Restauração e história da Igreja
12 Após muitas tribulações

“Após muitas tribulações”, capítulo 12 de Santos: A História da Igreja de Jesus Cristo nos Últimos Dias, Volume 1, O Estandarte da Verdade, 1815–1846, 2018

Capítulo 12: “Após muitas tribulações”

Capítulo 12

Após muitas tribulações

Saints: The Standard of Truth

Na primavera de 1831, Emily Partridge, de 7 anos, morava em uma cidade a nordeste de Kirtland com os pais, Edward e Lydia, e quatro irmãs. Eles tinham uma boa casa de madeira com uma grande sala e dois quartos no andar térreo. No andar de cima, havia um quarto, outra sala grande e um closet, onde guardavam roupas. No porão havia uma cozinha e um depósito de vegetais tão escuro que deixava Emily com medo.

Do lado de fora, no grande quintal da casa da família Partridge, Emily tinha um lugar para brincar e explorar. Eles tinham um jardim e árvores frutíferas, um estábulo e um terreno vago no qual o pai planejava um dia construir uma casa melhor. A loja de chapéus do pai também ficava perto dali. Embaixo do balcão da loja, ela sempre encontrava fitas brilhantes e outros tesouros. Todo o prédio estava cheio de ferramentas e máquinas que o pai usava para tingir tecidos e peles para os chapéus que confeccionava para os clientes.1

O pai já não passava muito tempo confeccionando chapéus porque tinha se tornado o bispo da Igreja. Com os santos chegando de Nova York para se reunir em Ohio, ele tinha que ajudá-los a se estabelecerem em casas e a encontrarem trabalho. Entre os recém-chegados estavam a família Knight e seu ramo da Igreja, de Colesville. Sabendo que Leman Copley tinha uma grande fazenda a pouco mais de 30 quilômetros a nordeste de Kirtland, que ele concordou em consagrar ao Senhor, o pai de Emily enviou os santos de Colesville para se estabelecerem ali.2

Alguns dos santos de Nova York chegaram a Ohio com sarampo e, como frequentemente se hospedavam na casa da família Partridge, não demorou muito até que Emily e suas irmãs apresentassem febre e erupções cutâneas. Emily se recuperou após algum tempo, mas sua irmã de 11 anos, Eliza, pegou pneumonia. Os pais logo observaram impotentes a respiração dela ficar cada vez mais difícil e a febre subir muito.3

Enquanto a família cuidava de Eliza, o pai participava de uma importante conferência da Igreja realizada em uma escola próxima da fazenda Morley. Ele ficou fora por muitos dias e, quando voltou, disse à família que tinha que partir de novo.4 Joseph tinha recebido uma revelação dizendo que a conferência seguinte seria realizada no Missouri. Vários líderes da Igreja, inclusive o pai dela, foram chamados para ir até lá assim que possível.5

Muitas pessoas começaram a fazer planos para a viagem. Na revelação, o Senhor chamou o Missouri de a terra da herança dos santos, fazendo um reflexo às descrições bíblicas de uma terra prometida “que mana leite e mel”. Ali os santos deveriam edificar a cidade de Sião.6

O pai de Emily não estava ansioso para deixar a família. Eliza ainda estava enferma e poderia morrer enquanto ele estivesse fora.7 Emily via que a mãe estava preocupada também. Por mais que Lydia Partridge estivesse comprometida com a causa de Sião, ela não estava acostumada a ser deixada sozinha para cuidar dos filhos e da casa. Parecia saber que suas tribulações estavam apenas começando.8


Polly Knight estava doente quando ela e os santos de Colesville se estabeleceram nas terras de Leman Copley. A fazenda tinha quase 300 hectares de bom solo, oferecendo espaço suficiente para que muitas famílias construíssem casas, estábulos e oficinas.9 Ali a família Knight poderia começar de novo e praticar sua nova religião em paz embora muitos se preocupassem com o fato de que Polly não estaria com eles por muito tempo.

O marido e os filhos de Polly trabalharam rapidamente, erguendo cercas e semeando os campos para melhorar a terra. Joseph e o bispo Partridge também incentivaram os santos de Colesville a consagrarem suas propriedades de acordo com a lei do Senhor.10

Depois que a comunidade começou a tomar forma, porém, Leman se afastou da Igreja e disse aos santos de Colesville que saíssem de sua propriedade.11 Sem ter lugar para onde ir, os santos expulsos pediram a Joseph que buscasse a orientação do Senhor para eles.

“Viajareis para as regiões do oeste”, disse-lhes o Senhor, “para a terra de Missouri”.12

Agora que sabiam que Sião seria no Missouri, e não em Ohio, os santos de Colesville perceberam que eles estariam entre os primeiros membros da Igreja a se estabelecerem ali. Começaram a se preparar para a viagem e, aproximadamente duas semanas após a revelação, Polly e o restante do ramo partiram da região de Kirtland e subiram em barcos que os levariam para o Oeste.13

Enquanto Polly e sua família desciam o rio de barco, o maior desejo dela era colocar os pés em Sião antes de morrer. Ela tinha 55 anos, e sua saúde estava muito debilitada. Seu filho Newel já havia desembarcado a fim de comprar madeira para um caixão caso ela viesse a morrer antes de chegarem no Missouri.

Mas Polly estava decidida a não ser enterrada em nenhum outro lugar a não ser Sião.14


Pouco depois da partida dos santos de Colesville, o profeta, Sidney e Edward Partridge partiram para o Missouri com vários outros élderes da Igreja. Viajaram a maior parte do tempo por terra, pregando o evangelho pelo caminho e conversando sobre suas esperanças em relação à Sião.15

Joseph falava com otimismo a respeito da Igreja em Independence. Ele disse a alguns dos élderes que Oliver e os outros missionários estavam seguros de terem edificado um forte ramo da Igreja ali, como haviam feito em Kirtland. Alguns dos élderes consideraram aquilo uma profecia.

Quando se aproximavam do condado de Jackson, os homens admiraram as suaves pradarias que se estendiam a seu redor. Com muitas terras nas quais os santos poderiam se espalhar, Missouri parecia a localização ideal para Sião. E Independence, com sua proximidade a um grande rio e às terras indígenas, poderia ser o local perfeito para reunir o povo do convênio de Deus.16

Mas, quando chegaram à cidade, os élderes não ficaram bem impressionados com o que viram. Ezra Booth, um antigo ministro que havia se filiado à Igreja após ver Joseph curar o braço paralisado de uma mulher, achou que a região parecia feia e abandonada. Havia um tribunal, algumas lojas, várias casas de madeira e quase nada mais. Os missionários só tinham batizado algumas pessoas na região, de modo que o ramo não era tão forte quanto Joseph esperava. Sentindo-se enganado, Ezra e outros começaram a questionar os dons proféticos de Joseph.17

Joseph também ficou desapontado. Fayette e Kirtland eram vilas pequenas, mas Independence não passava de um posto comercial isolado. A cidade era ponto de partida para as trilhas que seguiam para o Oeste, de modo que atraía caçadores e carroceiros, além de fazendeiros e pequenos negociantes. Joseph tinha conhecido pessoas que exerciam a maioria daquelas profissões durante toda a sua vida, mas descobriu que os homens de Independence eram particularmente ímpios e rudes. E, ainda pior, os agentes governamentais da cidade tinham desconfiança dos missionários e dificultavam ou impediam a pregação aos indígenas.18

Desanimado, ele levou suas preocupações ao Senhor. “Quando florescerá o deserto como a rosa?”, perguntou ele. “Quando será Sião edificada em sua glória e onde estará teu Templo?”19

Em 20 de julho, seis dias após sua chegada, as orações de Joseph foram respondidas. “[Esta] terra”, disse-lhe o Senhor, “é a terra (…) que designei e consagrei para a reunião dos santos”.

Eles não tinham motivo para procurar em outro lugar. “Esta é a terra da promissão”, declarou Ele, “e o local para a cidade de Sião”. Os santos deveriam comprar todas as terras disponíveis, construir casas e semear os campos. E, em uma colina a oeste do tribunal, eles deveriam construir um templo.20


Mesmo depois de o Senhor revelar Sua vontade em relação a Sião, alguns santos continuaram céticos no tocante a Independence. Tal como Ezra Booth, Edward esperava encontrar um grande ramo da Igreja na região. Em vez disso, ele e os santos deveriam edificar Sião em uma cidade na qual as pessoas desconfiavam deles e não estavam nem um pouco interessadas no evangelho restaurado.

Como bispo da Igreja, ele também entendia que grande parte da responsabilidade de estabelecer os alicerces de Sião cairia sobre seus ombros. A fim de preparar a terra prometida para os santos, ele teria de comprar o máximo possível de terras para distribuir como herança aos que chegassem a Sião e cumprissem a lei da consagração.21 Isso significava que ele teria que permanecer no Missouri e mudar sua família permanentemente para Sião.

Edward queria ajudar a estabelecer Sião, mas havia muitas coisas na revelação, em suas novas responsabilidades e na região que o preocupavam. Certo dia, ao inspecionar as terras de Independence e os arredores, ele mostrou a Joseph que elas não eram tão boas quanto as outras terras próximas. Estava frustrado com o profeta e não via como os santos conseguiriam estabelecer Sião ali.

“Eu o vejo”, testificou Joseph, “e assim será”.22

Poucos dias depois, o Senhor novamente revelou Sua palavra a Joseph, Edward e outros élderes da Igreja. “Agora não podeis, com vossos olhos naturais, ver o desígnio de vosso Deus com respeito às coisas que virão mais tarde nem a glória que se seguirá depois de muitas tribulações”, declarou Ele. “Pois após muitas tribulações vêm as bênçãos.”

Na revelação, o Senhor também repreendeu Edward por sua descrença. “Se ele não se arrepender de seus pecados”, disse Ele a respeito do bispo, “que se acautele para não cair. Eis que lhe é dada sua missão e não será dada outra vez”.23

A advertência fez com que Edward se tornasse humilde. Ele pediu perdão ao Senhor por sua cegueira de coração e disse a Joseph que ficaria em Independence e prepararia a terra de Sião para os santos. Mas ainda se preocupava de não estar à altura da imensa tarefa que tinha pela frente.

“Temo que minha posição esteja acima do que consigo realizar de modo aceitável a meu Pai Celestial”, confessou ele em uma carta para Lydia. “Ore por mim para que eu não venha a cair.”24


Após três semanas de viagem, Polly Knight chegou a Independence com os santos de Colesville. Ela se pôs de pé debilmente, grata por ter chegado à terra de Sião. Mas sua saúde se deteriorava rapidamente, e dois recém-conversos da região a levaram para a casa deles para que conseguisse descansar com relativo conforto.

Enquanto o casal Knight investigava a região procurando um lugar para se estabelecer, acharam a zona rural bela e agradável, com terras férteis que poderiam ser cultivadas e semeadas. As pessoas também pareciam amigáveis mesmo se tratando de desconhecidos. Ao contrário de alguns dos élderes de Kirtland, os membros de Colesville acreditaram que conseguiriam edificar Sião ali.

Em 2 de agosto, os santos do Missouri se reuniram a vários quilômetros de Independence para começar a trabalhar na construção da primeira casa de Sião. Joseph e 12 homens do ramo de Colesville, que simbolicamente representavam as tribos de Israel, fizeram a colocação da primeira tora da casa. Sidney então dedicou a terra de Sião para a reunião dos santos.

No dia seguinte, em um terreno a oeste do tribunal de Independence, Joseph posicionou cuidadosamente uma única pedra para marcar o lugar da esquina do futuro templo.25 Alguém então abriu a Bíblia e leu parte do salmo 87: “O Senhor ama as portas de Sião, mais do que todas as habitações de Jacó. Coisas gloriosas se dizem de ti, ó cidade de Deus”.26

Poucos dias depois, Polly morreu, louvando ao Senhor por ter lhe dado alento em seu sofrimento.27 O profeta proferiu o sermão fúnebre, e o marido dela sepultou o corpo dela em um bosque próximo do terreno do templo. Ela foi o primeiro santo a ser sepultado em Sião.28

No mesmo dia, Joseph recebeu outra revelação: “Bem-aventurados são os que subiram a esta terra com os olhos fitos na minha glória, de acordo com meus mandamentos. Porque os que viverem herdarão a Terra e os que morrerem descansarão de todos os seus labores”.29


Pouco depois do funeral, Ezra e outros élderes da Igreja começaram sua viagem de volta a Kirtland, com Joseph, Oliver e Sidney. Ezra estava aliviado por voltar à sua casa em Ohio. Ao contrário de Edward, ele não tinha mudado de ideia em relação a Joseph ou à localização de Sião.

Os homens lançaram canoas no largo rio Missouri, pouco ao norte de Independence, e remaram rio abaixo. No final do primeiro dia de viagem, estavam de bom humor e jantaram um peru selvagem à margem do rio. No dia seguinte, porém, o clima de agosto estava muito quente e o rio estava turbulento e difícil de navegar. Os homens rapidamente se cansaram e logo começaram a criticar uns aos outros.30

“Assim como vive o Senhor”, por fim bradou Oliver aos homens, “se não se comportarem melhor, algum acidente vai lhes acontecer”.

Joseph assumiu a liderança de sua canoa na tarde seguinte, mas alguns dos élderes estavam zangados com ele e com Oliver e se recusaram a remar. Em uma curva perigosa do rio, bateram em uma árvore submersa e quase viraram a canoa. Temendo pela vida de todos do grupo, Joseph e Sidney ordenaram aos élderes que saíssem do rio.31

Depois de levantarem acampamento, Joseph, Oliver e Sidney tentaram conversar com o grupo e aliviar a tensão. Irritados, os homens chamaram Joseph e Sidney de covardes por terem saído do rio, zombaram do modo como Oliver remava e acusaram Joseph de agir como ditador. A discussão acalorada se estendeu até tarde da noite.

Em vez de ficar acordado com os demais, Ezra foi se deitar cedo, profundamente crítico em relação a Joseph e aos élderes. Por que, perguntava-se ele, o Senhor confiaria as chaves de Seu reino a homens como aqueles?32


Mais tarde naquele verão, Lydia Partridge recebeu uma carta de Edward, enviada do Missouri. Além de compartilhar suas ansiedades em relação a seu chamado, ele explicou que não voltaria para casa conforme planejado, porém, em vez disso, ficaria no condado de Jackson para comprar terras para os santos. Em anexo à carta estava uma cópia da revelação para Edward, que instruía sua família a se estabelecer em Sião.

Lydia ficou surpresa. Quando Edward partiu, ele disse a seus amigos que voltaria para Ohio assim que terminasse seu trabalho no Missouri. Mas então, com tantas responsabilidades em Sião, ele não tinha certeza se conseguiria voltar para ajudar Lydia e os filhos a fazerem a viagem. Mas ele sabia que outras famílias de Ohio estavam se mudando para o Missouri naquele outono, inclusive seus conselheiros no bispado. O mesmo se dava com Sidney Gilbert, um comerciante de Kirtland, e com William Phelps, um gráfico, os quais iriam estabelecer negócios para a Igreja em Sião.33

“Será provavelmente melhor se você vier com eles”, escreveu ele.34

Sabendo que Independence oferecia poucos luxos, Edward também enviou a Lydia uma longa lista de coisas para incluir na bagagem e o que deixar para trás. “Teremos que sofrer”, advertiu ele, “e, por algum tempo, passaremos muitas privações aqui, com as quais nem você, nem eu estamos muito acostumados”.35

Lydia começou os preparativos para a mudança. Os filhos estavam então suficientemente saudáveis para viajar, e ela se preparou para viajar com a família Gilbert e a família Phelps. Quando ela vendeu as propriedades da família, os vizinhos manifestaram descrença ao ver que ela e Edward iriam abandonar sua bela casa e seu próspero negócio para seguir um jovem profeta a uma região desabitada.36

Lydia não tinha desejo de dar as costas ao mandamento dado pelo Senhor de edificar Sião. Ela sabia que seria uma provação deixar para trás sua bela casa, mas acreditava que seria uma honra ajudar a estabelecer os alicerces da cidade de Deus.37