Liahona
Quando penso no amor
anterior seguinte

MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA DE ÁREA

Quando penso no amor

“Quanto mais servirmos, mais amaremos. E quanto mais amarmos, mais desejaremos servir.”

Quando penso no amor, penso nas escrituras.

Lemos em Mateus 22:35–39: “E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo:

Mestre, qual é o grande mandamento na lei?

E Jesus disse-lhe: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Este é o primeiro e grande mandamento.

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.”

Com esses versículos aprendemos sobre a forte relação entre o amor e os mandamentos, e ficamos com duas perguntas: como demonstramos amor a Deus? E como demonstramos amor ao nosso próximo?

Para responder à primeira pergunta, “Como demonstramos amor a Deus?”, A escritura que vem à minha mente está em João 14:15: “Se me amais, guardai os meus mandamentos”.

Se tivéssemos que medir nosso amor pelo Salvador, poderíamos medir pelo nível de nossa obediência aos mandamentos. Quanto mais O amarmos, mais obedientes nos tornamos. E quanto mais obedientes nos tornarmos, mais O amaremos.

Para responder à segunda pergunta, “Como demonstramos amor ao nosso próximo?”, A escritura que instrui encontra-se em João 13:13–17: “Vós me chamais Mestre e Senhor; e dizeis bem; porque eu sou.

Pois se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés; vós deveis também lavar os pés uns dos outros.

Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu fiz, façais vós também.

Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.

Se sabeis essas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes”.

Demonstramos amor ao próximo servindo-os. Quanto mais servirmos, mais amaremos. E quanto mais amarmos, mais desejaremos servir.

Quando penso no amor, penso em serviço.

Encontraremos felicidade ao demonstrarmos nosso amor a Deus e ao próximo por meio de nossas ações. Nos últimos seis anos, vivemos em três países e cinco cidades diferentes, embora possa parecer emocionante, foi muito difícil aprender e se adaptar a novas culturas e fazer novos amigos. Muitas vezes nos sentimos muito solitários, mas rapidamente aprendemos que a melhor maneira de nos conectarmos com as pessoas e encontrarmos a felicidade foi por meio do serviço. Durante o tempo em que moramos na Flórida (Estados Unidos), nossos filhos acordavam cedo aos sábados e ajudavam por algumas horas na despensa de alimento da comunidade local. Essa partilha de amor por meio do serviço ajudou-os a sentir felicidade, apesar das dificuldades que enfrentavam na época. Minha esposa também, em feriados especiais, preparava guloseimas e, depois, em família dávamos a volta no quarteirão e as compartilhávamos com nossos vizinhos. Por meio desses pequenos atos, pudemos fazer novos amigos, compartilhar o evangelho e encontrar a felicidade.

Quando penso no amor, penso na lei do jejum.

Foi quando era rapaz que aprendi sobre a importância do jejum com o exemplo de meus pais. Nós, crianças éramos convidados a jejuar com eles uma vez por mês, enquanto eles geralmente jejuavam mais de uma vez por mês. Aprendi com os meus pais que, por meio do jejum, podemos ajudar a cuidar dos pobres e necessitados. Portanto, por meio desse ato simples, servimos a Deus e ao próximo. E Deus, por outro lado, abençoa nosso jejum com revelação pessoal, conforto e orientação.

Quando penso no amor, penso no Salvador Jesus Cristo.

Jesus Cristo é o exemplo perfeito de obediência dos mandamentos mais importantes. Porque Ele amou a Deus, Seu Pai, Ele O obedeceu. E porque Ele amou Seus vizinhos, Ele os serviu durante toda a Sua vida. Ele demonstrou-nos que o amor não é apenas um sentimento, mas é uma ação. Amar por meio do serviço nos ajuda a alcançar nosso pleno potencial e a nos tornar mais semelhantes a nosso Salvador Jesus Cristo.

Ciro Schmeil foi apoiado como Setenta Autoridade Geral em abril de 2020. Ele é casado com Alessandra Machado Louza; o casal tem dois filhos.