Biblioteca
Viver Felizes para Sempre


Viver Felizes para Sempre


O Salvador Jesus Cristo mostrou-nos o caminho da felicidade e disse-nos tudo o que precisamos fazer para sermos felizes.

As crianças adoram histórias. Quando eu era criança, sentia-me imediatamente atraída por histórias que começassem com “Era uma vez”. Essas histórias geralmente terminavam dizendo: “E viveram felizes para sempre”. Sinto que as crianças não são as únicas em quem essas frases despertam o interesse. Todos temos o grande desejo de que o “Era uma vez” de nossa vida se encha de imensa felicidade e que venhamos a “viver felizes para sempre” como tanto esperamos e sonhamos.

Este é o nosso “Era uma vez”. Estamos passando por uma provação mortal neste período em que estamos aqui na Terra. Na existência pré-mortal, “todos os filhos de Deus jubilavam” (Jó 38:7) ao aceitarmos o grande plano eterno de felicidade. Aguardamos ansiosamente nossa vinda à Terra para termos a oportunidade de crescer espiritualmente. “Os homens existem para que tenham alegria.” (2 Néfi 2:25) Temos agora a oportunidade de alcançar uma felicidade que se estenderá para além desta vida terrena. Mas precisamos, primeiro, saber que felicidade é essa e onde podemos encontrá-la.

No Livro de Mórmon, Leí explicou a seu filho Jacó que a felicidade é fruto da obediência. Ele disse a Jacó que as leis eternas estão associadas tanto a castigos quanto a oportunidades de alcançarmos felicidade. Se desobedecemos às leis de Deus, recebemos os castigos, mas se obedecemos a elas, colhemos a felicidade. (Ver 2 Néfi 2:10.) Parte da felicidade que sentimos se origina na ausência de remorso, culpa e pecado.

O Profeta Joseph Smith ensinou: “A felicidade é o objetivo e o propósito da nossa existência; e também será o fim, caso sigamos o caminho que nos leva até ela; e esse rumo é a virtude, retidão, fidelidade, santidade e obediência a todos os mandamentos de Deus”. (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 249.)

Uma jovem amiga chamada Emily descobriu isso por si mesma. Emily ainda não tinha um testemunho do evangelho e estava se perguntando se permaneceria ativa na Igreja ou procuraria a felicidade em outro lugar. Ao buscar a resposta, começou a notar que as pessoas e famílias mais felizes que ela conhecia eram as que estavam ativas na Igreja. Depois dessa descoberta, ela decidiu que embora não tivesse ainda um testemunho pleno da veracidade do evangelho, ela queria fazer parte de algo que ajudasse tanto as pessoas a serem felizes. A palavra evangelho significa “boas novas”, e como Emily veio a descobrir, as boas novas são que o evangelho pode tornar-nos felizes.

Mas, talvez vocês estejam refletindo que mesmo na Igreja existem pessoas que não são felizes ou que geralmente estão felizes, embora passem por períodos ocasionais de ansiedade, preocupação, provação e desânimo. Isso também faz parte do grande plano de felicidade. A mortalidade é um tempo de provação e teste, o que significa que haverá momentos em que sentiremos dor e sofrimento emocional. No entanto, se confiarmos no plano eterno, podemos sentir felicidade todos os dias e ter esperança de “viver felizes para sempre”.

O Élder Boyd K. Packer explicou:

“ Era esperado que a vida fosse difícil. É normal sofrermos alguma ansiedade, depressão, desapontamentos e até fracassos. Ensinem os membros que se tiverem um dia totalmente lastimável de vez em quando, ou vários em seguida, permaneçam firmes e os enfrentem. As coisas vão melhorar. Este é o grande propósito de nossa luta na vida.” (“ That All May Be Edified”, 1982, p. 94.)

A história de nossa busca da felicidade está escrita de modo que se continuarmos a confiar em Deus e seguir Seus mandamentos em meio aos momentos difíceis, até mesmo essas experiências nos levarão para mais perto da felicidade que buscamos. O Salvador disse:

“ … No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” (João 16:33)

O Salvador Jesus Cristo mostrou-nos o caminho da felicidade e disse-nos tudo o que precisamos fazer para sermos felizes. Ao estudarmos os ensinamentos do Salvador e assim compreendermos o propósito de nossa existência, sentiremos e expressaremos nossa felicidade.

Em Doutrina e Convênios, o Senhor disse que devemos adorá-Lo “com o coração e o semblante alegres”. (D&C 59:15) Podemos encontrar um caminho mais rápido e seguro para “vivermos felizes para sempre” desenvolvendo certos hábitos e atitudes que promovem a felicidade.

Nosso profeta, o Presidente Gordon B. Hinckley, é o próprio exemplo da felicidade. Ele escreveu:

“ Sou um otimista! … Meu pedido é que paremos de procurar as tempestades e desfrutemos mais plenamente a luz do sol. Sugiro que vivamos a vida ‘acentuando o que há de positivo’.” (Standing for Something [2000], p. 101.)

As crianças geralmente dão-nos um bom exemplo de como ter “o coração e o semblante alegres”. Elas têm uma felicidade e um otimismo que fazem com que outras pessoas se alegrem também.

Meu marido e eu levamos nosso neto para almoçar fora em seu aniversário de quatro anos. Depois do almoço, nós o colocamos no assento traseiro do carro e fomos para casa. No assento dianteiro, começamos a conversar sobre a programação do dia, mas ouvimos nosso neto de quatro anos falando consigo mesmo. Ele estava repetindo várias vezes: “Eu sou um menino de sorte; eu sou um menino de sorte”. Ele estava expressando sua alegria para todos os que quisessem ouvir.

Podemos aprender com esses pequeninos como a felicidade pode ser algo simples. Quero compartilhar algumas coisas que ouvi de crianças da Primária que podem nos ensinar o que é a felicidade e onde podemos encontrá-la.

Uma criança comentou: “A felicidade parece um sorriso que você vê nos olhos das pessoas e que faz você saber que elas são realmente felizes”. Essa criança sabe que a felicidade é algo tão simples quanto um sorriso.

Recentemente, parei em uma mercearia para comprar algumas coisas para o jantar. Ao virar a esquina, dei de cara com um senhor idoso. Sorri, contente por não termos trombado um com o outro. Ele sorriu e disse: “Obrigado por seu sorriso. Eu estava precisando”. Eu também precisava do sorriso dele. O sorriso -- ele fará muita diferença para você e para os outros. O que seria da vida se não pudéssemos dar um sorriso nem recebê-lo dos outros?

A felicidade não é apenas simples mas existe para ser sentida todos os dias. A felicidade está em toda parte. Ela pode ser sentida agora mesmo. Algumas crianças disseram: “A felicidade é uma grande palavra cheia de flores em volta”. Outra disse que ela se parece com “um arco-íris. Ela parece o sol”. Precisamos nos lembrar que, a despeito de todas as dificuldades que temos na vida, o momento de sermos felizes é agora.

Há poucos meses, tive a oportunidade de caminhar, certa manhã, por uma trilha na montanha com quatro de meus netos. Levamos uma mochila cada um para apanharmos tesouros da natureza. Ao procurarmos coisas para a nossa coleção, encontramos rochas e folhas de muitas cores, desenhos e texturas diferentes. Foi difícil escolher. Logo percebi que a mochila de cada criança estava ficando cheia. Cada folha que as crianças escolhiam era única, mas como já era final de outono, a maioria das folhas tinha manchas escuras, formas irregulares, ou partes descoloridas ou desbotadas. Por isso, eu relutava em colocá-las em minha mochila. Estava procurando uma folha que tivesse as cores mais brilhantes e não tivesse defeito. Se não fosse perfeita, eu não iria gostar de guardá-la. Mas com isso minha mochila tinha ficado quase vazia.

Mais tarde, ao pensar nessa experiência, dei-me conta de que me recusei a sentir muito da alegria e felicidade que poderia ter sentido. Não dei valor às coisas que encontrava porque estava procurando a perfeição que tinha idealizado. Meus netos tinham sido mais sábios do que eu. Eles tinham saboreado as formas estranhas e as manchas nas folhas. Eles riram e se divertiram com a aspereza das folhas secas. Maravilharam-se com suas cores suaves e desbotadas. Eles encheram a mochila de felizes tesouros que levaram para casa. Podemos deixar de ver e desfrutar a felicidade e a beleza específica de cada dia, se estivermos demasiadamente concentradas em nosso desejo de alcançar o que queremos e não no que o Senhor designou para nós.

A felicidade é conhecer o evangelho de Jesus Cristo. Uma criança disse: “A felicidade parece tranqüila como Jesus e o Pai Celestial”.

Assisti recentemente a uma reunião da Primária e estava segurando uma criança de 14 meses no colo quando ela ergueu o rosto e viu uma gravura do Salvador na parede. Seu rosto iluminou-se quando, com seu jeito de quem está aprendendo a falar, ela disse: “Jesus”. Talvez aquela pequenina compreenda a alegria que é conhecer Jesus.

Conhecer e sentir o puro amor de Cristo é algo que proporciona imensa felicidade à alma. Saber que o perdão de nossos erros é possível. Saber que por meio da Expiação do Salvador, que satisfez às exigências da justiça e nos ofereceu a misericórdia, essa alegria e esperança são possíveis. Ao achegar-nos ao Salvador, livramo-nos da dúvida e da confusão.

O Élder Richard G. Scott disse:

“ Sua alegria na vida depende da confiança no Pai Celestial e em Seu Santo Filho, da convicção de que Seu plano de felicidade pode verdadeiramente trazer-lhes alegria.” (Encontrar Alegria na Vida, A Liahona, julho de 1996, pp. 24­25.)

Por meio do Salvador, podemos encontrar nosso caminho de volta a Deus. Podemos encontrar paz e felicidade nesta vida e alegria eterna no mundo vindouro. Esse pensamento, por si só, já aquece meu coração e me faz sorrir.

Ao compreendermos o grande plano de felicidade, irradiaremos, para que o mundo todo veja, um coração e um semblante alegres. Mostraremos que sabemos que o evangelho de Jesus Cristo é uma fonte simples e sempre presente da verdadeira felicidade, agora e para sempre na eternidade. Viver o evangelho de Jesus Cristo é nossa garantia de que “viveremos felizes para sempre”.

Presto testemunho disso, em nome de Jesus Cristo. Amém.