2017
O Instituto É para Nós
anterior próximo

O Instituto É para Nós

Como o Instituto de religião da Igreja pode abençoar a sua vida?

Temos muitas coisas para fazer. Alguns de nós são estudantes. Alguns têm uma jornada de trabalho longa. Alguns de nós estão longe dos amigos e da família, ou têm responsabilidades pesadas sobre os ombros. Alguns estão tentando se adaptar depois de voltar da missão ou acabaram de se formar no Ensino Médio e não têm certeza do que vem depois.

Pode parecer um contrassenso acrescentar o Instituto a tudo isso. Muitos de nós nos perguntamos nesta ou em outra ocasião: Será que o Instituto realmente vai me ajudar?

A resposta é sim.

Milhares de jovens adultos no mundo inteiro, muitos deles em situação semelhante à sua, encontram forças, apoio, amizades e enriquecimento espiritual no Instituto. Aqui estão apenas dois exemplos de excelentes jovens adultos que, a despeito de todos os seus desafios, sabem que o Instituto é para eles.

O Instituto Faz Bem ao Coração

História de Aric, Toronto, Ontário

Aric (foto no alto à direita) faz doutorado na Universidade de Toronto, com ênfase em tecido cardíaco e medicina regenerativa.

Ao descrever sua pesquisa, explica: “Certos tipos de células-tronco podem se transformar em qualquer coisa no organismo. Podemos colocar células-tronco numa placa de cultura e fazê-las crescer até se transformarem em células cardíacas. Após duas semanas, elas começam a pulsar. Nós as utilizamos então para simular várias doenças e testar diversos medicamentos. Minha meta é um dia desenvolver um coração em um laboratório como este”.

Aric teve sua própria mudança de coração em sua missão em Belo Horizonte, Brasil. “Quando eu servia missão, aprendi a ouvir e seguir o Espírito. Isso me ajudou a aprender a estudar e a me empenhar.” Ele mudou tanto que ficou preocupado com o retorno ao lar. “Eu não fazia a menor ideia de como agir ou do que fazer”, admitiu. “Tive que reaprender como agir em certas situações. O fato de frequentar o Instituto me ajudou.”

A rede social do Instituto é importante para Aric. “Pude fazer amizade com pessoas que precisavam de amigos. Pude consolar pessoas quando precisavam ser consoladas. Isso é importante para mim, ajudar as pessoas, mas para mim também é importante sentir isso vindo de outras pessoas.”

Ele faz piada sobre quanto tempo já faz que ele frequenta o Instituto, mas continua indo. “Toda vez que vou, sinto o Espírito presente ali. E isso me ajuda a ser uma pessoa melhor, a permanecer em bons lugares e a ter um bom desempenho em meu trabalho.”

Aric faz uma comparação entre seu trabalho e o Instituto. “Se colocarmos uma célula num bom ambiente, há mudanças internas que acontecem nela, tornando-a mais receptiva a essas mudanças positivas ou a esses sinais positivos que queremos transmitir a ela. Com o tempo, a célula muda, transformando-se em algo melhor, algo maior do que ela mesma. Para mim, isso é algo muitíssimo especial. Se eu me colocar no ambiente certo, vou me tornar mais receptivo a esses aspectos espirituais da vida e menos receptivo às influências negativas que ocorrem no mundo.”

Ele conclui, dizendo: “Deus é real. Isso é algo que sinto profundamente dentro de mim. Nem sempre senti Seu amor em minha vida. Estou começando a me dar conta disso por causa das decisões que tomei. Sei que Ele está a meu lado para me ajudar, que Ele realmente quer que eu seja o melhor que puder”.

O Instituto Me Lembra de Cristo

História de Veronica, Madri, Espanha

Quando Veronica (foto abaixo) tinha 17 anos, sua irmã gêmea morreu em seus braços. Três anos após a morte da irmã, quando ela própria enfrentava dificuldades na vida, Veronica começou a fazer caminhadas para lidar com seu sentimento de tristeza. Sempre tinha acreditado em Deus, por isso certo dia, enquanto caminhava, orou: “Senhor, por que estás fazendo tudo isso comigo?”

Naquele momento, ergueu o rosto e viu uma capela da Igreja SUD pela qual ela sempre passava. Ao prestar atenção a ela pela primeira vez, ficou curiosa. Entrou e se apresentou a duas missionárias, que a ensinaram naquela semana.

Veronica conta o que fez após a primeira lição: “Levantei-me e disse a elas: ‘Vocês estão todas malucas’, e saí”. Ela não queria nada daquilo, mas por fim começou a reconsiderar sua atitude.

“Acho que foi a primeira vez que orei tanto assim. Senti como se Deus estivesse me dizendo: ‘Estou lhe dando esta oportunidade para que você me conheça melhor. Não quer isso?’”

Ela decidiu que realmente queria. Apesar de perder seu lar e o emprego por causa do evangelho, ela foi batizada. Embora a vida tenha continuado a ser difícil em algumas circunstâncias, ela confiou no Senhor. “Antes de conhecer a Igreja, eu chorava ou ficava com raiva se não soubesse como ia pagar o aluguel. Mas agora sei que o Senhor vai providenciar um meio.”

A bênção patriarcal de Veronica disse que ela ia servir missão, mas ela não tinha saias nem dinheiro para comprá-las. Um membro dos Setenta e a esposa estavam passando pela área e ficaram sabendo das necessidades dela. A esposa sentira-se inspirada a colocar na mala várias saias a mais para a viagem e deu muitas delas para Veronica. Também incentivou Veronica a frequentar o Instituto. Quando o bispo de Veronica deu início a um programa do Instituto em sua área, ela começou a frequentá-lo regularmente.

O Instituto lhe proporcionou paz e felicidade. “O que acho mais positivo no Instituto é que durante a semana temos muitas tarefas diferentes para fazer. Temos o domingo para renovar nossos convênios com o Pai Celestial. Mas, na segunda, terça, quarta, quinta e sexta, o que temos? Fico grata por termos o Instituto pelo menos uma vez durante a semana porque essa é uma maneira de lembrar-nos de Jesus Cristo. O Instituto é uma maneira pela qual Ele tem me ajudado a progredir.”

E Veronica realmente serviu missão. Em outubro de 2016, partiu para servir na Missão Chile Osorno.

Ela diz: “Sei que estou aqui hoje por causa Dele. Sei que Ele preparou um plano perfeito para cada um de nós. Ele nos dará oportunidades ao longo da vida. Posso sentir Seu amor todos os dias mesmo que às vezes eu diga: ‘Pai, por que isso está acontecendo comigo?’ Mas, antes de eu dormir, Ele responde: ‘Isso está acontecendo por causa disso. Agora vá dormir’. E eu também O amo. Talvez eu tivesse de passar por tudo o que passei para poder sentir tanto amor assim por Ele”.