2010–2019
Poder para vencer o adversário
Notas de rodapé
Tema

Poder para vencer o adversário

Como podemos encontrar paz, lembrarmo-nos de quem somos e vencer os três Ds do adversário?

Irmãos e irmãs, obrigado por fazerem todo o possível para se tornarem e para ajudar outras pessoas a se tornarem verdadeiros discípulos de Jesus Cristo e a desfrutar as bênçãos do templo. Obrigado por sua bondade. Vocês são maravilhosos; vocês são belos.

Oro para que reconheçamos a influência confirmadora do Espírito Santo ao compreendermos plenamente que somos filhos de Deus. “A Família: Proclamação ao Mundo” declara: “Todos os seres humanos — homem e mulher — foram criados à imagem de Deus. Cada indivíduo é um filho (ou filha) gerado em espírito por pais celestiais que o amam e, como tal, possui natureza e destino divinos.”1 Somos “espíritos preciosos que foram reservados para nascer na plenitude dos tempos a fim de participar no estabelecimento dos alicerces da grande obra dos últimos dias”.2 O presidente Russell M. Nelson declarou: “Vocês foram ensinados no mundo espiritual para estar preparados para qualquer coisa que encontrassem durante esta última parte destes últimos dias (ver D&C 138:56). Esse ensinamento permanece com vocês!”3

Vocês são filhas e filhos eleitos de Deus. Vocês têm o poder de vencer o adversário. No entanto, o adversário sabe quem vocês são. Ele conhece sua herança divina e procura limitar seu potencial terreno e celestial por meio dos três Ds:

  • Desvio

  • Distração

  • Desânimo

Desvio

O adversário usou a ferramenta do desvio, ou engano, nos dias de Moisés. O Senhor declarou a Moisés:

“E eis que tu és meu filho. (…)

E tenho uma obra para ti, (…) e tu és à semelhança de meu Unigênito”.4

Pouco depois dessa gloriosa visão, Satanás procurou enganar Moisés. As palavras que ele usou são interessantes: “Moisés, filho de homem, adora-me”.5 O desvio ou engano não estava apenas no convite para adorar Satanás, mas também na maneira como ele descreveu Moisés, como filho de homem. Lembrem-se de que o Senhor tinha acabado de dizer a Moisés que ele era filho de Deus, criado à imagem de Seu Unigênito.

O adversário persistiu nas tentativas de enganar Moisés, mas Moisés resistiu: “Retira-te de mim, Satanás, porque somente a este único Deus adorarei, o qual é o Deus de glória”.6 Moisés se lembrou de quem era, um filho de Deus.

As palavras do Senhor a Moisés se aplicam a vocês e a mim. Fomos criados à imagem de Deus, e Ele tem uma obra para realizarmos. O adversário procura nos enganar fazendo-nos esquecer de quem verdadeiramente somos. Se não compreendemos quem somos, é difícil reconhecer quem podemos nos tornar.

Distração

O adversário também procura nos distrair para nos afastar de Cristo e do caminho de Seu convênio. O élder Ronald A. Rasband compartilhou o seguinte: “O propósito do adversário é fazer com que nos esqueçamos de testemunhos espirituais, enquanto que o desejo do Senhor é nos iluminar e nos envolver em Sua obra”.7

Hoje em dia, existem muitas distrações como o Twitter, o Facebook, os jogos de realidade virtual e muito mais. Esses avanços tecnológicos são incríveis, mas se não tomarmos cuidado, eles podem nos distrair de cumprir nosso potencial divino. O uso adequado desses avanços pode atrair o poder do céu e nos permitir testemunhar milagres ao procurarmos coligar a Israel dispersa em ambos os lados do véu.

Sejamos cuidadosos e não descuidados no uso da tecnologia.8 Procuremos sempre formas de a tecnologia nos aproximar do Salvador e nos permitir realizar Sua obra enquanto nos preparamos para Sua Segunda Vinda.

Desânimo

Por último, o adversário deseja nos desanimar. Podemos nos sentir desanimados quando nos comparamos com os outros ou quando sentimos estar aquém das expectativas, até das nossas próprias.

Quando comecei meu programa de doutorado, senti-me desanimado. O programa aceitou somente quatro alunos naquele ano, e os outros três eram brilhantes. Tinham notas melhores nas provas e mais experiência profissional em gerenciamento sênior, além de irradiarem grande autoconfiança. Depois de duas semanas no programa, sentimentos de desânimo e de dúvidas começaram a me dominar, e quase me subjugaram.

Decidi que, para completar o programa de quatro anos, eu leria o Livro de Mórmon de capa a capa a cada semestre. Em minha leitura diária, percebi a declaração do Salvador de que o Espírito Santo me ensinaria todas as coisas e traria todas as coisas à minha lembrança.9 Isso me reafirmou quem eu sou, um filho de Deus, lembrou-me de não me comparar aos outros e me deu confiança em meu papel divino de ser bem-sucedido.10

Meus queridos amigos, não permitam que ninguém lhes roube sua felicidade. Não se comparem com os outros. Peço-lhes que se lembrem das amorosas palavras do Salvador: “Deixo-vos a paz; a minha paz vos dou; não vô-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.11

E como fazemos isso? Como podemos encontrar essa paz, lembrarmo-nos de quem somos e vencer os três Ds do adversário?

Primeiro, lembrem-se de que o primeiro e grande mandamento é amar a Deus de todo coração, poder, mente e força.12 Tudo o que fizermos deve ser motivado pelo amor que sentimos por Ele e por Seu Filho. Ao desenvolvermos amor por Eles ao guardarmos Seus mandamentos, nossa capacidade de amar a nós mesmos e de amar outras pessoas aumenta. Vamos começar a servir à família, aos amigos e ao próximo porque os veremos como o Salvador os vê — como filhos e filhas de Deus.13

Segundo, orem ao Pai em nome de Jesus Cristo todos os dias: hoje, amanhã e sempre.14 É por meio da oração que podemos sentir o amor de Deus e mostrar nosso amor por Ele. Por meio da oração expressamos gratidão e pedimos a força e a coragem de submeter nossa vontade à de Deus, e rogamos por orientação em todas as coisas.

Incentivo-os a “[rogar] ao Pai com toda a energia de vosso coração, que sejais cheios desse amor (…) que vos torneis os filhos [e filhas] de Deus; [para] que quando ele aparecer, sejamos como ele”.15

Terceiro, leiam e estudem o Livro de Mórmon todos os dias: hoje, amanhã e sempre.16 Minha leitura do Livro de Mórmon tende a ser melhor quando leio com uma pergunta em mente. Quando o lemos com uma pergunta em mente, podemos receber revelação e reconhecer que o profeta Joseph Smith disse a verdade ao declarar: “O Livro de Mórmon [é] o mais correto de todos os livros da Terra, (…) e que seguindo seus preceitos o homem [ou a mulher] se [aproximará] mais de Deus do que seguindo os de qualquer outro livro”.17 O Livro de Mórmon contém as palavras de Cristo e nos ajuda a lembrar quem somos.

Por último, partilhem do sacramento em espírito de oração toda semana, sem exceção. É por meio dos convênios e das ordenanças do sacerdócio, incluindo o sacramento, que o poder da divindade se manifesta em nossa vida.18 O élder David A. Bednar ensinou: “A ordenança do sacramento é um convite sagrado e constante para nos arrependermos sinceramente e sermos renovados espiritualmente. O ato de tomar o sacramento, por si só, não perdoa os pecados. Mas, à medida que nos preparamos conscientemente e participamos dessa ordenança sagrada com um coração quebrantado e um espírito contrito, a promessa é a de que teremos sempre conosco o Espírito do Senhor”.19

Ao partilharmos do sacramento humildemente, nós nos lembramos do sofrimento de Jesus no sagrado jardim chamado Getsêmani e de Seu sacrifício na cruz. Expressamos gratidão ao Pai por ter enviado Seu Filho Unigênito, nosso Redentor, e mostramos nosso desejo de guardar Seus mandamentos e de sempre nos lembrarmos Dele.20 Há um esclarecimento espiritual associado ao sacramento — é pessoal, é poderoso e é necessário.

Meus amigos, prometo-lhes que se nos empenharmos em amar a Deus de todo o coração, em orar em nome de Jesus Cristo, em estudar o Livro de Mórmon e em participar do sacramento em espírito de oração, teremos a capacidade, com a força do Senhor, de vencer as práticas do adversário que buscam nosso desvio, a minimizar as distrações que limitam nosso potencial divino e a resistir ao desânimo que diminui nossa capacidade de sentir o amor de nosso Pai Celestial e de Seu Filho. Vamos compreender plenamente que somos filhos e filhas de Deus.

Irmãos e irmãs, compartilho com vocês o meu amor e declaro a vocês meu testemunho de que sei que o Pai Celestial vive e de que Jesus é o Cristo. Eu Os amo. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o reino de Deus na Terra. Temos o comissionamento divino de reunir Israel e preparar o mundo para a Segunda Vinda do Messias. Em nome de Jesus Cristo. Amém.