2010–2019
Sabemos o Que Temos?
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Sabemos o Que Temos?

Essas ordenanças e esses convênios do sacerdócio proporcionam acesso à plenitude das bênçãos prometidas por Deus, as quais se tornaram possíveis pela Expiação do Salvador.

Em “A Família: Proclamação ao Mundo”, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos declaram: “Todos os seres humanos — homem e mulher — foram criados à imagem de Deus. Cada indivíduo é um filho (ou filha) gerado em espírito por pais celestiais que o amam e, como tal, possui natureza e destino divinos”.1 Para alcançar esse destino divino, cada filho e filha de Deus precisa das ordenanças e dos convênios do sacerdócio.

Precisamos do batismo. Quando somos imersos nas águas do batismo, fazemos o convênio de tomar sobre nós o nome de Cristo, de sempre nos lembrarmos Dele, de guardar Seus mandamentos e de servi-Lo até o fim para que possamos ter conosco Seu espírito.2

Precisamos do dom do Espírito Santo. Por meio dessa ordenança, podemos ter acesso à constante companhia do Espírito. O Presidente Wilford Woodruff ensinou que “todo homem e mulher que já entraram na Igreja de Deus e foram batizados para a remissão dos pecados têm direito à revelação, ao Espírito de Deus para ajudá-los em seu trabalho, em sua interação com seus filhos, para aconselhar seus filhos e aqueles a quem foram chamados para presidir. O Espírito Santo não Se limita aos homens nem aos apóstolos e profetas; pertence a todos os homens e mulheres fiéis e a todas as crianças com idade suficiente para receber o evangelho de Cristo”.3

Precisamos receber a investidura do templo. O Élder M. Russell Ballard disse: “Quando homens e mulheres vão ao templo, ambos são investidos com o mesmo poder, que por definição é o poder do sacerdócio. (…) A investidura é literalmente uma dádiva de poder”.4

Precisamos da ordenança de selamento, que nos conduz a vida eterna, “o maior de todos os dons de Deus”.5 Essa ordenança do sacerdócio somente é recebida por um homem e uma mulher juntos. O Élder Russell M. Nelson ensinou: “A autoridade do sacerdócio foi restaurada para que as famílias sejam seladas para a eternidade”.6

Precisamos da oportunidade de renovar nossos convênios a cada semana ao tomarmos o sacramento. “Os apóstolos e profetas dos últimos dias ensinaram que, quando tomamos dignamente o sacramento, podemos renovar não apenas nossos convênios batismais, mas ‘todos os convênios [que fizemos] com o Senhor’.”7

Essas ordenanças e esses convênios do sacerdócio proporcionam acesso à plenitude das bênçãos prometidas por Deus, as quais se tornaram possíveis pela Expiação do Salvador. Elas conferem poder aos filhos e às filhas de Deus, o poder de Deus,8 e nos dão a oportunidade de receber a vida eterna — de voltar à presença de Deus e de viver com Ele em Sua família eterna.

Recentemente fui com os líderes do sacerdócio visitar a casa de quatro mulheres em Honduras. Aquelas irmãs e suas famílias necessitavam das chaves e da autoridade do sacerdócio, das ordenanças e dos convênios do sacerdócio, e do poder e das bênçãos do sacerdócio.

Visitamos uma querida irmã que era casada e tinha dois belos filhos. Ela é fiel e ativa na Igreja e está ensinando seus filhos a escolherem o certo. Seu marido apoia sua atividade na Igreja, mas não é membro. Essa é uma família forte, mas para desfrutar de maior força, eles precisam de bênçãos adicionais do sacerdócio. Ela precisa que o pai receba as ordenanças do batismo e o dom do Espírito Santo, e que lhe seja conferido o sacerdócio. Eles precisam do poder do sacerdócio que pode vir por meio da investidura e do selamento.

Nossa visita seguinte foi à casa de duas irmãs solteiras, mulheres de grande fé. Uma irmã tinha um filho que se preparava para a missão. A outra está recebendo tratamento para câncer. Em momentos de desânimo ou desespero, elas se lembram da Expiação do Salvador e se enchem de fé e esperança. As duas precisam das bênçãos e do poder adicionais disponíveis por meio das ordenanças do templo. Nós as incentivamos a, junto ao futuro missionário de sua família, prepararem-se para receber essas ordenanças.

Nossa última visita foi à casa de uma irmã cujo marido havia falecido recentemente num trágico acidente. Sendo recém-conversa à Igreja, ela não havia compreendido que poderia receber sua própria investidura e ser selada a seu marido. Quando lhe ensinamos que essa bênção estava a seu alcance e de seu falecido marido, ela se encheu de esperanças. Sabendo que por meio das ordenanças e dos convênios do templo sua família pode ser selada para sempre, ela tem fé e determinação para enfrentar as provações que ainda virão.

O filho daquela viúva está se preparando para receber o Sacerdócio Aarônico. Sua ordenação será uma grande bênção para ela e para sua família. Eles terão um portador do sacerdócio no lar. 

Quando nos reunimos com aquelas fiéis mulheres em Honduras, pude ver que elas estavam se esforçando para manter suas famílias ativas no evangelho. Expressavam gratidão pelos membros da ala que cumpriam seus convênios e cuidavam carinhosamente delas e as ajudavam em suas necessidades temporais e espirituais. Contudo, cada uma daquelas irmãs tinha necessidades que ainda não haviam sido satisfeitas.

Em cada uma das três casas que visitamos, um sábio líder do sacerdócio perguntou a cada irmã se ela tinha recebido uma bênção do sacerdócio. Em todas as vezes a resposta foi não. Cada irmã pediu e recebeu uma bênção do sacerdócio naquele dia. Todas choraram ao expressar gratidão pelo consolo, pela orientação, pelo incentivo e pela inspiração que receberam do Pai Celestial por meio de um digno portador do sacerdócio.

Aquelas irmãs me inspiraram. Elas mostraram reverência a Deus e a Seu poder e autoridade. Também fiquei grata pelos líderes do sacerdócio que visitaram aquelas casas comigo. Quando saímos de cada casa, aconselhamo-nos sobre como ajudar aquelas famílias a receber as ordenanças de que necessitavam para progredir no caminho do convênio e fortalecer seu lar.

Há hoje uma grande necessidade de homens e mulheres que cultivem o respeito mútuo como filhos e filhas de Deus e a reverência a nosso Pai Celestial e a Seu sacerdócio — Seu poder e autoridade.

Ele tem um plano para nós, e quando exercemos nossa fé e confiança em Seu plano, nossa reverência por Ele e pelo poder e autoridade de Seu sacerdócio serão fortalecidos.

No treinamento mundial de liderança sobre como Fortalecer a Família e a Igreja por Meio do Sacerdócio, foi-nos ensinado que as irmãs que não têm portadores do sacerdócio no lar (…) nunca precisam sentir-se sozinhas. Elas são abençoadas e fortalecidas por meio das ordenanças que receberam e dos convênios que cumprem. Elas não devem hesitar em pedir ajuda quando precisarem. (…) O Élder M. Russell Ballard ensinou que toda mulher da Igreja precisa saber que ela tem um bispo, um presidente do quórum de élderes, um mestre familiar e outros portadores dignos do sacerdócio com quem pode contar para que vá a sua casa e a auxilie e — conforme acrescentou a irmã Rosemary M. Wixom — “lhe dê uma bênção”.9

O Élder Ballard também ensinou: “Nosso Pai Celestial é generoso com Seu poder. Todos os homens e todas as mulheres têm acesso a esse poder para ajudá-los em sua própria vida. Todos aqueles que fizeram convênios sagrados com o Senhor e que honram esses convênios têm direito de receber revelação pessoal, de ser abençoados pelo ministério de anjos [e] de ter comunhão com Deus”.10

Todos precisamos uns dos outros. Os filhos de Deus precisam das filhas de Deus, e as filhas de Deus precisam dos filhos de Deus.

Temos dons e pontos fortes diferentes. O capítulo 12 de I Coríntios salienta a necessidade que os filhos e as filhas de Deus têm uns dos outros para cumprir seu papel individual e suas responsabilidades de acordo com o plano do Senhor com o qual todos podemos nos beneficiar.11

Filhos de Deus, vocês sabem quem vocês são? Vocês sabem o que vocês têm? Vocês são dignos de exercer o sacerdócio e de receber o poder e as bênçãos do sacerdócio? Vocês aceitam seu papel e sua responsabilidade de fortalecer o lar como pais, avôs, filhos, irmãos e tios? Vocês respeitam as mulheres e a maternidade?

Filhas de Deus, sabemos quem somos? Sabemos o que nós temos? Somos dignas de receber o poder e as bênçãos do sacerdócio? Recebemos os dons que nos são concedidos com gratidão, graça e dignidade? Aceitamos nosso papel e nossa responsabilidade de fortalecer o lar como mães, avós, filhas, irmãs e tias? Temos respeito pelos homens e pela paternidade?

Como filhos e filhas do convênio, será que temos fé em nosso Pai Celestial e em Seu plano eterno para nós? Temos fé em Jesus Cristo e em Sua Expiação? Acreditamos que temos uma natureza e um destino divinos? Em nosso empenho de alcançar esse destino e receber tudo o que o Pai possui,12 compreendemos a importância de receber as ordenanças do sacerdócio e em fazer, guardar e renovar nossos convênios com o Senhor?

Somos filhos e filhas espirituais amados de pais celestes, temos natureza e destino divinos. Nosso Salvador, Jesus Cristo, amou-nos o suficiente para dar a vida por nós, e Sua Expiação nos proporciona o caminho para progredirmos e retornarmos a nosso lar celestial por meio das ordenanças e dos convênios sagrados do sacerdócio.

Essas ordenanças e esses convênios do sacerdócio foram restaurados à Terra por meio do Profeta Joseph Smith e, hoje, o Presidente Thomas S. Monson possui todas as chaves do sacerdócio na Terra.

O Élder D. Todd Christofferson ensinou: “N’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias encontra-se a autoridade do sacerdócio para administrar as ordenanças por meio das quais podemos fazer os convênios de união com nosso Pai Celestial em nome de Seu Santo Filho. (…) Deus cumpre as promessas que lhes faz quando vocês honram seus convênios feitos com Ele”.13

Dessas coisas testifico em nome de Jesus Cristo. Amém.