Conferência Geral
Deus ama Seus filhos
anterior próximo

Deus ama Seus filhos

Gostaria de compartilhar três maneiras específicas pelas quais o Pai Celestial demonstra Seu amor por nós, Seus filhos.

Irmãos e irmãs, alegro-me com vocês no evangelho de Jesus Cristo. Trago o amor dos membros fiéis das Filipinas e, em nome deles, digo: Mabuhay!

Nesta manhã de Páscoa, presto testemunho do Cristo vivo, de que Ele ressuscitou dos mortos e de que Seu amor por nós e pelo Pai Celestial é puro e eterno. Hoje, gostaria de centralizar minha mensagem no amor do Pai Celestial e de Jesus Cristo por todos nós, que se manifesta por meio da Expiação de Jesus Cristo. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o seu Filho Unigênito” (João 3:16).

Quando um anjo perguntou ao profeta Néfi sobre o conhecimento que ele tinha de Deus, Néfi respondeu simplesmente: “Sei que ele ama seus filhos; não conheço, no entanto, o significado de todas as coisas” (1 Néfi 11:16–17).

Um versículo do Livro de Mórmon: Outro Testamento de Jesus Cristo descreve de forma vigorosa o perfeito amor do Salvador: “E o mundo, devido à iniquidade, julgá-lo-á como uma coisa sem valor; (…) o açoitam, (…) ferem-no, (…) cospem nele, e ele suporta-o, por causa de sua amorosa bondade e longanimidade para com os filhos dos homens” (1 Néfi 19:9). O amor universal do Salvador é a força motivadora por trás de tudo o que Ele faz. Sabemos que é o mesmo amor que o Pai Celestial tem por nós, porque o Salvador humildemente ensinou que Ele e o Pai “[são] um” (ver João 10:30; 17:20–23).

Então, como retribuímos e demonstramos nossa gratidão pelo amor universal Deles? O Salvador nos ensinou por meio deste convite simples e abrangente: “Se me amais, guardai os meus mandamentos” (João 14:15).

O presidente Dallin H. Oaks ensinou: “[O] amor universal e perfeito de Deus [é] demonstrado em todas as bênçãos de Seu plano do evangelho, incluindo-se o fato de que Suas bênçãos mais especiais estão reservadas àqueles que obedecem Suas leis”.1

Gostaria de compartilhar três maneiras específicas pelas quais o Pai Celestial demonstra Seu amor por nós, Seus filhos.

Primeiro: Os relacionamentos com Deus e com a família demonstram Seu amor

Os relacionamentos mais valiosos que temos são com o Pai, o Filho e com nossa própria família, porque a ligação que temos com eles é eterna. O grande plano de felicidade é uma demonstração maravilhosa do amor de Deus por nós. Com os olhos fitos no plano de Deus, escolhemos voluntariamente retirar o solo e as pedras de dentro de nós que alicerçam desejos egoístas e substituí-los por alicerces que constroem relacionamentos eternos. De certo modo, isso pode ser chamado de “escavação espiritual”. Ao realizarmos nossa escavação espiritual, precisamos primeiro buscar a Deus e invocá-Lo (ver Jeremias 29:12–13).

O fato de buscar a Deus e invocá-Lo vai iniciar o processo e dar lugar para alicerçarmos e fortalecermos nossos relacionamentos eternos. Isso amplia nossa visão espiritual e nos ajuda a focar em mudar o que podemos controlar, em vez de focarmos nos temores que estão fora de nosso controle. Ao estudarmos a vida e o ministério de nosso Salvador, Jesus Cristo, seremos capazes de visualizar essas outras preocupações a partir de uma perspectiva eterna.

Às vezes, as distrações podem nos impedir de sentir o amor de Deus em nossas atividades e em nossos relacionamentos familiares. Uma mãe, sentindo que os dispositivos eletrônicos estavam prejudicando seu relacionamento familiar, encontrou uma solução. Na mesa de jantar e em outras ocasiões familiares, ela simplesmente diz: “Nada de celulares. É hora do nosso bate-papo”. Ela diz que essa é a nova regra da família e que, quando conversam pessoalmente, isso fortalece o relacionamento familiar deles. Eles agora desfrutam juntos em família de bons debates sobre o Vem, e Segue-Me.

Segundo: Ele manifesta Seu amor a Seus filhos chamando profetas

Nosso mundo atual está imerso em uma “guerra de palavras e divergência de opiniões” (Joseph Smith—História 1:10). Paulo nos lembra que “há (…) tantos gêneros de vozes no mundo” (1 Coríntios 14:10). Qual dentre todas as vozes se ergue de forma clara e significativa acima do caos? É a voz dos profetas de Deus, que são videntes e reveladores.

Eu me lembro vividamente de que, após passar por uma cirurgia em 2018 e ao voltar para o trabalho, eu estava no estacionamento da sede da Igreja. de repente, ouvi a voz do presidente Russell M. Nelson me chamando: “Taniela, Taniela”. Corri ao encontro dele e ele me perguntou como eu estava.

Eu disse: “Estou me recuperando muito bem, presidente Nelson”.

Ele me deu alguns conselhos e me abraçou. Realmente senti o ministério pessoal de um profeta por “cada um” de nós.

O presidente Nelson já viajou para muitas nações da Terra. Para mim, ele não está apenas ministrando a milhares, mas ministrando a “cada um” desses milhares. Ao fazer isso, ele compartilha o amor de Deus por todos os Seus filhos.

Recentemente, as palavras do presidente Nelson têm sido uma fonte de força e inspiração para o povo das Filipinas. Como em todo o mundo, o país foi severamente afetado pela pandemia da Covid-19 durante 2020, assim como por uma erupção vulcânica, terremotos, fortes tufões e inundações devastadoras.

Mas, as palavras do profeta vieram como um pilar de luz brilhando entre as nuvens escuras do medo, da solidão e do desespero. Nessas palavras, recebemos o convite para participarmos de um jejum e uma oração mundial e o conselho para seguirmos em frente apesar da pandemia. Ele nos convidou a transformar nosso lar em santuários pessoais de fé. Ele convidou os membros da Igreja em todos os lugares a respeitar todos os filhos de Deus e a permitir que Deus prevaleça em nossa vida.2

Igualmente inspirador foi o testemunho recente do presidente Nelson em um vídeo sobre o poder da gratidão, juntamente com sua oração que ressoou pelas Filipinas.3 Na província de Leyte, o vídeo foi passado durante um evento inter-religioso e também foi mencionado como parte do discurso de um líder religioso. As Filipinas e o mundo inteiro são abençoados por sentir o amor de Deus por meio das palavras de Seu profeta escolhido.

Terceiro: A repreensão pode ser uma demonstração do amor de Deus por Seus filhos

Às vezes, Deus demonstra Seu amor nos repreendendo. É uma forma de nos lembrar que Ele nos ama e sabe quem somos. Sua bênção prometida de paz está disponível a todos que corajosamente trilham o caminho do convênio e estão dispostos a receber a correção.

Quando reconhecemos a repreensão e estamos dispostos a recebê-la, ela se torna uma cirurgia espiritual. A propósito, quem gosta de cirurgia? No entanto, ela pode salvar a vida daqueles que precisam dela e estão dispostos a recebê-la. O Senhor corrige aqueles a quem Ele ama. As escrituras nos dizem isso (ver Hebreus 12:5–11; Helamã 12:3; Doutrina e Convênios 1:27; 95:1). Essa repreensão ou cirurgia espiritual trará a transformação necessária para nossa vida. Nós reconheceremos, irmãos e irmãs, que isso refina e purifica nosso vaso interior.

Joseph Smith, o profeta da Restauração, foi repreendido. Após Joseph ter perdido as 116 páginas do manuscrito do Livro de Mórmon, o Senhor o corrigiu e demonstrou amor por ele dizendo: “Não devias ter temido mais aos homens do que a Deus. (…) Tu deverias ter sido fiel (…). Eis que tu és Joseph e foste escolhido (…). Lembra-te, porém, de que Deus é misericordioso; portanto, arrepende-te” (Doutrina e Convênios 3:7–10).

Em 2016, enquanto eu servia missão em Little Rock, Arkansas, pedi ao irmão Cava que entregasse um pacote para minha irmã mais velha, que morava em uma ilha em Fiji. A resposta dele não foi o que eu esperava. “Presidente Wakolo”, lamentou ele, “sua irmã faleceu e foi sepultada há dez dias”. Senti pena de mim mesmo e fiquei até um pouco aborrecido porque minha família nem se importou de me avisar.

No dia seguinte, enquanto minha esposa ensinava os missionários, o seguinte pensamento penetrou em minha alma: “Taniela, todas essas experiências são para seu próprio bem e desenvolvimento. Você tem ensinado e compartilhado seu testemunho sobre a Expiação de Jesus Cristo; agora viva de acordo com esse testemunho”. Fui lembrado de que “bem-aventurado é o homem a quem Deus castiga; não [devemos desprezar], pois, o castigo do Todo-Poderoso” (Jó 5:17). Isso foi uma cirurgia espiritual para mim, e o resultado foi imediato.

Enquanto estava pensando na experiência, fui chamado para concluir o debate. Entre outras coisas, compartilhei as lições que eu tinha acabado de aprender: a primeira, que eu tinha acabado de ser repreendido pelo Espírito Santo e gostei muito disso porque fui o único que O ouviu; a segunda, que graças ao sacrifício e resgate feito pelo Salvador, não vou mais me referir a meus desafios como provações e tribulações, mas como experiências de aprendizado; e a terceira, que por causa de Sua vida perfeita e sem pecados, não vou mais me referir a minhas falhas e falta de habilidades como fraquezas, mas, sim, como oportunidades de desenvolvimento. Essa experiência me ajudou a saber que Deus nos repreende porque Ele nos ama.

Para concluir, nosso Pai Eterno e Seu Filho, Jesus Cristo, demonstram Seu amor tornando possível que tenhamos um relacionamento eterno com Eles e com nossos familiares, chamando profetas atuais para nos ensinar e ministrar a nós, e nos repreendendo para nos ajudar a aprender e a crescer. “Graças damos a Deus pela incomparável dádiva de Seu Filho divino”,4 o Senhor ressuscitado, sim, o Cristo vivo. Em nome de Jesus Cristo. Amém.