Conferência Geral
Ouvir o Senhor
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Ouvir o Senhor

Nosso Pai sabe que quando estamos cercados de incerteza e medo, o que mais nos ajuda é ouvir Seu Filho.

Queridos irmãos e irmãs, sinto-me profundamente grato por podermos nos reunir por meio da tecnologia e adorar nesta manhã de domingo. Somos imensamente abençoados por saber que o evangelho de Jesus Cristo foi restaurado na Terra.

Durante as últimas semanas, muitos de nós vivenciamos contratempos em nossa vida pessoal. Terremotos, incêndios, inundações, pragas, e suas consequências têm interrompido rotinas e provocado a escassez de alimentos, de suprimentos básicos e de nossas economias.

Em meio a tudo isso, nós os elogiamos e agradecemos a vocês por escolherem ouvir a palavra do Senhor durante este período de turbulência unindo-se a nós na conferência geral. A crescente escuridão que acompanha as tribulações faz com que a luz de Jesus Cristo brilhe com ainda mais força. Pensem no bem que cada um de nós pode fazer durante esta época de agitação mundial. Seu amor pelo Salvador e sua fé Nele podem muito bem ser o catalisador para que alguém venha a conhecer a Restauração da plenitude do evangelho de Jesus Cristo.

Nos últimos dois anos, a irmã Nelson e eu nos reunimos com milhares de vocês no mundo todo. Reunimo-nos com vocês em arenas e em salões de hotel. Em cada um desses locais, senti que estava na presença dos eleitos do Senhor e que estava vendo a coligação de Israel acontecer diante de meus olhos.

Vivemos nos dias os quais “nossos antepassados aguardaram com ansiedade”.1 Temos o privilégio de testemunhar com nossos próprios olhos o que o profeta Néfi viu apenas em visão, que “o poder do Cordeiro de Deus” desceria “sobre o povo do convênio do Senhor, que [estaria] disperso sobre toda a face da Terra; e [estaria armado] com retidão e com o poder de Deus, em grande glória”.2

Vocês, meus irmãos e irmãs, estão entre esses homens, essas mulheres e essas crianças vistas por Néfi. Pensem nisso!

A despeito de onde morem ou de quais sejam suas circunstâncias, o Senhor Jesus Cristo é o seu Salvador e o profeta de Deus, Joseph Smith, é o seu profeta. Ele foi preordenado antes da fundação da Terra para ser o profeta desta última dispensação, quando “nada será retido”3 dos santos. A revelação continua a fluir por meio do Senhor durante esse processo contínuo de restauração.

O que significa para vocês que o evangelho de Jesus Cristo foi restaurado na Terra?

Significa que vocês e sua família podem ser selados por toda a eternidade! Significa que, por terem sido batizados por alguém que possui autoridade de Jesus Cristo e por terem sido confirmados membros de Sua Igreja, vocês podem desfrutar da companhia constante do Espírito Santo. Ele os orientará e os protegerá. Significa que vocês nunca serão deixados sem consolo ou sem acesso ao poder de Deus para ajudá-los. Significa que o poder do sacerdócio pode abençoá-los à medida que receberem as ordenanças essenciais e fizerem e cumprirem convênios com Deus. Essas verdades são uma âncora para nossa alma, especialmente durante essas épocas em que o mar se revolta.

O Livro de Mórmon relata a clássica ascensão e queda de duas civilizações principais. A história delas demonstra como é fácil para a maioria das pessoas se esquecer de Deus, rejeitar as advertências dos profetas do Senhor e buscar poder, popularidade e as concupiscências da carne.4 Repetidamente os profetas do passado declararam “ao povo coisas grandes e maravilhosas, nas quais não acreditaram porque não as viam”.5

Isso não é diferente em nossos dias. Ao longo dos anos, coisas grandes e maravilhosas foram ouvidas do púlpito em edifícios dedicados em todo o mundo. No entanto, a maioria das pessoas não aceita essas verdades — seja porque elas não sabem onde encontrá-las,6 porque estão ouvindo pessoas que não detêm a verdade em sua totalidade ou porque rejeitaram a verdade em detrimento de objetivos mundanos.

O adversário é astuto. Por milênios ele tem feito com que o bem pareça mal e o mal pareça bem.7 Suas mensagens geralmente são repletas de ruído, ousadia e presunção.

No entanto, as mensagens de nosso Pai Celestial são extraordinariamente diferentes. Ele Se comunica de modo simples, sereno e com uma clareza tão magnífica que se torna difícil não entendê-Lo.8

Por exemplo, sempre que Ele apresentava Seu Filho Unigênito aos mortais na Terra, Ele o fazia com admiráveis poucas palavras. A Pedro, Tiago e João no Monte da Transfiguração, Deus disse: “Este é o meu filho amado; a ele ouvi”.9 Suas palavras aos nefitas na antiga cidade de Abundância foram as seguintes: “Eis aqui meu Filho Amado, em quem me comprazo e em quem glorifiquei meu nome — ouvi-o”.10 E a Joseph Smith, na profunda declaração que abriu esta dispensação, Deus disse simplesmente: “Este é Meu Filho Amado. Ouve-O!11

Agora, meus queridos irmãos e irmãs, reflitam sobre o fato de que nesses três casos que acabei de mencionar, pouco antes de o Pai apresentar o Filho, as pessoas envolvidas se encontravam em um estado de temor e, até certo ponto, de desespero.

Os apóstolos ficaram assombrados quando viram Jesus Cristo coberto por uma nuvem no Monte da Transfiguração.

Os nefitas estavam com medo porque haviam vivenciado destruição e escuridão por vários dias.

Joseph Smith foi dominado por uma força de escuridão pouco antes de os céus se abrirem.

Nosso Pai sabe que quando estamos cercados de incerteza e medo, o que mais nos ajuda é ouvir Seu Filho.

Isso acontece porque quando procuramos ouvir — realmente ouvir — Seu Filho, somos guiados para saber o que fazer em qualquer circunstância.

A primeira palavra que encontramos em Doutrina e Convênios é escutai.12 Ela significa “ouvir com a intenção de obedecer”.13 Escutar significa “ouvir o Senhor” — ouvir o que o Salvador diz e depois obedecer a Seu conselho. Com estas duas palavras: “Ouve-O”, Deus nos mostra o padrão para obtermos sucesso, felicidade e alegria nesta vida. Precisamos ouvir as palavras do Senhor, escutá-las e obedecer ao que Ele nos pede!

Ao buscarmos ser discípulos de Jesus Cristo, nosso empenho em ouvi-Lo deve ser cada vez mais intencional. É necessário um esforço consciente e constante para preencher nossa vida com Suas palavras, Seus ensinamentos e Suas verdades todos os dias.

Não podemos simplesmente confiar nas informações com as quais nos deparamos nas mídias sociais. Com bilhões de palavras online e em um mundo saturado de comercialização no qual as iniciativas ruidosas e nefastas do adversário constantemente se infiltram, para onde podemos ir a fim de ouvir o Senhor?

Podemos abrir as escrituras. Elas nos ensinam sobre Jesus Cristo e Seu evangelho, sobre a magnitude de Sua Expiação e sobre o grande plano de felicidade e de redenção de nosso Pai. Mergulhar diariamente na palavra de Deus é essencial para a sobrevivência espiritual, especialmente nestes dias de crescente agitação. Ao nos banquetearmos com as palavras de Cristo diariamente, as palavras de Cristo nos dirão como podemos reagir às dificuldades que nunca imaginamos que enfrentaríamos.

Também podemos ouvir o Senhor no templo. A casa do Senhor é uma casa de aprendizado. Lá, o Senhor nos ensina à Sua própria maneira. Lá, todas as ordenanças ensinam sobre o Salvador. Lá, aprendemos a abrir o véu e a nos comunicar de modo mais claro com o céu. Lá, aprendemos a repreender o adversário e a invocar o poder do sacerdócio do Senhor para fortalecer a nós e a nossos entes queridos. Oh, como deveríamos ansiar por buscar refúgio nesse local.

Quando essas restrições temporárias devido à COVID-19 terminarem, por favor, reservem um tempo regularmente para adorar e servir no templo. Cada minuto desse tempo abençoará vocês e sua família de uma maneira que nenhuma outra pode abençoá-los. Reservem tempo para ponderar sobre o que ouvem e sobre o que sentem quando vão ao templo. Peçam ao Senhor que os ensine como abrir os céus para abençoar sua vida e a vida das pessoas a quem amam e servem.

Embora não seja possível adorar no templo neste momento, convido-os a participarem mais da história da família, incluindo a pesquisa de história da família e a indexação. Prometo que ao participarem mais plenamente do trabalho do templo e da história da família, vocês vão ampliar e melhorar sua capacidade de ouvi-Lo.

Também podemos ouvir o Senhor mais claramente quando refinamos nossa habilidade de reconhecer os sussurros do Espírito Santo. Saber como o Espírito fala a vocês nunca foi tão importante como agora. Na Trindade, o Espírito Santo é o mensageiro. Ele trará à sua mente impressões que o Pai e o Filho desejam que vocês recebam. Ele é o Consolador. Ele trará a seu coração um sentimento de paz. Ele presta testemunho da verdade e confirmará a verdade quando ouvirem e lerem a palavra do Senhor.

Reitero meu apelo a vocês para que façam tudo o que estiver a seu alcance para ampliar sua capacidade espiritual de receber revelação pessoal.

Isso os ajudará a saber como prosseguir em sua vida, o que fazer em momentos de crise e como discernir e evitar as tentações e as mentiras do adversário.

E, finalmente, podemos ouvir o Senhor ao obedecermos às palavras dos profetas, videntes e reveladores. Os apóstolos ordenados de Jesus Cristo sempre prestam testemunho Dele. Eles apontam o caminho à medida que seguimos no angustiante labirinto de nossa experiência mortal.

O que acontecerá se vocês ouvirem, escutarem e obedecerem mais intencionalmente ao que o Salvador disse e ao que Ele está dizendo agora por intermédio de Seus profetas? Prometo que vocês serão abençoados com mais poder para lidar com as tentações, dificuldades e fraquezas. Prometo milagres em seu casamento, em seu relacionamento familiar e em seu trabalho diário. E prometo que sua capacidade de sentir alegria aumentará, mesmo que as turbulências aumentem em sua vida.

Esta Conferência Geral de Abril de 2020 é o nosso momento de comemorarmos um evento que mudou o mundo. Ao aguardarmos com expectativa o aniversário de 200 anos da Primeira Visão de Joseph Smith, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos ponderaram sobre o que poderíamos fazer para comemorarmos adequadamente esse evento único.

Essa manifestação deu início à Restauração da plenitude do evangelho de Jesus Cristo e abriu a dispensação da plenitude dos tempos.

Nós nos perguntamos se um monumento deveria ser erigido. Entretanto, ao refletirmos sobre o impacto histórico e internacional da Primeira Visão, sentimo-nos inclinados a criar um monumento, não de granito ou de pedra, mas de palavras — palavras de proclamação solenes e sagradas —, escritas não para serem entalhadas em “tábuas de pedra”, mas serem gravadas nas “tábuas de carne” de nosso coração.14

Desde que a Igreja foi organizada, apenas cinco proclamações foram publicadas, sendo a última “A Família: Proclamação ao Mundo”, apresentada pelo presidente Gordon B. Hinckley em 1995.

Agora, ao contemplarmos esta época significativa na história do mundo e o encargo dado pelo Senhor para coligarmos Israel em preparação para a Segunda Vinda de Jesus Cristo, nós, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos, anunciamos a seguinte proclamação. Seu título é “A Restauração da Plenitude do Evangelho de Jesus Cristo: Uma Proclamação do Bicentenário ao Mundo”. Ela é de autoria da Primeira Presidência e do Conselho dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. É datada de abril de 2020. Em preparação para o dia de hoje, gravei antecipadamente esta proclamação no Bosque Sagrado, onde Joseph Smith viu pela primeira vez o Pai e o Filho.

“Solenemente proclamamos que Deus ama Seus filhos de todas as nações do mundo. Deus, o Pai, deu-nos o nascimento divino, a incomparável vida e o infinito sacrifício expiatório de Seu Filho Amado, Jesus Cristo. Pelo poder do Pai, Jesus ressuscitou e conquistou a vitória sobre a morte. Ele é nosso Salvador, nosso Exemplo e nosso Redentor.

Há duzentos anos, em uma linda manhã de primavera em 1820, o jovem Joseph Smith, procurando saber a qual igreja se unir, dirigiu-se a um bosque perto de sua casa, ao norte de Nova York, EUA, para orar. Ele tinha algumas dúvidas relativas à salvação de sua alma e teve a confiança de que Deus o orientaria.

Com humildade, declaramos que, em resposta à sua oração, Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo, apareceram a Joseph e deram início à ‘restauração de todas as coisas’ (Atos 3:21) conforme foi predito na Bíblia. Nessa visão, ele aprendeu que, após a morte dos primeiros apóstolos, a Igreja de Cristo da época do Novo Testamento deixou de existir na Terra. Joseph foi um instrumento fundamental para o retorno dela.

Declaramos que, sob a orientação do Pai e do Filho, mensageiros celestiais vieram instruir Joseph e restabelecer a Igreja de Jesus Cristo. João Batista ressuscitado restaurou a autoridade para batizar por imersão para remissão de pecados. Três dos primeiros doze apóstolos — Pedro, Tiago e João — restauraram o apostolado e as chaves da autoridade do sacerdócio. Outros também vieram, inclusive Elias, o Profeta, que restaurou a autoridade para unir as famílias para sempre em relacionamentos eternos que transcendem a morte.

Também testemunhamos que a Joseph Smith foram dados o dom e o poder de Deus para traduzir um registro antigo, o Livro de Mórmon: Outro Testamento de Jesus Cristo. Páginas desse texto sagrado incluem um relato do ministério pessoal de Jesus Cristo entre o povo do Hemisfério Ocidental logo após Sua Ressurreição. O livro ensina sobre o propósito da vida e explica a doutrina de Cristo, que é essencial para esse propósito. Sendo um companheiro da Bíblia como livro de escrituras, o Livro de Mórmon testifica que todos os seres humanos são filhos e filhas de um Pai Celestial amoroso, que Ele tem um plano divino para nossa vida e que Seu Filho, Jesus Cristo, manifesta-Se hoje assim como o fez no passado.

Declaramos que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, organizada no dia 6 de abril de 1830, é a Igreja de Cristo da época do Novo Testamento restaurada. Essa Igreja está alicerçada na vida perfeita de sua principal pedra de esquina, Jesus Cristo, em Sua Expiação infinita e em Sua Ressurreição literal. Jesus Cristo chamou novamente apóstolos e deu-lhes a autoridade do sacerdócio. Ele convida todos nós a nos achegarmos a Ele e à Sua Igreja, a recebermos o Espírito Santo e as ordenanças de salvação e a obtermos alegria duradoura.

Já se passaram duzentos anos desde que Deus, o Pai, e Seu Filho Amado, Jesus Cristo, deram início a essa Restauração. Milhões de pessoas no mundo todo aceitaram de boa vontade o conhecimento desses eventos que foram profetizados.

Com alegria declaramos que a Restauração prometida segue adiante por meio de revelação contínua. A Terra jamais será a mesma, à medida que Deus ‘congregar em Cristo todas as coisas’ (Efésios 1:10).

Com reverência e gratidão, como apóstolos Dele, convidamos todos a saber — assim como nós sabemos — que os céus estão abertos. Afirmamos que Deus está desvendando Sua vontade para Seus amados filhos e filhas. Testificamos que aqueles que em oração estudarem a mensagem da Restauração e agirem com fé serão abençoados com a aquisição de seu próprio testemunho da divindade da Restauração e do propósito que ela tem de preparar o mundo para a prometida Segunda Vinda de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.”15

Amados irmãos e irmãs, esta é a nossa proclamação do bicentenário ao mundo a respeito da Restauração do evangelho de Jesus Cristo em sua plenitude. Ela foi traduzida em 12 idiomas. Outros idiomas receberão sua tradução posteriormente. Ela estará disponível imediatamente no site da Igreja, onde vocês poderão obter uma cópia. Estudem-na individualmente e com seus familiares e amigos. Ponderem as verdades contidas nela e pensem no impacto que essas verdades terão em sua vida se vocês as ouvirem, escutarem-nas e obedecerem aos mandamentos e convênios relacionados a elas.

Sei que Joseph Smith é o profeta preordenado que o Senhor escolheu para abrir esta última dispensação. Por intermédio dele, a Igreja do Senhor foi restaurada na Terra. Joseph selou seu testemunho com o próprio sangue. Oh, como eu o amo e o honro!

Deus vive! Jesus é o Cristo! Sua Igreja foi restaurada! Ele e Seu Pai, nosso Pai Celestial, estão cuidando de nós. Presto testemunho disso no sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.