em Sua Expiação, recebi ajuda divina para fortalecer e consolar meus familiares e todos os que nos apoiaram durante essa experiência difícil. Embora o milagre que todos esperavam não tenha ocorrido, eu sou testemunha de outros milagres que ocorreram na minha própria vida e na vida de meus familiares. Senti uma paz inexplicável que penetrou as entranhas de meu coração, dando-me esperança e confiança no amor do Salvador por mim e no plano de felicidade que Deus tem para Seus filhos. Aprendi que, nos dias tristes de pesar, os braços amorosos do Salvador estão sempre estendidos quando O buscamos de todo o nosso coração, poder, mente e força”.

Meus queridos irmãos e irmãs, neste domingo de Páscoa, presto meu testemunho solene de que Jesus ressuscitou dos mortos e que Ele vive. Testifico a vocês que, por meio Dele e de Sua Expiação infinita, o Salvador nos mostrou o caminho para que vençamos a morte, tanto física quanto espiritual. Além dessas grandiosas bênçãos, Ele também nos oferece consolo e segurança nos momentos de dificuldade. Asseguro-lhes que, ao depositarmos nossa confiança em Jesus Cristo e em Seu sacrifício expiatório divino, perseverando em nossa fé até o fim, desfrutaremos as promessas de nosso amado Pai Celestial, que faz tudo o que está a Seu alcance para nos ajudar a retornar à Sua presença um dia. Esta é Sua obra e Sua glória.29 Testifico a vocês que Jesus é o Cristo, o Redentor do mundo, o Messias prometido, a ressurreição e a vida.30 Compartilho essas verdades com vocês em Seu sagrado nome, o Filho Unigênito do Pai, nosso Senhor, Jesus Cristo. Amém.