Estudo Pessoal e Familiar
28 de junho a 4 de julho. Doutrina e Convênios 71–75: “Arma alguma que se forme contra vós prosperará”
anterior seguinte

“28 de junho a 4 de julho. Doutrina e Convênios 71–75: ‘Arma alguma que se forme contra vós prosperará’”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar: Doutrina e Convênios, 2021

“28 de junho a 4 de julho. Doutrina e Convênios 71–75”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar, 2021

Dear to the Heart of the Shepherd, de Simon Dewey

28 de junho a 4 de julho

Doutrina e Convênios 71–75

“Arma alguma que se forme contra vós prosperará”

O élder Quentin L. Cook ensinou: “A influência do Espírito Santo é mais frequente quando [as pessoas] fazem o estudo pessoal das escrituras e a oração no lar” (“Uma conversão profunda e duradoura ao Pai Celestial e ao Senhor Jesus Cristo”, Liahona, novembro de 2018, p. 10).

Registre suas impressões

Desde menino, Joseph Smith enfrentou críticas, e até mesmo inimigos, enquanto procurava realizar a obra de Deus. Mas deve ter sido particularmente desolador no final de 1831, quando Ezra Booth começou a criticar publicamente a Igreja porque, nesse caso, o crítico era uma pessoa que antes tinha sido fiel. Ezra tinha visto Joseph usar o poder de Deus para curar uma mulher. Tinha sido convidado a acompanhar Joseph na primeira avaliação das terras de Sião, no Missouri. Mas ele perdera a fé e, numa tentativa de desacreditar o profeta, publicou uma série de cartas em um jornal de Ohio. E seus esforços pareciam estar dando resultado: havia surgido “hostilidade […] contra a Igreja” na área (Doutrina e Convênios 71, cabeçalho da seção). O que devemos fazer nesses casos? Embora não haja uma resposta certa para todas as situações, parece que muitas vezes — inclusive nesse caso em 1831 — parte da resposta do Senhor é defender a verdade e corrigir falsidades proclamando o evangelho (ver o versículo 1). Sim, sempre haverá pessoas que vão criticar a obra do Senhor, mas, no final, “arma alguma que se forme contra [ela] prosperará” (versículo 9).

Ver “Ezra Booth e Isaac Morley”, Revelações em Contexto, p. 133.

Ideias para o estudo pessoal das escrituras

Doutrina e Convênios 71

O Senhor confundirá os que criticam Sua obra em Seu próprio tempo.

Podemos ficar preocupados quando ouvimos pessoas criticando ou ridicularizando a Igreja ou seus líderes, especialmente quando temos medo de que as pessoas que conhecemos e amamos sejam influenciadas por essas críticas. Quando algo semelhante aconteceu em Ohio, em 1831 (ver o cabeçalho da seção 71 de Doutrina e Convênios), a mensagem do Senhor a Joseph Smith e Sidney Rigdon foi de fé, não de medo. Ao estudar Doutrina e Convênios 71, que mensagem edifica sua fé no Senhor e em Sua obra? O que mais o impressiona nas instruções que o Senhor deu a Seus servos nessa situação?

Ver também Robert D. Hales, “Coragem cristã: O preço de seguir a Jesus”, A Liahona, novembro de 2008, p. 72; Jörg Klebingat, “Defender a fé”, A Liahona, setembro de 2017, p. 28.

Doutrina e Convênios 72

Os bispos são mordomos sobre os assuntos espirituais e materiais do reino do Senhor.

Quando Newel K. Whitney foi chamado para servir como o segundo bispo da Igreja, seus deveres eram um pouco diferentes dos deveres dos bispos de hoje. Por exemplo, o bispo Whitney supervisionou a consagração de propriedades e a permissão para se estabelecer no Missouri, na terra de Sião. Mas, ao ler a respeito de seu chamado e seus deveres em Doutrina e Convênios 72, você pode notar algumas semelhanças com o que os bispos fazem hoje — pelo menos no espírito de seus deveres, se não nos encargos específicos. Por exemplo, de que maneira você “[presta] contas” a seu bispo? (Versículo 5.) Em que sentido seu bispo “[mantém] o armazém do Senhor” e administra as consagrações dos membros da ala? (Ver versículos 10, 12.) Como um bispo já ajudou você?

Ver também Tópicos do Evangelho “Bispo”, topics.ChurchofJesusChrist.org.

Newel K. Whitney administrava o armazém dos bispos.

Doutrina e Convênios 73

Posso procurar oportunidades de compartilhar o evangelho.

Depois que Joseph Smith e Sidney Rigdon voltaram de sua breve missão de proselitismo para reparar alguns dos danos causados por Ezra Booth (ver Doutrina e Convênios 71), o Senhor lhes disse para retomar o trabalho de tradução da Bíblia (ver o Guia para Estudo das Escrituras, “Tradução de Joseph Smith”). Mas Ele queria também que eles continuassem a pregar o evangelho. Ao ler Doutrina e Convênios 73, pondere o que você pode fazer para que a pregação do evangelho seja uma parte contínua e “prática” (versículo 4) — ou realista — em sua vida, entre outras de suas responsabilidades.

Doutrina e Convênios 75:1–12

O Senhor abençoa aqueles que fielmente proclamam Seu evangelho.

Em resposta ao mandamento de “[ir] por todo o mundo” para pregar o evangelho (Doutrina e Convênios 68:8), muitos élderes fiéis buscaram mais informações sobre o que o Senhor queria que eles fizessem para cumprir esse chamado. Que palavras ou frases você identifica em Doutrina e Convênios 75:1–12 que o ajudam a entender como pregar o evangelho de modo mais eficaz? Que bênçãos o Senhor promete aos missionários fiéis? Pense em como essas instruções e bênçãos se aplicam a você ao compartilhar o evangelho.

Ideias para o estudo das escrituras em família e para a noite familiar

Doutrina e Convênios 71.

O que foi pedido a Joseph Smith e Sidney Rigdon que fizessem quando outros estavam criticando a Igreja e seus líderes? Como “[preparamos] o caminho” para que as pessoas recebam as revelações de Deus? (Doutrina e Convênios 71:4.)

Doutrina e Convênios 72:2.

Como os bispos abençoam nossa família? O que nosso bispo nos pediu que fizéssemos e como podemos apoiá-lo? Sua família pode fazer um cartão de agradecimento ao bispo pelo serviço que ele tem prestado.

Doutrina e Convênios 73:3–4.

Sua família se beneficiaria em aprender sobre a Tradução de Joseph Smith da Bíblia? (Ver o Guia para Estudo das Escrituras, “Tradução de Joseph Smith”.) Leiam algumas passagens que foram revisadas na Tradução de Joseph Smith e conversem sobre as preciosas verdades que o Senhor revelou por meio do profeta. Para alguns exemplos, veja a Tradução de Joseph Smith de Gênesis 14:25–40 e Gênesis 50:24–38 no apêndice da Bíblia; diversas notas de rodapé em Mateus 4:1–11; Lucas 2:46 e nota de rodapé a.

Doutrina e Convênios 74:7.

O que esse versículo nos ensina sobre Jesus Cristo e as criancinhas?

Doutrina e Convênios 75:3–5, 13, 16.

Você pode ajudar sua família a entender como o Senhor quer que O sirvamos, falando sobre a diferença entre ser “ociosos” e “[trabalhar] com toda [nossa] força”. Você poderia selecionar algumas tarefas domésticas e pedir aos membros da família que demonstrem como se faz essas tarefas de qualquer jeito e depois “com toda a força”. Como podemos servir ao Senhor com toda a nossa força? De acordo com Doutrina e Convênios 75:3–5, 13, 16, o que Ele promete a Seus servos fiéis?

Para mais ideias sobre como ensinar crianças, ver o esboço desta semana em Vem, e Segue-Me — Primária.

Hino sugerido: “Trabalhemos hoje”, Hinos, nº 141.

Aperfeiçoar o estudo pessoal

Procure palavras e frases inspiradoras. Durante sua leitura, o Espírito pode chamar sua atenção para certas palavras ou frases. Se desejar, anote as palavras e frases em Doutrina e Convênios 71–75 que o inspiram.

Ilustração de um rapaz com um líder do sacerdócio, de D. Keith Larson