Estudo Pessoal e Familiar
17 a 23 de maio. Doutrina e Convênios 51–57: “Um mordomo fiel, justo e sábio”

“17 a 23 de maio. Doutrina e Convênios 51–57: ‘Um mordomo fiel, justo e sábio’”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar: Doutrina e Convênios, 2021

“17 a 23 de maio. Doutrina e Convênios 51–57”, Vem, e Segue-Me — Estudo Pessoal e Familiar, 2021

First Furrow, de James Taylor Harwood

17 a 23 de maio

Doutrina e Convênios 51–57

“Um mordomo fiel, justo e sábio”

O estudo das escrituras ajuda a reconhecer a voz do Senhor, pois as escrituras foram dadas por Ele por meio de Seu Espírito (ver Doutrina e Convênios 18:34–36).

Registre suas impressões

Para os membros da Igreja na década de 1830, coligar os santos e edificar a cidade de Sião eram obras espirituais e temporais, com muitas questões práticas a serem abordadas: Alguém precisava comprar e distribuir terras onde os santos pudessem se estabelecer. Alguém precisava imprimir os livros e outras publicações. E alguém precisava abrir uma loja para fornecer mercadorias aos que habitavam em Sião. Nas revelações registradas em Doutrina e Convênios 51–57, o Senhor chamou certas pessoas e as instruiu sobre como lidar com essas tarefas, e identificou Independence, no Missouri, como “o lugar central” de Sião (Doutrina e Convênios 57:3).

Mas, embora a habilidade para comprar terras, publicar material e administrar uma loja sejam valiosas para o trabalho temporal na edificação de Sião, essas revelações também ensinam que o Senhor deseja que Seus santos se tornem espiritualmente dignos de serem chamados o povo de Sião. Ele pede que cada um de nós seja “um mordomo fiel, justo e sábio” e tenha um espírito contrito, “[permanecendo] firme” nas responsabilidades que nos foram designadas (ver Doutrina e Convênios 51:19; 52:15; 54:2). Se formos capazes de fazer isso — sejam quais forem nossas habilidades temporais — o Senhor pode nos usar para edificar Sião, e Ele “[apressará] a construção da cidade a seu tempo” (Doutrina e Convênios 52:43).

Ideias para o estudo pessoal das escrituras

Doutrina e Convênios 51

O Senhor quer que eu seja um mordomo fiel, justo e sábio.

Se você fosse um membro da Igreja em 1831, talvez fosse convidado a viver a lei da consagração doando sua propriedade à Igreja por meio do bispo. Ele, então, na maioria dos casos, devolveria o que você doou, às vezes, com um excedente. Mas não seria mais sua propriedade — seria sua mordomia.

Hoje em dia os procedimentos são diferentes, mas os princípios de consagração e mordomia ainda são essenciais para a obra do Senhor. Pondere estas palavras do élder Quentin L. Cook: “Vivemos numa época perigosa em que muitos acreditam que não precisam prestar contas a Deus e que não somos pessoalmente responsáveis ou não temos mordomia, por nós mesmos ou por outras pessoas. Muitos neste mundo concentram-se na satisfação pessoal (…) [e] não acreditam que são guardiães de seus irmãos. Na Igreja, porém, acreditamos que essas mordomias são uma responsabilidade sagrada” (“Mordomia — Uma responsabilidade sagrada”, A Liahona, novembro de 2009, p. 91).

Ao ler a seção 51, pense sobre o que Deus confiou a você. Qual o significado das palavras “mordomo” (versículo 19) e “consagrar” (versículo 5), e o que elas sugerem no que diz respeito às expectativas de Deus sobre você? Que princípios são ensinados na seção 51 e nas palavras do élder Cook sobre o que significa ser um mordomo? (Ver especialmente os versículos 9, 15–20.)

Ver também Mateus 25:14–30.

Doutrina e Convênios 52:14–19

Deus deu um padrão para não sermos enganados.

Com tantas pessoas alegando ter tido manifestações espirituais, os primeiros santos estavam preocupados, pois não queriam ser enganados. Como poderiam dizer quem era “aceito por [Deus]”? (Versículo 15.) Em Doutrina e Convênios 52:14–19, o Senhor ensinou um padrão para nos ajudar. Como você pode aplicar esse padrão para reconhecer as mensagens falsas do mundo? Você também poderia usar esse padrão para avaliar a si mesmo: use as frases desses versículos para formular perguntas como: “Quando falo, meu espírito é contrito?”

Doutrina e Convênios 54

Posso recorrer ao Senhor quando sou prejudicado pelas escolhas de outras pessoas.

Como parte da coligação em Ohio, um grupo de santos liderados por Newel Knight chegou de Colesville, Nova York, e precisava de um lugar para viver. Leman Copley tinha uma grande fazenda perto de Kirtland e fez um convênio de permitir que os santos se estabelecessem em suas terras. No entanto, logo depois que começaram a se estabelecer ali, Copley vacilou na fé, quebrou o convênio e expulsou os santos de sua propriedade (ver Santos, vol. 1, pp. 125–128).

Conforme registrado na seção 54, o Senhor disse a Newel Knight o que os santos deveriam fazer naquela situação. O que essa revelação ensina que pode ajudá-lo quando os convênios quebrados por outra pessoa ou outras escolhas ruins afetarem você?

Local da fazenda em Ohio que Leman Copley prometeu para a Igreja.

Doutrina e Convênios 56:14–20

Bem-aventurados os puros de coração.

Nesses versículos, o Senhor Se dirigiu tanto ao rico quanto ao pobre; talvez seja interessante comparar Seu conselho a esses dois grupos. O que é pessoalmente relevante para você nesses versículos? Como o foco nas riquezas pode “corromper” sua alma? (Versículo 16.) Em sua opinião, o que significa ser “puro de coração” (versículo 18) no que diz respeito às coisas materiais?

Ver também Jacó 2:17–21.

Ideias para o estudo das escrituras em família e para a noite familiar

Doutrina e Convênios 51:9.

Vocês poderiam jogar um jogo que a família gosta e depois conversar sobre o resultado e como teria sido diferente se alguém tivesse trapaceado. Por que é importante “negociar honestamente” uns com os outros? Como a honestidade nos ajuda a “ser um”?

Doutrina e Convênios 52:14–19.

Ao conversar sobre o padrão descrito nesses versículos, sua família talvez goste de ver outros modelos que você usa — como os moldes para costurar roupas ou fazer um artesanato. Vocês poderiam fazer algo juntos usando um molde enquanto conversam sobre o padrão que Deus nos deu para não sermos enganados.

Doutrina e Convênios 53:1.

Pense em compartilhar uma experiência com sua família em que você, assim como Sidney Gilbert, perguntou ao Senhor “concernente a [seu] chamado”.

Doutrina e Convênios 54:2; 57:6–7.

O que significa “permanecer firme” (Doutrina e Convênios 54:2) nas coisas que Deus nos pediu para fazer? Você poderia convidar os membros da família a se levantar e falar algo que Deus lhes pediu que fizessem.

Doutrina e Convênios 55.

De que maneira o Senhor usou as habilidades de William Phelps como escritor e tipógrafo? (Por exemplo, talvez você queira mencionar que William Phelps também escreveu a letra de muitos hinos, entre eles: “Tal como um facho”, Alegres cantemos” e “Cantando louvamos”.) Sua família poderia conversar sobre os talentos e as habilidades que eles veem uns nos outros. Como nossos talentos podem contribuir para a obra de Deus?

Para mais ideias sobre como ensinar crianças, ver o esboço desta semana em Vem, e Segue-Me — Primária.

Música sugerida: “O riachinho faz”, Músicas para Crianças, p. 116.

Aperfeiçoar o estudo pessoal

Faça um diário de estudo. Talvez seja bom usar um diário ou caderno para anotar pensamentos, ideias, perguntas ou impressões que surgirem enquanto você estudar.

Bishop Partridge Receives Consecration, de Albin Veselka