“Escolhidos para Prestar Testemunho de Meu Nome”
    Notas de rodapé

    “Escolhidos para Prestar Testemunho de Meu Nome”

    É maravilhoso termos homens mais velhos de grande maturidade espiritual e de opinião servindo em posições de liderança na Igreja restaurada de Jesus Cristo.

    Em 1996, o Presidente Gordon B. Hinckley apareceu no programa de televisão 60 Minutes. Mike Wallace, um repórter experiente e tenaz, entrevistou o Presidente Hinckley a respeito de alguns tópicos importantes.

    Quase no fim da entrevista, o Sr. Wallace comentou: “Há quem diga: ‘Esta Igreja é uma gerontocracia. Ela é dirigida por homens idosos’”.

    O Presidente Hinckley respondeu de modo bem animado e sem hesitação: “Não é maravilhoso termos um homem experiente à frente dela, um homem de juízo que não seja levado em roda por todo vento de doutrina?” (Transmitida em 7 de abril de 1996.)

    Meu propósito é explicar por que é de fato maravilhoso termos um homem mais velho de grande maturidade e juízo espiritual servindo em posições de liderança na Igreja restaurada de Jesus Cristo — e por que devemos “ouvir” e [escutar] (Mosias 2:9) os ensinamentos desses homens que o Senhor “[escolheu] (…) para prestar testemunho de [Seu] nome (…) a todas as nações, tribos, línguas e povos” (D&C 112:1).

    Oro para que sejamos todos instruídos pelo Espírito Santo ao ponderarmos juntos esse importante tema.

    Uma Lição de Toda uma Vida

    Falo sobre esse tópico de um ponto de vista decididamente distinto. Nos últimos 11 anos, fui o mais jovem membro dos Doze em termos de idade cronológica. Em meus anos de serviço, a idade média dos homens que serviam na Primeira Presidência e no Quórum dos Doze Apóstolos era de 77 anos — a mais elevada média de idade dos apóstolos ao longo de um período de 11 anos nesta dispensação.

    Fui abençoado pela experiência apostólica, pessoal e profissional coletiva, e pela visão dos membros do quórum com quem servi. Um exemplo tirado do meu convívio com o Élder Robert D. Hales destaca as extraordinárias oportunidades que tenho de aprender e servir com esses líderes.

    Há vários anos, passei uma tarde de domingo com o Élder Hales na casa dele, enquanto ele se recuperava de uma enfermidade grave. Conversamos sobre nossa família, nossas responsabilidades no quórum e sobre experiências pessoais importantes.

    Em dado momento, perguntei ao Élder Hales: “Você foi um marido, pai, atleta, piloto, executivo e líder da Igreja bem-sucedido. Que lições você aprendeu enquanto envelhecia e se via limitado pela diminuição de sua capacidade física?”

    O Élder Hales pensou um pouco e respondeu: “Quando não podemos mais fazer o que sempre fizemos, então fazemos apenas o que mais importa”.

    Fiquei admirado com a simplicidade e a abrangência de sua resposta. Meu grande amigo apóstolo compartilhou comigo uma lição de toda uma vida — uma lição aprendida por meio de provações envolvendo sofrimento físico e pela busca espiritual.

    Limitações e Fraquezas Humanas

    As limitações que são uma consequência natural da idade avançada podem de fato tornar-se fontes extraordinárias de aprendizado e inspiração espiritual. Os mesmos fatores que muitos acreditam limitar a eficácia desses servos podem tornar-se seus maiores pontos fortes. As restrições físicas podem expandir a visão. O vigor limitado pode tornar as prioridades mais claras. A incapacidade de fazer muitas coisas pode direcionar o foco para algumas coisas de maior importância.

    Algumas pessoas sugeriram que precisamos de líderes mais jovens e vigorosos na Igreja para lidar com os sérios desafios do mundo moderno com mais eficácia. Mas o Senhor não usa filosofias e práticas contemporâneas de liderança para cumprir Seus propósitos (ver Isaías 55:8–9). Podemos esperar que o Presidente e outros líderes mais antigos da Igreja sejam homens mais velhos e espiritualmente experientes.

    O padrão de governo por conselhos na Igreja revelado pelo Senhor supre e atenua o impacto das fraquezas humanas. É interessante notar que, na verdade, as limitações mortais desses homens confirmam a fonte divina das revelações que recebem e transmitem. Verdadeiramente esses homens foram chamados por Deus por profecia (ver Regras de Fé 1:5).

    Um Padrão de Preparação

    Tenho observado nas Autoridades Gerais parte do propósito pelo qual o Senhor coloca homens idosos com experiência e bom senso para servir nos cargos de liderança mais elevados da Igreja. Esses homens tiveram um longo período de instrução proporcionado pelo Senhor, a Quem eles representam, servem e amam. Aprenderam a entender a linguagem divina do Santo Espírito e os padrões do Senhor para o recebimento de revelação. Esses homens comuns passaram pelo mais extraordinário processo de desenvolvimento, que lhes refinou a visão, influenciou a compreensão, desenvolveu seu amor pelas pessoas de todas as nações e em quaisquer circunstâncias, e confirmou a realidade da Restauração.

    Tenho testemunhado repetidas vezes as Autoridades Gerais se esforçando diligentemente para cumprir e magnificar suas responsabilidades, enquanto enfrentam graves problemas físicos. Esses homens não são poupados de aflições. Pelo contrário, são abençoados e fortalecidos para prosseguir com firmeza enquanto sofrem aflições.

    Ao servir com esses representantes do Senhor, pude ver que seu maior desejo é discernir e fazer a vontade de nosso Pai Celestial e de Seu Filho Amado. Ao aconselharmo-nos uns com os outros, recebemos inspiração e tomamos decisões que refletem um grau de luz e verdade muito além da inteligência, do raciocínio e da experiência humana. Juntos, ao lidarmos com problemas complicados, nossa compreensão coletiva de uma questão é ampliada de modo grandioso pelo poder do Espírito Santo.

    Sou abençoado por observar diariamente as personalidades, capacidades e características nobres individuais desses líderes. Algumas pessoas consideram as limitações das Autoridades Gerais preocupantes e inconvenientes para nossa fé. Para mim, essas imperfeições são encorajadoras e promovem a fé.

    Uma Lição Adicional

    Até o momento presenciei seis de meus irmãos receberem uma transferência por meio da morte física para novas responsabilidades no mundo espiritual: O Presidente James E. Faust, o Presidente Gordon B. Hinckley, o Élder Joseph B. Wirthlin, o Élder L. Tom Perry, o Presidente Boyd K. Packer e o Élder Richard G. Scott.

    Esses valorosos líderes dedicaram “toda a [sua] alma” (Ômni 1:26) a fim de testificar a respeito do nome de Jesus no mundo todo. A totalidade de seus ensinamentos é inestimável.

    Nos últimos anos de seu ministério mortal, esses servos compartilharam conosco poderosos resumos espirituais de lições aprendidas em décadas de serviço consagrado. Esses líderes transmitiram verdades de grande valor em momentos nos quais alguns acreditavam que eles tinham pouco a oferecer.

    Ponderem sobre os últimos ensinamentos dos grandes profetas das escrituras. Néfi, por exemplo, concluiu seu registro com estas palavras: “Porque assim me ordenou o Senhor e devo obedecer” (2 Néfi 33:15).

    Quase no final de sua vida, Jacó admoestou:

    “Ó, meus amados irmãos, arrependei-vos e entrai pela porta estreita; e continuai no caminho apertado até obterdes a vida eterna.

    Oh! Sede sábios! Que mais poderei dizer?” (Jacó 6:11–12.)

    Morôni concluiu seu trabalho de preparar as placas aguardando com esperança a ressurreição: “Logo irei descansar no paraíso de Deus, até que meu espírito e meu corpo tornem a unir-se e eu seja carregado triunfante pelo ar, para encontrar-me convosco no agradável tribunal do grande Jeová, o Juiz Eterno tanto dos vivos como dos mortos” (Morôni 10:34).

    Todos nós temos a bênção de aprender com os ensinamentos e testemunhos finais de profetas e apóstolos modernos. Os nomes hoje não são Néfi, Jacó e Morôni, mas Presidente Faust, Presidente Hinckley, Élder Wirthlin, Élder Perry, Presidente Packer e Élder Scott.

    Não estou sugerindo que as últimas mensagens desses amados homens tenham necessariamente sido as mais notáveis ou importantes do ministério deles. Contudo, a soma do aprendizado espiritual e da experiência de vida permitiu que esses líderes enfatizassem verdades eternas com absoluta autenticidade, grande e penetrante poder.

    Presidente James E. Faust

    Em seu último discurso na conferência geral, em abril de 2007, o Presidente Faust declarou:

    “O Salvador ofereceu a todos nós uma paz preciosa por meio de Sua Expiação, mas só podemos alcançá-la se estivermos dispostos a eliminar os sentimentos negativos de raiva, rancor ou vingança. 

    (…) Lembremos que precisamos perdoar para ser perdoados. (…) Creio no fundo da alma e do coração no poder de cura que podemos receber seguindo o conselho do Salvador de ‘perdoar todos os homens’ (D&C 64:10)” (“O Poder de Cura do Perdão”, A Liahona, maio de 2007, p. 69).

    A mensagem do Presidente Faust é uma poderosa lição de toda uma vida de um homem que amo e um dos mais condescendentes homens que já conheci.

    Presidente Gordon B. Hinckley

    O Presidente Hinckley testificou em sua última conferência geral, em outubro de 2007: “Afirmo meu testemunho do chamado do Profeta Joseph, de suas obras, de seu testemunho o qual selou com o próprio sangue, como mártir da verdade eterna. (…) Nós todos nos vemos diante da questão pura e simples de aceitar ou não a verdade da Primeira Visão e de tudo o que a seguiu. Sobre a questão de sua veracidade repousa todo o fundamento desta Igreja. Se a visão é verdadeira — e testifico que é — então, a obra na qual estamos empenhados é a mais importante de toda a Terra” (“A Pedra Cortada da Montanha”, A Liahona, novembro de 2007, p. 86).

    O testemunho do Presidente Hinckley afirma uma poderosa lição de toda uma vida de um homem que amo e sei que foi um profeta de Deus.

    Élder Joseph B. Wirthlin

    O Élder Wirthlin fez seu último discurso de conferência geral em outubro de 2008.

    “Ainda me lembro [do conselho de minha mãe] naquele dia, há muito tempo, quando meu time perdeu o jogo de futebol: ‘Aconteça o que acontecer, desfrute’.

    (…) A adversidade, se corretamente enfrentada, pode ser uma bênção em nossa vida. (…)

    Se procurarmos o bom humor, se buscarmos a perspectiva eterna, se compreendermos o princípio da compensação e se nos aproximarmos do Pai Celestial, poderemos sobrepujar as dificuldades e provas. Poderemos dizer, como minha mãe: ‘Aconteça o que acontecer, desfrute’” (“Aconteça o Que Acontecer, Desfrute”, A Liahona, novembro de 2008, p. 28).

    A mensagem do Élder Wirthlin é uma poderosa lição de toda uma vida de um homem que amo e que foi um sermão vivo de como superar dificuldades por meio de fé no Salvador.

    Élder L. Tom Perry

    O Élder Perry esteve neste púlpito há apenas seis meses. Naquele dia não poderíamos ter imaginado que aquele seria seu último testemunho em uma conferência geral.

    “Gostaria de encerrar prestando testemunho (e minhas nove décadas nesta Terra me qualificam plenamente para dizer isto) de que, quanto mais velho fico, mais me dou conta de que a família é o ponto central da vida e é a chave para a felicidade eterna.

    Dou graças a minha esposa, a meus filhos, a meus netos e bisnetos e a todos os primos (…) e parentes por tornarem minha própria vida tão valiosa e, sim, eterna. Presto meu mais forte e mais sagrado testemunho dessa verdade eterna” (“Por Que o Casamento e a Família São Importantes — Em Todas as Partes do Mundo”, A Liahona, maio de 2015, p. 42).

    A mensagem do Élder Perry é uma poderosa lição de toda uma vida de um homem que amo e que compreendeu por meio de longa experiência o relacionamento essencial entre a família e a família eterna.

    Presidente Boyd K. Packer

    Há seis meses, na conferência geral, o Presidente Packer enfatizou sobre o plano de felicidade estabelecido pelo Pai Celestial, a Expiação do Salvador e as famílias eternas:

    “Presto testemunho de que Jesus é o Cristo e o Filho do Deus vivo. Ele está à frente da Igreja. Graças à Sua Expiação e ao poder do sacerdócio, as famílias que começam na mortalidade podem permanecer unidas pela eternidade. (…)

    Sou muito grato (…) pela Expiação (…) que pode purificar todas as manchas, não importa quão difícil seja ou quanto tempo leve ou quantas vezes for necessário. A Expiação pode libertá-lo para seguir em frente, de forma pura e digna” (“O Plano de Felicidade”, A Liahona, maio de 2015, p. 28).

    A mensagem final do Presidente Packer é a lição de toda uma vida de um homem que eu amo e que enfática e repetidamente declarou que o “propósito de toda atividade da Igreja é cuidar para que um homem e uma mulher com seus filhos sejam felizes no lar e sejam selados para esta vida e para toda a eternidade” (A Liahona, maio de 2015, p. 26).

    Élder Richard G. Scott

    O Élder Scott proclamou em seu último discurso na Conferência Geral de outubro de 2014: “Viemos para a vida mortal justamente para crescer com as provações e ser testados. Os desafios nos ajudam a tornar-nos mais semelhantes a nosso Pai Celestial, e a Expiação de Jesus Cristo possibilita-nos suportar esses desafios. Testifico que, se nos achegarmos ativamente a Ele, poderemos suportar todas as tentações, todas as tristezas e todos os desafios que enfrentarmos” (“Fazer do Exercício da Fé Sua Prioridade”, A Liahona, novembro de 2014, p. 94).

    A mensagem do Élder Scott é uma lição poderosa de toda uma vida de um homem que amo e que é uma testemunha especial e amada do nome de Cristo em todo o mundo (ver D&C 107:23).

    Promessa e Testemunho

    O Senhor disse: “Seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo” (D&C 1:38). Ouçamos e sigamos as verdades eternas ensinadas pelos representantes autorizados do Senhor. Ao assim fazermos, prometo que nossa fé no Pai Celestial e em Jesus Cristo será fortalecida e que receberemos orientação e proteção espiritual para nossas circunstâncias e necessidades específicas.

    Testifico, com toda a energia de minha alma, que o Cristo vivo ressurreto dirige os assuntos de Sua Igreja restaurada e viva por intermédio de Seus servos que foram escolhidos para prestar testemunho de Seu nome. Presto testemunho disso em nome de Jesus Cristo. Amém.