2017
Ser Mãe à Maneira do Senhor
anterior próximo

Vozes da Igreja

Ser Mãe à Maneira do Senhor

Sweeping Broom

Ilustração: Carolyn Vibbert

Varri salgadinhos, sucrilhos, pipocas, batatas fritas e fiz um montinho.

“Não. Eu não comi nada disso”, resmunguei enquanto recolhia tudo em uma pazinha de lixo.

Meu marido, sentado à mesa, disse calmamente: “É o sacrifício das mães”.

Endireitei-me. “O quê?”, perguntei.

Ele falou mais alto e claro, no meio de uma mordida do lanche: “É o que as mães fazem. Elas passam a vida limpando a sujeira com a qual nada tinham a ver — exatamente como o Salvador fez”.

Aquela observação foi muito profunda para mim. Deveria ter me sentido agradecida ao perceber que varrer farelos era uma atividade mais semelhante à maneira de agir do Senhor do que eu imaginava. No entanto, o que tive foi um sentimento de culpa. Senti-me incomodada com a comparação. Quantas vezes comentei com meu marido ou para mim mesma todas as coisas que fiz para meus filhos, com a esperança de reconhecimento e gratidão? Não me parecia errado desejar que meus filhos fossem mais gratos, mas, naquele momento de esclarecimento, vi que meu desejo tinha mais a ver comigo mesma, com meu desejo de receber louvores ou recompensas, em vez de ensinar-lhes gratidão. Mas o Salvador nunca esperou louvores. Nunca pediu nada em troca.

Lembro-me de conversas com meus filhos adolescentes em que eles relacionavam todas as coisas que já tinham feito por mim, na tentativa de esquivar-se de uma nova tarefa.

Normalmente eu dizia: “Bem, se vocês quiserem comparar listas de tarefas, podem começar, mas na certa vão perder, portanto mãos à obra!”

Percebi que meus motivos raramente manifestavam a pureza evocada na comparação feita pelo meu marido. O Salvador nunca faz uma lista comparando o que Ele fez com o que já fiz. Eu perderia todas as vezes.

Ainda com a vassoura na mão, despertei para um novo conceito de ser mãe — ser mãe da maneira que Ele esperaria. Sem louvores, reconhecimento, um abraço ou mesmo um muito obrigado. Eu poderia varrer os farelos com amor, porque Ele assim o faria.

Tudo o que Ele fez foi em obediência a Seu Pai. Nunca o fez por Si mesmo. O Senhor sempre cura o quebrantado e limpa nossas impurezas infinitamente, com perfeito amor, por Seu Pai e por nós. Vou me esforçar para ensinar e servir a meus filhos com o amor mais puro possível. Somente então sentirei que estou sendo verdadeiramente uma mãe à maneira do Senhor.