Considerações iniciais
    Notas de rodapé

    Considerações iniciais

    É hora de termos uma Igreja centralizada no lar com o apoio do que acontece dentro dos edifícios de nossos ramos, alas e estacas.

    Queridos irmãos e irmãs, estávamos ansiosos para nos reunir com vocês novamente nesta conferência geral da Igreja em outubro. Estendemos nossas sinceras boas-vindas a cada um de vocês. Somos profundamente gratos por suas contínuas orações. Sentimos o efeito delas. Muito obrigado!

    Somos gratos a vocês por seu grande esforço de colocar em prática os conselhos dados há seis meses na conferência geral. As presidências de estaca do mundo inteiro buscaram a revelação necessária para reorganizar os quóruns de élderes. Os homens desses quóruns e nossas dedicadas irmãs da Sociedade de Socorro estão trabalhando diligentemente para ministrar a nossos irmãos e irmãs, de maneira mais elevada e sagrada. Somos inspirados por suas virtudes e por seus extraordinários esforços para levar o amor do Salvador à sua família, a seus vizinhos e amigos, e para ministrar a eles como Ele o faria.

    Desde a conferência de abril, a irmã Nelson e eu nos reunimos com membros de quatro continentes e de ilhas do mar. De Jerusalém a Harare, de Winnipeg a Bangcoc, observamos sua grande fé e a força de seu testemunho.

    Estamos imensamente felizes com o número de nossos jovens que se uniram ao exército de jovens do Senhor para ajudar a coligar a Israel dispersa.1 Somos gratos a vocês! E, à medida que continuam a seguir meus convites feitos em nosso devocional mundial para os jovens, vocês estão estabelecendo um padrão para que o restante de nós o siga. E que diferença vocês, jovens, estão fazendo!

    Nos últimos anos, nós, dos conselhos presidentes da Igreja, debatemos sobre uma pergunta fundamental: Como podemos levar o evangelho em sua simples pureza e as ordenanças com sua eficácia eterna a todos os filhos de Deus?

    Como santos dos últimos dias, acostumamo-nos a pensar na “igreja” como algo que acontece em nossas capelas, com o apoio do que acontece no lar. Precisamos fazer um ajuste desse padrão. É hora de termos uma Igreja centralizada no lar com o apoio do que acontece dentro dos edifícios de nossos ramos, alas e estacas.

    À medida que a Igreja continua a se expandir pelo mundo inteiro, muitos membros moram em lugares onde não há capelas, e onde talvez não haverá em um futuro próximo. Lembro-me de uma família que, devido a essas circunstâncias, tinha que se reunir em sua própria casa. Perguntei à mãe o que ela achava de participar igreja em seu próprio lar. Ela respondeu: “Eu gosto! Meu marido usa uma linguagem melhor em casa agora, sabendo que vai abençoar o sacramento aqui todos os domingos”.

    O objetivo de longa data da Igreja tem sido auxiliar todos os membros a aumentar sua fé em nosso Senhor Jesus Cristo e em Sua Expiação, a fazer e cumprir seus convênios com Deus, e a fortalecer e selar a família deles. Neste complexo mundo atual, isso não é fácil. O adversário está aumentando de modo exponencial seus ataques à fé, a nós e às famílias. Para sobrevivermos espiritualmente, precisamos de estratégias de defesa e planos proativos. Consequentemente, queremos agora efetuar ajustes organizacionais que vão fortalecer ainda mais nossos membros e sua família.

    Por muitos anos, os líderes da Igreja vêm trabalhando em um currículo integrado para fortalecer famílias e indivíduos por meio de um plano centralizado no lar e apoiado pela Igreja para proporcionar o aprendizado da doutrina, fortalecer a fé e promover maior adoração pessoal. Nossos esforços nos últimos anos para santificar o Dia do Senhor — torná-lo um deleite e um sinal pessoal para Deus de nosso amor por Ele — serão ampliados pelos ajustes que apresentaremos agora.

    Nesta manhã, vamos anunciar um novo equilíbrio e uma nova relação entre a instrução do evangelho no lar e na Igreja. Cada um de nós é responsável por nosso próprio crescimento espiritual. E as escrituras deixam claro que os pais têm a responsabilidade primordial de ensinar a doutrina a seus filhos.2 É responsabilidade da Igreja auxiliar cada membro no objetivo divinamente definido de aumentar o conhecimento do evangelho.

    O élder Quentin L. Cook vai agora explicar esses importantes ajustes. Todos os membros do conselho da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos estão unidos para endossar essa mensagem. Reconhecemos com gratidão a inspiração do Senhor que influenciou o desenvolvimento dos planos e procedimentos que o élder Cook vai apresentar.

    Queridos irmãos e irmãs, sei que Deus vive! Jesus é o Cristo! Esta é Sua Igreja, a qual Ele dirige por meio de profecia e revelação a Seus humildes servos. Isso testifico em nome de Jesus Cristo. Amém.