1990–1999
A Importância de Se Receber um Testemunho Pessoal


A Importância de Se Receber um Testemunho Pessoal


O testemunho fornece uma luz que leva a um compromisso que, por sua vez, orienta nossa conduta e maneira de viver.

Amados irmãos, esta manhã foi uma ocasião histórica. Foi uma grande honra e um privilégio apoiar convosco hoje na assembléia solene, o Presidente Howard W. Hunter como profeta, vidente e revelador e Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.


Quando erguemos o braço para apoiar o profeta, é importante que cada um de nós tenha um testemunho de que Deus vive e de que Jesus é o Cristo, que guia a Igreja hoje por intermédio do profeta que escolheu.


Obtemos um testemunho pelo dom e poder do Espírito Santo. Este testemunho permite-nos permanecer fiéis em épocas de prosperidade e sobrepujar a dúvida e o medo em tempos difíceis. Todos nós precisamos saber o que é um testemunho, como obtê-lo e quais as responsabilidades que o acompanham.


Testemunho é o espírito de profecia (ver Apoc. 19:10). É uma revelação pessoal de Deus quanto à veracidade do evangelho de Jesus Cristo. Recebemos testemunho por intermédio do Espírito Santo; ele deixa marcas profundas e duradouras na alma.


Os testemunhos individuais são o alicerce e a força da Igreja. O testemunho fornece uma luz que leva a um compromisso que, por sua vez, orienta nossa conduta e maneira de viver. O testemunho representa a única e verdadeira direção espiritual. É uma força propulsora que não podemos ver, mas podemos realmente sentir. É como um ardor no peito que nos diz o que é certo. É quando “o coração diz coisas que a mente não sabe” [Harold B. Lee, “Be Loyal to the Royal Within You”, (“Sede Leais ao Vosso Eu Divino”), Speeches of the Year: BYU Devotional and Ten-Stake Fireside Addresses 1973, (“Discursos do Ano: Devocionais e Serões Domingueiros da Universidade Brigham Young 1973”), Provo: Brigham Young University Press, 1973, p. 101].


O testemunho é o fruto da obediência em forma de paz, alegria e compreensão dos princípios do evangelho. Ele é o escudo da fé “… com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.” (D&C 27:17)


Nosso testemunho é a medida de nossa fé. Fé é testemunho; testemunho é fé. Ter um firme testemunho permite-nos ajudar outras pessoas em sua procura pela verdade. O testemunho é um guia e um dom de Deus. Deve ser compartilhado, porém, não o podemos dar a ninguém, pois é concedido pelo Espírito Santo. O testemunho pode ajudar outras pessoas a saber a verdade por si mesmas—saber do fundo do coração, de forma que não haja sombra de dúvida.


O testemunho é um conhecimento de quem somos—­filhos de Deus; de onde viemos—da presença do Pai Celestial; e para onde iremos na eternidade, se formos fiéis—voltaremos à presença do Pai Celestial. Todos nós devemos obter um testemunho como esse para que suportemos as provações e adversidades da mortalidade e prossigamos para o futuro glorioso e eterno que todos nós desejamos.


Hoje, regozijamo-nos ao apoiar um novo Presidente da Igreja. O Presidente Hunter declarou:


“Nesses últimos dias, tenho sido grandemente fortalecido por meu firme testemunho de que esta obra é de Deus e não de homens, de que Jesus Cristo é o dirigente autorizado e vivo desta Igreja e de que Ele a conduz tanto por palavras quanto por ações.” (A Liahona, ago. 1994, “Notícias Locais”, p. 3.)


O que aprendemos sobre o testemunho, observando a vida e ensinamentos dos profetas de Deus? Aprendemos que o testemunho é algo muito pessoal. Todos nós podemos obter um testemunho da verdade por meio do Espírito Santo.


Quatorze homens presidiram A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Cada um deles tinha um testemunho inabalável da realidade de Deus, do conhecimento divino de que Jesus Cristo é Seu Filho, da veracidade do evangelho, do Livro de Mórmon e do chamado do Profeta Joseph Smith. Como esses homens receberam tal testemunho? Será que nós também podemos obter um testemunho da mesma forma?


Estamos familiarizados com a visão de Joseph Smith e como ele obteve testemunho de Deus e de Seu Filho Jesus Cristo. Joseph refletiu seriamente a respeito das religiões da sua época e leu nas escrituras que se alguém tivesse falta de sabedoria, poderia perguntar a Deus, e tal sabedoria ser-lhe-ia dada. Esta passagem, em Tiago 1:5, tocou profundamente o coração de Joseph, fazendo-o refletir muitas vezes sobre a escritura. Joseph retirou-se para um bosque a fim de expressar, numa oração sincera, o que sentia intimamente e seguir o conselho de Tiago: pedir a Deus.


Como testificamos humildemente ao mundo, o próprio Pai Eterno dos céus e da Terra e Seu Filho Unigênito, o Salvador e Redentor de toda a humanidade, apareceram a Joseph em resposta à oração. Apareceram a esse jovem que, aos olhos do mundo, parecia ser um rapaz comum, revelando, num breve momento, mais verdades sobre a natureza de Deus do que havia em todas as igrejas e profissões de fé existentes no mundo todo. Joseph, o menino profeta, soube então que Deus, o Pai, e Jesus Cristo eram personagens distintos. Cada um possuía um corpo de carne e ossos e podia realmente revelar-se a Seus profetas escolhidos, como nos tempos antigos. O testemunho vivo e a revelação pessoal são a pedra fundamental da verdadeira religião.


Joseph Smith selou seu testemunho com o próprio sangue. O martírio do Profeta foi uma aceitação voluntária da morte, com o intuito de selar o testemunho do Livro de Mórmon e Doutrina e Convênios (ver D&C 135:1) e de prestar um testemunho sagrado de Jesus Cristo e de Seu evangelho nesta dispensação. Não damos nosso testemunho e nossa vida da forma como Joseph Smith, o profeta mártir, o fez, porém, damos testemunho, prestando ajuda diária ao próximo, procurando elevar e fortaler as pessoas.


Cada profeta que sucedeu a Joseph Smith nesta dispensação obteve seu testemunho por intermédio dos mesmos princípios básicos, aplicados individualmente. Se ponderarmos com atenção a vida desses homens, descobriremos o processo pelo qual obtemos um testemunho.


Por exemplo: O Presidente Brigham Young recebeu testemunho da veracidade do Livro de Mórmon depois de dois anos de estudo cuidadoso. O Presidente John Taylor precisou de apenas três semanas para descobrir que o evangelho restaurado de Jesus Cristo englobava a verdadeira religião que existia antigamente, como registrado na Bíblia, e que havia, agora, sido restaurada na Terra. O Presidente Wilford Woodruff procurou diligentemente durante seis anos antes de encontrar a verdade, o que ocorreu, finalmente, nos ensinamentos e testemunho de dois missionários mórmons. O Presidente Lorenzo Snow foi o quinto presidente da Igreja. Quando conheceu o Profeta Joseph Smith em 1831, escreveu: “Uma luz iluminou o meu entendimento e nunca mais se apagou” [Daniel H. Ludlow, org., Encyclopedia of Mormonism, (“Enciclopédia do Mormonismo”), 4 vols., Nova York Macmillan, 1992, 3:1367].


O Presidente David O. McKay foi o nono Presidente da Igreja. Em sua infância quis saber, como Joseph Smith, a respeito da realidade de Deus, o Pai, e de Seu Filho, Jesus Cristo. Certo dia, enquanto arrebanhava o gado ao pé da montanha, perto de sua casa, procurou obter um testemunho por meio de oração. Ele contou:


“Desmontei, puxei as rédeas do cavalo e, debaixo de uma amoreira, orei para que Deus me mostrasse a verdade quanto à revelação que dera a Joseph Smith.” (New Era, jan. 1972, p. 56.)


Ele orou com muito fervor e sinceridade, com toda a fé que possuía. Ao término da oração, esperou uma resposta. Nada aconteceu. Desapontado, montou no seu cavalo, começou a andar vagarosamente, e disse a si mesmo: “Não recebi nenhuma manifestação espiritual. Para ser honesto, devo dizer que sou o mesmo rapaz de sempre” (ibid.).


A resposta direta a essa oração foi recebida durante os anos seguintes. Enquanto servia no campo missionário na Escócia, o Élder McKay recebeu uma poderosa manifestação espiritual. Mais tarde, comentou:


“Nunca senti uma emoção tão grande…. Foi a manifestação pela qual havia orado fervorosamente na encosta da montanha e na campina, quando era ainda um jovem cheio de dúvidas. Tive certeza de que as orações sinceras são respondidas ‘algum dia, em algum lugar’.” (Francis M. Gibbons, David O. McKay, Cidade do Lago Salgado: Deseret Book Co., 1986, p. 50.)


Todos os profetas testificaram sobre a revelação pessoal que os fizeram conhecer a verdade acerca do evangelho e sobre a força espiritual de tal revelação.


As pessoas perguntam-me freqüentemente: “Como sabe?”, “Como pode saber que Deus vive e que Jesus é o Cristo?” Embora pareça não existir fórmula alguma para se receber um testemunho, parece que é possível, realmente, discernir um padrão. Não obstante a fé ser importante nesse processo, não podemos simplesmente pedir um testemunho na oração e esperar que nos seja dado imediatamente.


Em geral, o testemunho surge com o tempo e por intermédio das experiências da vida. Podemos comparar o testemunho ao processo de observação de uma revelação fotográfica. As impressões marcantes do Espírito surgem como lampejos de luz no filme fotográfico. Como a química necessária para revelar a foto, necessitamos de certas condições espirituais e experiências para que nosso testemunho se revele numa certa verdade ou conhecimento e, como uma fotografia, se não for guardado com cuidado, desbotará com o tempo.


Os testemunhos surgem freqüentemente quando há o desejo de servir onde somos chamados, quando tomamos a decisão de fazer um esforço para sermos obedientes, ou durante nosso empenho de lutar, elevar e fortalecer outras pessoas. O testemunho surge com a oração, o estudo das escrituras e a aplicação desses ensinamentos em nossa vida. Quaisquer que sejam as circunstâncias, parece que há momentos na vida em que recebemos o conhecimento de que Deus vive e de que Jesus é o Cristo. Não há procura maior e mais importante na vida do que a de obter um testemunho da verdade.


Embora uma vida seja diferente da outra, acredito que podemos, com alguma confiança, resumir, pelas nossas próprias experiências e pelo testemunho de outros, como os profetas, por exemplo, o processo e as fases pelas quais passamos para obter um testemunho:


Ter o desejo sincero de saber a verdade e expressar esse desejo numa humilde oração ao Pai Celestial. “… mesmo que não tenhais mais que o desejo de acreditar, deixai que esse desejo opere em vós.” (Alma 32:27)


Examinai as escrituras e continuai orando. As escrituras estão repletas de testemunhos de outros que se foram desta vida antes de nós. Mesmo eles, embora mortos há tanto tempo, podem tocar-vos o coração e trazer paz e rumo para vossa vida.


Examinai e ponderai as verdades que estais aprendendo sobre os princípios do evangelho. Pensai a respeito. Testai-as por meio de oração fervorosa. Relacionai-as com o que conheceis e sentis. Todas as verdades aprendidas poderão, no final, juntar-se num testemunho fervoroso e inabalável.


Sede humildes e receptivos. Prestai atenção quando o Pai Celestial vos guiar a alguém que vos ensine a respeito do evangelho de Jesus Cristo. Pode ser um professor, uma pessoa da família, um vizinho, um amigo ou um conhecido. Talvez seja um missionário que vos contate por meio de uma referência. Deveis saber, porém, que quando oramos, estudamos e temos fé e desejo de aprender as coisas espirituais, o Senhor fornece um meio de adquirirmos mais luz e conhecimento.


Vivei vosso testemunho. Devemos seguir fielmente os ensinamentos do Salvador e o exemplo dos profetas. Nosso testemunho ajudará outros que estão procurando a verdade.


Compartilhai vosso testemunho. “Oh, Eu quisera ser um anjo”, proclamou Alma, “e poder realizar o desejo de meu coração de ir e falar com a trombeta de Deus.” (Alma 29:1) Dizei a outras pessoas o que sabeis. Prestai testemunho na reunião de jejum. Falai com vossa família, com vossos amigos. Vereis que quando compartilhais vosso testemunho ele se torna mais forte, e que há muitas pessoas que vos cercam que também querem abraçar a verdade.


Preparai-vos para enfrentar o teste do tempo. Não penseis que é fácil manter um testemunho. Outras pessoas irão testar-vos. Às vezes vos apontarão o dedo da zombaria e do desprezo. Outras vezes irão perseguir-vos abertamente. Preparai-vos. É bom que saibais antecipadamente que os melhores dos filhos de Deus tiveram a coragem de demonstrar sua convicção, não se importando de passar ridículo, privação e até morte por causa do verdadeiro testemunho. Será que estamos dispostos a fazer o mesmo?


Em nossos dias, as pessoas abençoadas com um testemunho da verdade têm o escudo da fé protegendo-as dos ardentes dardos do adversário nas mãos dos críticos e caluniadores. Não devemos deixar que outros determinem nossa fidelidade e afetem nosso testemunho e finalmente nossa salvação eterna.


As dúvidas sobre religião, decorrentes da falta de conhecimento, podem ser resolvidas construtivamente. A solução é o estudo e a oração o que resultará num testemunho maior, que afastará outras dúvidas.


Anos atrás, o Élder Howard W. Hunter falou à juventude com relação ao testemunho:


“Vejo com simpatia os jovens que, quando têm dúvidas, entram em grande conflito para resolvê-las. Essas dúvidas podem ser sanadas, se tiverem o desejo honesto de saber a verdade, fazendo um esforço moral, espiritual e mental. Eles sairão do conflito com uma fé mais firme, forte e maior, por causa de sua luta. Passaram de uma fé simples e confiante, atravessando conflitos e dúvidas, a uma fé substancial que desabrocha num testemunho”. [Conference Report, (“Relatório da Conferência”), out. 1960, p. 108.]


Os frutos do testemunho podem ser observados na vida dos fiéis. Aqueles que se elevam pelo poder do testemunho podem encontrar maior felicidade e fidelidade no casamento. Seu testemunho é um antídoto contra a praga do divórcio. Eles desfrutam mais liberdade e raramente são escravizados pelo álcool, tabaco, drogas, prática de maus-tratos e outras formas de auto-indulgência. Eles encontram força para lidar com os problemas da vida.


Todos nós seremos testados, tentados e provados em nosso testemunho a fim de mostrarmos fidelidade em meio a essas provações de nossa fé.


Sabemos também, amados irmãos, que se não permanecermos fiéis ao testemunho que nos foi concedido pelo Espírito, a luz diminuirá até que se extinga. Um testemunho deve ser constantemente nutrido e protegido; do contrário, desaparecerá.


Desejo acrescentar meu próprio testemunho aos demais que foram prestados hoje, da forma mais vigorosa e direta possível. Sei que Deus vive. Presto testemunho da realidade e divindade de Seu Filho Jesus Cristo, que dirige esta igreja e que revela a palavra do Pai a nossa geração. Presto testemunho acerca do dom e poder do Espírito Santo, da natureza eterna do sacerdócio, do chamado do Profeta Joseph Smith e da certeza de que Deus fala novamente com um profeta vivo por intermédio do Presidente Howard W. Hunter. Em nome de Jesus Cristo. Amém. 9