Estudo Pessoal e Familiar
8 a 14 de março. Doutrina e Convênios 23–26: “Fortalecer a Igreja”
anterior próximo

“8 a 14 de março. Doutrina e Convênios 23–26: ‘Fortalecer a Igreja’”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar: Doutrina e Convênios 2021

“8 a 14 de março. Doutrina e Convênios 23–26”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar, 2021

8 a 14 de março

Doutrina e Convênios 23–26

“Fortalecer a Igreja”

Ao ler Doutrina e Convênios 23–26, anote as impressões que receber do Espírito Santo. Como você pode aplicar os conselhos dessas revelações para fortalecer seu próprio discipulado e também a Igreja?

Registre suas impressões

Depois que a Igreja foi organizada, os santos enfrentaram um novo desafio: divulgar o evangelho e fortalecer aqueles que já haviam se unido à Igreja, tudo isso em meio à perseguição que se tornava cada vez mais intensa. A própria Emma Smith enfrentou essa oposição. Em junho de 1830, Emma e os membros da família Knight queriam ser batizados. Mas os inimigos da Igreja tentaram atrapalhar o que deveria ser uma experiência sagrada. Primeiro, eles destruíram a barragem que tinha sido feita a fim de criar profundidade suficiente na água para realizar os batismos. Mesmo depois que a barragem foi consertada, os perseguidores se juntaram para ameaçar e ridicularizar os que estavam sendo batizados. Então, quando Joseph estava prestes a confirmar os novos membros, ele foi preso por perturbar a paz da comunidade ao pregar sobre o Livro de Mórmon. Parecia um começo pouco promissor para a recém-restaurada Igreja do Senhor. Mas, em meio a essa incerteza e esse tumulto, o Senhor concedeu palavras preciosas de conselho e incentivo, que representavam Sua “voz para todos” (Doutrina e Convênios 25:16).

Ver também Santos, vol. 1, pp. 89–90, 94–97.

Ideias para o estudo pessoal das escrituras

Doutrina e Convênios 23–26

Posso ajudar a fortalecer a Igreja do Senhor.

Hoje, quase 200 anos depois que a Igreja restaurada foi organizada, a necessidade de “fortalecer a Igreja” continua (Doutrina e Convênios 23:3–5). E essa obra não é só para Joseph Smith, Oliver Cowdery ou para nossos líderes atuais — é para todos nós. Durante seu estudo de Doutrina e Convênios 23–26, pondere sobre o conselho que o Senhor deu aos primeiros membros da Igreja para ajudá-los a fortalecer a Igreja. Em sua opinião, o que o Senhor quer que você faça para participar desse esforço?

Doutrina e Convênios 24

O Salvador pode me livrar de minhas aflições.

Liderar a Igreja em uma época de perseguição intensa deve ter sido um fardo pesado para Joseph Smith. Procure as palavras de incentivo que o Senhor disse a ele em Doutrina e Convênios 24.

O que as escrituras a seguir dizem sobre como o Salvador pode livrar você de suas aflições?

Doutrina e Convênios 24:1–3 

Doutrina e Convênios 24:8 

Doutrina e Convênios 121:7–8 

Isaías 40:28–31 

Mosias 24:14–15 

Como Jesus Cristo o livrou de suas aflições? O que você pode fazer para continuar a buscar Sua ajuda durante os períodos de dificuldade?

He Healed Many of Diverse Diseases [Ele Curou Muitas de Minhas Enfermidades], de J. Kirk Richards

Doutrina e Convênios 25

Emma Smith é “uma mulher eleita”.

Quando Emma Hale se casou com Joseph Smith, ela provavelmente sabia que teria que fazer sacrifícios. Ela estava indo contra os desejos do pai, trocando uma vida relativamente confortável por uma vida de incertezas. Deve ter ficado pensando também no que o Senhor esperava dela na obra da Restauração. Procure as respostas que o Senhor deu a Emma em Doutrina e Convênios 25. Observe as palavras do Senhor no versículo 16. Há alguma coisa nessa seção que fez você sentir Sua “voz para [você]”?

Ver também “És uma mulher eleita”, Revelações em Contexto, pp. 34–40; Joy D. Jones, “Um chamado particularmente nobre”, Liahona, maio de 2020, p. 15.

Doutrina e Convênios 26:2

O que é comum acordo?

Quando os membros recebem chamados ou ordenações do sacerdócio na Igreja, temos a oportunidade de apoiá-los formalmente erguendo a mão como sinal de apoio. O princípio de demonstrar apoio e consentimento publicamente é chamado de comum acordo. O presidente Gordon B. Hinckley ensinou: “O processo de apoiar é muito mais do que um ritual de levantar a mão. É um compromisso de amparar, apoiar e ajudar aqueles que foram escolhidos” (“Esta obra diz respeito a pessoas”, A Liahona, julho de 1995, p. 54).

Ideias para o estudo das escrituras em família e para a noite familiar

Doutrina e Convênios 23:6.

Por que o Senhor quer que oremos “no seio de [nossa] família e entre [nossos] amigos e em todos os locais”? O que o hino “Fala-se com amor” (Músicas para Crianças, pp. 102–103) — ou outro hino sobre oração — ensina sobre o poder da oração?

Ver também 2 Néfi 32:8–9; 3 Néfi 18:18–23.

Doutrina e Convênios 24:8.

Seria proveitoso para sua família falar sobre o que significa “ser paciente nas aflições”? Se você tem filhos pequenos, pode ser divertido recriar o experimento que o presidente Dieter F. Uchtdorf descreveu em “Prosseguir com paciência” (A Liahona, maio de 2010, p. 56; ver também o vídeo em ChurchofJesusChrist.org). O que Doutrina e Convênios 24:8 nos ensina sobre paciência? Como o Senhor nos ajuda a ser pacientes em nossas aflições?

Doutrina e Convênios 25:11–12.

Talvez vocês queiram cantar o hino favorito de cada membro da família e conversar sobre o que faz com que esse seja o “canto do coração” daquela pessoa. De que modo esses hinos são “uma prece [ao Senhor]”?

Doutrina e Convênios 26:2.

Pode ser útil examinar o verbete “Comum acordo” no Guia para Estudo das Escrituras (scriptures.ChurchofJesusChrist.org). Como podemos demonstrar apoio a nossos líderes?

Para mais ideias sobre como ensinar crianças, ver o esboço desta semana em Vem, e Segue-Me — Primária.

Hino sugerido: “Vamos com alma cantar”, Músicas para Crianças, p. 124 (ver “Ideias para aperfeiçoar seu estudo familiar das escrituras”).

Vozes da Restauração

Emma Hale Smith

As palavras do Senhor a Emma Smith registradas em Doutrina e Convênios 25 revelam como Ele Se sentia a respeito dela e as contribuições que ela poderia fazer para Sua obra. Mas, como era Emma? O que sabemos sobre sua personalidade, seus relacionamentos, seus pontos fortes? Uma das maneiras de conhecer essa “mulher eleita” (Doutrina e Convênios 25:3) é lendo o que disseram as pessoas que a conheceram pessoalmente.

Emma Smith, de Lee Greene Richards

Joseph Smith Jr., seu marido

“Com que inexprimível deleite e efusão de alegria no peito tomei pela mão, naquela noite, a minha amada Emma — ela, que era minha esposa, sim, a esposa de minha juventude e a escolhida de meu coração. Muitas foram minhas reflexões quando contemplei por um instante as muitas cenas que tínhamos sido obrigados a enfrentar, os cansaços e os labores, os sofrimentos e as dores, as alegrias e os consolos que de tempos em tempos ocorreram em nossa vida e nos abençoaram. Oh, que combinação de pensamentos me encheu a mente naquele momento, quando ela estava ali, a despeito de todos os nossos problemas, impassível, firme e inabalável, imutável e afetuosa Emma!”1

Lucy Mack Smith, sua sogra

“Na época, ela era jovem, naturalmente ambiciosa, com o coração totalmente voltado para a obra do Senhor e não tinha nenhum outro interesse senão a Igreja e a causa da verdade. Qualquer coisa que se determinava a fazer, ela o fazia com toda a dedicação e não perguntava egoisticamente: ‘Vou tirar mais proveito disso do que outras pessoas?’ Se os élderes fossem enviados a pregar, ela era a primeira a oferecer seus serviços para ajudar a costurar roupas para a viagem deles, deixando de lado as privações pelas quais estivesse passando.2

Nunca vi em toda a minha vida uma mulher que fosse capaz de suportar todo tipo de fadiga e dificuldades, mês após mês, ano após ano, com inabalável coragem, zelo e paciência, como ela sempre fez; porque sei o que ela teve de suportar; foi lançada de um lado para o outro num oceano de incertezas; enfrentou as tormentas da perseguição e combateu a ira de homens e diabos, até que foi tragada num mar de problemas que teriam abatido quase qualquer outra mulher.”3

Joseph Smith Sr., seu sogro

A bênção patriarcal de Emma, dada por Joseph Smith Sr., que estava servindo como patriarca da Igreja:

“Emma, minha nora, és abençoada pelo Senhor por tua fidelidade e verdade; serás abençoada com teu marido e te regozijarás na glória que virá sobre ele. Tua alma tem sido afligida por causa da iniquidade dos homens em procurar a destruição do teu companheiro, e toda a sua alma tem se entregado à oração por sua libertação; regozija-te, pois o Senhor teu Deus ouviu tua súplica.

Tens sofrido por causa da dureza de coração da família de teu pai e tens ansiado pela salvação deles. O Senhor terá respeito pelas tuas súplicas e com Seu julgamento Ele fará com que alguns deles vejam sua tolice e se arrependam de seus pecados; mas será por meio da aflição que eles serão salvos. Verás muitos dias, sim, o Senhor vai poupá-la até que estejas satisfeita, porque verás teu Redentor. Teu coração se regozijará na grande obra do Senhor e ninguém tirará tua alegria.

Lembra sempre da grande condescendência do teu Deus em permitir que tu acompanhasses meu filho quando o anjo entregou o registro dos nefitas a seus cuidados. Sofrestes muito porque o Senhor levou três de teus filhos; nisso não tens culpa, pois Ele conhece teus desejos puros de criar uma família para que o nome do meu filho seja abençoado. E agora, eis que te digo, assim diz o Senhor: se creres, serás ainda abençoada e terás outros filhos para a alegria e satisfação da tua alma e para o regozijo de teus amigos.

Serás abençoada com entendimento e terás poder para instruir as pessoas do teu sexo. Ensina retidão à tua família, e o caminho da vida a teus pequeninos, e os santos anjos vão zelar por ti; e serás salva no reino de Deus; assim seja. Amém”.4

Emma Smith com os filhos. Time to Laugh [Tempo de Rir], de Liz Lemon Swindle

Emma’s Hymns [Os Hinos de Emma Smith], de Liz Lemon Swindle