Escrituras
Neemias 5

Capítulo 5

Muitos judeus estão sob o jugo de outros judeus — Por ordem de Neemias, eles são libertados, suas terras são restituídas, e a prática da usura é abolida.

1 Foi, porém, grande o clamor do povo e de suas mulheres contra os judeus, seus irmãos.

2 Porque havia quem dizia: Com nossos filhos, e nossas filhas, nós somos muitos; pelo que tomemos trigo, para que comamos e vivamos.

3 Também havia quem dizia: As nossas terras, as nossas vinhas, e as nossas casas empenhamos, para tomarmos trigo nesta fome.

4 Também havia quem dizia: atomamos emprestado dinheiro até para o tributo do rei sobre as nossas terras e as nossas vinhas.

5 Agora, pois, a nossa carne é como a carne de nossos irmãos, e nossos filhos como seus filhos; e eis que sujeitamos nossos filhos e nossas filhas para serem servos; e até algumas de nossas filhas são tão sujeitas que não estão no poder de nossas mãos; e outros têm as nossas terras e as nossas vinhas.

6 Ouvindo eu, pois, o seu clamor, e estas palavras, muito me indignei.

7 E considerei comigo mesmo no meu coração; depois pelejei com os nobres e com os magistrados, e disse-lhes: aUsura tomais cada um de seu irmão. E ajuntei contra eles uma grande assembleia.

8 E disse-lhes: Nós, segundo nossas posses, resgatamos os judeus, nossos irmãos, que foram vendidos às nações; e vós outra vez avenderíeis vossos irmãos, ou vender-se-ão a nós? Então se calaram, e não acharam o que responder.

9 Disse mais: Não é bom o que fazeis. Porventura não aandaríeis no temor do nosso Deus, por causa do opróbrio dos gentios, os nossos inimigos?

10 Também eu, meus irmãos e meus servos a juros lhes emprestamos dinheiro e trigo. Deixemos este ganho.

11 Restituí-lhes hoje, vos peço, as suas terras, as suas vinhas, os seus olivais, e as suas casas, como também o acentésimo do dinheiro, do trigo, do mosto, e do azeite, que vós exigis deles.

12 Então disseram: Restituir-lho-emos, e nada exigiremos deles; faremos assim como dizes. Então chamei os sacerdotes, e os fiz jurar que fariam conforme essa palavra.

13 Também o meu regaço sacudi, e disse: Assim sacuda Deus todo homem da sua casa e do seu trabalho que não confirmar esta palavra, e assim seja sacudido e despojado. E toda a congregação disse: Amém! E louvaram ao Senhor; e o povo fez conforme essa palavra.

14 Também desde o dia em que me mandou que eu fosse seu governador na terra de Judá, desde o ano vinte, até o ano trinta e dois do rei Artaxerxes, doze anos, anem eu nem meus irmãos comemos o pão do governador.

15 Mas os primeiros governadores, que foram antes de mim, oprimiram o povo, e tomaram-lhe pão e vinho, e além disso, quarenta siclos de prata, como também os seus moços dominavam sobre o povo; porém eu assim não fiz, por causa do temor de Deus.

16 Como também na obra deste muro fiz reparação, e terra nenhuma compramos, e todos os meus moços ali se ajuntaram à obra.

17 Também dos judeus e dos magistrados, cento e cinquenta homens, e os que vinham a nós, dentre as nações que estão ao redor de nós, se punham à minha mesa.

18 E o que se preparava para cada dia era um boi e seis ovelhas escolhidas; também aves se me preparavam, e de dez em dez dias muitíssimo vinho de todo tipo; e nem por isso exigi o pão do governador, porquanto a servidão deste povo era grande.

19 Lembra-te de mim para bem, ó meu Deus, e de tudo quanto fiz a este povo.