TJS, Gênesis 14
anterior seguinte

TJS, Gênesis 14:25–40. Comparar com Gênesis 14:18–20

Melquisedeque abençoa Abrão. Descrevem-se o grande ministério de Melquisedeque e os poderes e as bênçãos do Sacerdócio de Melquisedeque.

25 E Melquisedeque ergueu a sua voz e abençoou Abrão.

26 Ora, Melquisedeque era um homem de fé, que praticava a retidão; e quando criança, temia a Deus, e fechou a boca de leões, e extinguiu a violência do fogo.

27 E assim, tendo sido aprovado por Deus, ele foi ordenado sumo sacerdote segundo a ordem do convênio que Deus fez com Enoque,

28 Sendo isso segundo a ordem do Filho de Deus; ordem que veio, não por homem, nem pela vontade do homem; nem por pai nem mãe; nem por começo de dias nem fim de anos; mas por Deus;

29 E foi dada aos homens pelo chamado de sua própria voz, de acordo com sua própria vontade, a tantos quantos acreditaram em seu nome.

30 Pois Deus, tendo jurado a Enoque e a sua semente com um juramento por si próprio, que todo aquele que fosse ordenado segundo essa ordem e esse chamado teria poder, pela fé, para derrubar montanhas, dividir os mares, secar as águas, desviá-las de seu curso;

31 Para desafiar os exércitos das nações, dividir a terra, quebrar todos os grilhões, permanecer na presença de Deus; fazer todas as coisas segundo a vontade dele, de acordo com as suas ordens, subjugar principados e poderes; e isso pela vontade do Filho de Deus, que existia desde antes da fundação do mundo.

32 E os homens que tinham essa fé, entrando nessa ordem de Deus, foram transladados e levados para o céu.

33 Eis que Melquisedeque era um sacerdote dessa ordem; portanto, ele conseguiu paz em Salém, e foi chamado Príncipe da paz.

34 E seu povo praticou a retidão, e obteve o céu, e procurou a cidade de Enoque que Deus havia antes tomado, separando-a da Terra, tendo-a reservado para os últimos dias, ou seja, o fim do mundo;

35 E dissera, e jurara com um juramento, que os céus e a terra iriam juntar-se; e os filhos dos homens seriam provados como que por fogo.

36 E este Melquisedeque, tendo assim estabelecido a retidão, foi chamado de rei do céu por seu povo, ou, em outras palavras, de Rei da paz.

37 E ele ergueu a sua voz, e abençoou Abrão, sendo o sumo sacerdote, e o guardião do armazém de Deus;

38 Aquele a quem Deus havia designado para receber os dízimos para os pobres.

39 Pelo que Abrão lhe pagou dízimos de tudo o que tinha, de todas as riquezas que possuía, que Deus lhe dera a mais do que aquilo de que necessitava.

40 E aconteceu que Deus abençoou Abrão, e deu-lhe riquezas, e honra, e terras por possessão perpétua; de acordo com o convênio que fizera, e conforme a bênção com a qual Melquisedeque o abençoara.