2000-2009
    Não Foram Dez os Limpos?
    Notas de rodapé
    Theme

    Não Foram Dez os Limpos?

    Se quisermos expressar devidamente nossa gratidão ao Pai Celestial, devemos fazê-lo de todo o coração, poder, mente e força.

    Quando o Presidente Thomas S. Monson pediu aos novos membros dos Setenta e da presidência geral das Moças que subissem e tomassem seus lugares junto ao púlpito, lembrei-me claramente de abril de 1970, quando fui chamado para ser Assistente do Quórum dos Doze — o que foi uma surpresa para mim. Eu tinha sido informado apenas algumas horas antes. Ao ser convidado para sentar-me em uma das poltronas vermelhas do antigo Tabernáculo, o coro começou a cantar o hino “Ó Divino Redentor”.

    Ao ouvir aquele vigoroso hino com sua maravilhosa melodia, pedi em silêncio ao Salvador que me aceitasse como eu era e que não se lembrasse de meus fracassos, minhas fraquezas e meus pecados. (Ver Salmos 25:7.) Que dia maravilhoso foi aquele! Tudo isso voltou-me à mente quando o Presidente Monson fez esse convite hoje.

    Sinto-me honrado por estar aqui, nesta tarde, para passar alguns momentos com todos vocês e prestar meu testemunho e expressar meus sentimentos sobre esta maravilhosa obra.

    Eu disse ao Élder Neal A. Maxwell que subiria até aqui sem minha bengala. Ele estava pronto para entregá-la a mim, mas eu disse: “Pode deixar, eu consigo sem ela. Mostrarei que tenho fé suficiente para isso”. À medida que vou ficando mais velho e os anos se passam, sinto-me honrado por ter esta oportunidade e pela capacidade e o desejo de erguer-me e testemunhar a vocês acerca das bênçãos do evangelho que recebi na vida nestes muitos anos que se passaram. Não sei se sou hoje o mais velho neste grande salão, mas estou agora com 97 anos de idade. Quando foi anunciado, nesta manhã, que esta era a 172.a conferência semestral da Igreja, imaginei que alguns dos mais jovens devem considerar 172 anos um tempo muitíssimo longo. Gostaria de relembrar para vocês o centésimo aniversário da Igreja. Naquela época, Ruby e eu nos casamos. Era o ano de 1930. Este é o 172.o aniversário da Igreja, e estamos casados há 72 anos. Só estou mencionando isso para que vocês, matemáticos, lembrem o número 172; é muito fácil de lembrar.

    Quero hoje prestar um tributo e expressar minha gratidão ao Pai Celestial pelas bênçãos que recebi durante todos os anos de minha vida, por ter nascido de bons pais e ter sido criado num bom lar. Ao viajar pelo país em todas as atividades de que participei, sinto-me grato por ter conhecido boas pessoas. As pessoas boas influenciam nossa vida e ajudam a moldar nossa própria personalidade e caráter, e também nos ajudam a fazer parte da sociedade e viver da maneira que devemos viver. Elas nos ajudam a realizar empreendimentos dignos e nos elevam a um plano mais elevado. Sinto-me imensamente grato a meu Pai Celestial pelas bênçãos que recebi. Presto testemunho Dele, testifico que sei que Ele é nosso Pai e que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo, o Criador e o Salvador de toda a humanidade. Sinto-me grato pelo magnífico papel que Ele teve na Criação e no estabelecimento do evangelho na Terra, e pela oportunidade que isso proporciona à humanidade, se quiserem escutar, ouvindo e compreendendo para terem as bênçãos do céu, se as merecerem, e se viverem de modo que o evangelho se torne grande parte de sua vida.

    Sinto gratidão pelos meus antepassados que se filiaram à Igreja, na época do início da Igreja, e que se mudaram do norte do Estado de Nova York para reunirem-se aos santos, em Nauvoo, e participarem da construção do Templo de Nauvoo e depois seguirem no êxodo para o Oeste. Por todas essas bênçãos, sinto-me muito grato hoje, ao mencioná-las para vocês.

    Devo mencionar também o Presidente Gordon B. Hinckley. Ele fez um discurso notável, nesta manhã, dando-nos uma visão geral dos anos recentes, mas particularmente dos eventos transcorridos em Nauvoo e a reconstrução daquele majestoso templo. Tudo o que aconteceu ali foi uma bênção para o mundo e para toda a humanidade.

    Quero que o Presidente Hinckley saiba que o tenho observado cuidadosamente desde que ele foi chamado para ser um conselheiro adicional do Presidente Spencer W. Kimball e quando ele assumiu seu cargo na Primeira Presidência. Como ele cresceu e amadureceu e foi inspirado e orientado na realização das atividades que testemunhamos! Muitos de nós tivemos um pequeno papel na visão que ele teve no crescimento ocorrido na Igreja recentemente, inclusive com respeito à construção de templos, que são 114 atualmente em funcionamento. Todas essas coisas resultaram da orientação inspirada do Presidente Hinckley. Bendito seja ele pelo que fez para ajudar a Igreja a expandir-se, fazendo nossa imagem crescer e melhorar em todo o mundo. Somos muito gratos pelo que ele fez, pela situação que alcançamos hoje na Igreja e por sua liderança.

    Conforme lemos em Lucas, o Salvador entrou, certo dia, numa pequena cidade onde havia dez leprosos. Ora, aqueles que cresceram nos últimos anos pouco conhecem acerca dos leprosos. A lepra era uma doença terrível e pavorosa no passado. Aqueles dez leprosos procuraram o Salvador e disseram: “Mestre, tem misericórdia de nós; tem misericórdia de nós que sofremos dessa terrível enfermidade da lepra”. Ele disse, então, aos dez leprosos: “Procurem seu sacerdote, ele cuidará de vocês”, e foi o que eles fizeram. Foram ver os seus sacerdotes e ficaram limpos, todos os dez. Pouco depois, um deles voltou até o Salvador e caiu a Seus pés, agradecendo ao Salvador por tê-lo abençoado e curado daquela terrível doença. E o Salvador disse àquele homem: “Não eram dez? O que aconteceu com os outros nove? Onde estão eles?” (Ver Lucas17:11–19.)

    Ao ler essa história repetidas vezes, ela deixou-me uma grande impressão. Como seria fazer parte daquela “sociedade dos nove”? Não seria muito ruim ser contado entre aqueles que deixaram de voltar e reconhecer o Salvador pelas bênçãos que Ele lhes concedera? Só um voltou.

    É muito fácil recebermos bênçãos na vida, muitas delas quase incontáveis, e vermos coisas acontecerem em nossa vida que ajudam a mudá-la, melhorá-la e trazer o Espírito para nossa vida. Mas muitas vezes deixamos de dar valor a essas coisas. Quão gratos devemos ser pelas bênçãos que o evangelho de Jesus Cristo proporciona a nosso coração e alma. Gostaria de lembrar todos vocês que se quisermos expressar devidamente nossa gratidão ao Pai Celestial, devemos fazê-lo de todo o coração, poder, mente e força, porque foi Ele que nos deu a vida. Ele deu-nos a oportunidade de vivermos como somos, de termos o evangelho em nossa vida, de contarmos com o exemplo de pessoas boas como o Presidente Hinckley liderando a Igreja em todo o mundo e a oportunidade de os jovens olharem para ele com orgulho e gratidão, por ser um líder que demonstra e faz a sua parte, mostrando o que o Espírito de Cristo pode proporcionar a nosso coração e alma. Se essa gratidão for magnificada, desenvolvida e ampliada, ela abençoará nosso coração, nossa mente e nossa alma de modo que desejemos continuar em frente e fazer tudo o que nos for pedido.

    Temos grande parte de nossa família espalhada por pelo menos vinte lugares nos Estados Unidos e Inglaterra. Eu lhes sugeri que quando tiverem a oportunidade de apoiar as Autoridades Gerais, particularmente o Presidente Hinckley e seus conselheiros, se tiverem que fazê-lo junto ao rádio ou onde quer que estejam, que ergam a mão com entusiasmo e digam para si mesmos: “Estou participando do apoio da liderança da Igreja”. Imaginei hoje, quando erguíamos a mão, alguns jovens — crianças que amamos e adoramos — erguendo a mão em diversas partes do mundo. Esperamos incutir nessas crianças, juntamente com o Espírito do Senhor, o desejo de aprender, de conhecer, de viver e de fazer parte do evangelho de Jesus Cristo. Esperamos que desfrutem plenamente suas oportunidades de desenvolver seu caráter e que sejam capazes de estender a mão e ajudar a mudar e inspirar o coração de outras pessoas.

    Deus vive. Ele é nosso Pai. Testifico a vocês que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo, e que o Profeta Joseph Smith foi o profeta da Restauração. O Presidente Hinckley é nosso líder inspirado desta Igreja em todo o mundo atualmente. Abençoado seja ele por tudo o que faz e pela inspiração, revelação e visão com que lidera o andamento desta obra. Deixo esse testemunho com vocês, em nome de Jesus Cristo. Amém.