Conferência Geral
    Rededicação do Tabernáculo de Salt Lake
    Notas de rodapé
    Theme

    Rededicação do Tabernáculo de Salt Lake

    Sinto-me grato por este magnífico edifício ter sido reforçado e restaurado para continuar a ser um local de instrução e edificação dos filhos de Deus.

    É uma grande honra e privilégio participar da cerimônia de rededicação deste belo edifício, o Tabernáculo de Salt Lake, que se ergue a oeste do Templo de Salt Lake. Agradecemos a todos aqueles que tiveram qualquer participação na grande obra realizada neste edifício. Somos gratos, em especial, ao Bispado Presidente: Bispo H. David Burton, Bispo Richard C. Edgley e Bispo Keith B. McMullin, por sua excelente liderança na direção da obra de modernização e restauração do Tabernáculo de Salt Lake.

    Tenho doces recordações de vir ao Tabernáculo quando era menino. Fui batizado aqui. Quando me tornei diácono, meu pai me trouxe aqui para assistir à reunião geral do sacerdócio. Chegamos 15 minutos mais cedo e conseguimos facilmente um lugar no mezzanino.

    Nos primeiros dias da Igreja, os dois únicos edifícios especialmente construídos para adoração foram os templos de Kirtland e Nauvoo. Ambos foram construídos segundo revelação. O primeiro edifício da Igreja de que temos registro, construído para ser uma capela, também foi planejado para ser usado como escola. Foi construído com toras, no Missouri, em 1831.1

    Em 1836, época em que foi dedicado, o Templo de Kirtland já era muito pequeno para acomodar todos os santos que queriam assistir à dedicação. O Profeta Joseph Smith registrou com pesar que o edifício não podia acomodar mais pessoas.2 Contudo, quando a violência contra os santos e seus líderes aumentou em Kirtland, o corpo principal da Igreja mudou-se para o Missouri, em 1838, deixando aquele precioso edifício para trás.

    O Templo de Nauvoo seguiu basicamente o mesmo padrão do Templo de Kirtland, no tocante às salas de reunião no primeiro e segundo andares. Contudo, antes de o Templo de Nauvoo ser concluído, em 1846, os santos se reuniam do lado de fora, geralmente perto do templo, para ouvir Joseph e outros líderes da Igreja falarem. Às vezes, havia milhares de pessoas nessas reuniões.

    Como George A. Smith observou, com bom humor: “Nos dias do Profeta Joseph (…) o ‘mormonismo’ florescia melhor ao ar livre”. Isso aconteceu porque “não conseguimos construir um edifício grande o bastante para acomodar os santos antes da morte do Profeta.”3

    Ocasionalmente, o mau tempo interrompia essas reuniões ao ar livre e tanto os oradores quanto a congregação sofriam com o desconforto. O Presidente Joseph F. Smith, que se lembrava muito bem do desconforto daquelas reuniões realizadas ao ar livre. perto do templo de Nauvoo, disse:

    “Minha primeira lembrança de um lugar de adoração é de Nauvoo. Era num pequeno bosque perto do terreno do templo. Em companhia de minha mãe, ouvi ali homens como Brigham Young, Heber C. Kimball, Orson Hyde, Parley P. Pratt, Orson Pratt, o Profeta Joseph e o Patriarca Hyrum. Lembro-me muito bem de assistir a uma reunião nesse bosque, em que um carroção foi colocado diante da congregação, e o Profeta Joseph falava de pé no carroção, quando começou a chover. Uma ou duas pessoas seguraram guarda-chuvas abertos sobre ele, para protegê-lo da chuva. Na congregação, poucos tinham guarda-chuva, e foi muito incômodo e desagradável ficarmos ali sentados; mas recordo muito bem, embora eu fosse pequeno, que ninguém saiu do lugar enquanto ele falava.4

    Antes de morrer, o Profeta Joseph ordenou que um tabernáculo de lona fosse construído para abrigar os santos nas grandes reuniões. Em 1845, quando o templo estava quase concluído, o Élder Orson Hyde, do Quórum dos Doze, foi enviado de volta ao leste para angariar fundos e comprar “quase quatro mil metros” de lona para construir o que Brigham Young chamou de “o Tabernáculo da congregação de Sião”.5

    O irmão Orson Pratt sugeriu o local e desenhou o projeto para o tabernáculo de lona, em uma carta escrita em 30 de agosto de 1845:

    “Pretendemos erguer um tabernáculo de lona em frente ao Templo, junto a ele, a oeste. A forma desse tabernáculo será a de uma elipse (…) a área da base será suficiente para comportar oito ou dez mil pessoas; seus bancos se erguerão gradualmente, um acima do outro, na forma de um anfiteatro”.6

    No dia seguinte, os irmãos começaram a limpar o terreno para a construção do tabernáculo de lona. Contudo, devido à intensa perseguição de seus inimigos, os santos tiveram que partir de Nauvoo; por isso, o tabernáculo de lona não chegou a ser feito. Orson Hyde “colocou as lonas em carroções, em 1846, e partiu para o oeste com elas”.7 Houve quem especulasse que “as lonas foram bem utilizadas para coisas como barracas, abrigos e coberturas de carroções”8 para os santos, no êxodo para o vale do Lago Salgado.

    O Tabernáculo construído na Praça do Templo, em Salt Lake City, tem dimensões que lembram as do tabernáculo de lona planejado para Nauvoo, e tal como o projeto original, está situado logo a oeste do templo. Tal como aconteceu em outras questões, como a grande migração para o Oeste, Joseph Smith teve a visão de um grande tabernáculo; e Brigham Young a tornou realidade.

    Portanto, o tabernáculo planejado para Nauvoo, embora nunca tivesse sido construído, foi o protótipo deste edifício histórico. Quando eu era menino, ouvia a conferência geral pelo rádio; hoje, com a utilização de satélites e modernos equipamentos eletrônicos, transmitimos de Salt Lake City para vários países simultaneamente — como estamos fazendo neste momento — usando receptores localizados em edifícios espalhados pelo mundo inteiro. Isso aconteceu graças à inspiração que as Autoridades Gerais receberam para atender às necessidades das pessoas de nossa época. Esse é um bom exemplo de como o Senhor possibilita que atendamos às necessidades dos membros da Igreja. Testifico que o Senhor continuará a revelar, por meio do Seu profeta, Gordon B. Hinckley, as maneiras e os meios para atender às necessidades de todos os membros de uma Igreja que está sempre crescendo.

    Sinto-me grato por este magnífico edifício ter sido reforçado e restaurado para continuar a ser um local de instrução e edificação dos filhos de Deus, em nome de Jesus Cristo. Amém.