Arrependimento e Batismo
    Notas de rodapé

    Capítulo 9

    Arrependimento e Batismo

    Fazia frio e nevava em abril de 1832, quando Brigham Young foi batizado nas águas geladas próximas a seu moinho por Eleazer Miller, um recém-converso com apenas quatro meses de Igreja. A respeito daquela ocasião, ele disse: “Senti um doce e inocente espírito prestar testemunho a mim de que meus pecados haviam sido perdoados”. (MHBY-1, pp. 2–3) Ele ensinou que a água por si só não tem “qualquer poder para lavar o pecado”, (DBY, p. 159) mas que o batismo é eficaz em limpar-nos dos pecados quando ministrado a pessoas responsáveis por quem tenha autoridade e quando for precedido de arrependimento e seguido de esforço sincero em honrar os convênios batismais.

    Ensinamentos de Brigham Young

    Nossas obrigações e responsabilidade aumentam à medida que adquirimos maior capacidade de entendimento.

    Opecado consiste em praticar o mal quando sabemos e podemos praticar o bem, e será punido com a justa retribuição no devido tempo do Senhor. (DBY, p. 156)

    Se já estivermos fazendo o melhor que pudermos no presente momento, não haverá desenvolvimento em nossa vida? Sim, haverá. Se praticarmos o mal por ignorância e aprendermos que nossa atitude é errada, temos então o dever de imediatamente parar de praticá-lo e nunca mais voltar a cometê-lo.(DBY, p. 156)

    John the Baptist baptizing Jesus

    João Batista batizando Jesus Cristo.O batismo é um pré-requisito para a entrada no reino de Deus. (Ver João 3:5).

    Podemos tornar a Expiação eficaz em nossa vida mediante arrependimento sincero.

    Se ofendi alguma pessoa devo confessar-me a ela e corrigir todo o mal que lhe fiz. (DBY, p. 158)

    Sinto que devemos ser claros e sinceros naquilo que deve tornar-se público e guardar para nós mesmos tudo o que deva ser mantido em sigilo. (…) Confessem ao público apenas o que a ele pertence. Se pecaram contra o povo, confessem-lhe seus erros. Se pecaram contra uma família ou vizinho, dirijam-se a eles e confessem sua culpa. (…) Se pecarem contra uma só pessoa, chamem-na em particular e confessem a ela seu erro. (DBY, p. 158)

    Quando os homens procuram arrepender-se verdadeira e sinceramente e manifestam aos céus que seu arrependimento é genuíno por meio da obediência às exigências das leis do evangelho que conhecem, têm direito, então, à administração da salvação e nenhum poder pode retirar-lhes o bom espírito de que desfrutam. (DBY, p. 156)

    Algumas de nossas antigas tradições ensinam que uma pessoa culpada de atrocidades e assassinatos pode arrepender-se e ser salva quando estiver no cadafalso; e depois de sua execução ouvirá ser proclamado o seguinte: “Bendito seja Deus! Ele foi para o céu, a fim de ser coroado em glória, graças aos méritos redentores de Cristo, nosso Senhor”. Isso é totalmente absurdo. Uma pessoa como essa jamais verá os céus. Alguns oram, dizendo: “Oh, se eu tivesse passado para além do véu na noite de minha conversão”! Isso prova as idéias falsas e conceitos errados concebidos pelo mundo cristão. (DBY, p. 157)

    Native Americans being baptized

    Daniel D. MacArthur batizando Qui-Tuss, chefe dos índios Shivwits, em 1875. Naquele mesmo dia, mais 130 membros da tribo também foram batizados.

    O batismo é uma ordenança essencial para nossa salvação.

    Nós, os santos dos últimos dias, cremos em ser batizados por imersão para a remissão dos pecados, de acordo com o testemunho dos discípulos de Jesus e as revelações que o Senhor nos deu nos últimos dias. As criancinhas são puras, não podem sentir remorso nem têm pecados de que necessitem arrepender-se ou que precisem abandonar e, conseqüentemente, são incapazes de ser batizadas para a remissão dos pecados. Para que pequemos, é necessário sabermos discernir o bem do mal; uma criancinha não conhece essas coisas nem tem capacidade de fazê-lo; não amadureceu a ponto de conseguir refletir sobre o bem e o mal; não tem a capacidade de entender o pai, o mestre ou o sacerdote quando lhe ensinam o que é certo, errado ou nocivo. Enquanto não entender essas coisas, a pessoa não pode ser considerada responsável e, conseqüentemente, não pode ser batizada para a remissão dos pecados. [Ver Morôni 8.] (DBY, pp. 158–159)

    Não existe ordenança alguma que Deus tenha revelado por meio de Sua própria voz, por intermédio de Seu Filho Jesus Cristo ou pela boca de qualquer um de Seus profetas, apóstolos ou evangelistas que seja inútil. Todas as ordenanças, mandamentos e requisitos são necessários para a salvação da família humana. (DBY, p. 152)

    Se você foi íntegro desde o nascimento e jamais cometeu pecados ou transgressões, seja batizado para cumprir toda a justiça como fez Jesus. Se afirma que não tem pecados de que se arrepender, abandone suas falsas teorias, ame e sirva a Deus de todo o seu coração. (DBY, p. 159)

    Todos os santos dos últimos dias fazem o novo e eterno convênio ao filiarem-se a esta Igreja. Fazem o convênio de deixar de apoiar, defender e sustentar o reino do diabo e os reinos deste mundo. Fazem o novo e eterno convênio de apoiar o reino de Deus e nenhum outro. Assumem o compromisso solene, diante dos céus e da Terra, sob risco de perderem sua própria salvação, de que defenderão a verdade e a justiça em vez da iniqüidade e da mentira e que construirão o reino de Deus e não os reinos deste mundo. (DBY, p. 160)

    Embora professemos estrita fidelidade a Deus e Sua causa, não teremos direito às bênçãos e privilégios de Seu reino sem que nos tornemos cidadãos dele. Como podemos alcançar esse objetivo? Arrependendo-nos de nossos pecados e obedecendo aos requisitos do evangelho do Filho de Deus que nos foi dado. Centenas de milhares de pessoas creram no Senhor Jesus Cristo, arrependeram-se de seus pecados e receberam o testemunho do Santo Espírito, testificando-lhes que Deus é amor, que elas O amavam e eram por Ele amadas; entretanto, elas não se encontram em Seu reino, pois não cumpriram os requisitos necessários e, chegando à porta, não entraram. (DBY, pp. 152–153)

    Vocês não têm o poder de batizar ou ressuscitar a si próprios; nem poderiam legalmente batizar uma outra pessoa para a remissão dos pecados até que alguém os batizasse e os ordenasse, conferindo-lhes essa autoridade. (DBY, p. 160)

    A água tem em si mesma algum poder de lavar o pecado? Certamente que não; porém, o Senhor disse: “Se o pecador arrepender-se de seus pecados, entrar nas águas do batismo e lá for sepultado à semelhança de alguém que é colocado na terra e nela enterrado, e novamente sair da água à semelhança de um nascimento, se ele assim fizer com toda a sinceridade de coração, seus pecados serão lavados”. [Ver D&C 128:12–13.] A água os lavará por si própria? Não, mas o cumprimento dos mandamentos de Deus limpará a mancha do pecado. (DBY, p. 159)

    Sugestões para Estudo

    Nossas obrigações e responsabilidade aumentam à medida que adquirimos maior capacidade de entendimento.

    • Como o Presidente Young definiu o pecado? (Ver também Tiago 4:17.)

    • O que o Presidente Young ensinou a respeito de nossa responsabilidade ao adquirirmos mais conhecimento do que é certo e do que é errado? (Ver também 2 Néfi 9:25-27.)

    • Qual deve ser nossa atitude em relação à necessidade que temos de melhorar nossa vida? (Ver também Alma 34:33.) O que isso nos ensina sobre conhecimento e responsabilidade?

    A Expiação pode fazer efeito em nossa vida mediante arrependimento sincero.

    • Qual é a conseqüência do arrependimento sincero? Por que a obediência às leis do evangelho é uma parte necessária do arrependimento?

    • O que o Presidente Young ensinou acerca do arrependimento no leito da morte?

    O batismo é uma ordenança essencial para nossa salvação.

    • Qual é a função do batismo em nossos esforços de achegar-nos a Cristo? (Ver também Morôni 8:25–26.)

    • O que o Presidente Young ensina a respeito de quem deve e quem não precisa ser batizado? Por que não é adequado batizar os que não alcançaram a idade de responsabilidade? (Ver também Morôni 8:9–14.) O que o Presidente Young disse às pessoas responsáveis por seus atos que se consideram livres de pecado?

    • O Presidente Young ensinou que todas as ordenanças do evangelho, incluindo o batismo, são necessárias para nossa salvação. De que maneira as ordenanças do evangelho abençoam sua vida?

    • O Presidente Young ensinou que “todos os santos dos últimos dias fazem o novo e eterno convênio ao filiarem-se a esta Igreja”. Qual é o convênio que fazemos ao sermos batizados? O que devemos deixar de fazer ao assumir esse convênio? (Ver Mosias 18:8–10.)

    • Por que a crença no Senhor Jesus Cristo e o amor que sentimos por Ele não são o suficiente para entrarmos em Seu reino?

    • Por que precisamos ser “ordenados (…) a essa autoridade” para podermos batizar?

    • De acordo com o Presidente Young, qual é o significado e o simbolismo do batismo? (Ver também Romanos 6:3–6, 11; Moisés 6:58–60; I João 5:7–8.) O Presidente Young explicou que “a água não tem em si mesma nenhum poder de lavar o pecado”. O que nos limpará do pecado?