As Escrituras
    Notas de rodapé

    Capítulo 17

    As Escrituras

    Todas as noites, o Presidente Brigham Young tocava o sino de oração e reunia a família para cantar, ouvir conselhos, estudar a palavra de Deus e orar juntos em família. Ele acreditava no estudo das escrituras e comparava-as a um “sinal apontando o caminho que devemos seguir. Para onde elas apontam? Para a Fonte de luz”. (DBY, p. 127) Ele exortou os santos: “Vocês lêem as escrituras, irmãos e irmãs, como se as estivessem escrevendo há mil, dois mil ou cinco mil anos? Lêem-nas como se estivessem no lugar dos homens que as escreveram? Se não o fazem dessa maneira, é seu privilégio fazê-lo, para se familiarizarem com o espírito e o significado da palavra escrita de Deus, do mesmo modo que estão familiarizados com seu dia-a-dia, seus colegas de trabalho ou familiares”. (DBY, p. 128)

    Ensinamentos de Brigham Young

    Ao aprendermos e vivermos os ensinamentos das escrituras, recebemos inspiração e orientação para nossa vida.

    Vocês têm o privilégio e a responsabilidade de viver de modo a poderem compreender as coisas de Deus. Temos o Velho e o Novo Testamentos, o Livro de Mórmon e o livro de Doutrina e Convênios, que nos foi dado por Joseph, e todos eles são de grande valor para alguém que vagueia na escuridão. São como um farol no oceano ou um sinal que aponta o caminho que devemos seguir. Para onde eles apontam? Para a Fonte de luz. (DBY, p. 127)

    Creio nas palavras da Bíblia. (…) Creio que as doutrinas concernentes à salvação contidas nesse livro são verdadeiras e a sua observância elevará qualquer povo, nação ou família que habitar sobre a face da Terra. As doutrinas contidas na Bíblia elevarão todos os que as observarem a uma condição superior; elas irão proporcionar-lhes conhecimento, sabedoria e caridade, enchendo-os de compaixão e levando-os a se preocuparem com as necessidades dos aflitos ou dos que se encontram em situação dolorosa ou degradante. Aqueles que observarem os preceitos contidos nas escrituras serão justos, verdadeiros, virtuosos e pacíficos tanto no lar quanto fora dele. Vivam de acordo com as doutrinas da Bíblia e então os homens se tornarão ótimos maridos, as mulheres, esposas excelentes, e os filhos serão obedientes; elas tornarão as famílias felizes e as nações prósperas, felizes e elevadas acima das coisas desta vida. (DBY, p. 125)

    Usamos este livro [a Bíblia] como nosso guia, nosso plano de ação e alicerce de nossa fé. Ele indica o caminho da salvação como um sinal apontando para uma cidade ou como um mapa que mostra a localização de montanhas e rios ou a latitude e longitude de qualquer lugar da face da Terra que desejarmos encontrar, e o bom senso nos leva a crer em suas indicações; por isso, digo que os santos dos últimos dias têm a fé e a crença mais espontâneas de todos os povos da face da Terra. (DBY, p. 125)

    Consideramos a Bíblia (…) como um guia (…) que aponta o caminho para determinado lugar. Essa é uma doutrina verdadeira, que destemidamente proclamamos. Se vocês seguirem as doutrinas e forem guiados pelos preceitos desse livro, ele irá orientá-los para onde vejam como são vistos, onde conversem com Jesus Cristo, recebam a visitação de anjos, tenham sonhos, visões e revelações, compreendam e conheçam a Deus por si mesmos. Não é ela um sustento e um apoio para vocês? Sim, ela lhes provará que vocês estão seguindo os passos do povo de Deus que viveu em tempos antigos. Vocês poderão ver o que eles viram e compreender o que desfrutavam. (DBY, p. 126)

    Não existe conflito algum entre os princípios revelados na Bíblia, no Livro de Mórmon e em Doutrina e Convênios. [A Pérola de Grande Valor ainda não era obra-padrão na ocasião dessa declaração.] Não haveria qualquer contradição entre as doutrinas ensinadas pelo Profeta Joseph Smith e as que os irmãos ensinam agora se todos vivessem de maneira a serem guiados pelo Espírito do Senhor. Nem todos vivem de modo que possam ter sempre consigo o Espírito do Senhor e conseqüentemente alguns se desviam do caminho. (DBY, p.126)

    Cremos no Livro de Mórmon e em Doutrina e Convênios, que foram dados pelo Senhor a Joseph Smith, que os deu à Igreja. Cremos também que, se não tivéssemos o Espírito do Senhor e nossos olhos estivessem fechados de modo a não podermos ver nem compreender as coisas como realmente são pelo espírito de revelação, poderíamos dizer adeus a todos esses livros, por mais numerosos que fossem. Se tivéssemos todas as revelações dadas desde os dias de Adão e não contássemos com o espírito de revelação no meio deste povo, não nos seria possível ser salvos no reino de Deus. (DBY, p. 128)

    O livro de Doutrina e Convênios foi dado aos santos dos últimos dias especificamente para sua vida e ações do dia-a-dia. (DBY, p. 128)

    A Bíblia contém as doutrinas da salvação.

    Este livro, que contém o Velho e o Novo Testamentos, prega um único sermão de Gênesis até o Apocalipse. (DBY, p. 126)

    A doutrina que pregamos é a doutrina da Bíblia, é a doutrina que o Senhor revelou para a salvação dos filhos de Deus. Quando os homens, que uma vez a obedeceram, resolvem negá-la, fazem-no com os olhos bem abertos, sabendo que estão recusando a verdade e menosprezando os conselhos do Todo-Poderoso. (DBY, p. 126)

    A Bíblia é verdadeira. Pode ser que nem todo o seu texto tenha sido traduzido corretamente e que muitas coisas preciosas tenham sido rejeitadas durante sua compilação e tradução. [Ver 1 Néfi 13:24–27.] No entanto, compreendemos por meio dos escritos de um dos apóstolos que se tudo o que o Salvador disse e fez tivesse sido escrito, o mundo todo não poderia conter esses livros. [Ver João 21:25.] Digo que o mundo não poderia compreendê-los. Eles não compreendem o que está registrado nem a personalidade do Salvador, conforme descrevem as escrituras; contudo, é uma das coisas mais simples do mundo, e a Bíblia, se corretamente compreendida, é um dos livros mais simples do mundo, pois, desde que seja correta sua tradução, [ver Regras de Fé 1:8] nada mais é do que a verdade, e na verdade não há mistério, a não ser para o ignorante. As revelações do Senhor a Suas criaturas foram adequadas à capacidade dos mais simples e proporcionam vida e salvação a todos aqueles que estiverem dispostos a aceitá-las. (DBY, p. 124)

    Cremos no Novo Testamento, conseqüentemente, para sermos coerentes, temos que acreditar em novas revelações, em visões, em anjos, em todos os dons do Espírito Santo, em todas as promessas contidas nesses livros e crer nessas coisas conforme estão escritas. (DBY, p. 124)

    Temos sagrada reverência pela Bíblia e nela cremos. (DBY, p. 124)

    Ao lermos a Bíblia, percebemos que o evangelho está presente não apenas no Novo Testamento, mas também no Velho. Moisés e os profetas antigos viram e predisseram a apostasia da Igreja. Viram que o Senhor contenderia com os filhos dos homens de tempos em tempos e que lhes daria a verdade e o sacerdócio. Também viram que por causa da iniqüidade do povo, eles mudariam suas ordenanças, quebrariam os convênios e transgrediriam suas leis [ver Isaías 24:5] até que o sacerdócio fosse tirado da Terra, e seus habitantes fossem deixados em apostasia e escuridão. (DBY pp. 124–125)

    Nós, os santos dos últimos dias, declaramos perante os céus, diante das hostes celestiais e perante os habitantes da Terra que realmente cremos nas escrituras conforme nos foram dadas, de acordo com o melhor entendimento e conhecimento que temos de sua tradução e com o espírito e significado do Velho e Novo Testamentos. (DBY, pp. 125–126)

    O Livro de Mórmon (…) declara que a Bíblia é verdadeira e apresenta provas disso; um prova a veracidade do outro. O Velho e o Novo Testamentos são a vara de Judá. [Ver Ezequiel 37:15–19.] Vocês se lembram que a tribo de Judá vivia em Jerusalém e que o Senhor a abençoou, resultando disso os escritos do Velho e Novo Testamentos. Mas onde se encontra a vara de José? Podem dizer-me onde achá-la? Sim. Foram os filhos de José que cruzaram as águas e vieram a este continente [as Américas], e esta terra foi povoada. O Livro de Mórmon, ou a vara de José, contém os escritos desse povo, que estão nas mãos de Efraim. Onde estão os efraimitas? Estão misturados entre todas as nações da Terra. Deus está convocandoos para que se reúnam. Ele os está reunindo, e eles estão propagando o evangelho por todo o mundo. (DBY, p. 127)

    As mensagens das escrituras são simples e fáceis de se entender para os que procuram o Espírito do Senhor.

    Não nos encontramos na mesma situação dos povos que viveram há alguns milhares de anos—eles dependiam do Profeta ou Profetas ou de receberem revelação pessoal direta para conhecerem a vontade do Senhor, sem contarem com os registros de seus predecessores, ao passo que nós temos os registros daqueles que viveram antes de nós e também o testemunho do Santo Espírito. Para a satisfação de todos os que desejam um testemunho, podemos tomar deste livro e ler a respeito do que acreditamos, aprender qual é o objetivo que almejamos e a meta final que esperamos alcançar—o final da corrida no que concerne à mortalidade— e a plenitude da glória que está além deste vale de tristezas; conseqüentemente, levamos vantagem sobre os que viveram antes de nós. (DBY, p. 128)

    De toda parte as pessoas perguntam: “Qual é o significado desta escritura e como devemos entender esta ou aquela passagem”? Irmãos e irmãs, desejo que entendamos as coisas precisamente como são e não de acordo com o que a imaginação fugaz e mutável da mente humana possa conceber. (DBY, p. 128)

    Pergunto-lhe, irmão Brigham, de que maneira devo acreditar na Bíblia e de que modo você e os outros seguidores do Senhor Jesus Cristo nela acreditam? (…) Creio na Bíblia exatamente como ela é. Não creio que devamos empregar qualquer interpretação do homem, a menos que seja dirigida, de alguma forma, pelo próprio Senhor. Não creio que precisemos de intérpretes e explanadores das escrituras para modificarem seu significado literal, claro e simples. (DBY, p. 126)

    A Bíblia é de tão simples e fácil entendimento como a revelação que acabei de ler para vocês [ver D&C 58], se compreenderem o Espírito de Deus, o Espírito de Revelação e souberem como o evangelho de salvação é adequado à capacidade do homem fraco. (DBY, p. 128)

    No que se refere à Bíblia, a fraseologia é aquela que costumavam usar há muitos séculos; mas não importa qual seja a linguagem utilizada, isso é meramente um costume. Digo, porém, que as doutrinas ensinadas no Velho e Novo Testamentos concernentes à vontade de Deus para com Seus filhos aqui na Terra, a história do que Ele fez para a salvação deles, as ordenanças que instituiu para sua redenção, a dádiva de Seu Filho e Sua expiação—todas essas coisas são verdadeiras, e nós, santos dos últimos dias, nelas acreditamos. (DBY, p. 129)

    Quando refletimos e entendemos corretamente, aprendemos o quanto o evangelho é de fácil compreensão, quão simples é seu plano, como cada parte e princípio se adaptam perfeitamente à capacidade dos homens, de modo que, ao ser apresentado aos amantes da verdade, ele lhes parece muito simples e de fácil compreensão, e as pessoas sinceras o aceitam de imediato. (DBY, p. 129)

    Todos nós devemos viver de maneira que o Espírito de revelação possa comunicar-se com nosso coração e dizer-nos o que devemos fazer. (…) Para isso, devemos tornar-nos como criancinhas. Jesus disse que, se não o fizermos, não poderemos entrar no reino dos céus. Que tarefa simples! Vivamos livres de inveja, malícia, ira, contendas, ressentimentos e maledicências com nossa família, vizinhos, amigos e com todos os habitantes da Terra, onde quer que os encontremos. Vivamos de modo que nossa consciência seja livre, limpa e pura.(DBY, p. 36)

    Sugestões para Estudo

    Ao aprendermos e vivermos os ensinamentos das escrituras, recebemos inspiração e orientação para nossa vida.

    • De acordo com o Presidente Young, por que devemos estudar as doutrinas do Senhor contidas nas escrituras? O que o Presidente Young prometeu àqueles que observarem os preceitos da Bíblia e de outras escrituras?

    • De que modo os registros feitos há centenas e milhares de anos podem guiar nossa vida hoje em dia? Como as escrituras orientam sua vida?

    • Por que, segundo o Presidente Young, recebemos Doutrina e Convênios? Como Doutrina e Convênios tem-lhes ajudado em sua “vida e ações do dia-a-dia”? (Ver também D&C 4:3–4; 84:43–44; 86:11; 121:41–42, 45)

    A Bíblia contém as doutrinas da salvação.

    • O Presidente Young ensinou que a Bíblia “prega um único sermão de Gênesis até o Apocalipse”. Que sermão é esse?

    • Como as escrituras os ajudam a entender “a personalidade do Salvador”?

    • O que são as varas de Judá e de José? Qual a relação existente entre a Bíblia e o Livro de Mórmon? De acordo com o Presidente Young, com que propósito a vara de José foi colocada nas “mãos de Efraim”?

    As mensagens das escrituras são simples e fáceis de se entender para os que procuram o Espírito do Senhor.

    • Qual foi o conselho do Presidente Young àqueles que constantemente procuram as interpretações que os homens fazem das escrituras?

    • Que vantagens temos em possuirmos os registros dos profetas contidos nas escrituras?

    • O Presidente Young incentivou-nos a olhar além da linguagem difícil que às vezes encontramos nas escrituras e a procurar valiosos princípios e doutrinas para guiar nossa vida. Que doutrinas específicas foram mencionadas por ele? Por que essas doutrinas são particularmente importantes para nós hoje em dia?

    • De acordo com o Presidente Young, para quem as escrituras são de fácil entendimento?

    • O Presidente Young ensinou que devemos “viver de maneira que o Espírito de revelação possa comunicar-se com nosso coração e dizernos o que devemos fazer”. Como podemos cultivar o espírito de revelação em nossa vida, de maneira que entendamos mais claramente as mensagens das escrituras?