A Construção de Sião
    Notas de rodapé

    Capítulo 16

    A Construção de Sião

    O Presidente Brigham Young dedicou-se inteiramente ao estabelecimento de Sião. Ele supervisionou a chegada de aproximadamente cem mil santos dos últimos dias aos vales das Montanhas Rochosas e colonizou por volta de quatrocentas cidades e povoados. Construiu templos e tabernáculos, organizou estacas e alas por toda a região oeste dos Estados Unidos e enviou missionários para quase todos os cantos da Terra. Ninguém estava mais ciente do esforço e sacrifício exigidos, mas, como ele disse: “não vamos esperar a chegada de anjos, (…) nós mesmos construiremos [Sião]”. (DBY, p. 443)

    Ensinamentos de Brigham Young

    Sião é o puro de coração.

    Deixe-me dizer algumas palavras a respeito de Sião. Professamos ser Sião. Se formos puros de coração, nós seremos Sião, pois “Sião é o puro de coração”. [Ver D&C 97:21.] (DBY, p. 118) Onde fica Sião? Onde quer que a Igreja de Deus esteja estabelecida. Que Sião possa habitar espiritualmente no coração de cada pessoa; que vivamos de tal modo que desfrutemos sempre o espírito de Sião! (DBY, p. 118)

    Este é o evangelho; este é o plano de salvação; este é o reino de Deus; esta é a Sião de que todos os profetas falaram e sobre a qual escreveram desde o princípio do mundo. Esta é a obra de Sião que o Senhor prometeu iniciar. (DBY, p. 118)

    Sião certamente se estenderá por toda a face da Terra. Não haverá canto algum desta Terra que não pertença a Sião. Tudo será Sião. (DBY, p. 120)

    Salt Lake Temple construction

    Fotografia do Templo de Salt Lake em construção. O Presidente Young dedicou sua vida ao estabelecimento de Sião e ensinou que “o propósito de nossa vida deve ser construir a Sião de nosso Deus”. (DBY, p. 88).

    Nosso propósito na vida deve ser buscar a santificação e estabelecer a Sião de nosso Deus.

    O propósito de nossa vida deve ser construir a Sião de nosso Deus, reunir a casa de Israel, introduzir a plenitude dos gentios, restaurar e abençoar a Terra com nossa capacidade e fazer dela um Jardim do Éden, armazenar tesouros de conhecimento e sabedoria em nosso próprio entendimento, purificar nosso próprio coração e preparar um povo para encontrar-se com o Senhor em Sua vinda. (DBY, p. 88)

    Não temos outro objetivo aqui que não seja o de construir e estabelecer a Sião de Deus. Isso deve ser feito de acordo com a vontade e a lei de Deus [Ver D&C 105:5.], seguindo o modelo e a ordem pela qual Enoque construiu e aperfeiçoou a Sião primitiva, que foi levada para os céus, dando origem ao ditado: Sião fugiu. [Ver Moisés 7:69.] Ela em breve voltará e do mesmo modo que Enoque preparou seu povo para que fosse digno de ser trasladado, nós também, por meio de nossa fidelidade, devemos preparar-nos para encontrar-nos com a Sião do alto quando ela retornar à Terra e suportar o resplendor e a glória de sua vinda. (DBY, p. 443)

    Esperamos ansiosamente o dia que o Senhor preparará para a construção da Nova Jerusalém, em preparação para o dia em que ela será unida à cidade de Enoque, depois que estiver edificada nesta Terra. [Ver Moisés 7:62–64.] Esperamos desfrutar esse dia, quer tenhamos adormecido no sono de nossa morte ou não. Com a mesma expectativa e confiança que as crianças depositam em seus pais, esperamos estar lá quando Jesus vier. Se lá não estivermos, viremos com Ele. Seja de uma forma ou de outra, estaremos lá quando Ele vier. (DBY, p. 120)

    O propósito da edificação de Sião é santificar os filhos de Deus por meio das ordenanças de salvação.

    Fomos reunidos (…) com o claro propósito de purificar-nos, para que nos tornemos pedras polidas do templo de Deus. Estamos aqui com o propósito de estabelecer o reino de Deus na Terra. De modo a estarmos preparados para essa obra, fez-se necessário que fôssemos reunidos de muitas nações e países do mundo [para recebermos] as ordenanças do santo sacerdócio do Filho de Deus, que são necessárias para o aperfeiçoamento dos santos, em preparação para a Sua vinda. (DBY, p. 121)

    A ordenança do selamento de [filho] a [pai], mulher a homem, filhos aos pais, etc. deve ser realizada aqui, até que a corrente das gerações se torne perfeita por meio das ordenanças de selamento, chegando até o Pai Adão. Por isso, foi-nos ordenado que nos reuníssemos, saíssemos de Babilônia [ver D&C 133:5, 7, 14], nos santificássemos e estabelecêssemos a Sião de nosso Deus, construindo cidades e templos, redimindo lugares desertos da solidão da natureza, até a Terra ser santificada e preparada para que Deus e os anjos nela habitem. (DBY, p. 407)

    O Senhor providenciou os meios para que os santos construíssem Sião.

    Será que temos consciência de que, se quisermos desfrutar uma Sião nesta vida e na eternidade, nós mesmos teremos que construí-la? E que todos os que possuem uma Sião nas eternidades dos Deuses organizaramna, planejaram-na, concretizaram-na e aperfeiçoaram-na por si próprios, tendo, portanto, o direito de usufruí-la? (DBY, p. 118)

    No momento em que nos decidirmos a construir uma Sião, nós o faremos. Esse trabalho começa no coração de cada pessoa. Se um pai de família desejar construir uma Sião em seu próprio lar, ele terá de assumir a liderança dessa boa obra, o que lhe será impossível a menos que possua o espírito de Sião. Para conseguir a santificação de sua família, deverá primeiro santificar-se, e desse modo Deus poderá ajudá-lo a santificar sua família. (DBY, p. 118)

    O Senhor já fez a Sua parte do trabalho. Ele colocou ao nosso redor elementos tais como o trigo, a carne, o linho, a lã, a seda, os frutos e tudo que necessitamos para construir, embelezar e glorificar a Sião dos últimos dias. É nossa responsabilidade amoldar esses elementos para suprir nossas necessidades, de acordo com o conhecimento que agora possuímos e a sabedoria que podemos receber dos céus por intermédio de nossa fidelidade. Somente desse modo o Senhor, outra vez, trará Sião à Terra. (DBY, p. 294)

    Não há nada faltando em todas as obras das mãos de Deus para o estabelecimento de Sião na Terra se o povo decidir edificá-la. Podemos construir uma Sião de Deus na Terra quando assim o desejarmos, seguindo o mesmo princípio pelo qual podemos plantar um campo de trigo ou construir uma casa para morar. Nunca houve uma época em que não tivemos os meios disponíveis para produzir milho, trigo, etc., e por meio da administração e preparação criteriosa desses elementos que sempre existiram, nunca haverá uma ocasião em que não se poderá construir uma Sião de Deus na Terra. (DBY, p. 118)

    A construção de Sião requer sacrifício e grande esforço.

    Queremos que todos os santos dos últimos dias compreendam como construir Sião. A cidade de Sião ultrapassará em beleza e esplendor tudo o que conhecemos atualmente na Terra. A maldição será tirada deste mundo e o pecado e a corrupção serão varridos de sua face. Quem fará essa grande obra? O Senhor convencerá as pessoas de que Ele irá redimir a estaca central de Sião, embelezá-la e depois colocá-las ali sem esforço da parte delas? Não. Ele não virá aqui para construir um templo, um tabernáculo ou mesmo um abrigo feito de folhas e galhos. Não plantará árvores frutíferas, não fará aventais de folhas de figueira e túnicas de peles nem trabalhará em latão ou ferro, pois já sabemos fazer todas essas coisas. (…) Temos que construir Sião, se quisermos cumprir nosso dever. (DBY, p. 120)

    Vejo em meio a esta congregação apenas alguns homens e mulheres que foram expulsos da estaca central de Sião [no condado de Jackson, Missouri. Ver D&C 57:2–3.] Perguntem-lhes se tiveram algum pesar ou problema; depois deixem que observem a linda terra que o Senhor lhes teria dado se todos tivessem sido fiéis em guardar Seus mandamentos e tivessem andado perante o Senhor da maneira que deveriam. Perguntemlhes também a respeito das bênçãos que teriam recebido. Se mencionarem o que sentem no coração, dirão que o jugo de Jesus teria sido suave e Seu fardo, leve. Que teria sido uma tarefa agradável caminhar em obediência a Seus mandamentos, sendo unos de coração e vontade. Entretanto, devido ao egoísmo de alguns, que é idolatria, à cobiça, que é o mesmo, e a concupiscência de sua mente, foram expulsos de suas casas. (DBY, pp. 113–114)

    Treinemos nossa mente até nos deleitarmos em tudo o que é bom, amável e sagrado, procurando adquirir continuamente aquela inteligência que nos possibilitará efetivamente estabelecer Sião, ou seja, construir casas, tabernáculos, templos, ruas e tudo o que for útil e necessário a seu embelezamento, procurando fazer a vontade do Senhor todos os dias de nossa vida, desenvolvendo nossa mente em todo o conhecimento científico e mecânico e buscando diligentemente compreender o grande desígnio e plano de todas as coisas criadas, a fim de podermos saber o que fazer com nossa vida e como progredir usando os recursos que nos foram concedidos. (DBY, p. 247)

    Viemos aqui para construir Sião. Como faremos isso? (…) Temos que ser unidos em nossos esforços. Temos que nos dirigir ao trabalho com uma fé unida como o coração de um só homem. Tudo o que fizermos deve ser realizado em nome do Senhor e, assim, seremos abençoados e prosperaremos em tudo o que realizarmos. Temos um trabalho a ser feito cuja magnitude é de difícil descrição. (DBY, p. 284)

    Muitos santos dos últimos dias pensam que já cumpriram tudo o que deles era requerido por terem obedecido ao evangelho e feito o sacrifício de abandonar seus lares e talvez os pais, marido, esposa, filhos, fazendas, a terra em que nasceram ou outras coisas que prezavam. No entanto, isso foi apenas o começo. O trabalho de purificar-nos e preparar-nos para edificar a Sião de Deus (…) estará apenas começando para nós quando tivermos feito tudo o que foi mencionado. (DBY, p. 444)

    Tudo o que se relaciona à construção de Sião requer trabalho verdadeiramente árduo. É tolice falar da edificação de qualquer reino a não ser que seja por meio de trabalho. É necessário que nos esforcemos com toda parte de nosso ser, seja mental, física ou espiritual. Esse é o único modo pelo qual podemos construir o reino de Deus. (DBY, p. 291)

    Se quisermos construir o reino de Deus, ou estabelecer Sião sobre a Terra, temos que trabalhar com as mãos, planejar com a mente e planejar os meios e recursos para alcançar esse objetivo. (DBY, p. 291)

    Tenho Sião constantemente em meus pensamentos. Não vamos esperar que anjos ou que Enoque e seu povo venham construí-la. Plantaremos trigo, construiremos casas, cercaremos as fazendas, cultivaremos videiras e pomares e produziremos tudo para o conforto e satisfação do corpo. É dessa maneira que pretendemos construir Sião na Terra, purificá-la e livrála de toda a poluição. Que irradiemos uma influência santificadora sobre todas as coisas que estiverem a nosso alcance, sobre o solo que cultivamos, as casas que construímos e tudo o que possuímos. Se deixarmos de associar-nos ao que é corrupto e estabelecermos a Sião de nosso Deus em nosso coração, no lar, na cidade onde moramos e por todo o país, chegará o dia em que por fim teremos domínio sobre a Terra, pois dela somos os senhores. Então, em vez de espinhos e cardos, ela produzirá todas as plantas úteis e boas para alimentar o homem e para adornar e embelezar. (DBY, pp. 443–444)

    O Senhor tem-me abençoado. Ele sempre me concede bênçãos; desde o momento em que comecei a construir Sião tenho sido extremamente abençoado. Eu poderia relatar situações de caráter tão extraordinário relacionadas à providência de Deus em meu favor, que os irmãos e as irmãs seriam levados a dizer em seu íntimo: “É difícil acreditar nisso”. (DBY, p. 452)

    Minha alegria espiritual depende de minha própria vida; contudo, em muito aumentaria o conforto da comunidade e minha própria felicidade se todo homem e mulher vivessem sua religião e desfrutassem por si mesmos a luz e a glória do evangelho, fossem submissos, humildes e fiéis; alegrando-se continuamente perante o Senhor, empenhando-se em cumprir o que lhes fosse exigido e cuidando para nunca fazerem algo de errado. (DBY, p. 119)

    Tudo então seria paz, alegria e tranqüilidade em nossas ruas e em nosso lar. As contendas deixariam de existir; não haveria problemas apresentados diante do sumo conselho e dos tribunais do bispo; e não se ouviriam falar de tribunais, tumultos ou disputas. (DBY, p. 119)

    Então teríamos uma Sião, porque todos seriam puros de coração. (DBY, p. 119)

    Meu coração está firmemente decidido a fazer a vontade de Deus, edificar Seu reino na Terra, estabelecer Sião e suas leis, e salvar as pessoas. Posso afirmar, verdadeira e sinceramente, que jamais me passou pela mente, enquanto executava meus labores, qual seria minha recompensa, se minha coroa seria grande ou pequena ou se não receberia coroa alguma, se teria uma herança pequena, grande ou nenhuma herança. Nunca pensei nisso nem refleti sobre esse assunto ou sequer lhe dei a menor importância. Ocupo a mente com minha responsabilidade de fazer a vontade de Deus e trabalhar para estabelecer Seu reino na Terra (…) porque os princípios revelados por Deus para a salvação dos habitantes da Terra são puros, santos e exaltadores. Neles há honra e progresso eterno. Eles conduzem-nos de luz em luz, de capacidade em capacidade, de glória em glória, de conhecimento em conhecimento e de poder em poder. (DBY, p. 452)

    Sugestões para Estudo

    Sião é o puro de coração.

    • Como o Presidente Young define Sião? (Ver também D&C 97:21.)

    • Quem são as pessoas que têm o direito de morar em Sião e onde podemos encontrá-la? (Ver também Salmos 102:16; 4 Néfi 1:15–17; D&C 109:39.)

    Nosso propósito na vida deve ser buscar a santificação e estabelecer a Sião de nosso Deus.

    • O Presidente Young ensinou que: “O propósito de nossa vida deve ser construir a Sião de nosso Deus”. Como Igreja, o que devemos fazer para construir Sião? Como podemos, individualmente, ajudar nesse trabalho?

    • Qual é o “modelo e a ordem” que Enoque usou para estabelecer e aperfeiçoar a primitiva Sião? (Ver também Moisés 7:10–11, 17–21.) Como podemos seguir atualmente o mesmo modelo em nossa família, ala ou ramo?

    • De que maneira as famílias podem estabelecer Sião no próprio lar?

    O propósito da edificação de Sião é santificar os filhos de Deus por meio das ordenanças de salvação.

    • Como podemos santificar a nós mesmos e a nossa família?

    • Por que nos foi “ordenado que nos reuníssemos, saíssemos de Babilônia” para Sião? (Ver também D&C 44:4–6; 133:14.) O que é a Babilônia espiritual e como podemos livrar-nos dela?

    • Qual é a relação existente entre a construção de Sião e as ordenanças do santo sacerdócio?

    O Senhor providenciou os meios para que os santos construíssem Sião.

    • O que o Senhor nos concedeu para contribuirmos com o estabelecimento de Sião?

    • Sião começa no “coração de cada pessoa”. Que dons e talentos vocês possuem que podem ajudar a construir Sião?

    A construção de Sião requer sacrifício e grande esforço.

    • Nos primeiros dias da Igreja, foi revelada a localização da estaca central de Sião. (Ver também D&C 57:2–3.) De acordo com o Presidente Young, o que impossibilitou os santos de receberem a herança que lhes cabia e assim estabelecerem Sião naquela ocasião?

    • De que maneira o Senhor levará a efeito o estabelecimento de Sião? (Ver também D&C 105:5–6.)

    • Por que é importante que “treinemos nossa mente” à medida que nos esforçamos para construir Sião?

    • O Presidente Young ensinou que para construirmos Sião precisamos ser unidos em nossos esforços. De que forma podemos atingir essa união em nossa família, quórum, ala ou ramo?

    • Por que o Senhor requer de nós “trabalho verdadeiramente árduo” no estabelecimento de Sião?

    • O Presidente Young declarou: “O Senhor tem-me abençoado. (…) desde o momento em que comecei a construir Sião tenho sido extremamente abençoado”. Quais as bênçãos reservadas àqueles que guardam o convênio de estabelecer Sião? (Ver também Isaías 51:11.)