Conferência Geral
Ensinar à maneira do Salvador
anterior próximo

Ensinar à maneira do Salvador

A responsabilidade de seguir o exemplo do Mestre e ensinar como Ele recai inteiramente sobre cada um de nós.

Professores excepcionais

Há alguns meses, um ex-colega de classe de minha cidade natal, Overton, em Nevada, EUA, sugeriu que entregássemos um presente de Natal para nossa querida professora do jardim de infância, que havia recentemente completado 98 anos. Ela nos ensinou a ser bondosos, a importância de uma boa soneca, a alegria de beber leite com biscoitos e a amar uns aos outros. Obrigado, irmã Davis, por ser uma professora tão maravilhosa.

Tive outro professor excepcional enquanto frequentava a Ricks College, há muitos anos. Estava me preparando para servir missão e achei que seria útil participar de uma aula de preparação missionária. O que vivenciei mudou minha vida.

Desde o primeiro dia de aula, percebi que estava na presença de um grande mestre. O professor era o irmão F. Melvin Hammond. Eu sabia que o irmão Hammond amava o Senhor e que ele me amava. Pude perceber isso em seu rosto e em sua voz. Quando ele ensinava, o Espírito iluminava minha mente. Ele ensinava a doutrina, mas também me convidava a aprendê-la por conta própria. Esse convite me ajudou a ver claramente minha responsabilidade de aprender a doutrina do Senhor por mim mesmo. Essa experiência me transformou para sempre. Obrigado, irmão Hammond, por ensinar à maneira do Salvador.

Irmãos e irmãs, todos merecem ter esse tipo de experiência de aprendizado tanto no lar quanto na igreja.

A introdução do Vem, e Segue-Me dá uma visão do que o ensino à maneira do Salvador pode realizar. Ela diz: “O objetivo de todo aprendizado e ensino do evangelho é fortalecer nossa conversão a Jesus Cristo e nos ajudar a nos tornar mais semelhantes a Ele. (…) O tipo de aprendizado do evangelho que fortalece nossa fé e conduz à mudança milagrosa não acontece de uma vez. Ele transcende a sala de aula e atinge nosso lar e nosso coração”.1

As escrituras indicam que o ministério do Salvador na América antiga foi tão impactante e propagado que “todo o povo de toda a face da terra foi convertido ao Senhor, tanto nefitas como lamanitas; e não havia contendas nem disputas entre eles; e procediam retamente uns com os outros”.2

De que maneira nosso ensino pode ter um efeito semelhante nas pessoas que amamos? Como podemos ensinar mais como o Salvador e ajudar as pessoas a se tornarem mais profundamente convertidas? Gostaria de dar a vocês algumas sugestões.

Imitar o Salvador

Em primeiro lugar, tomem para si o compromisso de aprender tudo o que puderem sobre o próprio Mestre dos mestres. Como Ele demonstrava amor pelas pessoas? Como elas se sentiam quando Ele ensinava? O que Ele ensinava? Quais eram as expectativas Dele em relação àqueles a quem ensinava? Depois de ponderarem perguntas como essas, avaliem e ajustem sua maneira de ensinar para que seja mais parecida com a Dele.

A Igreja fornece muitos recursos de ensino no aplicativo Biblioteca do Evangelho e no site ChurchofJesusChrist.org. Um desses recursos é o manual Ensinar à Maneira do Salvador. Convido vocês a ler e a estudar todas as suas palavras. Os princípios do manual vão ajudá-los em seus esforços para serem mais semelhantes a Cristo em seu ensino.

Libertar o poder das famílias

Minha próxima sugestão pode ser ilustrada com uma experiência que tive há alguns meses quando fui visitar um querido amigo. Pude ouvir sua esposa ao fundo falando com alguém, então rapidamente fui embora para que ele pudesse voltar para sua família.

Cerca de uma hora depois, recebi esta mensagem de texto de sua querida esposa: “Irmão Newman, obrigada por ter vindo. Deveríamos tê-lo convidado para entrar, mas quero compartilhar com você o que estávamos fazendo. Desde a pandemia, temos estudado o Vem, e Segue-Me com nossos filhos adultos todos os domingos por meio do Zoom. Isso tem literalmente feito milagres. Acho que é a primeira vez que nossa filha lê o Livro de Mórmon sozinha. Hoje foi a última lição sobre o Livro de Mórmon, e estávamos terminando quando você chegou. (…) Achei que gostaria de ouvir sobre como o Vem, e Segue-Me, o Zoom e uma pandemia têm proporcionado a oportunidade, no momento certo, de mudar um coração. (…) Isso me faz pensar em quantos pequenos milagres estão acontecendo durante esse período incomum”.

Isso me parece o cumprimento da promessa que o presidente Russell M. Nelson fez em outubro de 2018. Ele disse que o aprendizado do evangelho centralizado no lar e apoiado pela Igreja “tem o potencial de libertar o poder das famílias à medida que cada família age de modo consciente e cuidadoso a fim de transformar o lar num local santificado de fé. Prometo que, se trabalharem diligentemente para transformar seu lar em um centro de aprendizado do evangelho, com o tempo seu Dia do Senhor será um verdadeiro deleite. Seus filhos ficarão entusiasmados para aprender e viver os ensinamentos do Salvador. (…) As mudanças em sua família serão drásticas e contínuas”.3 Que bela promessa!

Para que haja realmente uma mudança de vida, a conversão a Jesus Cristo precisa envolver toda a nossa alma e influenciar todos os aspectos de nossa vida. É por isso que ela precisa estar voltada para o centro de nossa vida — nossa família e nosso lar.

Lembrar-se de que a conversão é pessoal

Minha última sugestão é lembrar que a conversão deve vir de dentro de nós. Conforme ilustrado na parábola das dez virgens, não podemos dar a outra pessoa o azeite de nossa conversão, por mais que desejemos. Como ensinou o élder David A. Bednar: “Esse precioso azeite é adquirido uma gota por vez (…) com paciência e persistência. Não há atalhos. Não é possível fazer preparativos de última hora”.4

O Vem, e Segue-Me tem como base esse princípio. Eu o comparo ao anjo que ajudou Néfi a aprender sobre Jesus Cristo dizendo: “Olha!”5 Assim como o anjo, o Vem, e Segue-Me nos convida a olhar nas escrituras e nas palavras dos profetas atuais para encontrarmos o Salvador e ouvi-Lo. Assim como Néfi, somos pessoalmente orientados pelo Espírito ao lermos a palavra de Deus e ao ponderarmos a respeito dela. O Vem, e Segue-Me é o ponto de partida que ajuda cada um de nós a mergulhar profundamente nas águas vivas da doutrina de Cristo.

A responsabilidade do pai ou da mãe é semelhante em muitos aspectos. Os filhos herdam muitas coisas dos pais, mas um testemunho não é uma delas. Não podemos dar um testemunho a nossos filhos assim como não podemos forçar uma semente a crescer. Mas podemos prover um ambiente nutritivo, com um bom solo, sem espinhos que “sufocam a palavra”. Podemos nos esforçar para criar as condições ideais para que nossos filhos — e outras pessoas que amamos — encontrem lugar para a semente, “[ouçam e compreendam] a palavra”6 e descubram por si mesmos “que a semente é boa”.7

Há vários anos, meu filho Jack e eu tivemos a oportunidade de jogar golfe em um campo chamado Old Course em St. Andrews, na Escócia, onde o jogo de golfe teve início. Foi simplesmente incrível! Quando retornei, tentei transmitir a outras pessoas a magnitude da experiência, mas não consegui. As fotos, os vídeos e minhas melhores descrições foram totalmente insuficientes. Por fim, percebi que a única maneira de conhecer a grandiosidade de St. Andrews era ao vivenciá-la — ao ver o vasto gramado, respirar o ar, sentir o vento no rosto e acertar algumas tacadas erradas nos bancos de areia e nos densos arbustos, e fizemos isso com muita eficiência.

Assim acontece com a palavra de Deus. Podemos ensiná-la, pregá-la e explicá-la. Podemos falar sobre ela, podemos descrevê-la, podemos até prestar testemunho dela, mas até que uma pessoa sinta a palavra sagrada de Deus se destilar sobre sua alma como o orvalho do céu pelo poder do Espírito,8 será como olhar para um cartão postal ou para as fotos das férias de outra pessoa. Você mesmo tem que buscá-la. A conversão é uma jornada individual — uma jornada de coligação.

Todos os que ensinam no lar e na igreja podem oferecer a outras pessoas a oportunidade de terem suas próprias experiências espirituais. Por meio dessas experiências, elas passarão a “saber a verdade de todas as coisas” por si mesmas.9 O presidente Nelson ensinou: “Se vocês têm questionamentos sinceros sobre o evangelho ou sobre a Igreja, ao escolherem permitir que Deus prevaleça, vocês serão guiados a encontrar e a compreender as verdades eternas e absolutas que vão orientar sua vida e os ajudar a permanecer firmes no caminho do convênio”.10

Melhorar consideravelmente o ensino

Convido os líderes e professores de todas as organizações da Igreja a se reunirem em conselho com os pais e os jovens para melhorar consideravelmente o ensino em todos os níveis — nas estacas, nas alas e nos lares. Isso será possível quando ensinarmos a doutrina e estimularmos um debate repleto do Espírito sobre as verdades que o Espírito Santo nos ensinou nos momentos tranquilos de nosso estudo pessoal.

Meus queridos amigos em Cristo, a responsabilidade de seguir o exemplo do Mestre e ensinar como Ele recai inteiramente sobre cada um de nós. O caminho Dele é o caminho verdadeiro! À medida que O seguirmos, “quando ele aparecer, sejamos como ele, porque o veremos como ele é; que tenhamos esta esperança; que sejamos purificados, como ele é puro”.11 Em nome Dele, que ressuscitou, o próprio Mestre dos mestres, Jesus Cristo. Amém.