2013
Lembrar-nos Dele no Dia do Senhor
anterior seguinte

Até Voltarmos a Nos Encontrar

Lembrar-nos Dele no Dia do Senhor

Nossa aula da Escola Dominical sobre a santificação do Dia do Senhor ia muito bem, até que alguém mencionou a televisão.

À medida que as pessoas expressaram sua opinião quanto a ser ou não adequado assistir à televisão no domingo, alguns membros da classe quiseram impor seu ponto de vista. Em pouco tempo, os outros se ofenderam. O Espírito, que a princípio tinha acompanhado nosso debate, foi substituído por uma tensão sentida por todos.

Ao observar a discórdia crescente, Kenneth Payne, membro de nossa presidência de estaca, pediu para falar. Ficou de pé e começou a contar a respeito de seu filho Brian, que havia servido na Missão Japão Tóquio Norte. Quando o Presidente Payne e sua família cumprimentaram Brian no aeroporto ao retornar da missão em março de 2003, ele se queixou de dor e rigidez no queixo. Em poucas semanas, foi diagnosticado que Brian estava com linfoma não Hodgkin.

Um mês depois, ele começou uma série de quimioterapia e depois de radioterapia. O Presidente Payne disse que os médicos haviam planejado um transplante de medula para o dia 22 de setembro, mas pouco depois do dia primeiro daquele mês, “Brian começou a ter dificuldades”.

Foi hospitalizado na segunda semana de setembro. Nessa altura, devido à natureza agressiva do câncer, os médicos decidiram que era tarde demais para um transplante. A família levou Brian para casa, saindo do hospital no dia 21 de setembro. Ele morreu na manhã seguinte.

“O dia 22 de setembro é um dia especial para nossa família”, disse o Presidente Payne. “Nesse dia, diminuímos o ritmo da vida e pensamos no Brian, em suas contribuições para nossa família e em como ele dedicou os dois últimos anos de sua vida ao Senhor e ao povo do Japão, a quem amava. Sentimos muita saudade dele, e nesse dia refletimos sobre sua vida e honramos sua memória.”

Para todos nós, disse o Presidente Payne, o domingo é um dia para diminuir nosso ritmo e lembrar.

“Reservamos nosso tempo para assistir às reuniões da Igreja, tomar o sacramento, sentir pesar por nossos pecados e ponderar o sofrimento do Salvador em nosso favor”, disse ele. “Servimos, amamos e procuramos não nos distrair com atividades que nos impeçam de adorá-Lo.”

O Presidente Payne disse que se as atividades de domingo forem condizentes com esse espírito, então podemos sentir-nos bem ao participarmos delas. Mas, se elas nos distraírem, impedindo que nos lembremos do Salvador e que ministremos no Dia do Senhor, como Ele ministraria, então talvez devamos reconsiderar nossas escolhas.

Depois disso, ele se sentou e não disse mais nada. Nem precisava fazê-lo. O Espírito havia voltado para a sala de aula, e estávamos todos ouvindo.

Detalhe de Cristo no Getsêmani, de Heinrich Hofmann, cortesia de C. Harrison Conroy Co.