Conferência Geral
O que estamos aprendendo e que jamais esqueceremos
anterior próximo

O que estamos aprendendo e que jamais esqueceremos

Se olharem para sua vida em espírito de oração, creio que verão muitas maneiras pelas quais o Senhor os guiou nestes tempos difíceis.

Meus queridos irmãos, eu estava ansioso para participar desta reunião virtual com vocês. A última vez em que realizamos a sessão do sacerdócio da conferência geral foi em abril de 2019. Muitas coisas aconteceram nos últimos dois anos! Alguns de vocês perderam entes queridos. Outros perderam o emprego, seu meio de sustento ou tiveram sua saúde deteriorada. Houve ainda outras pessoas que perderam o sentimento de paz ou de esperança no futuro. Meu coração se compadece com cada um de vocês que sofreu essas e outras perdas. Oro constantemente para que o Senhor os console. Ao continuarem a permitir que Deus prevaleça em sua vida, saibam que Ele está tão otimista com seu futuro quanto sempre esteve.

Em meio às perdas que sofremos, há também algumas coisas que encontramos. Algumas pessoas encontraram uma fé mais profunda em nosso Pai Celestial e em Seu Filho, Jesus Cristo. Muitas encontraram uma nova perspectiva de vida — até mesmo uma perspectiva eterna. Talvez vocês tenham desenvolvido um relacionamento mais sólido com seus entes queridos e com o Senhor. Espero que tenham desenvolvido maior capacidade de ouvir o Senhor e de receber revelação pessoal. As provações geralmente são oportunidades de crescimento que não viriam de nenhuma outra forma.

Pensem nos últimos dois anos. Como vocês progrediram? O que vocês aprenderam? A princípio, vocês talvez gostariam de poder voltar ao ano de 2019 e permanecer nessa época! Mas, se olharem para sua vida em espírito de oração, creio que verão muitas maneiras pelas quais o Senhor os guiou nesses tempos difíceis, ajudando-os a se tornarem homens mais dedicados e mais convertidos — verdadeiros homens de Deus.

Sei que o Senhor tem planos grandiosos e maravilhosos para nós — individual e coletivamente. Com compaixão e paciência, Ele diz:

“Vós sois criancinhas e ainda não compreendestes quão grandiosas são as bênçãos que o Pai tem nas mãos e preparou para vós;

E não podeis suportar tudo agora; contudo, tende bom ânimo, porque eu vos guiarei”.1

Meus queridos irmãos, testifico que Ele realmente nos conduz e que tem nos conduzido quando buscamos ouvir Sua voz. Ele quer que cresçamos e aprendamos, mesmo que seja por meio da adversidade — talvez principalmente por meio dela.

A adversidade é um grande professor. O que vocês aprenderam nos últimos anos e que desejam lembrar para sempre? Suas respostas podem ser completamente pessoais, mas gostaria de mencionar quatro lições que espero que todos tenham aprendido e que jamais esqueçam.

Lição 1: O lar é o centro da fé e da adoração

Muitas vezes, quando o Senhor nos adverte acerca dos perigos dos últimos dias, Ele nos aconselha desta maneira: “Permanecei em lugares santos e não sejais movidos”.2 Esses “lugares santos” certamente incluem os templos do Senhor e as capelas. Mas, como nossa possibilidade de nos reunir nesses locais foi restringida em diversos aspectos, aprendemos que um dos lugares mais sagrados na Terra é o lar — sim, até seu próprio lar.

Irmãos, vocês são portadores do sacerdócio de Deus. “Os direitos do sacerdócio são inseparavelmente ligados com os poderes do céu.”3 Vocês e sua família receberam ordenanças do sacerdócio. E “[nas ordenanças do sacerdócio] manifesta-se o poder da divindade”.4 Esse poder está ao alcance de vocês e de sua família em seu próprio lar, desde que cumpram os convênios que fizeram.5

Há somente 185 anos — neste mesmo dia — 3 de abril de 1836, Elias, o profeta, restaurou as chaves do sacerdócio que permitem que as famílias sejam seladas para a eternidade. É por esse motivo que foi tão bom administrar o sacramento em seu lar. Como vocês acham que isso afetou o modo que seus familiares veem vocês, que são seus pais, avôs, maridos, filhos ou irmãos, administrarem essa ordenança sagrada? O que vocês farão para conservar esse sentimento sagrado em sua família?

Pode ser que ainda haja mais coisas que vocês precisem fazer para tornar seu lar um verdadeiro santuário de fé. Se for esse o caso, por favor, coloquem essas coisas em prática! Se forem casados, aconselhem-se com sua esposa como parceiros iguais nesse trabalho crucial. Há poucas coisas a se conquistar que sejam mais importantes do que isso. Entre o dia de hoje e o momento em que o Senhor voltar, todos precisamos fazer com que nosso lar seja um local de serenidade e segurança.6

Atitudes e ações que convidem o Espírito aumentarão a santidade de seu lar. Igualmente certo é o fato de que a santidade desaparecerá se houver qualquer coisa em seu comportamento ou em seu ambiente que ofenda o Santo Espírito, pois “os céus se afastam”.7

Já se perguntaram por que o Salvador quer que façamos de nosso lar o centro do aprendizado e da aplicação prática do evangelho? Ele não serve apenas para nos preparar e nos ajudar em meio a uma pandemia. As restrições atuais quanto a reuniões um dia chegarão ao fim. No entanto, seu compromisso de fazer com que seu lar seja seu principal santuário da fé nunca deve ter fim. À medida que a fé e a santidade diminuem neste mundo decaído, sua necessidade de permanecer em lugares santos aumentará. Peço que continuem a fazer com que seu lar seja um lugar verdadeiramente santo e que vocês “não [sejam] movidos8 quanto a essa meta primordial.

Lição 2: Precisamos uns dos outros

Deus deseja que trabalhemos juntos e que nos ajudemos mutuamente. É por isso que ele nos enviou à Terra em famílias e nos organizou em alas e estacas. É por isso que Ele nos pede que sirvamos e ministremos uns aos outros. É por isso que Ele nos pede que vivamos no mundo, mas que não sejamos do mundo.9 Juntos podemos realizar muito mais do que se estivéssemos sozinhos.10 O plano de felicidade de Deus seria frustrado se Seus filhos permanecessem isolados uns dos outros.

A pandemia atual tem sido peculiar por ela ter afetado todas as pessoas do mundo praticamente no mesmo momento. Embora alguns tenham sofrido mais do que outros, todos passamos por algum tipo de dificuldade. Por esse motivo, nossa provação em comum tem o potencial de ajudar a unir os filhos de Deus como nunca antes. Faço então esta pergunta: será que essa provação em comum fez com que vocês se aproximassem de seu próximo — de seus irmãos e irmãs que vivem próximos de vocês e no mundo inteiro?

A esse respeito, os dois grandes mandamentos podem nos guiar: primeiro, amar a Deus e, segundo, amar ao próximo.11 Demonstramos nosso amor quando servimos.

Se vocês conhecem alguém que se sinta sozinho, estendam a mão a essa pessoa — mesmo que vocês próprios também se sintam sozinhos. Não é preciso ter um motivo, uma mensagem preparada ou um assunto a tratar. Simplesmente entrem em contato e demonstrem seu amor. A tecnologia pode ajudá-los. Estando ou não em meio a uma pandemia, cada filho precioso de Deus precisa saber que não está sozinho!

Lição 3: Seu quórum do sacerdócio deve ser mais do que apenas uma reunião

Durante a pandemia, as reuniões dominicais do quórum foram canceladas por um tempo. Alguns quóruns agora conseguem se reunir virtualmente. No entanto, o trabalho que o Senhor atribuiu aos quóruns do sacerdócio nunca se restringiu a uma reunião. As reuniões são apenas uma pequena parte do motivo de um quórum existir e do que ele pode realizar.

Meus irmãos dos quóruns de élderes e do Sacerdócio Aarônico, ampliem sua visão quanto ao motivo pelo qual temos quóruns. Como o Senhor deseja que você use seu quórum para realizar a obra Dele — neste momento? Busquem revelação do Senhor. Humilhem-se. Perguntem! Ouçam! Se vocês foram chamados para liderar, aconselhem-se em presidência e com os membros do quórum. A despeito de seu ofício ou de seu chamado no sacerdócio, permitam que Deus prevaleça em seu compromisso como membros de seu quórum e em seu serviço. Vivenciem com alegria a retidão que vocês proporcionarão ao “[ocuparem-se] zelosamente numa boa causa”.12 Os quóruns se encontram em uma posição singular para acelerar a coligação de Israel nos dois lados do véu.

Lição 4: Ouvimos melhor a Jesus Cristo quando nos aquietamos

Vivemos em uma época profetizada há muito tempo, em que “todas as coisas estarão tumultuadas; e certamente o coração dos homens lhes falhará; pois o temor tomará conta de todos”.13 Isso já era verdade antes da pandemia e continuará sendo verdade depois dela. A confusão continuará a aumentar no mundo. Por outro lado, a voz do Senhor não é “uma voz de ruído tumultuoso, mas (…) [é] uma voz mansa, de perfeita suavidade, semelhante a um sussurro que [penetra] até o âmago da alma”.14 Para ouvirmos essa voz delicada, também precisamos nos aquietar!15

Por um tempo, a pandemia cancelou atividades que normalmente preencheriam nossa vida. Em breve, talvez poderemos decidir preencher esse tempo novamente com o ruído e a comoção do mundo. Ou podemos usar nosso tempo ouvindo a voz do Senhor sussurrando Sua orientação, Seu consolo e Sua paz. Um momento de silêncio é um momento sagrado — um momento que propiciará a revelação pessoal e instilará paz.

Disciplinem-se para que passem um tempo sozinhos e um tempo com seus entes queridos. Abram o coração a Deus em oração. Reservem um tempo para mergulhar nas escrituras e adorar no templo.

Meus queridos irmãos, há muitas coisas que o Senhor quer que aprendamos com nossas experiências durante esta pandemia. Mencionei apenas quatro. Convido-os a criar sua própria lista, ponderarem-na cuidadosamente e compartilharem-na com seus entes queridos.

O futuro é brilhante para o povo de Deus que cumpre convênios.16 O Senhor conclamará cada vez mais Seus servos que portam dignamente o sacerdócio para que abençoem, consolem e fortaleçam a humanidade, e ajudem a preparar o mundo e o povo que vive nele para Sua Segunda Vinda. Cabe a cada um de nós estar à altura da sagrada ordenação que recebemos. Podemos fazer isso! Presto testemunho disso, expressando meu amor a cada um de vocês, meus amados irmãos, no sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.