O Sacerdócio
    Notas de rodapé

    Capítulo 18

    O Sacerdócio

    O Presidente Young foi ordenado um dos Doze Apóstolos originais desta dispensação. Como parte da bênção que recebeu em sua ordenação, foi-lhe dito: “O santo sacerdócio foi-lhe conferido para que fizesse maravilhas em nome de Jesus Cristo, expulsando demônios, curando doentes, levantando mortos, fazendo cegos verem, indo avante de uma terra a outra e de um mar a outro”. (HC, 2:188–89) Ele declarou que o sacerdócio que lhe foi conferido era um “sistema perfeito de governo, de leis e ordenanças” que, “quando corretamente entendido”, possibilitaria aos justos terem “real acesso ao tesouro do Senhor”. (DBY, pp. 130, 131)

    Ensinamentos de Brigham Young

    O Senhor dirige Seu trabalho nos céus e na Terra por intermédio do sacerdócio.

    Se alguém quiser saber o que é o Sacerdócio do Filho de Deus, saiba que é a lei pela qual os mundos existem, existiram e continuarão a existir para todo o sempre. É esse sistema que faz surgir os mundos e os povoa, determinando suas revoluções, seus dias, semanas, meses e anos, estações e épocas, e pelo qual serão enrolados, por assim dizer, como um pergaminho, para alcançarem um estado mais elevado de existência. (DBY, p. 130)

    O Sacerdócio do Filho de Deus que temos entre nós é uma ordem e sistema de governo perfeitos e somente ele pode livrar a família humana de todos os males que hoje afligem seus integrantes, assegurando-lhes alegria e felicidade na vida futura. (DBY, p. 130)

    Este sacerdócio esteve na Terra em diversas épocas. Adão possuía-o e também Sete, bem como Enoque, Noé, Abraão e Ló, sendo passado de pai para filho até os dias dos profetas, muito depois da época dos povos antigos. Esse sumo sacerdócio rege, dirige, governa e controla todos os sacerdócios, porque é o mais elevado de todos. (DBY, p. 131)

    Quando falamos da lei celestial que foi revelada dos céus, ou seja, o sacerdócio, estamos falando a respeito do princípio da salvação, um sistema perfeito de governo, de leis e ordenanças por meio das quais podemos preparar-nos para passar de um portão para outro, de uma sentinela para outra, até chegarmos à presença de nosso Pai e Deus. (DBY, p. 130)

    Não é por sermos chamados de quacres, metodistas ou “mórmons” que existem disputas entre estes dois grandes poderes: Cristo e Belial [o iníquo]; mas pelo fato de Deus estar estabelecendo o Seu reino sobre a Terra e restaurando o santo sacerdócio, que dá autoridade e poder aos homens para ministrarem em Seu nome. (DBY, p. 76)

    O evangelho trouxe-nos o santo sacerdócio, que foi novamente restaurado aos filhos dos homens. As chaves desse sacerdócio estão aqui e nós a possuímos; com elas podemos abrir e fechar. Podemos alcançar a salvação e ministrá-la. (DBY, pp. 130–131)

    Se estiverem convictos, por meio de todos os seus sentidos e faculdades, de que Deus revelou o santo sacerdócio, estabeleceu Seu reino sobre a Terra, restaurou a plenitude do evangelho e estendeu a mão para reunir a Casa de Israel, isso lhes será tão satisfatório quanto se tivessem ido aos céus para verem por si mesmos. (DBY, p. 429)

    Essa lei nem sempre esteve sobre a Terra, e na falta dela outras leis foram dadas aos filhos dos homens para seu aperfeiçoamento, educação e governo e para prová-los, para ver o que fariam ao ser-lhes permitido controlarem-se a si mesmos. O que atualmente chamamos de tradição originou-se dessas circunstâncias. (DBY, p. 130)

    Não existe nenhuma ação realizada por um santo dos últimos dias, nenhum dever que dele seja requerido, nenhum tempo concedido que seja desvinculado e independente do sacerdócio. Tudo lhe é sujeito, seja na pregação, nos negócios ou em qualquer outro ato pertencente ao processo normal desta vida. (DBY, p. 133)

    O Senhor Todo-Poderoso não permitirá que Seu sacerdócio seja novamente retirado da Terra. (DBY, p. 131)

    Quando os élderes fiéis, portadores deste sacerdócio, vão para o mundo espiritual, levam consigo o mesmo poder e sacerdócio que possuíam enquanto habitavam no tabernáculo mortal. (DBY, p. 132)

    Muito já se falou a respeito do poder que os santos dos últimos dias possuem. São eles que têm esse poder ou é o sacerdócio? É o sacerdócio. Se viverem de acordo com esse sacerdócio, poderão iniciar sua obra nesta vida e alcançar inúmeras vitórias, preparando-se assim para receberem glória, imortalidade e vida eterna para que, ao chegarem ao mundo espiritual, suas obras ultrapassem as que forem realizadas por qualquer outro homem ou ser, que não tenha sido abençoado nesta vida com as chaves do sacerdócio. (DBY, pp. 131–132)

    Church leadership in 1853

    A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos em 1853.

    As chaves do sacerdócio “dão acesso ao tesouro do Senhor”.

    O sacerdócio é concedido às pessoas, e suas chaves, quando devidamente compreendidas, podem realmente abrir o tesouro do Senhor e receber sua plena satisfação. No entanto, devido a nossas próprias fraquezas e por causa da debilidade da natureza humana, não conseguimos fazer isso. (DBY, p. 131)

    Os homens destruíram o “mormonismo” quando tiraram a vida de Joseph? Não. O “mormonismo”, o sacerdócio e as chaves do reino estão aqui na Terra. Quando Joseph Smith partiu, não as levou consigo. Se algum dia os iníquos conseguirem tirar-me a vida, as chaves do reino permanecerão com a Igreja. (DBY, p. 134)

    As ordenanças da casa de Deus foram instituídas para a salvação da família humana. Somos atualmente as únicas pessoas na Terra que têm conhecimento disso, que possuem as chaves de salvação que o Senhor Todo-Poderoso conferiu aos filhos dos homens desde os céus. Visto que existem pessoas que possuem essas chaves, é importante que sejam usadas para a salvação da família humana. É necessário que construamos templos, lugares em que as ordenanças de salvação são ministradas, para que o plano de redenção seja executado, e esse é um tema glorioso de ser abordado nos discursos dirigidos aos santos. (DBY, pp. 396–397)

    Dizemos a verdade e não mentimos. Todo aquele que crê que Joseph Smith Jr. foi um Profeta enviado por Deus, por Ele ordenado para receber e possuir as chaves do santo sacerdócio, que é segundo a ordem do Filho de Deus, e recebe poder para construir o reino de Deus sobre a Terra, reunir a casa de Israel, conduzir à redenção todos aqueles que crerem e obedecerem, restaurar o que foi perdido em conseqüência da transgressão—todo aquele que acredita nesses princípios, crê no Senhor e obedece a Seus mandamentos até o fim da vida não terá o nome apagado do livro da vida do Cordeiro e receberá coroas de glória, imortalidade e vida eterna. (DBY, p. 5)

    Receber e exercitar o poder do sacerdócio requer retidão pessoal.

    Um homem portador do sacerdócio, que se mantém fiel a seu chamado, que se deleita continuamente em fazer as coisas requeridas pelo Senhor e que durante toda sua vida desempenha fielmente seus deveres, assegurará para si não apenas o privilégio de receber, mas também de saber como receber as coisas de Deus, para que possa sempre conhecer a mente de Deus; e será capaz de discernir o certo do errado, as coisas de Deus das coisas que não são de Deus. E o sacerdócio, o espírito que nele habita, continuará a desenvolver-se até tornar-se como uma fonte de água viva, uma árvore da vida; até que se torne uma fonte contínua de inteligência e instrução para aquele indivíduo. (DBY, p. 132)

    Os homens que são vasos do santo sacerdócio, que têm a incumbência de levar as palavras de vida eterna ao mundo, devem esforçar-se continuamente em suas palavras, ações e comportamento diário para honrar com o máximo de dignidade seu chamado e ofício como ministros e representantes do Altíssimo. (DBY, p. 130)

    Quando o santo sacerdócio está sobre a Terra, e a plenitude do reino de Deus é concedida ao povo, exige-se estrita obediência a cada princípio da lei e da doutrina e a todas as ordenanças reveladas pelo Senhor. (DBY, p. 132)

    Se sua fé estivesse concentrada nas coisas adequadas, sua confiança fosse inabalável, sua vida fosse pura e santa, e todos cumprissem os deveres de seus respectivos chamados de acordo com o sacerdócio e a capacidade que lhes foram concedidos, vocês ficariam plenos do Espírito Santo, e seria tão impossível alguém enganá-los e levá-los à destruição quanto uma pena deixar de ser consumida em meio a um calor intenso. (DBY, p. 132)

    Enquanto os interesses egoístas e pessoais não forem banidos de nossa mente e não voltarmos nosso interesse para o bem-estar geral, nunca conseguiremos magnificar o santo sacerdócio como deveríamos. (DBY, p. 133)

    O santo sacerdócio proporciona bênçãos sagradas às pessoas e famílias.

    Esse sacerdócio foi novamente restaurado e, por meio de sua autoridade, seremos ligados a nossos antepassados pela ordenança do selamento até formarmos uma corrente perfeita desde o Pai Adão até o final dos tempos. [Ver D&C 128:18.] (DBY, p. 400) Rogo diariamente aos élderes de Israel, quando tenho oportunidade, que vivam sua religião de maneira que o Espírito Santo seja seu companheiro constante. Desse modo, serão qualificados para serem juízes em Israel, para presidirem como bispos, élderes e sumo conselheiros e como homens de Deus, tomando a família e os amigos pela mão, conduzindo-os no caminho da verdade e da virtude e, por fim, ao reino de Deus. (DBY, pp. 136–137)

    Sugestões para Estudo

    O Senhor dirige Seu trabalho nos céus e na Terra por intermédio do sacerdócio.

    • De acordo com o Presidente Young, o que é o sacerdócio? (Ver também D&C 84:17–22)

    • De que maneira as coisas que fazemos “pertencentes ao processo normal desta vida” deveriam ser sujeitas ao sacerdócio? Como isso afetaria nossas ações no lar, na Igreja, na escola e no trabalho?

    • O que o sacerdócio permitirá aos élderes fiéis fazerem no mundo espiritual?

    • De que maneira nós, como membros da Igreja, vivemos os princípios e a ordem do sacerdócio? (Ver também D&C 20:38–60.) Que influência o sacerdócio teve em sua vida? O que vocês podem fazer para que a influência e o poder do sacerdócio sejam mais efetivos em sua vida e na de sua família?

    As chaves do sacerdócio “dão acesso ao tesouro do Senhor”.

    • Por que as chaves do sacerdócio não foram tiradas da Igreja com a morte do Profeta Joseph Smith?

    • De que maneira as chaves do sacerdócio “dão acesso ao tesouro do Senhor” e proporcionam a salvação à família humana?

    • O que o Presidente Young ensinou a respeito das chaves do sacerdócio? (Ver também D&C 107:18–20, 35; 132:7.) O que essas chaves autorizam os servos do Senhor a fazer?

    Receber e exercitar o poder do sacerdócio requer retidão pessoal.

    • De que modo a vida pessoal de um portador do sacerdócio influencia sua capacidade de agir em prol do Senhor? Por que a retidão pessoal é tão importante? (Ver também D&C 107:99–100; 121:41–46.)

    • De que forma “os homens que são vasos do santo sacerdócio” podem honrar o ofício e o chamado que receberam? Que bênçãos recebem os membros que cumprem os deveres concernentes a seu chamado?

    • De que modo o egoísmo e o poder do sacerdócio são incompatíveis? Por que devemos banir o egoísmo se quisermos magnificar o sacerdócio? (Ver também D&C 121:37.) De que forma o egoísmo é um problema em nosso meio hoje em dia? Como podemos sobrepujar o egoísmo?

    O santo sacerdócio proporciona bênçãos sagradas às pessoas e famílias.

    • Como o sacerdócio tem abençoado e fortalecido sua família? Por que o poder do sacerdócio é tão importante na formação de famílias eternas? (Ver também D&C 128:18; 131:1–4; 132:19.)

    • O que os portadores do sacerdócio podem fazer para “tomar a família e os amigos pela mão e conduzi-los no caminho da verdade e da virtude”?