2010–2019
Fortalecidos pela Expiação de Jesus Cristo
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Fortalecidos pela Expiação de Jesus Cristo

Em virtude de Sua Expiação, o Salvador tem o poder de socorrer — de ajudar — em todas as dores e aflições mortais.

Na mortalidade temos a certeza da morte e do fardo do pecado. A Expiação de Jesus Cristo compensa essas duas certezas da vida mortal. Mas, além da morte e do pecado, temos muitas outras dificuldades ao enfrentarmos a mortalidade. Devido a essa mesma Expiação, nosso Salvador pode nos proporcionar as forças de que precisamos para vencer essas dificuldades mortais. É sobre isso que falarei hoje.

I.

A maioria dos relatos escriturísticos da Expiação é sobre o Salvador romper os laços da morte e sofrer por nossos pecados. Em seu sermão registrado no Livro de Mórmon, Alma ensinou esses princípios fundamentais. Contudo, forneceu também a mais clara certeza escriturística de que o Salvador também experimentou as dores, os males e as enfermidades de Seu povo.

Alma descreveu essa parte da Expiação do Salvador: “E ele seguirá, sofrendo dores e aflições e tentações de toda espécie; e isto para que se cumpra a palavra que diz que ele tomará sobre si as dores e as enfermidades de seu povo (Alma 7:11; ver também 2 Néfi 9:21).

Pense nisso! Na Expiação do Salvador, Ele sofreu “dores e aflições e tentações de toda espécie”. Como explicou o Presidente Boyd K. Packer: “Ele não tinha dívida a saldar. Jamais cometera erros. No entanto, o acúmulo de toda a culpa, tristeza, dor e humilhação, todo o pesar, todos os tormentos mentais, emocionais e físicos conhecidos pelo homem — Ele passou por tudo isso”.1

Por que Ele sofreu essas provações mortais “de toda espécie”? Alma explicou: “E tomará sobre si as suas enfermidades, para que se lhe encham de misericórdia as entranhas, segundo a carne, para que saiba, segundo a carne, como socorrer seu povo, de acordo com suas enfermidades” (Alma 7:12).

Por exemplo, o Apóstolo Paulo declarou que, porque o Salvador “ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer os que são tentados” (Hebreus 2:18). De modo semelhante, o Presidente James E. Faust ensinou: “Como o Salvador sofreu tudo o que poderíamos sentir ou vivenciar, Ele pode ajudar o fraco a tornar-se mais forte”.2

Nosso Salvador experimentou e sofreu a plenitude de todas as provações mortais “segundo a carne” para que pudesse saber “segundo a carne” como “socorrer [que significa aliviar ou auxiliar] seu povo, de acordo com suas enfermidades”. Portanto, Ele conhece nossas dificuldades, nossas tentações, nossos contratempos e nosso sofrimento, pois voluntariamente experimentou-os todos como parte fundamental de Sua Expiação. E, por esse motivo, Sua Expiação dá-Lhe o poder de socorrer-nos — de dar-nos as forças para suportar tudo isso.

II.

Assim como o ensinamento de Alma no capítulo sete é a escritura mais clara de todas sobre esse poder essencial da Expiação, o mesmo é ensinado em todos os escritos sagrados.

No começo de Seu ministério, Jesus explicou que foi enviado “para curar os quebrantados de coração” (Lucas 4:18). A Bíblia com frequência nos diz que Ele curou as pessoas “de suas enfermidades” (Lucas 5:15; 7:21). O Livro de Mórmon registra que Ele curou aqueles “que estavam aflitos de qualquer forma” (3 Néfi 17:9). O Evangelho de Mateus explica que Jesus curou as pessoas “para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças” (Mateus 8:17).

Isaías ensinou que o Messias tomaria nossas “dores” e “enfermidades” (Isaías 53:4). Isaías também ensinou que Ele nos fortaleceria: “Não temas, porque eu estou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça” (Isaías 41:10).

Assim, cantamos:

Se Deus é convosco, a quem temereis?

Ele é vosso Deus, seu auxílio tereis.

Se o mundo vos tenta, se o mal faz tremer, (…)

Com mão poderosa vos há de suster.3

Falando sobre algumas de suas próprias dificuldades na mortalidade, o Apóstolo Paulo escreveu, “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece” (Filipenses 4:13).

E assim vemos que em virtude de Sua Expiação, o Salvador tem o poder de socorrer — de ajudar — em todas as dores e aflições mortais. Às vezes Seu poder cura uma enfermidade, mas as escrituras e nossas experiências ensinam que às vezes Ele nos socorre ou ajuda dando-nos a força ou a paciência para suportar nossas enfermidades.4

III.

Quais são essas dores, aflições e enfermidades mortais que o nosso Salvador experimentou e sofreu?

Todos nós sofremos dores, aflições e enfermidades em uma ou outra ocasião. Além daquilo que experimentamos por causa de nossos pecados, a mortalidade é repleta de frequentes dificuldades, mágoas e sofrimento.

Nós e aqueles a quem amamos sofremos com doenças. Em algum momento cada um de nós também experimenta a dor de ferimentos traumáticos ou de outras dificuldades físicas ou mentais. Todos nós sofremos e ficamos tristes devido ao falecimento de um ente querido. Todos nós falhamos em nossas responsabilidades pessoais, nossos relacionamentos familiares ou em nossa profissão.

Quando um cônjuge ou um filho rejeita aquilo que sabemos ser a verdade e se desvia do caminho da retidão, experimentamos uma tristeza especialmente dolorosa, assim como o pai do filho pródigo na memorável parábola de Jesus (ver Lucas 15:11–32).

Conforme declarou o salmista: “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas” (Salmos 34:19).

Assim, nossos hinos nos dão esta autêntica certeza: “Não existe pesar na terra que o céu não possa curar”.5 O que nos cura é o Salvador e Sua Expiação.

Para os adolescentes, um sentimento particularmente pungente é o de rejeição, quando os colegas parecem associar-se em alegres relacionamentos e atividades, excluindo-os de propósito. Preconceitos raciais e étnicos produzem outras dolorosas rejeições para os jovens e os adultos. A vida tem muitos outros desafios, como o desemprego ou outros reveses em nossos planos.

Ainda estou falando sobre as enfermidades mortais que não são causadas por nossos pecados. Alguns nascem com deficiências físicas ou mentais que causam sofrimento pessoal para eles e dificuldades para os que os amam e se importam com eles. Para muitos, a depressão é dolorosa e, por vezes, permanentemente incapacitante. Outra aflição dolorosa é a condição de estar solteiro. Aqueles que sofrem com essa condição devem lembrar-se de que nosso Salvador também experimentou esse tipo de dor e que, por meio de Sua Expiação, Ele oferece as forças para suportá-la.

Poucas deficiências são mais debilitantes para nossa vida material ou espiritual do que os vícios. Alguns deles, como o vício da pornografia ou das drogas, provavelmente foram causados por comportamento pecaminoso. Mesmo depois de se arrepender do erro, o vício pode permanecer. Esses laços incapacitantes também podem ser afrouxados pela força decisiva disponibilizada pelo Salvador. O mesmo acontece com o extremo desafio daqueles que estão na prisão devido a crimes. Uma carta recente testifica sobre a força que pode advir até para quem está nessa situação: “Sei que nosso Salvador anda por esses corredores, e muitas vezes tenho sentido o amor de Cristo entre as paredes desta prisão”.6

Gosto muito do testemunho de nossa poetisa e amiga Emma Lou Thayne. Em palavras que agora cantamos como hino, ela escreveu:

Onde encontrar a paz

E o consolo

Quando o mundo estiver contra mim?

Se n’alma carregar dor, desconsolo

Onde encontrarei

A paz sem fim?

Se me aflige a dor,

Se perco alento,

Anseio por saber a quem correrei.

Quem pode aliviar o meu tormento?

Em Cristo paz real,

Certo, terei.7

IV.

Quem pode ser socorrido e fortalecido pela Expiação de Jesus Cristo? Alma ensinou que o Salvador tomaria sobre Si “as dores e as enfermidades de seu povo” e “[socorrerá] seu povo” (Alma 7:11–12; grifo do autor). Quem é “seu povo” nessa promessa? São todos os mortais — todos os que desfrutam a realidade da ressurreição por meio da Expiação? Ou são apenas aqueles servos escolhidos, qualificados pelas ordenanças e pelos convênios?

A palavra povo tem vários significados nas escrituras. O significado mais adequado no ensinamento de que o Salvador socorrerá “seu povo” é o significado que Amon empregou quando ensinou que “Deus se lembra de todos os povos, estejam na terra em que estiverem” (Alma 26:37). Também foi isso que os anjos quiseram dizer quando anunciaram o nascimento de Cristo, o Infante: “Novas de grande alegria, que será para todo o povo” (Lucas 2:10).

Por causa de sua experiência expiatória na mortalidade, nosso Salvador consegue consolar, curar e fortalecer todos os homens e mulheres em todas as partes, mas acredito que Ele somente o faz por aqueles que O buscam e pedem Seu auxílio. O Apóstolo Tiago ensinou: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará” (Tiago 4:10). Qualificamo-nos para essa bênção quando cremos Nele e oramos por Sua ajuda.

Existem milhões de pessoas tementes a Deus que oram a Ele para serem livradas de suas aflições. Nosso Salvador revelou que “desceu abaixo de todas as coisas” (D&C 88:6). Como ensinou o Élder Neal A. Maxwell: “Tendo ‘descido abaixo de todas as coisas’, Ele compreende, de maneira perfeita e pessoal, a amplitude do sofrimento humano”.8 Poderíamos até dizer que, tendo descido abaixo de todas as coisas, Ele está em perfeita posição de elevar-nos e dar-nos as forças de que precisamos para suportar nossas aflições. Temos apenas que pedir-Lhe.

Muitas vezes nas revelações modernas, o Senhor declara: “Portanto, se me pedires, receberás; se bateres, ser-te-á aberto” (por exemplo, D&C 6:5; 11:5; ver também Mateus 7:7). De fato, por causa de Seu amor abrangente, nosso Pai Celeste e Seu amado Filho, Jesus Cristo, ouvem e respondem apropriadamente as orações de todos os que Os buscam com fé. Conforme escreveu o Apóstolo Paulo: “Esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis” (I Timóteo 4:10).

Sei que essas coisas são verdadeiras. A Expiação de nosso Salvador faz mais do que nos assegurar da imortalidade por meio de uma ressurreição universal e oferece-nos a oportunidade de sermos purificados do pecado pelo arrependimento e pelo batismo. Sua Expiação também nos dá a oportunidade de recorrer a Ele, que já experimentou todas as nossas enfermidades mortais, para que nos cure e nos dê força para suportar os fardos da mortalidade. Ele conhece nossas angústias e está sempre pronto a ajudar-nos. Como o bom samaritano, quando Ele nos encontrar feridos à beira do caminho, atará nossas feridas e cuidará de nós (ver Lucas 10:34). O poder curador e fortalecedor de Jesus Cristo e de Sua Expiação é para todos os que Lhe pedirem. Testifico disso e testifico também de nosso Salvador, que torna tudo isso possível.

Um dia todos esses fardos mortais cessarão e não haverá mais dor (ver Apocalipse 21:4). Oro para que todos nós compreendamos a esperança e o poder da Expiação de nosso Salvador: a certeza da imortalidade, a oportunidade de vida eterna e as forças que podemos receber para nos suster se tão somente Lhe pedirmos, em nome de Jesus Cristo. Amém.