Ensinamentos dos Presidentes
Capítulo 16: Criar os Filhos em Luz e Verdade
anterior seguinte

Capítulo 16

Criar os Filhos em Luz e Verdade

“A responsabilidade de ensinar as crianças da Igreja cabe primeiramente à família.”

Da Vida de Joseph Fielding Smith

O Presidente Joseph Fielding Smith descreveu seu pai, o Presidente Joseph F. Smith, nestas palavras: “Eu tinha mais confiança nele do que em qualquer outra pessoa que eu conhecesse no mundo”.1 Ele contou que o pai costumava reunir a família e “ensinar aos filhos os princípios do evangelho. Todos adoravam estar com ele e ouvir seus conselhos e ensinamentos. (…) Jamais se esqueceram do que lhes foi ensinado, essas coisas ficaram gravadas em sua mente e provavelmente ali permanecerão para sempre”.2 Ele também disse: “Meu pai era o homem mais bondoso que já conheci. (…) As horas que passei a seu lado, conversando sobre os princípios do evangelho e sendo ensinado como só ele sabia ensinar, estão entre minhas lembranças mais queridas. Assim, meu conhecimento foi alicerçado na verdade, para que eu também pudesse dizer que sei que o meu Redentor vive e que Joseph Smith é, foi e sempre será um profeta do Deus vivo”.3

Joseph Fielding Smith também falava com carinho da mãe, Julina L. Smith e do que ela lhe ensinou. Disse ele: “No colo de minha mãe aprendi a amar o Profeta Joseph Smith e a amar meu Redentor. (…) Sou grato pelos ensinamentos que recebi e tento seguir os conselhos que meu pai me deu, mas não posso dar-lhe todo o crédito. Acho que boa parte dele, uma parte muito grande do crédito, deve ser dada à minha mãe, em cujo colo eu sentava quando pequeno para ouvir as histórias que ela contava sobre os pioneiros. (…) Ela tinha o costume de ensinar-me e, assim que cresci o suficiente para ler, ela colocava em minhas mãos coisas que eu podia entender. Ela me ensinou a orar [e] a ser leal e fiel a meus convênios e minhas obrigações, a cumprir meus deveres de diácono e mestre (…) e, posteriormente, de sacerdote. (…) Minha mãe fazia questão que eu lesse, e eu adorava ler”.4

Quando Joseph Fielding Smith se tornou pai, seguiu o exemplo dos próprios pais. Amelia, uma de suas filhas, disse:

“Meu pai era perfeito aluno e professor, ele não apenas nos ensinava com base em seu grande conhecimento, como também nos incentivava a aprender por conta própria. (…)

Seguia com os filhos o conselho de D&C 93:40: ‘Eu, porém, ordenei que criásseis vossos filhos em luz e verdade’.

Ensinava-nos à mesa do desjejum, contando-nos histórias das escrituras, e conseguia fazer com que cada história soasse nova e emocionante, apesar de já as termos ouvido muitas vezes. O suspense que eu sentia quando os soldados do Faraó encontravam o cálice de ouro no saco de cereais de Benjamim é real ainda hoje. Aprendemos a história de como Joseph Smith encontrou as placas de ouro e viu o Pai e o Filho. Quando meu pai tinha tempo de levar-nos a pé para a escola, continuava a contar-nos histórias. Passávamos em frente ao Templo [de Salt Lake] a caminho da escola e ele nos falava do anjo Morôni. Aprendemos que o templo era um lugar muito especial, que tínhamos que ser bons para entrar ali e que os casamentos feitos ali eram para sempre. Ele nos ensinava com aquilo que dizia ao orar conosco em família, quando nos ajoelhávamos junto a nossas cadeiras antes do desjejum e, novamente, na hora do jantar. (…)

Hoje, seus ensinamentos edificam e sustêm não só seus descendentes como também inumeráveis membros fiéis da Igreja. Que grande privilégio e bênção é ser filha dele”.5

O Presidente Joseph Fielding Smith e sua bisneta, Shanna McConkie

Ensinamentos de Joseph Fielding Smith

1

Para que resistam à influência do adversário, os pais precisam criar os filhos em luz e verdade.

Não há como exagerar a importância da união na família, do amor e da consideração entre seus membros. A solidariedade espiritual no relacionamento familiar é o alicerce seguro sobre o qual a Igreja e a própria sociedade florescem. O adversário bem sabe e compreende esse fato e emprega agora, mais do que nunca, todos os astutos ardis, toda a influência e todo o poder a seu alcance para minar e destruir essa instituição eterna. Só o evangelho de Jesus Cristo, aplicado ao relacionamento familiar, é capaz de frustrar esse plano diabólico de destruição.6

Existem muitos grandes perigos reais a enfrentar, e os que mais nos preocupam dentre todos os outros são os que se referem a nossos filhos. Somente o lar e sua influência são capazes de fornecer proteção real e adequada.7

Precisamos ensinar nossos filhos a discernir entre o bem e o mal; caso não o façamos, em muitas questões eles serão incapazes de compreender por que não lhes é permitido fazer certas coisas consideradas comuns entre seus companheiros. A menos que lhes ensinemos as doutrinas da Igreja, é possível que não entendam o que há de mal em ir a um espetáculo musical no domingo, ao teatro, ao cinema, a um jogo de bola ou a alguma outra atividade assim, enquanto seus colegas fazem essas coisas sem restrição, e são até incentivados a fazer aquilo que o Senhor proibiu em Seu santo dia. Os pais são os responsáveis por ensinar devidamente os filhos, [e] o Senhor os condenará caso seus filhos cresçam sem a influência dos princípios do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.8

O Senhor ordenou que todos nós criássemos nossos filhos em luz e verdade. Onde quer que esse espírito exista, a desarmonia, a desobediência e a negligência dos deveres sagrados não irão longe, não conseguirão ir longe.9

2

Os pais são os principais responsáveis por ensinar os próprios filhos.

O Pai jamais abdicou de Seu direito a Seus filhos nascidos neste mundo. Eles ainda são Seus filhos. Ele os colocou aos cuidados de pais mortais com a admoestação de que fossem criados em luz e verdade. Os pais são fundamentalmente os primeiros e principais responsáveis por ensinar os filhos e criá-los em luz e verdade.10

A responsabilidade de ensinar as crianças da Igreja cabe primeiramente à família. Cabe aos pais a responsabilidade de criar os filhos em luz e verdade, e o Senhor declarou que, caso não o façam, terão de prestar contas disso perante o tribunal [de Deus].11

O Senhor disse em uma revelação feita à Igreja em 1831:

“E também, se em Sião ou em qualquer de suas estacas organizadas houver pais que, tendo filhos, não os ensinarem a compreender a doutrina do arrependimento, da fé em Cristo, o Filho do Deus vivo, e do batismo e do dom do Espírito Santo pela imposição das mãos, quando tiverem oito anos, sobre a cabeça dos pais seja o pecado.

Pois isto será uma lei para os habitantes de Sião ou em qualquer de suas estacas que estejam organizadas” (D&C 68:25–26).

(…) O Senhor exige isso de nós.12

Os pais serão responsabilizados pelas ações dos filhos caso não os tenham ensinado por preceito e pelo exemplo.

Caso tenham feito todo o possível para ensinar os filhos corretamente, por preceito e pelo exemplo, e, depois disso, os filhos se desencaminharem, os pais não serão responsabilizados e o pecado recairá sobre os filhos.13

3

A Igreja ajuda os pais no trabalho de educar os filhos.

Cada indivíduo é o principal responsável por fazer as coisas que levam à sua salvação. Todos fomos colocados na Terra para passar pela prova das experiências da mortalidade. Estamos aqui para ver se guardaremos os mandamentos e venceremos o mundo, e temos que fazer tudo o que pudermos sozinhos.

O próximo quesito responsável por nossa salvação é nossa família. Os pais devem servir de luz e orientação para os filhos, e foi-lhes ordenado que os criem em luz e verdade, ensinando-lhes o evangelho e sendo bons exemplos para eles. Dos filhos, espera-se que obedeçam aos pais e que os honrem e respeitem.

A Igreja e suas instituições constituem, na verdade, uma organização de serviços para ajudar as famílias e os indivíduos.14

“A Igreja e suas instituições constituem, na verdade, uma organização de serviços para ajudar as famílias e os indivíduos.”

Apelo a vocês, caros irmãos e caras irmãs, maridos, mulheres, pais e mães, que aproveitem todas as oportunidades fornecidas pela Igreja para que seus filhos sejam ensinados nas diversas organizações preparadas para eles por meio das revelações do Senhor: a Primária, a Escola Dominical, as organizações de Melhoramentos Mútuos [organizações dos Rapazes e Moças] e os quóruns do sacerdócio menor, sob a direção do bispado. (…)

Por toda a Igreja, em todo lugar em que isso é possível, temos seminários e institutos. (…) Irmãos e irmãs, mandem seus filhos a esses seminários. Os estudantes universitários, caso tenham sido ensinados devidamente desde cedo, têm idade suficiente para frequentar os institutos da Igreja.15

4

Os pais devem fazer todo o possível para ajudar os filhos a entender e a viver o evangelho de Jesus Cristo.

O testemunho pessoal de cada um é e será sempre a força da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. O testemunho precisa ser cultivado no ambiente familiar. (…) A obtenção e o cultivo do testemunho devem ser um projeto de família. Não negligenciem nada que ajude a fortalecer o testemunho de qualquer membro de sua família.16

Precisamos resguardar [nossos filhos] dos pecados e males do mundo o máximo possível, para que não se desviem das sendas da verdade e da retidão.17

Ajudem seus filhos de todas as formas possíveis a crescer conhecendo o evangelho de Jesus Cristo. Ensinem-os a orar. Ensinem-os a observar a Palavra de Sabedoria, a andar fiel e humildemente perante o Senhor para que, ao chegarem à idade adulta, possam agradecer-lhes o que fizeram por eles e, ao olhar para trás, para a vida que tiveram, façam-no com o coração agradecido e cheio de amor aos pais pela forma como cuidaram deles e por terem lhes ensinado o evangelho de Jesus Cristo.18

Sejam exemplos de retidão

Pedimos aos pais que sejam bons exemplos para os filhos pela forma como vivem e que reúnam os filhos ao redor de si e ensinem-lhes o evangelho, tanto na noite familiar como em outros momentos.19

Os pais precisam tentar ser (ou ao menos se esforçarem ao máximo para isso) aquilo que gostariam que os filhos fossem. É impossível a alguém dar o exemplo de algo que ele mesmo não é.20

Vocês devem ensinar pelo exemplo, bem como por preceito. Devem ajoelhar-se com seus filhos para orar. Devem ensinar-lhes, com toda a humildade, a missão de nosso Salvador Jesus Cristo. Devem mostrar-lhes o caminho, e o pai que mostra ao filho o caminho não diz: “Filho, vá à Escola Dominical, ou à Mutual, ou à reunião do sacerdócio”. Ele diz: “Venha, vamos juntos”. Ele ensina pelo exemplo.21

Comecem a ensinar seus filhos desde pequenos

Ninguém é jovem demais para servir ao Senhor. (…) As crianças e os jovens seguem os ensinamentos de seus pais. Quando se ensina a retidão a uma criança desde seu nascimento, ela provavelmente andará sempre em retidão. É fácil formar bons hábitos e é fácil imitá-los.22

O lar deve ser um lugar onde haja oração, fé, amor e obediência a Deus. Os pais têm o dever de ensinar os princípios salvadores do evangelho de Jesus Cristo aos filhos, para que eles saibam por que precisam ser batizados e para que fique gravado em seu coração o desejo de continuar a guardar os mandamentos de Deus depois do batismo, para que voltem à presença Dele. Bons irmãos e irmãs, será que vocês querem sua família, seus filhos, querem ser selados a seu pai e sua mãe, a seus antepassados, querem manter essa família perfeita quando entrarem no reino celestial de Deus (se lhes for permitido entrar)? Caso queiram, precisam começar a ensinar [seus filhos] ainda no berço.23

Ensinem as crianças a orar

O que é um lar sem o espírito de oração? Não é um lar da Igreja. Devemos orar; não devemos deixar a manhã terminar sem agradecer ao Senhor, ajoelhados no círculo familiar, pelas bênçãos concedidas e pedir-Lhe orientação. Não devemos, à noite, ir nos deitar sem ter reunido os membros de nossa família novamente para agradecer a proteção do Senhor e pedir-Lhe que nos conceda Sua orientação todos os dias de nossa vida.24

Espero que vocês estejam ensinando seus filhos a orar em casa. Espero que orem em família, de manhã e à noite, para que seus filhos aprendam pelo exemplo e por preceito a guardar os mandamentos que são tão preciosos, tão sagrados e tão importantes para nossa salvação no reino de Deus.25

Familiarizem seus filhos com as escrituras

Não há uma casa no mundo inteiro em que não haja uma Bíblia. Em todas as casas deveria haver um Livro de Mórmon — falo das casas de membros da Igreja. Não existe um lar que não devesse ter um exemplar de Doutrina e Convênios e Pérola de Grande Valor. Não deixem esses livros na prateleira nem guardados em algum armário, deixem-nos abertos, à mão, para que os membros da família tenham fácil acesso a eles, peguem-nos e sentem-se para ler e estudar os princípios do evangelho por conta própria.26

Realizem a noite familiar

Os filhos que crescem num lar onde participam de noites familiares e onde há muito amor e união criam um alicerce sólido para se tornarem bons cidadãos e membros ativos da Igreja. Não há maior legado que os pais possam deixar aos filhos do que a lembrança das bênçãos de uma família feliz, unida e cheia de amor.

Noites familiares bem planejadas podem ser uma fonte de influência duradoura. Essas são ocasiões para a realização de atividades em grupo, ocasiões em que a família se organiza, demonstra amor, presta testemunho, aprende os princípios do evangelho, participa de atividades divertidas e recreativas em família e de todas as outras coisas que promovem a união e solidariedade em família.

O pai e a mãe que realizam fielmente as noites familiares e que promovem a união em família de todas as formas possíveis cumprem com honra a maior de todas as responsabilidades: sua responsabilidade de pais.27

No reino de Deus, não há cargo em que um pai possa exercer maior liderança do que ao liderar a família na realização das noites familiares. Quando esse tipo de experiência faz parte da vida no lar, a união e o respeito entre os membros da família aumentam, e a influência que isso exerce em cada indivíduo o leva a viver com mais retidão e a ter mais felicidade.28

Os pais [tanto o pai como a mãe] que não fazem uso do grande auxílio que é esse programa [de noites familiares] arriscam o futuro dos filhos.29

Ensinem a virtude, a castidade e a moralidade

Vocês devem ensinar a virtude e a castidade a seus filhos, e isso lhes deve ser ensinado desde a mais tenra infância. Devem abrir-lhes os olhos para as armadilhas e os perigos tão predominantes em todo o mundo.30

Preocupamo-nos muito com o bem-estar espiritual e moral de todos os jovens em todo o mundo. A moral, a castidade, a virtude, a ausência de pecados são e têm que ser elementos básicos de nosso estilo de vida se quisermos alcançar nosso pleno potencial.

Fazemos um apelo aos pais e às mães: ensinem a pureza pessoal por preceito e pelo exemplo e conversem com seus filhos quanto a todos esses assuntos. (…)

Confiamos nos jovens, na nova geração da Igreja, e os exortamos a não seguirem as modas e os costumes do mundo, a não participarem do espírito de rebelião, a não deixarem o caminho da verdade e da virtude. Acreditamos em sua bondade inata e esperamos que eles se tornem pilares de retidão e que levem avante o trabalho realizado pela Igreja com fé e eficiência crescentes.31

Preparem os filhos para serem testemunhas da verdade e servirem missão

Nossos jovens estão entre os filhos mais favorecidos e abençoados de nosso Pai. Ele eram a nobreza do céu, uma geração escolhida com um destino divino. Esses espíritos foram reservados para vir ao mundo nesta época em que o evangelho está na Terra, num momento em que o Senhor precisa de servos valorosos que levem adiante Sua grande obra relativa aos últimos dias.32

Precisamos preparar [nossos filhos] para serem testemunhas vivas da veracidade e do caráter divino desta grande obra dos últimos dias e, no caso de nossos filhos, homens particularmente, precisamos certificar-nos de que sejam dignos e estejam qualificados a sair em missão para pregar o evangelho aos outros filhos de nosso Pai.33

Ajudem os filhos a prepararem-se para ter a própria família eterna

Será que vocês estão ensinando [seus filhos] de forma que, quando se casarem, queiram fazê-lo na casa do Senhor? Será que os estão ensinando de modo que tenham vontade de receber a grande investidura que o Senhor reservou para eles? Será que vocês incutiram na mente deles o fato de que podem ser selados como marido e mulher e receber todos os dons e todas as bênçãos do reino celestial?34

Temos que (…) guiar e conduzir [nossos filhos] de tal maneira que escolham um bom companheiro, casem-se na casa do Senhor e, assim, tornem-se herdeiros de todas as bênçãos grandiosas das quais falamos.35

Tentemos humildemente manter nossa família intacta, mantê-la sob a influência do Espírito do Senhor, ensinar-lhe os princípios do evangelho para que os membros de nossa família cresçam em retidão e verdade. (…) São-nos concedidos [filhos] para que lhes ensinemos os caminhos da vida — da vida eterna — para que eles voltem à presença de Deus, que é Seu Pai.36

Sugestões para Estudo e Ensino

Perguntas

  • Na seção “Da Vida de Joseph Fielding Smith”, observe os exemplos de pais que demonstram amor aos filhos. Pensem em como você poderia seguir esses exemplos, seja qual for seu papel na família. Como os pais podem se organizar para conseguir passar mais tempo com os filhos?

  • O Presidente Smith mencionou os perigos espirituais de sua época (ver a seção 1). Além deles, quais são outros perigos que existem hoje? Como os pais e avós podem ajudar os filhos e netos a resistirem a essas influências?

  • Pense em quanta confiança o Pai Celestial deposita nos pais ao permitir que cuidem de Seus filhos (ver a seção 2). Que orientação e auxílio Ele oferece aos pais?

  • Em que sentido a Igreja é “uma organização de serviços para ajudar as famílias e os indivíduos”? (Ver seção 3.) Como as organizações da Igreja já ajudaram você e sua família? O que podemos fazer para ajudar as crianças e os jovens a participar plenamente?

  • A seção 4 menciona várias formas de ajudarmos as crianças e os jovens a viverem o evangelho. Ao reler esses conselhos, tenha em mente as seguintes perguntas: Quais são algumas das coisas em que você e sua família têm se saído bem? No que vocês poderiam melhorar? O que você pode fazer para ajudar os jovens da Igreja a ter um testemunho mais forte?

Escrituras Relacionadas

Deuteronômio 6:1–7; Salmos 132:12; Mosias 1:4; 4:14–15; D&C 68:25–28; 93:36–40; ver também “A Família: Proclamação ao Mundo”

Auxílio Didático

“Tenha o cuidado de não terminar boas discussões precocemente na tentativa de ensinar tudo o que preparou. Embora seja importante transmitir o conteúdo da lição, o essencial é ajudar os alunos a sentir a influência do Espírito, esclarecer suas dúvidas, aumentar sua compreensão do evangelho e seu compromisso de guardar os mandamentos.” Contudo, também é “importante encerrar as discussões no momento certo. Quando uma discussão, mesmo que edificante, se prolonga demais, muito da espiritualidade se perde. (…) Controle o tempo. Saiba quando a aula deve terminar. Reserve tempo suficiente para recapitular o que foi dito e prestar seu testemunho” (Ensino, Não Há Maior Chamado, 2009, pp. 64, 65).

Notas

  1. Joseph Fielding Smith Jr. e John J. Stewart, The Life of Joseph Fielding Smith, 1972, p. 40.

  2. The Life of Joseph Fielding Smith, p. 40.

  3. Bryant S. Hinckley, “Joseph Fielding Smith”, Improvement Era, junho de 1932, p. 459.

  4. The Life of Joseph Fielding Smith, p. 56.

  5. Amelia Smith McConkie, “Joseph Fielding Smith”, Church News, 30 de outubro de 1993, pp. 8, 10.

  6. Mensagem da Primeira Presidência, Noite Familiar Livro de Recursos, 1993, p. iv.

  7. “Our Children—‘The Loveliest Flowers from God’s Own Garden’”, Relief Society Magazine, janeiro de 1969, p. 5.

  8. Conference Report, outubro de 1916, pp. 71–72.

  9. Conference Report, abril de 1965, p. 11.

  10. “The Sunday School’s Responsibility”, Instructor, maio de 1949, p. 206; ver também Doutrinas de Salvação, comp. por Bruce R. McConkie, 3 vols. , 1954–1956, vol. I, p. 340 [tradução atualizada].

  11. Take Heed to Yourselves!  , 1966, p. 221.

  12. Conference Report, abril de 1958, pp. 29–30.

  13. Epistolário, citado em Doutrinas de Salvação, vol. I, p. 340; grifo removido [tradução atualizada].

  14. “Use the Programs of the Church”, Improvement Era, outubro de 1970, p. 3.

  15. Conference Report, abril de 1958, pp. 29–30.

  16. “The Old and the New Magazines”, Improvement Era, novembro de 1970, p. 11.

  17. “Mothers in Israel”, Relief Society Magazine, dezembro de 1970, p. 886.

  18. Conference Report, abril de 1958, p. 30.

  19. Conference Report, abril de 1970, p. 6.

  20. “Our Children—‘The Loveliest Flowers from God’s Own Garden’”, p. 6.

  21. Conference Report, outubro de 1948, p. 153.

  22. Take Heed to Yourselves!  , p. 414.

  23. Conference Report, outubro de 1948, p. 153.

  24. “How to Teach the Gospel at Home”, Relief Society Magazine, dezembro de 1931, p. 685.

  25. Conference Report, abril de 1958, p. 29.

  26. “Keeping the Commandments of Our Eternal Father”, Relief Society Magazine, dezembro de 1966, p. 884.

  27. Mensagem da Primeira Presidência, Noite Familiar Livro de Recursos, 1993, p. iv.

  28. Mensagem da Primeira Presidência, Noite Familiar Livro de Recursos, 1993, p. iv.

  29. “Message from the First Presidency” [Mensagem da Primeira Presidência], Ensign, janeiro de 1971, p. 1.

  30. “Teach Virtue and Modesty”, Relief Society Magazine, janeiro de 1963, p. 5.

  31. Conference Report, abril de 1970, pp. 5–6.

  32. Conference Report, abril de 1970, p. 6.

  33. “Mothers in Israel”, p. 886.

  34. Conference Report, outubro de 1948, p. 154.

  35. “Mothers in Israel”, p. 886.

  36. Conference Report, abril de 1958, p. 30.