Lição 2: O plano de salvação
    Notas de rodapé
    Tema

    “Lição 2: O plano de salvação”, Pregar Meu Evangelho: Guia para o Serviço Missionário, 2018, pp. 47–59

    “Lição 2”, Pregar Meu Evangelho, pp. 47–59

    Lição 2

    O plano de salvação

    Christus

    Seu propósito

    Ao ensinar, ajude as pessoas a se prepararem para o batismo e para a confirmação. Leve em consideração os requisitos para o batismo descritos em Doutrina e Convênios 20:37 e nas perguntas para a entrevista batismal. Em espírito de oração, decida o que ensinar e quais convites fazer, tendo por base as necessidades, os interesses e as circunstâncias da pessoa. Preste atenção às dúvidas e ao nível de compreensão das pessoas que você ensina.

    Perguntas para a entrevista batismal

    • Você acredita que Deus é nosso Pai Eterno?

    • Você acredita que Jesus Cristo é o Filho de Deus, o Salvador e Redentor do mundo?

    • Você está disposto a santificar o Dia do Senhor, inclusive tomar o sacramento todas as semanas e prestar serviço ao próximo?

    Convites

    • Você vai orar a Deus para saber que o que ensinamos é verdade?

    • Você vai se arrepender de seus pecados?

    • Você vai à igreja conosco no próximo domingo?

    • Você vai ler o Livro de Mórmon e orar a Deus para saber que ele é a palavra de Deus?

    • Você vai seguir o exemplo do Salvador e ser batizado no dia (data)?

    • Podemos marcar nossa próxima visita?

    • Mandamentos da lição 4 que você decidir incluir.

    Ajudar as pessoas a aprender sobre Jesus Cristo

    Os missionários devem testificar sobre Jesus Cristo e convidar todos a achegarem-se a Ele para que possam ser salvos e receber maior alegria, conforto, felicidade e paz nesta vida. É muito importante prover instruções específicas sobre o Salvador para aqueles que pouco ou nada conhecem a respeito Dele. O Livro de Mórmon: Outro Testamento de Jesus Cristo tem o propósito de ajudar todas as pessoas a saberem que “Jesus é o Cristo, (…) que se manifesta a todas as nações” (Página de título do Livro de Mórmon). Uma das maneiras mais eficazes de ensinar e testificar a respeito do Salvador é ler o Livro de Mórmon com a pessoa. Algumas passagens tiradas de outras obras-padrão também podem ser úteis.

    Você pode utilizar as sugestões relacionadas a seguir. Essa atividade pode ser feita como parte desta lição ou de outras lições, ou como uma lição especial. Se for útil, repita esta atividade diversas vezes antes e depois do batismo e da confirmação.

    Página de título e introdução

    Esclarecem o propósito do livro.

    1 Néfi 10–11

    Leí e Néfi prestam testemunho do Salvador.

    1 Néfi 19

    Néfi relata as profecias sobre o ministério e a Expiação do Salvador.

    2 Néfi 2

    Leí testifica que o Salvador é o Redentor.

    2 Néfi 9

    Jacó testifica sobre a Expiação de Jesus Cristo.

    2 Néfi 31–33

    Néfi ensina a doutrina de Cristo.

    Enos

    Enos sente o poder da Expiação do Salvador.

    Mosias 2–5

    O rei Benjamim ensina a respeito de Cristo.

    Mosias 12–16

    Abinádi dá a vida para prestar testemunho de Jesus Cristo.

    Alma 5, 7

    Alma testifica a respeito do Salvador.

    Alma 17–22

    Os lamanitas recebem o testemunho de Jesus Cristo.

    Alma 34

    Amuleque testifica a respeito da Expiação do Salvador.

    Alma 36

    Alma sente o poder da Expiação de Jesus Cristo.

    Alma 40–42

    Alma testifica a respeito da Ressurreição e da Expiação de Jesus Cristo.

    Helamã 5

    Néfi e Leí são instrumentos nas mãos de Deus para prestar testemunho do Salvador.

    3 Néfi 9–10

    O Salvador convida as pessoas a achegarem-se a Ele.

    3 Néfi 11–18

    O Salvador ensina os nefitas a respeito do Pai e de Sua doutrina.

    3 Néfi 27

    O Salvador ensina Seu evangelho.

    Éter 3

    O irmão de Jarede vê o Salvador.

    Éter 12

    Éter e Morôni prestam testemunho do Salvador e do poder de Sua Expiação.

    Morôni 7–8

    Mórmon ensina a respeito do puro amor de Cristo e de Sua Expiação.

    Morôni 10

    Morôni convida todos a achegarem-se a Cristo e a serem aperfeiçoados Nele.

    O Cristo Vivo

    Profetas e apóstolos testificam a respeito do Salvador.

    Vida pré-mortal: O propósito e o plano de Deus para nós

    Muitas pessoas se perguntam: “De onde viemos? Por que estamos aqui? Para onde iremos?” O plano de salvação fornece respostas a essas perguntas.

    Deus é o Pai de nosso espírito. Somos literalmente Seus filhos, e Ele nos ama. Vivemos como filhos espirituais de nosso Pai Celestial antes de nascermos nesta Terra. Não éramos, contudo, iguais a Ele, nem poderíamos nos tornar como Ele é, nem desfrutar todas as bênçãos que Ele tem sem a experiência de vivermos na mortalidade com um corpo físico.

    O verdadeiro propósito de Deus — Sua obra e Sua glória — é permitir que cada um de nós desfrute todas as Suas bênçãos. Ele providenciou um plano perfeito para cumprir Seu propósito. Compreendemos e aceitamos esse plano antes de virmos à Terra. Nas escrituras, o plano de Deus é chamado de plano de misericórdia, plano de felicidade, plano de redenção e plano de salvação.

    Jesus Cristo é o centro do plano de Deus. Por meio de Sua Expiação, Jesus Cristo cumpriu o propósito de Seu Pai e tornou possível para cada um de nós desfrutar a imortalidade e a exaltação. Satanás, ou o diabo, é inimigo do plano de Deus.

    O arbítrio, ou capacidade de escolha, é uma das maiores dádivas de Deus a Seus filhos. Nosso progresso eterno depende de como usamos essa dádiva. Precisamos escolher se seguiremos Jesus Cristo ou Satanás.

    Estamos fisicamente separados de Deus durante a vida na Terra, mas Ele quer que todos os Seus filhos encontrem paz nesta vida e tenham uma plenitude de alegria em Sua presença depois desta vida. Ele quer que sejamos como Ele é.

    Estudo das escrituras

    Filhos de Deus

    O propósito de Deus

    Vida pré-mortal

    A Criação

    Sob a direção do Pai, Jesus Cristo criou a Terra como um lugar para vivermos e adquirirmos experiência. Para progredir e nos tornar semelhante a Deus, cada um de nós precisa ganhar um corpo e ser testado durante um período de provação na Terra. Enquanto estamos na Terra, estamos afastados da presença física de Deus. Não nos lembramos de nossa vida pré-mortal. Precisamos andar pela fé e não pela visão.

    Estudo das escrituras

    O arbítrio e a Queda de Adão e Eva

    Adão e Eva foram os primeiros filhos de Deus a virem para a Terra. Deus criou Adão e Eva e os colocou no Jardim do Éden. Adão e Eva foram criados à imagem de Deus, com um corpo de carne e ossos. Enquanto Adão e Eva estavam no jardim, eles ainda estavam na presença de Deus e poderiam ter vivido para sempre. Eles viviam em inocência, e Deus cuidava de suas necessidades.

    No Jardim do Éden, Deus deu o arbítrio a Adão e a Eva. Ele lhes ordenou que não comessem do fruto proibido, ou o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. A obediência a esse mandamento significava que poderiam permanecer no jardim, mas não poderiam progredir e ter a experiência da oposição na mortalidade. Não saberiam o que é alegria, porque não poderiam sentir tristeza ou dor.

    Satanás tentou Adão e Eva para que comessem do fruto proibido, e eles escolheram comê-lo. Isso fazia parte do plano de Deus. Por causa dessa escolha, eles foram expulsos do jardim e afastados da presença física de Deus. Esse evento é chamado de a Queda. A separação da presença de Deus é a morte espiritual. Adão e Eva se tornaram mortais, sujeitos à morte física, ou separação do corpo e do espírito. Passaram a estar sujeitos a doenças e a todo tipo de sofrimento. Eles tinham o arbítrio moral, ou seja, a capacidade de escolher entre o bem e o mal. Isso permitia que aprendessem e progredissem. Também permitia que fizessem escolhas erradas e pecassem. Além disso, eles passaram a poder ter filhos, de modo que outros filhos espirituais de Deus poderiam vir à Terra, ganhar um corpo físico e ser provados. Somente dessa maneira os filhos de Deus poderiam progredir e se tornar semelhantes a Ele.

    Ensinar sobre a Queda

    Ao falar pela primeira vez sobre essa doutrina, explique de modo bem simples que Deus escolheu dois de Seus filhos, Adão e Eva, para que se tornassem os primeiros pais aqui na Terra. Depois de sua transgressão, eles se tornaram sujeitos ao pecado e à morte. Eles não podiam voltar por si mesmos a viver com o Pai Celestial. O Senhor falou a Adão e lhe ensinou o plano de salvação e a redenção por intermédio do Senhor Jesus Cristo. Seguindo esse plano, Adão e sua família poderiam ter alegria nesta vida e voltar a viver com Deus (ver Alma 18:36; 22:12–14).

    Estudo das escrituras

    No Jardim

    A Queda

    Nossa vida na Terra

    A vida na Terra é um privilégio e uma bênção. Nosso propósito nesta vida é ter alegria e nos preparar para voltar à presença de Deus. Na mortalidade, vivemos em uma condição em que estamos sujeitos à morte física e à morte espiritual. Deus tem um corpo perfeito, glorificado e imortal, de carne e ossos. Para nos tornarmos semelhantes a Deus e voltarmos a Sua presença, também precisamos ter um corpo perfeito e imortal, de carne e ossos. Contudo, devido à Queda de Adão e Eva, toda pessoa na Terra tem um corpo imperfeito e mortal, que acabará morrendo. Se não fosse pelo Salvador Jesus Cristo, a morte seria o fim de toda a esperança de uma existência futura com o Pai Celestial.

    Com a morte física, o pecado é um grande obstáculo que nos impede de nos tornarmos semelhantes ao Pai Celestial e voltarmos à Sua presença. Em nossa condição mortal, frequentemente cedemos à tentação, quebramos os mandamentos de Deus e pecamos. Durante nossa vida na Terra, todos nós cometemos erros. Embora às vezes pareça o contrário, o pecado sempre traz infelicidade. O pecado causa um sentimento de culpa e de vergonha. Por causa de nossos pecados, não poderemos voltar a viver com o Pai Celestial a menos que sejamos perdoados e purificados.

    Enquanto estamos na mortalidade, temos experiências que nos trazem alegria. Também temos experiências que nos trazem dor e sofrimento, algumas das quais são causadas pelos atos pecaminosos de outras pessoas. Essas experiências nos proporcionam a oportunidade de aprender e crescer, de distinguir o bem e o mal e de fazer escolhas. Deus nos influencia a fazer o bem; Satanás nos tenta a cometer pecados. Assim como acontece com a morte física, não podemos vencer os efeitos do pecado por nós mesmos. Estamos indefesos sem a Expiação de Jesus Cristo.

    Estudo das escrituras

    Período de provação ou teste

    Escolhas

    Bem e mal

    Pecado

    Quem é impuro não pode habitar com Deus

    A Expiação de Jesus Cristo

    Christ in Gethsemane

    Antes de o mundo ser organizado, nosso Pai Celestial escolheu Jesus Cristo para ser nosso Salvador e Redentor. O sacrifício expiatório de Jesus Cristo nos possibilitou vencer os efeitos da Queda. Todos os profetas desde o princípio do mundo testificaram que Jesus Cristo é nosso Redentor.

    Todos sofreremos a morte física, mas Jesus Cristo venceu esse obstáculo para nós. Quando Ele morreu na cruz, Seu espírito Se separou de Seu corpo. No terceiro dia, Seu espírito e Seu corpo Se reuniram para toda a eternidade para nunca mais serem separados. Ele apareceu a muitas pessoas, mostrando-lhes que tinha um corpo imortal de carne e ossos. A reunião do corpo com o espírito é chamada de ressurreição e é uma dádiva prometida a todos nós. Graças à Ressurreição de Jesus Cristo, todos seremos ressuscitados, quer tenhamos feito o bem ou o mal nesta vida. Teremos um corpo perfeito e imortal, de carne e ossos, que jamais será sujeito a doenças, dor ou morte. A ressurreição possibilita que retornemos à presença de Deus para sermos julgados, mas não garante que poderemos viver em Sua presença. Para receber essa bênção, precisamos também ser purificados do pecado.

    Deus enviou Seu Filho amado, Jesus Cristo, para vencer não só o obstáculo da morte física, mas também do pecado. Não somos responsáveis pela Queda de Adão e Eva, mas somos responsáveis por nossos próprios pecados. Deus não pode encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância, e o pecado nos impede de viver em Sua presença. Somente por meio da graça e da misericórdia do Salvador é que podemos ser purificados do pecado para que possamos viver novamente com Deus. Isso é possível por meio da fé em Jesus Cristo, do arrependimento, do batismo, do recebimento do dom do Espírito Santo e da perseverança até o fim.

    Para cumprir o plano de salvação, Cristo pagou o preço por nossos pecados. Só Ele poderia fazer isso. Ele foi chamado e preparado na vida pré-mortal. Ele era literalmente o Filho de Deus na carne. Não tinha pecados e foi completamente obediente a Seu Pai. Embora tenha sido tentado, nunca cedeu à tentação. Quando o Pai pediu a Seu Filho Amado que pagasse o preço dos pecados do mundo, Jesus estava preparado e disposto a fazê-lo. A Expiação do Salvador incluiu Seu sofrimento no Jardim do Getsêmani e Seu sofrimento e Sua morte na cruz, culminando com Sua Ressurreição. Embora tenha sofrido muito além de nossa compreensão — tanto que sangrou por cada poro e perguntou se seria possível que aquele fardo lhe fosse tirado —, Ele Se submeteu à vontade do Pai em uma suprema expressão de amor por Seu Pai e por nós. Esse triunfo sobre a morte espiritual, por meio de Seu sofrimento, e sobre a morte física, por meio de Sua Ressurreição, chama-se a Expiação de Jesus Cristo.

    Cristo promete perdoar nossos pecados, sob a condição de que O aceitemos, exercendo fé Nele, arrependendo-nos, recebendo o batismo por imersão e a imposição das mãos para o dom do Espírito Santo, e esforçando-nos fielmente para cumprir Seus mandamentos até o final de nossa vida. Por meio do arrependimento contínuo, podemos receber o perdão e ser limpos de nossos pecados pelo poder do Espírito Santo. Somos libertados do fardo da culpa e da vergonha e, por meio de Jesus Cristo, tornamo-nos dignos de voltar à presença de Deus.

    Se confiarmos na Expiação de Jesus Cristo, Ele pode nos ajudar a suportar nossas provações, doenças e dores. Podemos ter uma vida cheia de alegria, paz e consolo. Tudo o que é injusto na vida pode ser corrigido por meio da Expiação de Jesus Cristo.

    Porém, ao pagar o preço por nossos pecados, Jesus não eliminou nossa responsabilidade pessoal. Precisamos mostrar que O aceitamos e que vamos guardar Seus mandamentos. Somente por meio da Expiação do Salvador podemos voltar a viver com Deus.

    Estudo das escrituras

    Ressurreição

    A Expiação do Salvador

    O evangelho de Jesus Cristo — O caminho

    O mundo espiritual

    Embora Cristo tenha vencido a morte física, todas as pessoas precisam morrer, pois a morte faz parte do processo pelo qual somos transformados da mortalidade para a imortalidade. Quando morremos, nosso espírito vai para o mundo espiritual. A morte não muda nossa personalidade nem nosso desejo de fazer o bem ou o mal. Aqueles que escolheram obedecer a Deus nesta vida viverão em um estado de felicidade, paz e repouso dos problemas e das preocupações. Aqueles que escolheram não obedecer nesta vida e não se arrependeram viverão em um estado de infelicidade. No mundo espiritual, o evangelho está sendo pregado aos que não o obedeceram ou não tiveram a oportunidade de ouvi-lo aqui na Terra. Permaneceremos no mundo espiritual até ressuscitarmos.

    Estudo das escrituras

    O evangelho pregado aos mortos

    A morte e o mundo espiritual

    A ressurreição, a salvação e a exaltação

    Quando nosso corpo e nosso espírito forem reunidos por meio da ressurreição, seremos levados à presença de Deus para sermos julgados. Vamos nos lembrar perfeitamente de nossa retidão e de nossa culpa. Se tivermos nos arrependido, receberemos misericórdia. Seremos recompensados de acordo com nossas obras e nossos desejos.

    Salvação

    Por meio da Expiação e da Ressurreição do Salvador, todas as pessoas serão salvas, ou receberão a salvação da morte física. Elas serão ressuscitadas e se tornarão imortais, ou seja, viverão para sempre. A imortalidade é uma dádiva gratuita, ou incondicional, para todas as pessoas, tenham elas sido justas ou iníquas.

    As pessoas também podem ser salvas, ou receber a salvação da morte espiritual individual, por meio da Expiação de Jesus Cristo, ao exercerem fé Nele, obedecerem às leis e ordenanças de Seu evangelho e O servirem.

    Vida eterna e exaltação não são a mesma coisa que imortalidade.

    O presidente Russell M. Nelson ensinou: “No plano eterno de Deus, a salvação é um assunto individual; já a exaltação é um assunto de família” (“Salvação e exaltação”, A Liahona, maio de 2008, p. 10).

    Exaltação

    A exaltação, ou a glória celestial, é o estado de maior alegria e glória no reino celestial. A exaltação é uma dádiva condicional. O presidente Nelson ensinou: “Os requisitos incluem a fé no Senhor, o arrependimento, o batismo, o recebimento do Espírito Santo e a fidelidade até o fim às ordenanças e aos convênios do templo” (“Salvação e exaltação”, pp. 8–9). Exaltação significa viver com Deus para sempre em uma família eterna. É conhecer Deus e Jesus Cristo e desfrutar o tipo de vida que Eles desfrutam.

    Ressurreição e reencarnação

    Algumas pessoas confundem a doutrina da ressurreição com o conceito de reencarnação. O conceito de reencarnação, de que renascemos neste mundo em uma forma diferente, não é verdadeiro nem escriturístico. A doutrina da ressurreição se refere a recebermos a recompensa eterna de um corpo imortal de carne e ossos. Essa é a doutrina verdadeira. Certifique-se de que as pessoas que você ensina compreendam claramente a doutrina da ressurreição.

    O julgamento e os reinos de glória

    Durante nossa vida mortal, fazemos escolhas em relação ao bem e ao mal. Deus nos recompensa de acordo com nossas obras e nossos desejos. Uma vez que Deus recompensa todos de acordo com seus desejos e atos realizados na Terra, há diferentes reinos de glória para os quais podemos ser designados após o julgamento.

    Reino celestial

    Aqueles que se arrependeram de seus pecados, receberam as ordenanças do evangelho e guardaram os convênios correspondentes serão purificados pela Expiação de Cristo. Eles serão salvos no reino celestial (ver Doutrina e Convênios 137:10). Nas escrituras, a glória desse reino é comparada ao brilho do sol.

    O reino celestial tem três céus ou graus (ver Doutrina e Convênios 131:1), e apenas aqueles que têm um casamento eterno, que foram selados pelo Santo Espírito, podem entrar no mais elevado, que é a exaltação (ver Doutrina e Convênios 131:2). Viverão na presença de Deus, vão se tornar semelhantes a Ele e receberão a plenitude da alegria.

    No reino celestial, aqueles que não têm um casamento eterno podem entrar em outro “céu” ou “grau” no reino celestial, mas ali eles são anjos ministradores que “permanecem separados e solteiros, sem exaltação, no seu estado de salvação, (…) anjos de Deus para todo o sempre” (Doutrina e Convênios 132:17; ver também Doutrina e Convênios 131:4; Russell M. Nelson, “Casamento celestial”, A Liahona, novembro de 2008, p. 92).

    Reino terrestrial

    As pessoas que não aceitaram a plenitude do evangelho de Jesus Cristo nesta vida ou no mundo vindouro, mas que tiveram uma vida honrada, receberão um lugar no reino terrestrial. A glória desse reino é comparada à glória da lua (ver Doutrina e Convênios 76:71–80).

    Reino telestial

    Aqueles que permaneceram em seus pecados e não se arrependeram nesta vida ou no mundo vindouro, receberão sua recompensa no reino inferior, que é chamado de reino telestial. A glória desse reino é comparada à glória das estrelas (ver Doutrina e Convênios 76:81–86).

    Estudo das escrituras

    Ressurreição e restauração

    O julgamento

    Os reinos de glória

    A vida eterna

    O plano de salvação

    ||

    A Expiação de Jesus Cristo torna a salvação possível.

    Estudo das escrituras, frequência à igreja e oração

    O estudo das escrituras, a frequência à igreja e a oração podem ajudar as pessoas a sentir o amor de Deus e a reconhecer a verdade por meio do testemunho do Espírito Santo. Incentive as pessoas que você está ensinando a incluir essas práticas à medida que aprendem sobre o plano de salvação e a Expiação de Jesus Cristo. (Ver a seção “Orar sempre”, da lição 4 para obter orientação sobre como ensinar alguém a orar e a ler as escrituras). Quando elas estudarem as escrituras (em especial o Livro de Mórmon), frequentarem a igreja e orarem a Deus regularmente com fé, sinceridade e real intenção (tendo o compromisso de colocar em prática as respostas que receberem), Deus responderá suas orações, orientará sua vida e as ajudará a discernir a verdade.

    Convite ao batismo

    Conforme a orientação do Espírito, o convite para que a pessoa seja batizada e confirmada deve ser específico e direto: “Você vai seguir o exemplo de Jesus Cristo, sendo batizado por alguém que possua a autoridade do sacerdócio de Deus? Realizaremos uma reunião batismal no dia (data). Você vai se preparar para ser batizado nesse dia?”

    Ideias para o ensino

    Esta seção contém ideias para você usar ao se preparar e ao ensinar o conteúdo desta lição. Ore pela orientação do Espírito ao decidir como usar estas ideias. Inclua em seu plano de lição as ideias que escolher. Lembre-se de que elas são apenas sugestões, e não exigências, para ajudá-lo a atender às necessidades das pessoas que você está ensinando.

    Plano de lição curta (3–5 minutos)

    O plano de salvação nos ensina de onde viemos, por que estamos aqui na Terra e para onde iremos depois desta vida. Ele faz um mapa de nossa jornada eterna, através da vida pré-mortal, da vida mortal, da morte e da ressurreição, até nossa vida nas eternidades. O plano também explica que nosso amoroso Pai Celestial nos ajuda a termos sucesso nessa jornada para que possamos retornar à Sua presença e nos tornar como Ele é. O plano enfoca a missão e a Expiação de Jesus Cristo, que venceu os efeitos da Queda e tornou a vida eterna e a exaltação possíveis. Pedimos que pondere e ore sobre esta mensagem.

    • Vida pré-mortal: O propósito e o plano de Deus para nós

    • A Criação

    • O arbítrio e a Queda de Adão e Eva

    • Nossa vida na Terra

    • A Expiação de Jesus Cristo

    • O mundo espiritual

    • A ressurreição, a salvação e a exaltação

    • O julgamento e os reinos de glória

    Convites

    • Você vai orar a Deus para saber que o que ensinamos é verdade?

    • Você vai se arrepender de seus pecados?

    • Você vai à igreja conosco no próximo domingo?

    • Você vai ler o Livro de Mórmon e orar a Deus para saber que ele é a palavra de Deus?

    • Você vai seguir o exemplo do Salvador e ser batizado no dia (data)?

    • Podemos marcar nossa próxima visita?

    • Mandamentos da lição 4 que você decidir incluir.

    Plano de lição média (10–15 minutos)

    Nossa mensagem nos ajuda a compreender o propósito da vida e quem somos. Ela nos dá esperança e nos ajuda a encontrar paz, alegria e felicidade. O plano de salvação nos ensina de onde viemos, por que estamos aqui na Terra e para onde iremos depois desta vida. Deus é nosso Pai e Ele nos ama. Somos Seus filhos. Fazemos parte de Sua família e vivemos com Ele antes de termos nascido nesta Terra. Ele tem um plano de felicidade que nos permite voltar à Sua presença depois desta vida. Nosso progresso depende de como usamos nosso arbítrio concedido por Deus, ou seja, nossa capacidade de escolha. Como parte do plano, a Queda de Adão e Eva nos possibilitou vir à Terra, ganhar um corpo físico, ter experiências e criar nossa própria família. Porém, a Queda também trouxe a morte física, que é a separação do espírito e do corpo, e a morte espiritual, que é o afastamento de Deus.

    Jesus Cristo é o ponto central do plano de Deus. O sacrifício expiatório de Cristo superou os efeitos da morte física e da morte espiritual. Todos ressuscitaremos e viveremos para sempre com um corpo físico livre de dores e doenças. Cristo também possibilitou a vitória sobre a morte espiritual. Se vivermos Seu evangelho, Ele misericordiosamente perdoará nossos pecados. Ele nos curará e substituirá a culpa e a vergonha pela paz e pela felicidade nesta vida.

    Como parte do misericordioso plano de Deus, todos sofreremos a morte física. Nosso espírito será separado de nosso corpo e viveremos por um período de tempo no mundo espiritual. Seremos, então, ressuscitados com um corpo imortal, em uma união eterna de nosso corpo com nosso espírito. Seremos julgados de acordo com nossas obras e nossos desejos. Aqueles que viverem o evangelho receberão a maior de todas as dádivas de nosso Pai Celestial, a dádiva da exaltação, que é viver em família em Sua presença.

    Nosso Pai Celestial estendeu novamente a mão para Seus filhos com amor para revelar Seu plano de felicidade. Aprendemos a respeito desse maravilhoso plano no Livro de Mórmon, no qual você pode ler, ponderar e orar a respeito dele. Queremos convidá-lo a ir à igreja e a adorar o Senhor conosco.

    Convites

    • Você vai orar a Deus para saber que o que ensinamos é verdade?

    • Você vai se arrepender de seus pecados?

    • Você vai à igreja conosco no próximo domingo?

    • Você vai ler o Livro de Mórmon e orar a Deus para saber que ele é a palavra de Deus?

    • Você vai seguir o exemplo do Salvador e ser batizado no dia (data)?

    • Podemos marcar nossa próxima visita?

    • Mandamentos da lição 4 que você decidir incluir.

    Plano de lição completa (30–45 minutos)

    • Vida pré-mortal: O propósito e o plano de Deus para nós

      • Deus é nosso Pai Celestial e somos Seus filhos (ver Atos 17:16–34; Hebreus 12:9).

      • Deus tem um plano para nossa felicidade. Jesus Cristo é o ponto central desse plano.

      • O plano de felicidade de Deus nos possibilita voltar à Sua presença (ver Moisés 1:39).

      • Nosso progresso eterno depende de como usamos nosso arbítrio (ver 2 Néfi 2:27–29).

    • A Criação

    • O arbítrio e a Queda de Adão e Eva

      • Adão e Eva foram criados à imagem de Deus (ver Gênesis 1:26–27).

      • No Jardim do Éden, eles eram inocentes e viviam na presença de Deus.

      • Por terem comido do fruto proibido, eles foram expulsos do jardim (ver Moisés 4:19–31). Isso se chama a Queda.

      • Eles se tornaram mortais, passaram a ser capazes de ter filhos e também se tornaram sujeitos ao pecado e à morte (ver 2 Néfi 2:22–25; Moisés 5:11).

    • Nossa vida na Terra

      • Nosso propósito nesta vida é termos paz, alegria e felicidade duradouras em família, além de nos prepararmos para viver com Deus.

      • Viemos à Terra para sermos provados (ver Abraão 3:24–25).

      • Ganhamos um corpo de carne e ossos, mas estamos sujeitos à morte física.

      • Deus nos dá mandamentos. Se obedecermos a eles, seremos abençoados. Se desobedecermos, estaremos pecando e sofreremos as consequências.

      • Todos os pecados precisam ser pagos, seja por nós mesmos ou por Cristo (ver Doutrina e Convênios 19:15–20).

      • Fazemos escolhas e todos pecamos (ver Romanos 3:23).

      • Temos experiências que nos trazem alegria e também sofrimento.

      • Não podemos vencer a morte física nem a morte espiritual sem Cristo.

    • A Expiação de Jesus Cristo

      • Por Jesus Cristo ter vencido a morte física, todos ressuscitaremos (ver Alma 11:41–43).

      • Por meio da Expiação de Cristo, podemos nos tornar limpos do pecado para que possamos voltar a viver na presença de Deus (ver 2 Néfi 9:8–9).

      • Cristo perdoará nossos pecados se tivermos fé Nele, se nos arrependermos, recebermos o batismo e o dom do Espírito Santo e perseverarmos até o fim.

    • O mundo espiritual

      • Todas as pessoas precisam morrer.

      • Quando morremos, nosso espírito vai para o mundo espiritual.

      • Viveremos em um estado de miséria ou em um estado de paz e repouso, dependendo de como vivemos nesta vida.

    • A ressurreição, a salvação e a exaltação

    • O julgamento e os reinos de glória (ver Doutrina e Convênios 76; 137; 1 Coríntios 15:40–42).

      • Voltaremos à presença de Deus para sermos julgados de acordo com nossas obras e nossos desejos.

      • Se tivermos nos arrependido, receberemos misericórdia.

      • Recebemos um reino de glória de acordo com nossas obras e nossos desejos (ver Doutrina e Convênios 137:9).

      • Aqueles que receberem o evangelho e o viverem valentemente durante toda a vida receberão o reino celestial (ver Doutrina e Convênios 76:50–70).

      • As pessoas honradas que são “[cegadas] pela astúcia dos homens” e que “não são valentes no testemunho de Jesus [Cristo]” receberão o reino terrestre (ver Doutrina e Convênios 76:75, 79).

      • Aqueles que pecam e não se arrependem receberão a glória telestial depois de sofrerem por seus pecados.

    Convites

    • Você vai orar a Deus para saber que o que ensinamos é verdade?

    • Você vai se arrepender de seus pecados?

    • Você vai à igreja conosco no próximo domingo?

    • Você vai ler o Livro de Mórmon e orar a Deus para saber que ele é a palavra de Deus?

    • Você vai seguir o exemplo do Salvador e ser batizado no dia (data)?

    • Podemos marcar nossa próxima visita?

    • Mandamentos da lição 4 que você decidir incluir.

    Perguntas a fazer depois de ensinar

    • Que dúvidas você tem sobre o que ensinamos?

    • O que você entende sobre o plano de Deus para você e para sua família?

    • Com base no que ensinamos, o que você entende a respeito do papel de Jesus Cristo? O que isso significa para você?

    Definições importantes

    Seguem-se termos que frequentemente não são compreendidos. Certifique-se de explicá-los claramente e procure saber se as pessoas que você ensina os compreenderam.

    • Expiação de Jesus Cristo: Conforme usado nas escrituras, expiar significa sofrer a penalidade por um ato pecaminoso, removendo assim os efeitos do pecado do pecador arrependido e permitindo que ele se reconcilie com Deus. Jesus Cristo sofreu no Getsêmani e na cruz. Ele era o único capaz de realizar uma Expiação perfeita por toda a humanidade. Ele sofreu a penalidade por nossos pecados no Getsêmani e morreu na cruz. Ele tomou sobre si as dores, doenças, tentações, aflições e enfermidades de todos nós (ver Alma 7:11–12).

    • Exaltação: Tornar-nos semelhantes ao Pai Celestial e viver em Sua presença como membros de Sua família. O presidente Nelson ensinou: “Ser exaltado — ou alcançar a exaltação — refere-se ao estado mais elevado de felicidade e glória no reino celestial” (“Salvação e exaltação”, p. 8). A exaltação vem por meio da Expiação de Cristo e pela obediência a todas as leis e ordenanças do evangelho.

    • A Queda (de Adão e Eva): Quando Adão e Eva comeram do fruto proibido, eles se tornaram mortais, ou seja, sujeitos ao pecado e à morte. Adão se tornou a “primeira carne” na Terra (Moisés 3:7). A revelação moderna deixa bem claro que a Queda é uma bênção e que Adão e Eva devem ser honrados como os primeiros pais de toda a humanidade.

    • Imortalidade: A condição de viver para sempre em um estado ressuscitado, sem estar sujeito à morte física.

    • Julgamento: Deus, por intermédio de Jesus Cristo, vai nos julgar individualmente para determinar a glória eterna que receberemos. Esse julgamento terá como base nossa obediência aos mandamentos de Deus, inclusive nossa aceitação do sacrifício expiatório de Jesus Cristo. Receberemos nossa recompensa eterna dependendo de se nossas obras e nossos desejos foram bons ou maus.

    • Mortalidade: O período de tempo entre o nascimento e a morte física.

    • Morte física: Separação de nosso espírito, que vive para sempre e não pode morrer, e nosso corpo físico.

    • Vida pré-mortal (pré-mortalidade; vida pré-terrena): Como filhos espirituais de nosso Pai Celestial, vivemos em Sua presença antes de nascermos nesta Terra. Na vida pré-mortal, não tínhamos um corpo físico.

    • Redenção: Libertar, comprar ou resgatar, tal como libertamos uma pessoa do cativeiro pagando resgate por ela. A redenção se refere à Expiação de Jesus Cristo e à libertação do pecado. A Expiação de Jesus redime toda a humanidade da morte física. Por meio de Sua Expiação, aqueles que tiverem fé Nele e se arrependerem também serão redimidos da morte espiritual.

    • Ressurreição: Reunião do corpo espiritual com o corpo físico de carne e ossos depois da morte. Depois da ressurreição, o espírito e o corpo jamais serão separados novamente, e a pessoa será imortal. Toda pessoa que nasceu na Terra vai ressuscitar porque Jesus Cristo venceu a morte física.

    • Salvação: Ser salvo da morte física e da morte espiritual. “Cremos que os homens serão punidos por seus próprios pecados e não pela transgressão de Adão; (…) que, por meio da Expiação de Cristo, toda a humanidade pode ser salva, pela obediência às leis e ordenanças do Evangelho” (Regras de Fé 1:2–3). Todas as pessoas serão salvas da morte física, ou seja, ressuscitadas, pela graça de Deus, por meio da morte e Ressurreição de Jesus Cristo. Essa é uma dádiva incondicional concedida pelo Salvador a todos os seres humanos a despeito das escolhas feitas nesta vida. A salvação da morte espiritual (pecado) é condicional. O presidente Russell M. Nelson ensinou: “As pessoas podem ser salvas individualmente da morte espiritual por meio da Expiação de Jesus Cristo caso tenham fé Nele, obedeçam às leis e ordenanças de Seu evangelho e sirvam a Ele” (“Salvação e exaltação”, p. 8).

    • Morte espiritual: Afastamento de Deus e de Sua influência; morrer para as coisas relacionadas à retidão. A morte espiritual foi introduzida no mundo pela Queda de Adão (ver Alma 42:6–7). Os mortais que cultivam pensamentos, palavras e obras pecaminosos estão espiritualmente mortos, embora ainda estejam vivos na Terra (ver 2 Néfi 9:39). Por meio da Expiação de Jesus Cristo, homens e mulheres podem ser limpos do pecado e vencer a morte espiritual, arrependerem-se e viver os princípios e as ordenanças do evangelho (ver Regras de Fé 1:2–3).

    Outros termos que podem precisar ser explicados para as pessoas que você está ensinando

    • Batismo por imersão

    • Celestial

    • Purificado [do pecado]

    • Criação

    • Progresso eterno

    • Fruto proibido

    • Perdoado [do pecado]

    • Jardim do Éden

    • Reinos de glória

    • Oposição

    • Plano de salvação

    • Provação

    • Arrepender-se

    • Pecado

    • Mundo espiritual

    • Telestial

    • Terrestrial

    • Árvore do conhecimento do bem e do mal