2017
Tiago 1:5–6
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Linha sobre Linha

Tiago 1:5–6

Tiago nos ensinou como perguntar a Deus para recebermos uma resposta.

5 E se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, sem repreensão, e ser-lhe-á dada.

Porém peça-a com fé, não duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte.

Peça com Fé

Bednar, David A.

“O requisito de pedirmos com fé [implica a necessidade de] não apenas verbalizar, mas fazer, o dever duplo de suplicar e realizar, a exigência de comunicar e agir.”

Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, “Pedir com Fé”, A Liahona, maio de 2008, p. 94.

Falta de Sabedoria

Em maior ou menor grau, todos temos falta do tipo de sabedoria que só Deus pode nos conceder. “Ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus” (1 Coríntios 2:11). É por isso que todos precisamos pedir a Ele.

Pedir a Deus

“As orações são dirigidas a nosso Pai Celestial em nome de Jesus Cristo (…).

O propósito da oração não é o de alterar a vontade de Deus, mas de obtermos para nós mesmos e para os outros as bênçãos que Deus já está disposto a conceder, mas que devemos pedir para obter.”

Guia para Estudo das Escrituras, “Oração”, scriptures.LDS.org.

A Todos

“Não repudia quem quer que o procure, (…) e todos são iguais perante Deus.”

Liberalmente

Liberalmente — A palavra grega da qual esta foi traduzida denota “simplicidade”, o que pode implicar firmeza no propósito de Deus de conceder-nos aberta e generosamente.

Sem Repreensão

Deus vai responder a você e jamais vai reprová-lo (criticar, repreender ou censurar) por pedir-Lhe humildemente uma resposta para uma pergunta sincera.

Não Duvidando

Christofferson, D. Todd

“Em épocas de desânimo, deixem que seus convênios sejam preeminentes e que sua obediência seja perfeita. Depois, podem pedir com fé, sem nada duvidar, de acordo com sua necessidade, e Deus responderá.”

Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, “O Poder dos Convênios”, A Liahona, maio de 2009, p. 22.