2010–2019
O Cumprimento dos Convênios Nos Protege, Nos Prepara e Capacita
anterior próximo

O Cumprimento dos Convênios Nos Protege, Nos Prepara e Nos Capacita

Rosemary M. Wixom

Somos mulheres de várias idades que fazem convênios ao trilhar este caminho terreno de volta a Sua presença.

Oh, irmãs, nós as amamos. Em recente visita ao México, tive um vislumbre da irmandade que todas sentimos nesta noite. Imagine esta cena: Tínhamos acabado de sair das reuniões da Primária numa manhã de domingo, e as crianças, as professoras e eu estávamos saindo para o corredor cheio de gente. Naquele momento, a porta da classe das Moças se abriu e vi as moças e suas líderes. Todas nos adiantamos para trocar abraços. Com as crianças apegadas a minha saia e as mulheres a meu redor, eu quis expressar os sentimentos que tive naquele momento.

Não falo espanhol, por isso somente palavras em inglês me vieram à mente. Olhei para o rosto de todas e disse: “Somos filhas de nosso Pai Celestial, que nos ama, e nós O amamos”. Todas imediatamente me acompanharam, em espanhol. Ali estávamos nós, reunidas num corredor lotado, recitando juntas o tema das Moças, ao declarar: “Serviremos de testemunhas de Deus em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares”.

Nesta noite, estamos reunidas no mundo todo, como Suas discípulas, com o desejo de defender e apoiar o reino de Deus. Somos filhas de nosso Pai Celestial. Somos mulheres de todas as idades que fazem convênios ao trilhar o caminho da mortalidade de volta a Sua presença. O cumprimento dos convênios nos protege, nos prepara e nos capacita.

Há meninas conosco nesta noite que estão em idade da Primária. Algumas de vocês deram recentemente o primeiro passo no caminho da vida eterna com a ordenança do batismo.

Olhem ao redor. O futuro é brilhante ao verem mulheres que também fizeram convênios e estão prontas para lhes mostrar o caminho à frente.

Se vocês tiverem 8, 9, 10 ou 11 anos de idade, quer estejam no Centro de Conferências, em sua casa ou em uma capela em qualquer lugar do mundo, poderiam ficar em pé, por favor? Sejam bem-vindas à reunião geral das mulheres. Agora, por favor, continuem de pé, porque queremos convidá-las a participar nesta noite. Vou murmurar um hino da Primária. Assim que reconhecerem a melodia, podem começar a cantar comigo? Agora, vocês têm que cantar alto para que todos possam ouvir.

Quero aprender a seguir ao Senhor,

Quero aprender a orar com fervor,

Quero o saber que à glória conduz,

Faz-me, faz-me andar só na luz.

Continuem de pé, meninas, enquanto todas as que têm 12 anos ou mais cantam a segunda estrofe.

Vinde, filhinhos, eu vou ensinar

Os mandamentos que podem levar

De volta ao lar onde habita Jesus

Sempre, sempre andando na luz.1

Foi lindo. Podem se sentar. Obrigada.

Como mulheres de todas as idades, andamos na luz do Salvador. Nossa jornada pelo caminho é pessoal e bem iluminada com o amor do Salvador.

Entramos pela porta que conduz ao caminho da vida eterna com a ordenança e o convênio do batismo, e depois recebemos o dom do Espírito Santo. O Élder Robert D. Hales nos perguntou: “[Será que nós] e [nossos] filhos [compreendemos] que, quando [somos] batizados, [modificamo-nos] para sempre?”

Ele também explicou que, “quando compreendermos nosso convênio batismal e o dom do Espírito Santo, nosso batismo modificará nossa vida e estabelecerá nossa total fidelidade ao reino de Deus. Quando as tentações nos confrontarem, se abrirmos os ouvidos, o Espírito Santo nos fará lembrar que prometemos recordar nosso Salvador e guardar Seus mandamentos”.2

Todas as semanas, quando partilhamos os emblemas do sacramento, renovamos nosso convênio batismal. O Élder David A. Bednar disse: “Ao entrarmos nas águas do batismo, visualizamos o templo. Ao tomarmos o sacramento, visualizamos o templo. Prometemos sempre nos lembrar do Salvador e guardar Seus mandamentos como preparação para participar das ordenanças sagradas do templo e receber as mais sublimes bênçãos, por meio do nome e pela autoridade do Senhor Jesus Cristo. Portanto, nas ordenanças do templo sagrado tomamos, mais completa e plenamente, o nome de Jesus Cristo sobre nós”.3

As ordenanças do templo nos conduzem às maiores bênçãos disponíveis por meio da Expiação de Jesus Cristo. Elas são as ordenanças necessárias para nossa exaltação do reino celestial. Ao esforçar-nos para cumprir nossos convênios, nossos sentimentos de inadequação e imperfeição começam a desaparecer, ao passo que as ordenanças e os convênios do templo são vivificados. Todas são bem-vindas para trilhar esse caminho rumo à vida eterna.

Estou maravilhada com a força das meninas, das jovens e das mulheres que conheci no mundo inteiro, cujos pés estão firmemente plantados nesse caminho. Deixem-me compartilhar alguns exemplos de moças e mulheres de convênio que conheci.

Luana tinha 11 anos de idade quando visitei sua família em Buenos Aires, Argentina. Devido a um trauma ocorrido na infância, Luana não conseguia falar. Não tinha falado por anos. Ficou sentada em silêncio enquanto todos conversávamos. Fiquei esperando ao menos um sussurro dela. Ela me olhava atentamente, como se não fossem necessárias palavras proferidas para que eu conhecesse seu coração. Depois de uma oração, levantamo-nos para sair, e Luana me entregou um desenho. Ela havia desenhado Jesus Cristo no Jardim do Getsêmani. Reconheci, então, seu testemunho bem alto e claro. Luana havia feito um convênio no batismo de ser uma testemunha de Deus “em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares”.4 Ela compreendia a Expiação de Jesus Cristo, como seu desenho testificava. Será que ela veio a saber que, graças ao poder fortalecedor e capacitador da Expiação, ela poderia ser curada e voltar a falar? Desde aquele dia, há três anos, Luana progrediu em seus esforços para falar. Está agora participando das Moças com suas amigas. Fiel aos convênios que fez no batismo, ela continua a prestar seu testemunho do Salvador.

As jovens no mundo todo se sentem atraídas pelo templo. Em Lima, Peru, conheci um pai e três de suas filhas na entrada do templo. Vi a luz no rosto delas. Duas das filhas eram portadoras de severas necessidades especiais e andavam em cadeiras de rodas. A terceira filha, enquanto cuidava das necessidades das suas irmãs, explicou-me que havia mais duas irmãs em casa. Elas também andavam em cadeiras de rodas. Não conseguiam fazer a viagem de 14 horas até o templo. O templo significava tanto para aquele pai e suas filhas que os quatro tinham ido ao templo naquele dia — duas delas, apenas para observar a que podia fazer o batismo em favor dos mortos e realizar aquela ordenança sagrada. Tal como Néfi, elas “se [deleitavam] nos convênios [do] Senhor”.5

Uma mulher solteira que conheço valoriza muito a ordenança semanal do sacramento e sua sagrada promessa de “que [poderá] ter sempre consigo o seu Espírito”.6 Essa companhia constante é uma promessa que ameniza seus sentimentos de solidão, dando-lhe forças para concentrar-se em desenvolver seus talentos e o desejo de servir ao Senhor. Ela encontrou grande alegria em amar todas as crianças de sua vida e, quando busca uma paz serena, ela vai ao templo.

Por último, uma mulher idosa com seus 90 anos viu os filhos e netos crescerem e os bisnetos virem ao mundo. Como muitas de nós, teve uma vida repleta de sofrimentos, aflições e alegria indescritível. Ela confessa que se fosse reescrever a história de sua vida, preferiria não incluir alguns dos capítulos que foram escritos. Mas, com um sorriso, ela diz: “Apenas preciso viver mais um pouquinho por aqui para ver como a história termina!” Ela continua a apegar-se aos convênios ao longo do caminho.

Néfi ensinou:

“Depois de haverdes entrado neste caminho estreito e apertado, eu perguntaria se tudo terá sido feito. Eis que vos digo: Não. (…)

Deveis, pois, prosseguir com firmeza em Cristo, tendo um perfeito esplendor de esperança e amor a Deus e a todos os homens. Portanto, se assim prosseguirdes, banqueteando-vos com a palavra de Cristo, e perseverardes até o fim, eis que assim diz o Pai: Tereis vida eterna”.7

Cada uma de nós está nesse caminho. Cantamos hoje a respeito de andar na luz nesse caminho. Como pessoas, somos fortes. Com Deus, ninguém pode impedir nosso progresso.

O Senhor disse a Emma Smith: “Rejubila-te e alegra-te e apega-te aos convênios que fizeste”.8

Regozijamo-nos porque pelo cumprimento de nossos convênios podemos sentir o amor de nosso Pai Celestial e de nosso Salvador Jesus Cristo. Testifico que Eles vivem. Em nome de Jesus Cristo. Amém.