2010–2019
Poder no Sacerdócio
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Poder no Sacerdócio

Um homem pode abrir as cortinas para que a cálida luz do sol entre no quarto, mas ele não é proprietário do sol, da luz ou do calor que o sol proporciona.

As Bênçãos do Sacerdócio São para Todos

Quando, na reunião sacramental, as crianças cantaram alegremente o hino da Primária “Fala-se com Amor”, todos sorriram com aprovação. Uma mãe corajosa que criava cinco filhos ouvia atentamente a segunda estrofe. “Abençoado é nosso lar; tem do sacerdócio o poder.”1 Com tristeza, ela pensou: “Meus filhos nunca tiveram um lar assim”.2

Minha mensagem para essa fiel mulher e para todos é a de que podemos viver a todo o momento abençoados pela força do poder do sacerdócio, sejam quais forem nossas circunstâncias.

Às vezes associamos indevidamente o poder do sacerdócio aos homens da Igreja. O sacerdócio é o poder e a autoridade de Deus concedidos para a salvação e bênção de todos: homens, mulheres e crianças.

Um homem pode abrir as cortinas para que a cálida luz do sol entre no quarto, mas ele não é proprietário do sol, da luz ou do calor que o sol proporciona. As bênçãos do sacerdócio são infinitamente maiores do que a pessoa que está encarregada de ministrar a dádiva.

Receber as bênçãos, o poder e as promessas do sacerdócio nesta vida e na vida futura é uma das grandes oportunidades e responsabilidades da mortalidade. Se formos dignos, as ordenanças do sacerdócio enriquecem nossa vida na Terra e nos preparam para as magníficas promessas do mundo vindouro. O Senhor declarou: “[Nas] ordenanças manifesta-se o poder da divindade”.3

Há bênçãos especiais de Deus para toda pessoa digna que for batizada, receber o Espírito Santo e tomar regularmente o sacramento. O templo proporciona mais luz e força, junto com a promessa da vida eterna.4

Todas as ordenanças nos convidam a aumentar nossa fé em Jesus Cristo e a fazer e guardar convênios com Deus. Ao guardar esses sagrados convênios, recebemos poder e bênçãos do sacerdócio.

Acaso não sentimos esse poder do sacerdócio em nossa vida e o vemos entre os membros da Igreja que cumprem seus convênios? Nós o vemos em recém-conversos assim que eles saem das águas do batismo sentindo-se perdoados e limpos. Vemos nossos filhos e jovens mais receptivos aos sussurros e à orientação do Espírito Santo. Vemos as ordenanças do templo se tornarem um facho de luz e uma força para homens e mulheres justos no mundo todo.

No mês passado, vi um jovem casal recorrer à imensa força das promessas do selamento no templo quando seu precioso bebê nasceu, mas viveu apenas uma semana. Por meio das ordenanças do sacerdócio, esse jovem casal e todos nós recebemos consolo, força, proteção, paz e promessas eternas.5

O Que Sabemos sobre o Sacerdócio

Alguns podem sinceramente perguntar: “Se o poder e as bênçãos do sacerdócio estão disponíveis para todos, porque as ordenanças do sacerdócio são ministradas pelos homens?”

Quando um anjo perguntou a Néfi: “Conheces tu a condescendência de Deus?” Néfi respondeu sinceramente: “Sei que ele ama seus filhos; não conheço, no entanto, o significado de todas as coisas”.6

Quando falamos do sacerdócio, há muitas coisas que sabemos.

Todos São Iguais

Sabemos que Deus ama todos os Seus filhos e que não faz acepção de pessoas. “[Ele] não repudia quem quer que o procure, (…) homem [ou] mulher; (…) e todos são iguais perante Deus.”7

Assim como sabemos que o amor de Deus é igual tanto para Seus filhos quanto para Suas filhas, também sabemos que Ele não criou os homens e as mulheres exatamente idênticos. Sabemos que o sexo masculino ou feminino é uma característica essencial de nossa identidade e propósito tanto mortais quanto eternos. São concedidas sagradas responsabilidades aos homens e às mulheres.8

Do Início

Sabemos que desde o princípio o Senhor estabeleceu a maneira pela qual Seu sacerdócio seria ministrado. “O Sacerdócio foi dado em primeiro lugar a Adão.”9 Noé, Abraão e Moisés, todos ministraram ordenanças do sacerdócio. Jesus Cristo foi e é o Grande Sumo Sacerdote. Ele chamou apóstolos. “Não me escolhestes vós a mim”, disse Ele, “mas eu vos escolhi a vós”.10 Em nossos dias mensageiros celestiais foram enviados por Deus, João Batista, Pedro, Tiago e João restauraram o sacerdócio na Terra por intermédio do Profeta Joseph Smith.11 Esse é o modo pelo qual o Pai Celestial ministrou Seu sacerdócio.12

Os Muitos Dons de Deus

Sabemos que o poder do santo sacerdócio não funciona independentemente da fé, do Espírito Santo e de dons espirituais. As escrituras nos alertam: “[Não negueis] os dons de Deus, pois eles são muitos; (…) E de diversas maneiras são esses dons administrados; mas é o mesmo Deus que opera [todos eles]”.13

Dignidade

Sabemos que a dignidade é um elemento central para a realização e o recebimento das ordenanças do sacerdócio. A irmã Linda K. Burton, presidente geral da Sociedade de Socorro, disse: “A retidão é o que nos qualifica (…) a propiciar a presença do poder do sacerdócio em nossa vida”.14

Pensem, por exemplo, na praga da pornografia que varre o mundo. O padrão de dignidade do Senhor não tolera a pornografia entre aqueles que oficiam as ordenanças do sacerdócio. O Salvador disse:

“Arrependei-vos de vossas (…) abominações secretas”.15

“A candeia do corpo são os olhos; (…) [se] os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso.”16

“[Porque] qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.”17

Se ministrarmos ou distribuirmos o sacramento, abençoarmos os enfermos ou participarmos de outras ordenanças do sacerdócio estando indignos, como disse o Élder David A. Bednar, estaremos tomando o nome de Deus em vão.18 Se alguém está indigno, ele deve abster-se de oficiar nas ordenanças do sacerdócio e, em espírito de oração, procurar seu bispo como primeiro passo do arrependimento e do retorno aos mandamentos.

Humildade

Outra coisa que sabemos é que há abundância de bênçãos do sacerdócio nas famílias em que uma mãe e um pai estão unidos ao guiar seus filhos. Mas também sabemos que Deus zelosamente oferece as mesmas bênçãos para pessoas em muitas outras situações.19

Uma mãe que carregava o fardo de sustentar tanto espiritual quanto temporalmente sua família, explicou emocionada que chamar os mestres familiares para abençoar um de seus filhos exigia humildade da parte dela. Mas acrescentou com sabedoria que isso não exigia mais humildade dela do que de seus mestres familiares ao se prepararem para abençoar o filho dela.20

As Chaves do Sacerdócio

Sabemos que as chaves do sacerdócio, que os membros da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos possuem, dirigem o trabalho do Senhor na Terra. São conferidas chaves do sacerdócio específicas aos presidentes de estaca e bispos para suas responsabilidades em suas áreas geográficas. E eles chamam homens e mulheres por revelação os quais são apoiados e designados para exercer a autoridade delegada para ensinar e ministrar.21

Embora existam muitas coisas que sabemos sobre o sacerdócio, observar pelas lentes da mortalidade nem sempre dá o entendimento completo dos trabalhos de Deus. Mas seu lembrete gentil: “Meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos”,22 nos reafirma que com tempo e perspectiva eterna veremos as coisas “como são”23 e entenderemos mais completamente Seu perfeito amor.

Todos nós temos disposição para servir. Às vezes sentimos que estamos fazendo pouco em nossos chamados e gostaríamos que fosse pedido mais de nós. Outras vezes somos gratos quando chega a época de nossa desobrigação. Não determinamos os chamados que recebemos.24 Aprendi essa lição no início de meu casamento. Como um jovem casal, minha esposa, Kathy, e eu morávamos na Flórida. Num domingo, o conselheiro da presidência da estaca explicou para mim que eles se sentiram inspirados a chamar Kathy como professora do seminário matutino.

“Como faremos isso?” perguntei. “Temos filhos pequenos, o seminário começa às 5h da manhã e sou o presidente dos Rapazes da ala”.

O conselheiro sorriu e disse: “Vai dar tudo certo, irmão Andersen. Vamos chamá-la e desobrigar você”.

E foi isso o que aconteceu.

A Contribuição das Mulheres

Perguntar e ouvir atentamente os pensamentos e as preocupações demonstrados pelas mulheres é fundamental na vida, no casamento e na edificação do reino de Deus.

Há 20 anos na conferência geral, o Élder M. Russell Ballard relatou uma conversa que teve com a presidente geral da Sociedade de Socorro. Havia sido levantada uma pergunta sobre como fortalecer a dignidade dos jovens que se preparavam para servir missão. A irmã Elaine Jack disse com um sorriso: “Sabe, Élder Ballard, as mulheres da Igreja podem ter algumas sugestões muito boas… se perguntarmos a elas. Afinal de contas… somos as mães deles!”25

O Presidente Thomas S. Monson tem uma história de vida inteira de perguntar e de atender às preocupações das mulheres. A mulher que mais o influenciou foi a irmã Frances Monson. Sentimos muito a falta dela. Também, na quinta-feira passada, falando às Autoridades Gerais, o Presidente Monson nos lembrou o quanto ele aprendeu com as 84 viúvas de sua ala quando era bispo. Elas influenciaram grandemente seu serviço e toda a sua vida.

Não é de surpreender que, antes de o Presidente Monson anunciar a decisão tomada em espírito de oração sobre a mudança de idade para o serviço missionário, tenha havido muitas trocas de ideias com as presidências gerais da Sociedade de Socorro, das Moças e da Primária.

Bispos, ao seguirem o exemplo do Presidente Monson, vocês sentirão ainda mais abundantemente a mão orientadora do Senhor abençoando seu sagrado trabalho.

Moramos vários anos no Brasil. Assim que chegamos, conheci Adelson Parrella, que servia como Setenta, e seu irmão Adilson, que servia em nossa presidência de estaca. Mais tarde, conheci o irmão deles, Adalton, que servia como presidente de estaca em Florianópolis, e outro irmão, Adelmo, que servia como bispo. Fiquei impressionado com a fé daqueles irmãos e perguntei a respeito de seus pais.

A família foi batizada em Santos, Brasil, há 42 anos. Adilson Parrella disse: “A princípio, meu pai parecia muito entusiasmado a respeito de ter-se filiado à Igreja. Contudo, ele logo se tornou menos ativo e pediu a nossa mãe que não frequentasse a Igreja.

Adilson me disse que sua mãe costurava roupas para os vizinhos para pagar a passagem de ônibus dos filhos até a Igreja. Os quatro meninos caminhavam juntos quase dois quilômetros até outra cidade, pegavam um ônibus por 45 minutos e depois caminhavam mais 20 minutos até a capela.

Embora não pudesse ir à Igreja com os filhos, a irmã Parrella lia as escrituras com seus filhos e suas filhas, ensinava-lhes o evangelho e orava com eles. Seu humilde lar estava repleto das ricas bênçãos do poder do sacerdócio. Os meninos cresceram, serviram missão, estudaram e casaram-se no templo. As bênçãos do sacerdócio encheram o lar deles.

Anos mais tarde, já sem o marido, Vany Parrella entrou no templo para fazer sua própria investidura e mais tarde serviu três missões no Brasil. Ela está agora com 84 anos, e sua fé continua a abençoar as gerações que a seguiram.

Testemunho e Promessa

O poder do santo sacerdócio de Deus encontra-se na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Testifico que, à medida que vocês participarem dignamente das ordenanças do sacerdócio, o Senhor lhes dará maior força, paz e perspectiva eterna. Seja qual for sua situação, seu lar será abençoado pela força do poder do sacerdócio, e aqueles mais próximos de vocês terão mais plenamente o desejo de ter essas bênçãos para si mesmos.

Como homens e mulheres, irmãos e irmãs, filhos e filhas de Deus, seguimos adiante juntos. Essa é nossa oportunidade, nossa responsabilidade e nossa bênção. Esse é nosso destino — preparar o reino de Deus para o retorno do Salvador. Em nome de Jesus Cristo. Amém.