Aceitar a Expiação de Jesus Cristo
    Notas de rodapé

    Capítulo 5

    Aceitar a Expiação de Jesus Cristo

    A respeito da expiação, o Presidente Brigham Young escreveu o seguinte a um de seus filhos: “Está a nosso alcance conseguir o total benefício da expiação infinita feita por nosso Senhor e Salvador. Ele é plena e inteiramente nosso, mas somente sob a condição de observarmos fielmente nossos convênios e obrigações de cumprir os mandamentos divinos que nos foram dados”. (LBY, p. 259) O Presidente Young ensinou que todas as esperanças de salvação se encontram na Expiação do Salvador, Jesus Cristo.

    Ensinamentos de Brigham Young

    Jesus Cristo ofereceu à humanidade uma expiação infinita.

    Os santos dos últimos dias crêem na expiação do Salvador, e eu gostaria que os élderes de Israel compreendessem o máximo possível todos os pontos de doutrina concernentes à redenção da família humana, para que saibam falar a respeito deles e explicá-los. (DNSW, 18 de agosto de 1874, p. 2.)

    Jesus veio para estabelecer Seu reino espiritual e introduzir um código de princípios morais que elevaria o espírito das pessoas à divindade e a Deus, para que alcançassem uma ressurreição gloriosa e o direito de reinar na Terra quando os reinos deste mundo se tornarem os reinos de nosso Deus e de Seu Cristo. Ele também veio para apresentar-se como o Salvador do mundo, para derramar Seu sangue sobre o altar da expiação e revelar o caminho da vida a todos os fiéis. (DNW, 13 de agosto de 1862. p. 1.)

    Joseph [Smith] disse-nos que Jesus era o Cristo—o Mediador entre Deus e o homem—e o Salvador do mundo. Ele disse-nos que não havia outro nome nos céus ou abaixo dos céus, nem poderia haver, pelo qual a humanidade pudesse ser salva na presença do Pai, a não ser pelo nome e ministério de Jesus Cristo e por Sua expiação no Monte Calvário. Joseph Smith também nos disse que o Salvador exige estrita obediência a todos os mandamentos, ordenanças e leis pertencentes a Seu reino e que se fizéssemos isso iríamos tornar-nos participantes de todas as bênçãos prometidas em Seu Evangelho. (DNW, 22 de outubro de 1862, p. 1.)

    No dia em que a expiação do Salvador deixar de existir, nesse momento, de uma só vez, serão destruídas todas as esperanças de salvação do mundo cristão, pois o alicerce de sua fé terá sido retirado e nada restará em que possam fundamentar-se. Quando isso acontecer, todas as revelações que Deus deu à nação dos judeus e aos gentios perderão seu valor, e toda esperança ser-nos-á tirada de um só golpe. (DBY, p. 27)

    Christ in Gethsemane

    O Presidente Brigham Young ensinou que “todos os que alcançarem qualquer grau de glória, em qualquer reino, alcançá-lo-ão porque Jesus os adquiriu por meio de Seu sacrifício expiatório”. (DBY, p. 30).

    Por intermédio do dom da Expiação, que somente Cristo poderia conceder, os filhos de Deus podem herdar um reino de glória.

    Os santos dos últimos dias crêem no Evangelho do Filho de Deus simplesmente porque é verdadeiro. Crêem no batismo para a remissão dos pecados, no batismo pessoal e vicário; crêem que Jesus é o Salvador do mundo; que todos os que alcançarem qualquer grau de glória, em qualquer reino, alcançá-lo-ão porque Jesus os adquiriu por meio de Seu sacrifício expiatório. (DBY, p. 30)

    Jesus foi designado, desde o princípio, para morrer por nossa redenção. Ele sofreu uma dolorosa morte na cruz. (DBY, p. 27)

    Posso dizer-lhes no que concerne a Jesus e a expiação (assim está escrito e nisso creio firmemente), que Cristo morreu por todos nós. Ele pagou completamente a dívida, quer aceitemos essa dádiva ou não. Mas se continuarmos a pecar, mentir, roubar e a prestar falso testemunho, devemos arrepender-nos e abandonar o pecado para sermos plenamente beneficiados pela eficácia do sangue de Cristo. Sem isso, ele de nada nos vale. É necessário que nos arrependamos para sermos beneficiados pela expiação. Que todos os que praticam o mal deixem de fazê-lo e não mais vivam em transgressão, não importa de que tipo, e que vivam sua vida de acordo com as revelações que lhes foram dadas, para que o seu exemplo seja digno de ser imitado. Lembremo-nos de que nunca estaremos fora da influência de nossa religião—nunca, nunca! (DBY, pp. 156–157)

    Jesus levantará, por meio de Sua própria redenção, todos os filhos e filhas de Adão, exceto os filhos da perdição, os quais serão lançados no inferno. (…) É verdade que toda pessoa que não perder a oportunidade de salvação por meio do pecado, tornando-se um anjo do diabo, será levantada para herdar um reino de glória. (DBY, p. 382)

    Jesus foi o primogênito dentre os mortos, como poderão compreender. Nem Enoque, Elias, Moisés nem qualquer outro homem que já tenha vivido sobre a Terra, por mais digna que tenha sido sua vida, jamais ressuscitou antes que o corpo de Jesus Cristo fosse chamado da tumba por um anjo. Ele foi as primícias dos que dormem. Ele é o Senhor da ressurreição —a primeira carne que aqui habitou após receber a glória da ressurreição. (DBY, p. 374)

    Isso não foi milagre para Ele. O Senhor tinha poder sobre a vida e a morte; tinha poder para dar Sua vida e tornar a tomá-la. Foi isso o que Ele disse, e devemos crer em Suas palavras se quisermos crer na história do Salvador e nos ensinamentos dos apóstolos registrados no Novo Testamento. Jesus tinha poder em Si mesmo; o Pai Lho concedeu, e Ele o recebeu por herança tendo, portanto, o poder de dar Sua vida e tomá-la novamente. (DBY, pp. 340–341)

    A Expiação de Cristo possibilita o perdão para aqueles que têm fé, se arrependem e obedecem a Deus.

    Foi permitido que as trevas e o pecado viessem à Terra. O homem partilhou do fruto proibido de acordo com um plano concebido desde a eternidade, para que a humanidade entrasse em contato com os princípios e poderes das trevas, conhecesse o amargo e o doce, o bem e o mal, tornando-se apta a discernir a luz das trevas e capacitando-se a receber luz continuamente. (DBY, p. 61)

    Este evangelho salvará toda a família humana. O sangue de Jesus expiará todos os nossos pecados, se aceitarmos os termos que Ele estabeleceu; mas devemos aceitá-los ou a expiação não será de nenhum proveito para nós. (DBY, pp. 7–8)

    Para que as pessoas sejam verdadeiros santos, é necessário que todas as influências errôneas que existem dentro delas, como indivíduos, sejam subjugadas, até que todo desejo iníquo seja erradicado e que todos os sentimentos do coração se sujeitem à vontade de Cristo. (DBY, p. 91)

    É necessário que toda a expiação de Cristo, a misericórdia do Pai, a piedade dos anjos e a graça do Senhor Jesus Cristo estejam sempre conosco, e que façamos tudo o que estiver a nosso alcance para livrar-nos do pecado que existe em nós, para podermos escapar deste mundo e entrar no reino celestial. (DBY, p. 60)

    Sugestões para Estudo

    Jesus Cristo ofereceu à humanidade uma expiação infinita.

    • Por que Jesus Cristo veio ao mundo e estabeleceu Seu “reino espiritual”? Quais as outras razões de Sua vinda à Terra? De que maneira Jesus “revelou o caminho da vida a todos os que crêem”? Como podemos ensinar nossa família de modo a “elevar [seu] espírito (…) à divindade e a Deus”?

    • Como podemos ser “salvos na presença do Pai” e “tornar-nos participantes de todas as bênçãos prometidas em Seu evangelho”?

    • De acordo com o Presidente Young, o que aconteceria ao mundo cristão se a Expiação de Jesus Cristo deixasse de existir? (Ver também 2 Néfi 9:6–9.)

    • Examine as seguintes escrituras para inteirar-se de outros aspectos da expiação: Mosias 13:28, 32–35; Alma 7:11–12; 34:9–12; Morôni 8:8–12; D&C 88:6.

    Por intermédio do dom da Expiação, que somente Cristo poderia conceder, os filhos de Deus podem herdar um reino de glória.

    • Jesus foi designado na existência pré-mortal “para morrer por nossa redenção”. Ele redime-nos da separação física e espiritual de Deus. Isso é chamado de A Expiação. O Presidente Young declarou que a Expiação de Cristo “pagou completamente a dívida, quer aceitemos a dádiva ou não”. (Ver também Helamã 14:15–18.) Como recebemos o benefício completo da Expiação?

    • O Presidente Young ensinou que todos os que alcançarem qualquer grau de glória, em qualquer reino, alcançá-lo-ão porque Jesus os adquiriu por meio de Seu sacrifício expiatório. Como Ele pagou a dívida de Adão? Como Ele pagou nossa dívida? (Ver também 2 Néfi 2:8–10.)

    • Como Jesus tornou-Se o “Senhor da ressurreição”?

    A Expiação de Cristo possibilita o perdão àqueles que têm fé, arrependem-se e obedecem a Deus.

    • Por que foi permitido que as trevas e o pecado viessem à Terra? Quais são as conseqüências da queda de Adão? (Ver também 2 Néfi 2:22–25.)

    • A expiação propicia a redenção de nossos pecados conforme os termos estabelecidos por nosso Redentor. Quais são esses termos? (Ver também 2 Néfi 2:26; D&C 18:44.)

    • A qual ajuda divina podemos recorrer, a fim de escapar deste mundo e entrar no reino celestial? O que é exigido de nós?