2017
Quero Viver com Vocês para Sempre!
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Nosso Lar, Nossa Família

Quero Viver com Vocês para Sempre!

A autora mora em Santo Domingo, República Dominicana.

A fé exercida por uma criança de 6 anos de idade me ajudou a reencontrar minha fé.

Quando eu tinha 22 anos, houve uma reviravolta em minha vida: minha mãe faleceu. Ela e meu pai eram pessoas de muita fé e haviam me criado no evangelho. Após sua morte, meu pai mudou-se de nosso país para os Estados Unidos. Com o passar do tempo, comecei a me sentir solitária, pois era filha única. Não tinha minha mãe comigo aqui na Terra e meu pai morava muito longe; via-o apenas por três semanas no ano.

Com esses sentimentos, comecei a procurar cada vez mais um refúgio em meus “amigos” da faculdade e do escritório onde trabalhava. Aos poucos comecei a encontrar nas coisas do mundo uma falsa alegria. Parei de frequentar a Igreja e aos poucos fiquei completamente inativa. Tempos depois, casei-me com um jovem que, embora tivesse princípios muito bons, nada conhecia a respeito do evangelho. Tivemos três filhos: Leah, Isaac e Ismael.

Our Homes, Our Families

Ilustração: Kelley McMorris

Certo dia de outubro, meu pai veio me visitar e conhecer o novo bebê. Durante a visita, Leah, que tinha 6 anos de idade, perguntou ao avô por que nunca trazia a avó para visitá-la. Meu pai então lhe explicou que a avó estava em um lugar muito especial perto do Pai Celestial. Assim que meu pai foi embora, Leah disse-me categoricamente: “Mãe, quero conhecer a vovó. Sei que ela está no céu, mas quero estar lá com vocês juntos um dia — a vovó e o vovô, o papai, Isaac, Ismael, você e eu. Quero viver com vocês para sempre. Quero ser da mesma família lá em cima como somos aqui em baixo para podermos brincar com a vovó!”

Eu não sabia o que dizer. Toquei seu lindo rosto inocente e depois fui até meu quarto. Caí de joelhos e chorei copiosamente. Pedi perdão ao Pai Celestial. Sabia que havia deixado o caminho que nos permitiria viver juntos como família eterna. Falhara em minha responsabilidade de guiá-los pelo caminho correto e também em não conversar com meu marido sobre o evangelho.

Quando consegui me colocar de pé, procurei um líder da Igreja e ele me colocou em contato com os élderes da minha ala. Na noite seguinte, vieram ensinar meu marido. Daquela noite em diante, nossa vida mudou para sempre. Agora vamos à igreja todos os domingos em família. Tenho um chamado que me permite ajudar as irmãs menos ativas. Estamos também nos preparando para ir ao templo.

O Espírito de Deus às vezes nos guia por meio de quem menos esperamos. Dessa vez, aconteceu por meio de minha filha de 6 anos de idade. Agora sei que, ao ser selada no templo, posso viver com minha família para sempre.