2017
A Escolha de Martin
anterior próximo

A Escolha de Martin

As autoras moram em Utah, EUA.

Martin sabia que não deveria tomar café. O que ele deveria fazer?

“Sê fiel, sê fiel, seguindo a Jesus” (Músicas para Crianças, p. 81).

Liahona Magazine, 2017/06 Jun

Martin acordou devagar. A mãe sacudiu seu ombro.

“Martin”, chamou ela, “está na hora de levantar”.

Ele esfregou os olhos para espantar o sono. O céu ainda estava escuro, mas ele sabia que horas eram. Sua família acordava às 5 horas e 30 minutos todos os dias para ler o Livro de Mórmon juntos. Nem sempre era fácil acordar tão cedo.

Martin rolou para fora da cama e caminhou devagar para a porta da frente. Deu uma longa espreguiçada e um bocejo enorme. Seus irmãos pareciam estar com muito sono também, mas estavam todos lá.

Cada pessoa lia por cinco minutos. No começo, Martin queria voltar para a cama. Mas continuava ouvindo. Cada versículo parecia fazer com que ele se sentisse cada vez melhor. Quando chegavam ao final da leitura, Martin se sentia espiritualmente forte.

E força espiritual era algo de que Martin precisava todos os dias. No Quênia, havia poucos membros da Igreja da idade de Martin e todos moravam longe. Depois da escola, Martin ia a um clube para meninos mantido pela Igreja Católica. Em determinada semana, os garotos do clube foram a um acampamento juntos.

Ele se divertiu muito. Cantava músicas de acampamento. Cortava toras. Ele até ajudou a fazer uma fogueira.

Porém, no segundo dia, um dos líderes trouxe um bule com café. “Agora, vamos tomar um café”, convidou ele.

Os outros meninos ficaram animados. Eles tomavam café em casa em ocasiões especiais. Todos seguraram sua xícara e aguardaram o líder enchê-las.

Martin ficou um pouco nervoso. Sabia que não deveria tomar café. Mas não queria ofender seus amigos.

Então se lembrou de como se sentia quando guardava os mandamentos. Quando sua família seguia o profeta e eles liam o Livro de Mórmon juntos, ele se sentia feliz. Quando não liam, ele não sentia a mesma felicidade.

Martin sabia o que deveria fazer.

“Não, obrigado”, disse ele para o líder quando ele veio encher a xícara de Martin. “Não quero tomar café.”

O líder olhou surpreso, mas deixou Martin beber água enquanto os outros tomavam o café. Alguns meninos quiseram saber por que Martin não tomou o café, mas nenhum deles o ridicularizou por isso. Martin se sentiu feliz. Sabia que a Palavra de Sabedoria deixaria seu corpo forte. Estava feliz por ter sido forte e feito a coisa certa.