2013
Fazer um Novo Amigo
anterior seguinte

Fazer um Novo Amigo

Eu estava sentada à mesa para almoçar com minhas amigas quando notei que um novo aluno chamado Michael tinha sido transferido para nosso horário de almoço. Parecia que ele não conhecia ninguém, mas estava disposto a fazer novos amigos. Decidiu sentar-se com um grupo de meninos mais velhos, que fingiram ser seus amigos por um tempo, mas acabaram fazendo piada dele. Zombaram tanto dele que ele começou a chorar. Vi isso acontecer, e me perturbou muito. Mais tarde, fiquei sabendo que o Michael tinha autismo.

Decidi perguntar ao Michael se queria sentar-se comigo e com minhas amigas. Ele disse que não, talvez por medo de ser alvo de zombarias de novo. Decidiu que preferia sentar-se sozinho.

No dia seguinte, fui até ele e o apresentei a minhas amigas. Sei que ele ficou feliz por eu não ter desistido dele, e começamos a conversar. Descobri que ele era excelente no jogo da velha. Era quase imbatível. Também descobri que ele era incrivelmente inteligente. Sabia a respeito de todos os presidentes dos Estados Unidos e sabia as datas de mandato de cada um. Ele era incrível, mas nem todas as pessoas estavam dispostas a olhar além de sua deficiência. Alguns dos outros alunos zombaram de mim por sentar-me com ele, mas não deixei que me incomodassem. Eu gostava da companhia do Michael.

Todos os dias, quando nos encontrávamos para almoçar, eu via que o Michael estava se tornando uma pessoa mais feliz. Ele mal podia esperar a hora do almoço todos os dias, e eu também. O que me pareceu ser um simples ato de serviço, na verdade, foi o início de uma maravilhosa amizade.

Laura Potts, Illinois, EUA