O papel essencial da mulher
anterior próximo

O papel essencial da mulher

Extraído do discurso “Women of Dedication, Faith, Determination, and Action” [Mulheres de dedicação, fé, determinação e ação], proferido na Conferência das Mulheres da Universidade Brigham Young, em 1º de maio de 2015.

A obra do reino de Deus não pode cumprir seu verdadeiro destino sem progredir de mãos dadas com as fiéis e maravilhosas irmãs da Igreja.

As mulheres exercem uma influência extraordinária. Ninguém consegue fazer tanto quanto vocês para ajudar a levar adiante o reino do evangelho e tornar o mundo um lugar melhor.

Quando vocês, irmãs, se unem com outras mulheres do convênio, em união e amor, não há limites para sua influência para o bem. Presenciei, em inúmeras culturas e países do mundo inteiro, sua significativa e eterna influência na vida das pessoas e nas famílias.

Vi o que vocês conseguem realizar nos ramos, nas alas, nas estacas, nas missões, nos templos e nas designações gerais da Igreja. Suas contribuições — em pequenas e grandes empresas e instituições de caridade, bem como em organizações cívicas, educacionais, esportivas e de saúde — são imensuráveis.

As mulheres nos conselhos

Há muitos anos, venho falando sobre o poder dos conselhos com a participação de mulheres fiéis. Seus pontos de vista e conselhos são absolutamente essenciais. Hoje o Senhor abençoou ricamente a Igreja e o mundo porque mais missionárias estão servindo fielmente em cargos de liderança nas missões e participando dos conselhos de liderança da missão. Mais irmãs estão recebendo a investidura mais cedo, ampliando assim o número de mulheres com convênios do templo que servem na Igreja. As irmãs que são líderes nas presidências gerais oram e discursam na conferência geral.

As mulheres nas escrituras

Algumas irmãs gostariam de encontrar mais histórias sobre mulheres nas escrituras e na história da Igreja. Precisamos desenvolver a habilidade de encontrar a influência delas, como observou uma jovem irmã. Ela disse: “Mórmon deve ter tido uma esposa maravilhosa que criou um filho notável como Morôni”.

Se olharem com cuidado e com o espírito certo, poderão encontrar nas escrituras outras manifestações semelhantes de como criar os filhos de maneira eficaz.

Já faz alguns anos que a Igreja tem redobrado a atenção nas irmãs fiéis da Igreja e nas contribuições delas. Convido vocês, por exemplo, a examinar o tópico “Mulheres de convicção”, que se encontra em history.ChurchofJesusChrist.org.

O papel das irmãs pioneiras foi extraordinário. Ao escrever sobre os pioneiros, um autor, que não era membro da Igreja, declarou: “Suas mulheres eram incríveis”.1

Ao procurar e encontrar mulheres em nossas escrituras e em nossa história, vamos enxergar bem melhor o poder e a influência que elas exercem na família, na comunidade, na Igreja e no mundo.

Ter equilíbrio nas opções

Ao longo da minha vida, vi inúmeras mulheres serem nomeadas e eleitas a cargos públicos, tornarem-se diretoras executivas de importantes empresas e organizações, e ingressarem em número cada vez maior em faculdades de grande prestígio nas áreas de administração de empresas, direito e medicina.

Joseph Smith disse à Sociedade de Socorro em 1842: “Agora passo a chave a vocês, em nome de Deus, e esta sociedade se regozijará, e conhecimento e inteligência fluirão daqui por diante — este é o início de dias melhores para [as mulheres]”.2

Estamos presenciando o cumprimento dessa visão profética à medida que novas oportunidades e avanços para as mulheres se descortinam de maneiras nunca vistas antes. Talvez seja difícil equilibrar tudo em meio a todas as opções existentes. No final, a maioria de nós tem de escolher entre opções conflitantes.

Evidentemente, temos um padrão divino a seguir conforme delineado em “A Família: Proclamação ao Mundo”, mas sabemos que a mortalidade pode ser complicada. Muitas mulheres ficam solteiras por muito tempo. Algumas se casam. Outras ficam sozinhas quando o cônjuge falece ou quando se divorciam. E algumas mulheres nunca se casam.

Mesmo assim, se formos fiéis e perseverarmos até o fim, nenhum desejo justo nos será negado, e todas as bênçãos serão por fim recebidas. Cada pessoa precisa descobrir o que o Senhor deseja para ela, tendo em vista as escolhas que estão à sua frente.

Quando conhecemos a vontade do Senhor, podemos então seguir em frente com fé para realizar nossos propósitos individuais.

Bênçãos que nos estão reservadas

Se os membros da Igreja que frequentam o templo estiverem em sintonia com o Espírito, perceberão que o Senhor tem bênçãos maravilhosas reservadas para Suas filhas e Seus filhos fiéis ao longo da eternidade.

E quais são essas bênçãos? Este ponto de vista do presidente Dallin H. Oaks, primeiro conselheiro na Primeira Presidência, explica, em seu devido contexto, quais são elas: “O propósito da vida mortal e a missão de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias consistem em preparar os filhos e as filhas de Deus para seu destino de se tornarem semelhantes a seus pais celestiais”.3

A história do evangelho é uma história de família — nada mais, nada menos que isso. Começa com pais celestiais e termina com filhos que abrem caminho por entre desafios ora estimulantes, ora avassaladores da mortalidade, de volta a seu lar celeste, depois de receberem todas as ordenanças essenciais da exaltação eterna.

Essa é a história de nossa vida. Deus nos deu o esboço, mas deixa a nosso encargo a tarefa de destrinchar os detalhes por meio de nossas escolhas e nossa fidelidade. Há um final extraordinariamente feliz reservado para todos os que o desejarem. Mas, antes de fazermos jus a ele, temos que nos tornar mais do que apenas filhos Seus — precisamos nos tornar Seus discípulos.

As mulheres como discípulas de Cristo

A vida está repleta de distrações capazes de nos afastar dos ensinamentos fundamentais da Igreja — sobretudo da Expiação de Jesus Cristo.

O profeta Joseph Smith afirmou: “Os princípios fundamentais de nossa religião são o testemunho dos apóstolos e profetas a respeito de Jesus Cristo, que Ele morreu, foi sepultado, ressuscitou no terceiro dia e ascendeu ao céu; todas as outras coisas de nossa religião são meros apêndices disso”.4

A Expiação de Jesus Cristo está no cerne de nossa mensagem. É nosso maior valor. É o ponto central de nossa doutrina. É o coração e a alma de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Se ainda não sentiram a veracidade e o poder da Expiação do Salvador em sua vida, convido vocês a voltarem a se concentrar na mensagem central da Restauração, que declara que podemos ser “aperfeiçoados por meio de Jesus, o mediador do novo convênio, que efetuou esta expiação perfeita pelo derramamento de seu próprio sangue” (Doutrina e Convênios 76:69).

Irmãs, façam tudo o que for necessário para manterem os olhos fitos na mensagem simples e central da Restauração. Vocês precisam aceitá-la, compreendê-la, adotá-la, amá-la, compartilhá-la e defendê-la.

As mulheres e o poder dos convênios

Rogo que façam o mesmo que o profeta Joseph Smith pediu às irmãs da Sociedade de Socorro. “A Sociedade de Socorro (…) existe não apenas para socorrer os pobres, mas para salvar almas”, ressaltou ele.5

“Todas as irmãs da Igreja que fizeram convênios com o Senhor têm o mandamento divino de ajudar a salvar almas, de liderar as mulheres do mundo, de fortalecer os lares de Sião e de edificar o reino de Deus.”6 Ajudem-nos a manter o progresso da Igreja, contribuindo para gerar mais fé na vida de nossos membros individualmente.

Sempre houve mulheres justas e fiéis que desempenharam um papel essencial em salvar almas e defender o reino de Deus. No entanto, vocês, as mulheres desta última dispensação, têm um papel e várias responsabilidades especialmente importantes a cumprir. Vocês são mulheres de determinação, fé, dedicação e ação.

Tal como as irmãs fiéis do passado, vocês precisam aprender a usar a autoridade do sacerdócio com a qual foram investidas para obter todas as bênçãos eternas que serão suas.

Peço ao Pai Celestial que as abençoe para que tenham paz e a serena certeza de que tudo o que fazem na Igreja é essencial para o crescimento e a preparação deste mundo para o dia em que o Senhor e Salvador dirá: “Basta”, e então virá para governar e reinar.

A obra do reino de Deus seguirá adiante, mas não pode cumprir seu verdadeiro destino sem progredir de mãos dadas com as fiéis e maravilhosas irmãs da Igreja.

Notas

  1. Wallace Stegner, The Gathering of Zion: The Story of the Mormon Trail, 1964, p. 13.

  2. Joseph Smith, em Filhas em Meu Reino: A História e o Trabalho da Sociedade de Socorro, 2017, p. 15.

  3. Dallin H. Oaks, “Atração por pessoas do mesmo sexo”, A Liahona, março de 1996, p. 15.

  4. Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith, 2007, pp. 52–53.

  5. Ensinamentos: Joseph Smith, p. 476.

  6. M. Russell Ballard, “Mulheres de retidão”, A Liahona, dezembro de 2002, p. 39.